A Cuca Recomenda: O Vilarejo

1. Eu amo terror;
2. Ainda fico perturbada só de pensar no fantástico Dias Perfeitos, de Raphael Montes (leia a resenha);
3. Essa edição de O Vilarejo da Suma de Letras é de babar.

Obviamente eu estava morrendo de ansiedade e expectativa de ler esse livro desde seu lançamento. Quando nos foi oferecida a oportunidade de ler através da Suma de Letras, é claro que surtei. Li assim que chegou, de um dia para o outro. Agora, bateu as expectativas? Não. O Vilarejo é um livro bem escrito, com uma ótima ideia, um formato ousado, uma edição perfeita e a escrita precisa de Raphael Montes, mas me decepcionou em vários sentidos. Saiba tudo nessa resenha.

CAPA-O-vilarejoUm Vilarejo que sumiu do mapa.

O tempo o apagou do mundo, da história, da mente das pessoas. A única prova de que o local existiu é a vida de seus moradores, as histórias que ficaram registradas em um caderno com ilustrações macabras. Explore um lugar perdido no passado e, através de um quebra-cabeça cheio de surpresas, conheça o destino de seus habitantes, há muito esquecidos.”

Depois dessa sinopse de arrepiar e de tocar e cheirar essa edição nada menos que primorosa da Suma de Letras (completamente ilustrada, com detalhes de sangue coloridos em várias páginas, o sonho de qualquer leitor e de qualquer escritor também!) é impossível não apanhar o livro e começar a ler imediatamente, e foi exatamente o que fiz. E ele começa prometendo, com um prólogo misterioso, no qual supostamente o próprio Raphael Montes teria encontrado esse caderno escrito em cimério, cheio de ilustrações sinistras, e, com muita dificuldade, traduzido-o. Instigante, não? Ele nos apresenta as histórias falando de cada demônio que representa um pecado capital – temos 7 contos, cada um deles nomeado por um desses demônios.

Pecados capitais são extensamente utilizados e explorados na literatura e na cultura pop? São. É um tema perigoso, mas se bem tratado pode render ótimas histórias. Rendeu aqui? Sim e não.

vilarejo (3)

Lembrando, o autor recomenda que, se quiser, possa ler o livro em qualquer ordem e não haverá nenhum problema de entendimento. Li na ordem que foi apresentada, para “sentir” a organização dos contos – uma parte muitíssimo importante em uma coletânea. No caso, não foi especificado, mas O Vilarejo talvez se aplique à categoria de um romance fix-up: histórias interligadas entre si, com um ponto em comum, o próprio Vilarejo. Mas em um livro desses, é preciso que o ponto em comum seja algo forte; de fato, que esse “ponto” se destaque. O Vilarejo deveria ser o protagonista aqui, mas não foi. Não senti que ele se sobressaiu, que se tornou “vivo”; não, senti-o como uma ambientação apenas. Pensem em O Iluminado, de Stephen King: o Hotel Overlook é o protagonista, o leitor o sente, vivo, pulsante. O Vilarejo? Apenas um lugar onde acontecem histórias macabras.

vilarejo (2)

Para mim, o que mais me desencantou nesse livro (além do fato acima) foi que Raphael Montes escolheu as saídas mais simples para o universo que criou, desde a grande conclusão do livro – que, para mim, foi extremamente decepcionante (achei mais surpreendente o Posfácio). Mas, mesmo os finais de cada conto, em sua maioria, foram fáceis, às vezes previsíveis. Logo no primeiro conto o autor encontrou uma saída narrativa simples demais, causando um anti-clímax no final do conto. É sinistro, é chocante, é sangrento? É. Mas a saída para contar como é tudo isso foi a mais fácil, o que decepciona. E isso acontece em várias histórias.

Outro ponto é que não dá pra se envolver o suficiente com os personagens. Os contos são rápidos, sim, e isso não é um problema; o problema é a falta de personalidade dos personagens, que não saltam do livro, apenas permanecem lá, passando por aquelas situações aterrorizantes. A grande sacada de um conto é contar uma história de impacto e desenvolver os personagens em pouquíssimas palavras, e na maioria dos contos aqui, esse objetivo não foi atingido. Na verdade, de todos eles, o que mais brilhou – para mim – foi o segundo conto, Leviathan – As irmãs Vália, Velma e Vonda, que fala da inveja. Foi o melhor conto do livro: direto e no ponto, mas ainda com desenvolvimento suficiente dos personagens para que pudéssemos sentir, de fato, a tensão, o medo e, finalmente, o horror.

vilarejo (1)

Ainda assim, a escrita de Raphael Montes está lá: a escolha precisa das palavras, as construções extremamente bem pensadas de frases, as ideias sinistras. Mas, dessa vez, isso não foi o suficiente para assustar ou impressionar; O Vilarejo é um livro bom, mas está distante de ser a melhor obra do autor.

Livro gentilmente cedido para resenha pela Editora Suma de Letras.

suma

Ficha Técnica

Título: O Vilarejo
Autor: Raphael Montes
Editora: Suma de Letras
Páginas: 96
Onde comprar: Livraria Cultura / Livraria Cultura (e-book) Amazon / Livraria da Folha / Livraria da Travessa
Avaliação: 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  


  • Douglas Fernandes disse:

    Realmente o livro está maravilhoso, a capa, os detalhes tudo… mas nem tudo é perfeito ne… :( tinha que ter algo pra desanimar…
    Eu tbm amo terror, e é uma pena o livro ter tantos pontos negativos, mesmo com esses pontos negativos ainda assim fiquei interessado, o livro ta muito lindo… hahahaha

  • Beatriz dos Santos disse:

    Amei a capa, as imagens, a resenha… Enfim tudo.
    Nunca li um livro de terror e me bateu muita vontade de ler, não sei se será esse mas certeza quue me despertou

  • Melissa de Sá disse:

    Caramba, que coisa mais Umberto Eco versão terror! Não estou falando isso de maldade, é só que o Umberto tem essa coisa de achar manuscritos perdidos e lugares impossíveis. Enfim.

    Que pena que o livro decepcionou. É horrível se decepcionar, ainda mais com um escritor bom.

  • Fábrica dos convites disse:

    Minha amiga Camis falou muito bem deste livro, e me deixou curiosa. Como não conheço outra obra dele, pois não li nenhuma, não tenho em que me basear, mas é bom saber uma outra opinião e ter ciência que não é o melhor, ainda sendo bom.
    Bjs, Rose.

  • Nayara disse:

    Eu não sou graaande fã de terror! Acho bem sinistro (o que, é a intenção., mas enfim…) mas esse livro não fiquei nem ao menos curiosa para ler =(
    E é realmente ruim se decepcionar com um livro =/ infelizmente a gente cria uma expectativa muito grande… e às vezes não corresponde =/

    Beijos

  • Fran Ferreira disse:

    Oi Karen.
    Lendo sua resenha, minha conclusão inicial foi de que o autor quis manter os mistérios que ele mesmo não conseguiu desvendar; e o vilarejo para mim pareceu mais o cimeterio que sinceramente é indiferente. A partir do momento que lê-lo poderei conhecer melhor seu pensamento, mesmo assim amei sua resenha, ela é muito fácil de entender.

    Bjsss

  • Suzzy Chiu disse:

    Heiii Karen!
    Nossa, eu ja sou a medrosa em pessoa, nao sou fã de terror.
    Mas amoo Halloween e as festas a fantasias, hehe.
    Não conhecia o Raphael Montes, até ele vir para BH e divulgar seu livro O Vilarejo. Está todo mundo elogiando a obra.
    Acho que vc se decepcionou tb por causa da alta expectativa ne não?
    Não sabia que o livro era ilustrado e me deu mais medo, pq ter as cenas ali me encarando é demais pra mim, hehe.
    Gostei da forma que nos apresentou o livro e explicou que o vilarejo deveria ser o protagonista dos 7 contos, mas que infelizmente se tornou um um lugar onde acontecem histórias de terror. E essa falta de personalidade dos personagens relatada foi interessante o seu ponto de vista, nao tinha pensado dessa forma.
    Beijos.

    https://fuxixiu.wordpress.com/
    https://meumundinhoficticio.blogspot.com.br

  • Maristela G Rezende disse:

    A capa do livro é de linhas simples mas chama a atenção. Já li outras resenhas sobre o livro e agora li a sua e mais uma vez fiquei com muita vontade de ler o livro. Espero faze-lo em breve.

  • Milena Soares disse:

    Apesar dos vários pontos negativos que foi apontado nessa resenha, o livro parece ser bom pra quem curti muito o gênero terror, o que não é o meu caso, mas talvez leia algum dia.

  • Lana Silva disse:

    Apesar de esse livro não ser o meu gênero preferido, e nunca ter lido nenhum livro desse gênero, depois de ler muitas resenhas desse livro, e todo mundo ficar elogiando o livro e a história fiquei bastante curiosa para conhecer e ler o livro.

  • Shadai disse:

    Nossa, 7 contos em só 96 páginas? achava que o livro fosse mais longo, e com isso seria melhor trabalhado (os personagens, principalmente).
    Achei Suicidas muito longo, mas Dias Perfeitos ficou perfeito (com o perdão do trocadilho).
    Eu gosto de contos, e de terror, então, se amiga fã do Montes comprar esse livro dele o lerei.

    Bom, eu não deveria julgar, ainda mais sem ter informações, mas farei: por mais, que a ideia seja muito boa e criativa, ele não ter desenvolvido melhor, ficando aquém de seus trabalhos, parece que não quis demorar muito tempo de sua vida nele, para poder-se dedicar a outros trabalhos.

  • A Cuca Recomenda: Jantar Secreto « Por Essas Páginas disse:

    […] obras. Li todas elas e posso dizer que gostei muito de (quase) todas, exceto, talvez O Vilarejo (resenha aqui), um livro no qual acredito que ele perdeu um pouco da sua essência, procurando fazer apenas um […]

PREENCHA OS CAMPOS ABAIXO PARA DEIXAR SEU COMENTÁRIO




Mensagem