Bloodlines Read-Along – The Golden Lily: Capítulos 21-24

Boa tarde, pessoal! Mais um domingo de post duplo, com o término de The Golden Lily e o início de The Indigo Spell (que será postado mais tarde). Estamos chegando lá, falta somente um mês pro lançamento de The Fiery Heart. Confesso que essa releitura está me deixando ainda mais desesperada pelo quarto volume da série, mas tudo bem. Lembrando que meus comentários estão em roxo e os da Lany em vermelho. Vocês podem acompanhar o calendário de leituras aqui.

golden_lily_read_along

Capítulo 21

Eu adoro o começo desse capítulo, com Sydney vendada e sem ter a menor noção da direção em que o carro está seguindo; em uma cena assim, nada me irrita mais do que ter a personagem principal conseguindo se localizar por causa dos barulhos ou do movimento do carro (a não ser que você seja o Liam Neeson, aí pode). Sydney tenta arrancar informações de Trey sobre os Guerreiros, e ele acaba falando que eles não se encontram regularmente, que pessoas no nível dele esperam ser chamadas, e que isso geralmente acontece quando eles precisam caçar algum vampiro. Sydney tenta convencê-lo de que Sonya não é uma Strigoi, mas sem muito sucesso.

Quando eles finalmente chegam ao local onde os Guerreiros estão, eles tiram a venda dos olhos dela e revistam sua bolsa – e ela. O conteúdo da bolsa de Sydney passa no teste: um potpourri, sua carteira, álcool-gel, uma pulseira de madeira e um par de brincos que ela não se lembrava de algum dia ter visto, mas seu celular fica com Trey. Ela é levada para uma arena, e finalmente fica impressionada com o tamanho do lugar e a organização do grupo, visto que tudo aquilo havia sido montado somente na semana anterior. De um lado da arena havia o público geral, e do outro, apenas três homens em vestes amarelas, e elmos dourados, cheios de pompa e circunstância. Sydney nota que a maioria das pessoas não parece estar armada, mas que aqueles mais próximos dela certamente estão. Trey a apresenta ao conselho dos Guerreiros da Luz, que a cumprimentam cordialmente demonstrando o desejo de que eles possam um dia trabalhar junto aos Alquimistas novamente.

Antes de permitirem que Sydney tente defender Sonya, o conselho resolve demonstrar suas habilidades fazendo com que Trey e seu primo se enfrentem numa luta pela “honra” de matar a Moroi. Sydney questiona a decisão de escolher quem vai matá-la quando ela está ali para tentar impedir que isso aconteça, mas ninguém dá muita atenção pra ela; a impressão que eu tenho é que eles apenas querem mostrar o quanto seus membros são fisicamente competentes. Quando um quarto membro usando as vestes do conselho aparece e faz o sinal contra o mal que os Alquimistas usam, Sydney se dá conta de que os dois grupos realmente já foram unidos um dia, e isso a incomoda muito.

E aí um dos comensais-da-morte-wannabe (Muito obrigada Vania. Agora todas as vezes que eu reler esse capítulo vou me lembrar disso hahaha!) falou algo que mais do que tudo me deixou irritada e fez com que eu quisesse que ele escorregasse numa casca de banana e quebrasse o dente: ele disse que embora as mulheres sejam fortes, apenas os homens podem lutar e caçar vampiros, e que eles fazem isso justamente para proteger crianças e o sexo frágil. UGH, eu odeio esse sistema patriarcal e fico feliz que a Richelle só o tenha colocado em prática no lado negro da força!

Sydney comenta como detesta violência, e o conselho discorda, dizendo que ambos são excelentes lutadores e que isso não é uma surpresa visto que seus pais eram ótimos quando jovens também. E a Sydney percebe novamente a semelhança entre a vida de Trey e a sua,  guiadas pelas convicções de um grupo ao qual pertencem e pela necessidade de que seus pais se sintam orgulhosos deles.

Com a luta prestes a terminar, Sydney percebe que Trey tem uma abertura para atacar seu primo, mas ele não o faz, sendo atingido e perdendo a luta em consequência disso. Eu acho isso muito interessante e isso prova o que a Sydney já sentia: Trey não acredita totalmente no que os Guerreiros diziam. Somente após terem Chris – o primo – declarado vencedor é que eles trazem a Sonya para o meio da arena. Ela está claramente drogada, mas não parece ter sofrido nenhum abuso físico. Ela é levada à um bloco de pedra onde seus braços são presos, e Sydney se dá conta de que ela vai ser decapitada.

Um dos membros do conselho se dirige à platéia, apresentando Sonya como uma Strigoi, e Sydney como a Alquimista que gostaria de falar em nome da criatura das trevas. Sydney sente a raiva emanando em sua direção quando ela procede até o meio da arena, tomando cuidado pra não chegar muito perto de Sonya. Ela começa dizendo que a Sonya não é Strigoi e explica a cura através do espírito. Ninguém dá moral pro que ela diz.

“Sonya’s not one of them. Look at her.” I was gaining courage, my voice growing stronger and clearer in the desert night. “You keep bragging about capturing some terrible monster, but all I see is a drugged, restrained woman. Nice work. Truly a worthy enemy.”

Quando percebe que sua lógica não está chegando aos ouvidos de ninguém, Sydney decide apostar no que Clarence contou sobre os caçadores de vampiros terem ido atrás dele, e menciona que Marcus Finch os alertou sobre seus erros. Para sua surpresa, o chefe do conselho deu um sorriso, e revelou que Marcus Finch havia traído os Alquimistas. Sydney fica perdida, pois havia perguntado à Stanton sobre ele, e sua chefe havia dito que não o conhecia. Então ela se dá conta de que Stanton provavelmente havia mentido pra ela. É então que o conselho diz que mesmo que o que Sydney diz é verdade, eles não podem correr o risco de nenhuma influência Strigoi ter permanecido em Sonya, e por isso ela precisa ser destruída; ele ainda acrescenta que mesmo que ela seja apenas Moroi, não será uma grande perda, que eles também precisam ser eliminados eventualmente. E Sydney compreende a terrível verdade:

We’re the same, I thought. The Alchemists and the Warriors. Years have divided us, but we came from the same place – in both our goals and blind attitudes.

Ao ver Chris partir para cima de Sonya com uma espada na mão e prazer nos olhos, Sydney novamente tem consciência de que esses são os monstros, que os vampiros que ela conhecia que haviam matado muitas vezes – Rose e Dimitri – não se deleitavam ao tirar uma vida. Sydney pensa em se jogar na frente de Sonya, mas o barulho de tiros chega sem aviso. Em meio à comoção, Chris hesita, procurando de onde vinham os tiros, mas é Sydney quem os reconhece imediatamente. É maravilhoso como que a Sydney foi aos poucos mudando de ideia e finalmente ela deixa claro que ela não pode dizer quem são os monstros somente pela raça. 

Eddie e Dimitri estavam na arena. Dimitri e mini-Dimitri chegam para salvar o dia!

Capítulo 22

Logo a Sydney vê que Eddie e Dimitri não estão sozinhos, porque eles não estão com armas: os tiros estão vindo do teto. Só eu que imagino pessoas de preto descendo de cordas do teto? A minha mente sempre vai além nessas cenas hahaha!. Além disso, outros guardiões adentravam a arena e lutavam com os Guerreiros, enquanto Eddie, Dimitri e Angeline tentavam libertar Sonya. Sydney escuta ordens pra que alguém a faça de refém, e imediatamente tira o potpourri da sua bolsa, jogando seu conteúdo à sua volta e falando um encanto em Latim. Gente, a Sydney fazendo mágica conscientemente! Que orgulho da nossa menina, que orgulho!! Sydney, CONTINUE ASSIM! Ou como Adrian diria: Sydney, you’re badass!

Ao fazer quem estava ao seu redor temporariamente incapaz de ver, Sydney consegue escapar para o outro lado da arena, onde ela escuta Eddie a chamando. Infelizmente, há uma legião de Guerreiros à sua volta, tornando impossível que ela chegue até o dhampir. Sabendo que seria difícil conseguir sair dali, mas tendo em vista que Sonya precisava mais da ajuda dos dhampirs do que ela, Sydney insiste que Eddie siga sem ela, e continua em frente, entrando em um dos prédios ao redor.

Provando que é uma garota cheia de recursos, Sydney tira o “álcool-gel” da bolsa e dissolve a maçaneta de uma das portas. Ela passa por vários quartos e finalmente chega ao lado oposto da arena, entrando em um dos quartos, quebrando a janela com uma cadeira e pulando pro lado de fora. Sem ver ninguém, Sydney começa a andar a esmo na esperança de chegar à estrada e pedir carona. Ela está pensando sobre os obstáculos que ainda tem que enfrentar até sair do complexo, quando uma mão toca seu ombro e…

“Easy there, Sage. I’m no gun-toting crazy guy. Crazy, yes. But not the rest.”

Sydney se sente tão aliviada ao vê-lo que quase o abraça. Esse é aquele momento em que você, caro leitor, também fica aliviado porque tem alguém pra ajudar a Sydney. Então você se lembra que o Adrian também está em perigo e toda a calma vai embora! Ele diz que seguiu os outros apesar deles não quererem que ele fosse, e encontrou a Sydney pela sua aura amarela com tons de roxo. Eles continuam andando para a saída do complexo, onde o carro de Adrian está estacionado, mas antes precisam pular uma cerca. Quando eles estão prestes a subir, os Guerreiros os avistam, e Sydney não pensa duas vezes: ela pega a pulseira de madeira de dentro da bolsa e a joga no chão, falando outro encanto em Latim, e deixando todos ao seu redor – inclusive Adrian – desorientados.

“Sage! What the hell did you do to me?”

Ela ajuda Adrian a subir a cerca, mas na hora de descer ele simplesmente cai. Ela o ajuda a se levantar e praticamente o carrega na direção em que o carro estava. Assim que o feitiço passa, é como se Adrian estivesse carregando a Sydney, e eu adoro essa cena toda porque não temos a Sydney salvando o Adrian ou vice-versa: os dois são iguais, os dois se ajudam. Quando o Adrian está ajudando a Sydney por causa do tornozelo dela, ela fala que “I couldn’t stand the thought of being the one responsible for Adrian’s capture”. Espero Richelle que isso não seja um foreshadowingEles são interceptados por mais Guerreiros, mas Dimitri aparece e ordena que eles saiam logo dali, e que dirijam rápido. Adrian gruda no volante e faz o Mustang praticamente voar.

Quando se assegura de que ninguém havia seguido o carro, Sydney quer saber como eles a encontraram, e Adrian admite que Eddie colocou um dispositivo de rastreamento na bolsa dela: os brincos, cedidos pelos Alquimistas. Sydney fica atordoada com a informação de que os vampiros e Alquimistas trabalharam juntos e que ela não foi avisada de nada, mas logo ela percebe algo que a deixa furiosa: eles haviam mentido pra ela. Adrian havia mentido pra ela.

Somehow, his betrayal hurt worse than all the others. I had come to trust him implicitly. How could he do this to me?

Ele diz que queria contar pra ela, mas que ela sabe muito bem como é ficar preso entre as vontades de dois grupos, e a Sydney entende, mas ao mesmo queria que a lealdade dele fosse direcionada somente para ela. Okay, todo mundo pode fazer um awwww agora! AWWW! Alguns guardiões (e Clarence) já estão na casa de Clarence quando eles chegam lá, e a primeira coisa que Sydney percebe é que Eddie e Angeline estão de mãos dadas. Adrian aparece com uma bolsa de gelo para o tornozelo da Sydney – que ela machucou durante a fuga – e Sydney pergunta ao Clarence se Marcus Finch tinha uma tatuagem como a dela, e ele diz que ele tinha uma tatuagem na bochecha, mas não era igual. E é muito fofo que o Adrian já sabe que a Sydney não ia deixar ele curar o tornozelo dela com magia, então por isso ele já pega logo o gelo! 

Dimitri chega e após se certificar de que todos estão ali e estão bem – inclusive Sonya – ele vai se desculpar com Sydney. Dimitri explica que o tempo para preparar tudo havia sido limitado, e quando Sydney diz que Stanton não havia pensado em como ela se sentiria ao não ter informações vitais, Dimitri a contradiz:

“She did think about it,” said Dimitri, looking slightly uncomfortable. “She said you wouldn’t mind because you understand the importance of not questioning your superiors’ decisions and that you know what they do is for the best. She said you’re an exemplary Alchemist.”

Sydney não tem dificuldade em acreditar que Stanton havia dito isso, porque ela nunca questiona nada.

Capítulo 23

Enquanto Sonya se prepara para voltar pra Pennsylvania, Dimitri e os outros guardiões estão à procura de qualquer vestígio que os Guerreiros tenham deixado, mas sem sorte: em 24 horas, eles haviam abandonado Palm Springs. Sydney a leva no aeroporto e se desculpa por não ter cedido mais de seu sangue; Sonya diz que entende, e que Stanton disse que iria considerar a possibilidade. Sydney se pergunta se isso significava que eles deixariam a questão do seu sangue pra lá, e embora ela saiba que devia se sentir aliviada, ela não consegue deixar de se preocupar: 

Why hadn’t the Strigoi been able to drink my blood?

Aproveitando que Sonya também é uma usuária de espírito, Sydney pergunta o que roxo significa em uma aura, que o Adrian viu isso nela mas não quer dizer a denotação. Sonya então diz que não havia percebido o roxo até aquele momento, e se surpreende que Adrian – que não é tão bom na leitura de auras quanto ela – tenha notado.

“It’s a spiritual but passionate color, tied to those who love deeply and also seek a higher calling. It’s interesting in that it has such depth. White and true gold tend to be the colors associated with higher powers and metaphysics, just as red and orange are linked to love and baser instincts. Purple kind of has the best of all those.”

Antes de descer do carro, Sonya parece prestes a dizer alguma coisa (sobre a aura da Sydney? Sobre o Adrian ter notado a aura da Sydney?) (eu voto sobre o Adrian ter notado a aura da Sydney!) mas muda de ideia. Então ela entrega uma encomenda de Clarence: uma foto de Marcus Finch, humano, com uma tatuagem  azulada na bochecha. Ao prestar mais atenção, Sydney percebe umas linhas douradas por baixo do azul: era claro que Marcus Finch havia sido um Alquimista em algum ponto. O problema é que não existiam ex-Alquimistas: eles são tipo os Comensais da Morte, uma vez que você está dentro, é pra vida inteira. Aí fica o mistério: se Marcus Finch deu uma de Regulus Black, quanto tempo levaria até que Vocês-Sabem-Quem o encontrassem? 

Imaginando que os Alquimistas estavam escondendo informações dela, Sydney decide não mencionar a fotografia com eles, até que ela descubra porque está recebendo informações parciais. Ao voltar pra Amberwood, Sydney encontra Jill e a Moroi conta que terminou o namoro com Micah de vez. Ela comenta que talvez, quando toda essa confusão tiver passado, ela e Eddie possam sair, e cabe à Sydney dar a notícia de que Eddie decidiu dar uma chance à Angeline. Jill fica mais atordoada com essa notícia do que com o fim de seu relacionamento, mas logo muda de assunto, tirando uma revista de dentro da mochila: Lia DiStefano havia tirado uma foto de Jill e prometido não publicar, mas ela estava ali na revista. Eu juro que sempre que leio essa parte sinto calafrios… essa linha da história ainda vai render, e eu não gosto nem de pensar em como vai ser! Nós ainda não sabemos quem ligou para a loja das tatuagens (em Bloodlines) perguntando sobre Morois! Juntando com essas fotos da Jill, nós temos todos os motivos do mundo para ficarmos preocupados…

Sydney se surpreende ao encontrar Trey na escola, e ela o confronta sobre ter entregado o jogo pro primo dele, e Trey não nega. Ele conta à Sydney que os Guerreiros baniram ele e o pai, e que isso é culpa da Sydney indiretamente: basicamente Trey foi exilado por ter insistido que eles ouvissem Sydney, afirmando que tudo daria certo. O pior é que ele levou o pai junto, e por causa disso Trey quer fazer tudo que estiver ao seu alcance para voltar às boas graças dos Guerreiros. Só eu que acho que isso ainda vai dar muita confusão? Se o Trey tivesse falado “Okay, nós não fazemos mais parte dos Guerreiros e estamos felizes” eu ficaria calma. Mas agora eu me pergunto: até onde o Trey iria para conseguir voltar ao grupo?

Trey devolve o celular de Sydney, e quando ela o liga vê que tem várias mensagens de Brayden (alguém ainda lembrava dele? A Sydney certamente não) (e vocês acham que eu me lembrava dele? PUFFFT!), e eles combinam de se encontrar logo em seguida. Ele a esperava com o café preferido dela, e ela se sente culpada por ter uma reação mais emotiva ao ver o café do que ao ver o namorado. E então, senhoras e senhores, Brayden dá um pé na bunda bonito na Sydney! Ele diz que ela não está preparada para um relacionamento, que ela é muito volátil. Sydney fica surpresa, e pra garantir, pergunta se ele está mesmo terminando com ela. Brayden diz que sim, porque não pode ficar com uma garota tão irresponsável quanto ela. É aí que a Sydney começa a rir descontroladamente.

“Oh, Brayden. You’ve made my day. You’ve given me something I never thought I’d get. Thank you.”

Sydney reflete que nunca na vida havia sido chamada de irresponsável. E o melhor? Ela gostou disso! Eu AMO essa cena! Eu esperava que a Sydney rompesse o relacionamento dos dois. Mas o Brayden? Ficou ótimo! A Sydney não conseguiu sentir nada porque… Bem, se ela não sentia nada quando ele a beijava, não seria no rompimento dos dois que o mundo acabaria.

Capítulo 24

O último capítulo de The Golden Lily (também conhecido como o capítulo: senta, chora e espera nove meses para The Indigo Spell) começa com Sydney decidindo ir na casa do Adrian. Ele está trabalhando em uma de suas pinturas, e Sydney percebe que é um lírio mas não vê nenhum significado oculto por trás disso (COMO VOCÊ CONSEGUE SYDNEY?). Adrian nota como ela está de bom humor, e ela confessa que o Brayden terminou com ela, e a reação do Adrian é inestimável:

“Oh. Shit. I’m sorry. Are you… I mean, do you need a drink? Do you need to, uh, cry or anything?”

Ai ai, Adrian. Quando ela diz que está bem, ele fala que todo término de relacionamento é diferente, mas ainda assim volta da cozinha com um potinho de gelato de romã, afirmando que ela tinha dito que queria isso há uns dias atrás, e que também havia a aposta deles: Adrian estava sem fumar há quase uma semana, então nada mais justo que a Sydney tomasse um sorvete ao invés de refrigerante regular. Ela aceita, mas diz que quer comer depois, e Adrian fala que desde que ela coma, tudo bem. E aí ele a confronta sobre seu distúrbio alimentar, dizendo que ela é humana e nunca vai ter o corpo da Jill, que é Moroi, que isso é pura biologia, e que ela tem um corpo ótimo, mas:

“You’d look even better if you put on a little weight. Five pounds would be a good start. Hide the ribs. Get a bigger bra size.”

E ele continua, dizendo que não sabe se isso começou com a família dela, com o convívio com Morois ou se é simplesmente da natureza dela, mas que não é saudável e que ele está falando a verdade. A Sydney se sente completamente ofendida, e está pra ir embora quando o Adrian pede pra ela esperar. Ele não se desculpa, mas diz que ela tem o controle da vida dela e pode resolver ignorar o que ele disse, mas que ele precisava dizer. E a Sydney praticamente quebra, porque ele acabou de abrir uma ferida que ela tentava ignorar, e o que mais a incomodou era que ninguém além dele jamais iria dizer essas coisas pra ela. Adrian Ivashkov falando para Sydney o que todos os leitores gostariam de dizer!

Tentando mudar de assunto, Adrian pergunta porque ela foi até lá, e ela diz que queria saber como que ele conseguiu dirigir o Mustang perfeitamente na noite da fuga. Ela afirma que ele dirigiu perfeitamente, e que mesmo que ele tivesse tido aulas com outra pessoa todos os dias, ele não teria dirigido daquela forma. Eu confesso: Eu não percebi isso no capítulo anterior. Eu estava tão preocupada com a fuga que eu nem me liguei que o Adrian estava dirigindo o Mustang perfeitamente! A única explicação plausível seria que ele já sabia como dirigir um carro manual. Adrian tenta negar, mas não consegue e Sydney quer saber porque ele fingiu precisar de aulas. Adrian parece indeciso sobre o que falar, até que ele pergunta se não é óbvio: ele fez isso pra ter um motivo pra ficar perto dela. Isso deixa a Sydney ainda mais confusa, sem entender porque Adrian queria ficar mais perto dela. E Adrian Ivashkov explica, puxando-a para perto de si e a beijando. YES YES YES! *sai correndo pela casa*

I closed my eyes and melted as my whole body was consumed in that kiss. I was nothing. I was everything. Chills ran over my skin, and fire burned inside me. His body pressed closer to mine, and I wrapped my arms around his neck. (…)

But perhaps the best part of all was that, I, Sydney Katherine Sage, guilty of constantly analyzing the world around me, well, I stopped thinking.

Como tudo estava muito bom pra ser verdade, a Sydney logo volta a pensar e se desenrola dos braços do Adrian. Ela começa a dizer que ele nunca pode fazer isso de novo, que é errado, e ele argumenta que isso foi a coisa mais certa que aconteceu com ele nos últimos tempos. Ele fala que humanos e vampiros já se relacionaram no passado, senão não haveriam os dhampirs, e que os Keepers até hoje vivem sem esse tabu. A Sydney ri e diz que se ele quiser viver no mundo civilizado, ele não pode tocá-la novamente. E ela pergunta sobre a Rose, por quem ele está supostamente apaixonado. Ele diz que um dia esteve, mas que não é o rosto dela que ele vê toda noite antes de dormir. Sydney tenta ir embora, mas Adrian bloqueia sua saída, dizendo que ela vai ouvir o que ele tem a dizer.

“For once, you’re going to hear something that doesn’t fit into your neat, compartmentalized world of logic and reason. Because this isn’t reasonable. If you’re terrified, believe me – this scares the hell out of me, too. You asked about Rose? I tried to be a better person for her – but it was to impress her, to get her to want me. But when I’m around you, I want to be better because… well, because it feels right. Because I want to. You make me want to become something greater than myself.”

Eu acho que isso que o Adrian diz define bem os sentimentos dele pela Sydney: ele não quer ser melhor pra ela, ele quer ser melhor por causa dela. Adrian nessa frase conseguiu descrever exatamente um dos motivos de amar a série Bloodlines. O relacionamento dos dois não acontece do nada: ele tem uma base sólida! Adrian continua, dizendo que tentou não pensar nela, mas que nenhuma bebida a apagou de sua mente, que precisou parar de ir nas aulas do Wolfe porque era muito ruim ficar tão perto dela sabendo que pra ela isso não significava o mesmo que significava pra ele. Ele termina dizendo que o namorado dela era um babaca, mas pelo menos era um motivo pra ele ficar longe dela (alguém podia aprender essa lição, não? Digamos, alguém que sabe lutar e usa casaco no deserto, coff coff). 

Sydney diz que ele tem um milhão de motivos pra ficar longe dela, que o lírio dourado significa uma promessa que ela fez e não pode deixar pra trás, mesmo que quisesse – e ela garante que não quer. Adrian dá mais uma dose de verdade pra ela, dizendo que eles a tratam como uma peça que não é permitida pensar por si mesma, e que eles sempre a usam. Sydney rebate dizendo que o sistema não é perfeito, mas que a divisão entre vampiros e humanos é real.

“None of us are meant to be or do anything,” he said. “We decide what we’re going to be. You told me once that there are no victims here, that we all have the power to choose what we want.”

Ela fica brava por ele usar as palavras que ela disse contra ela, mas Adrian não abaixa a cabeça, afirmando que ela pode fazer o que quiser e escolher o que quiser. E aí a Sydney parte pro ataque:

“You’re right.” I slipped away, finding no resistance from him at all. “And I don’t choose you. That’s what you’re missing in all of this.”

Ele se recusa a acreditar, e ela pergunta se é porque ela o beijou de volta. Adrian diz que não, que é porque ninguém a entende como ele. Sydney diz que se isso é verdade, então ele vai entender porque ela está indo embora. E todo mundo grita NÃÃÃOOOO ao perceber que essa é a última página, e que a Sydney está realmente indo embora. Esse é aquele momento em que você agarra o livro e fala “NÃOOO NÃO VAI EMBORA! POR QUE RICHELLE, POR QUEEE??? EU QUERO O PRÓXIMO LIVRO! NÃOOO! COITADO DO ADRIAN!”. Mas é claro que depois do desespero, a gente percebe que era claro que a Sydney iria fazer isso. Ela nem tinha percebido que ele gostava dela! Pior: Sydney não tinha percebido que ela gostava dele. E tem todo o fato de ela ser uma Alquimista e tal. Mas mesmo assim, dói.

In my chest, my own heart was breaking. On my cheek, the lily reminded me of who I was.
I turned from him, and walked away, refusing to look back.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...


  • Rossana Batista disse:

    Mais que cena mais de ação a do salvamento da Sonya! Eu fiquei imaginando tudinho o que acontecia lá… e… eu também pensei em homem de preto descendo por cordas no tento :$ #prontofalei kkk
    Mesmo a Sydney no final indo embora (o que eu não queria) eu até que gostei do final!

  • Vania disse:

    Oi Rossana!
    Eu adoro esse final, mesmo com ela indo embora. Acho que teria ficado falso demais se ela tivesse aceitado tudo numa boa né. Também gosto muito das cenas de ação da Richelle!!

  • Roberta Moraes disse:

    Que luta perigosa a deles ein. A Sydney recebe um beijo e ainda diz que não pode ficar com Adrian #mepoupesydney ! Com um beijo desses eu ficava om ele pra sempre!

  • Vania disse:

    Estou contigo Roberta hahaha #adrianbeijaeu Mas entendo os motivos da Sydney também

  • Jullyane Prado disse:

    Nooossa!!!! Sidney nãaaaaaaaaaao vai embora, #OMG agora eu achoq ue vou pirar de verdade o Adrian se declarou?????????????? Nossa eu simplesmente amei ver a Sidney fazendo magia conscientemente, sem dizer que nossa o Adrian reconhecendo aura dela?!!! Outra coisa que foi MARAVILHOSO foi o idiota do Braiden terminar com ela!! Eu também já quero o próximo livrooooo!!

  • Vania disse:

    O que eu achei mais bacana foi o Brayden terminar com ela por ela ser irresponsável. Acho que não teria segurado o riso também haha. A declaração do Adrian continua sendo uma das minhas cenas preferidas da série inteira!

  • Bloodlines Read-Along « Por Essas Páginas disse:

    […] 29/09 – Capítulos 1-4 05/10 – Capítulos 5-8 06/10 – Capítulos 9-12 12/10 – Capítulos 13-16 13/10 – Capítulos 17-20 19/10 – Capítulos 21-24 […]

  • ELIZABETH MACHADO SALLES disse:

    Nossa quanta emoção nesses últimos capítulos. Porque você o deixou Sidney? O coitado lá a seu dispor e você o deixa? Volta pra ele sua boba. Ansiosa por saber a continuação. Beijocas.

  • REBECCA DE SALLES NEWBOLD disse:

    Aja coração pra tanta agitação nesses últimos capítulos. Salvamento de Sonya e declaração de Adrian. O que será que Sidney irá fazer em relação a Adrian? Ansiosa pra saber mais.

PREENCHA OS CAMPOS ABAIXO PARA DEIXAR SEU COMENTÁRIO




Mensagem