Bloodlines Read-Along – The Golden Lily: Capítulos 9-12

Hoje no nosso Read-Along do segundo livro da série Bloodlines, iremos discutir o capítulo 9  ao 12! Eu sei, eu escrevi demais, mas é que nós chegamos naquele momento em que o livro fica tão, tão, tão bom que nós queremos comentar todos os detalhes!

Lembrando que esse post contém todos os spoilers possíveis da série Bloodlines (e também do final de Vampire Academy, a série anterior) e que vocês podem acompanhar o nosso calendário aqui. Os meus comentários estão em vermelho e os da Vania em roxo!

Capítulo 9

Como Sydney é uma Alquimista (e não uma simples motorista) Nathan, pai de Adrian,  faz questão de que ela almoce com eles. Eles conversam sobre os Alquimistas, sobre a rainha Vasilisa… E então Nathan pergunta para o filho qual o motivo da visita. Adrian responde se ele o tinha notado ali, porque o pai só havia conversando com a Sydney até o momento. A tensão é tão grande que Sydney resolve comentar que o Adrian está na faculdade, fazendo aulas de artes, e que ele tem talento. Nathan não se surpreende e diz que Adrian já fez isso outras vezes, e que não durou muito.

“Different time, different place” I said. “Things can change. People can change”.

Mas Nathan não acredita nisso.

Nathan então pede o almoço para os três, sem pedir a opinião de ninguém. É claro que Adrian rebate dizendo que a Sydney não come nada daquilo, porque tudo tem muita gordura. E começa mais uma discussão entre os dois. Sydney tenta ser política e diz que o almoço vai ser bom, porque ela precisa experimentar coisas novas. Mas Adrian diz para ela não concordar, porque é dessa forma que ele pisa nas pessoas, principalmente nas mulheres, assim como ele fez com a mãe dele. E assim a conversa entra em outro assunto de tensão. Adrian quer saber onde e como a mãe está. Ele acha que ela pode receber cartas, mas Nathan diz que acha melhor eles não terem contato.  Mais uma vez Nathan mostra que ele tem que tomar conta de tudo.

“I know that if the woman I loved was locked away, I’d be doing everything in my power to reach her”.

Essa citação acima me consola e me quebra ao mesmo tempo, porque eu tenho certeza de que é isso que vai acontecer. Eventualmente a Sydney vai ser mandada pra um centro de re-educação, e Adrian vai tentar tirá-la de lá. Como eu disse ontem, talvez eu esteja tão desesperada pelo próximo livro que estou vendo foreshadowing em tudo, mas tem muitas dicas de que é isso realmente que espera a Sydney e eu não consigo nem pensar nisso sem sentir um aperto no peito.

Mas Adrian sabe que Nathan quer manter distância e imaginar que a esposa não existe. Isso porque ela arruinou a reputação da família. E a conversa vai ficando cada mais vez mais tensa. Adrian diz que todo mundo comete erros e que o problema dela foi mau julgamento e que eles não poderiam se afastar dela por causa disso.

E o Nathan joga sujo, dizendo que tudo foi culpa do Adrian por causa da relação dele com a Rose. A mãe havia mentido para tentar fazer com que todos acreditassem que Adrian não estivesse com Rose no momento do assassinato da rainha Tatiana.  Por causa da irresponsabilidade dele, ela estava na prisão. Tudo foi culpa do Adrian.

Esse é aquele momento, caros leitores que você respira fundo. Que você pega algo e taca na parede porque não pode tacar o livro (ou pior ainda o e-reader) na parede.

Adrian fica tão chocado que ele não consegue nem responder. Sydney quase tem certeza de ver as mãos dele tremendo. A comida chega mas o clima continua muito pesado. E então Sydney não consegue ficar quieta. Ela diz que não é justo culpar Adrian por isso, porque ele não sabia das conseqüências. Se ele pudesse parar isso, ou trocar de lugar com ela, ele iria. A resposta do Nathan? Segurem-se na cadeira, porque lá vem um quote, já que eu não tenho nem coragem de traduzir (comentários entre parênteses):

“I can assure you, he has never done anything that didn’t serve his own interests first (aham, porque ele nem salvou a Jill). He has no initiative (não foi ele quem veio com a ideia da faculdade e procurou tudo sobre ela, inclusive como chegar lá pegando dois ônibus?), no ambition (ah claro porque ele nem ajudou a Lissa para conseguir fazer com que ela fosse rainha e agora está ajudando a esconder a princesa), no follow-through. From a very early age, he was constantly breaking rules, never listening to what others had to say if it didn’t suit what he wanted (desculpa, mas se você fosse meu pai, eu também não seguiria as suas regras). I’m not really surprised his college attempts have failed – and I assure you, this one will to (já escutou falar em segundas chances?) – because he barely made it out of high school. It wasn’t even about drinking, the girls and the stunts he pulled… he just didn’t care. He ignores his work. It was only through our influence and checkbook that he managed to graduate. Since then, it’s been a constant downward spiral”.

É interessante que antes do Sr. Ivashkov falar essas merdas, ele parece acreditar que a Sydney se encantou pela lábia do Adrian como muitas mulheres antes dela. E isso me preocupa.

E aí eu te pergunto Nathan Ivashkov: você alguma vez se perguntou e tentou entender TUDO o que o Adrian passa? Você tentou entender o porquê da bebida? Você tentou compreender como é sentir tantas coisas ao mesmo tempo e não conseguir colocar isso para fora? Você sabe como é ficar louco aos poucos?

Não, você não sabe. Porque você e Jared Sage não merecem o título de pais.

E os leitores ficam em choque. Adrian fica em choque. Sydney Sage fica em choque e quer confortar Adrian. E Nathan continua, dizendo que ele não se importa com a bebida, desde que o Adrian desmaie e fique quieto. Ele acha que a mãe do Adrian está bem melhor longe do filho.

Nathan pergunta se o filho só queria isso, e Adrian diz que ele tinha pensado que talvez o pai gostaria de saber como ele estava e saber que ele estava fazendo algo útil. Nathan diz que isso era uma piada, e Adrian finalmente diz que bastava e vai para a porta. Sydney também sai e Nathan diz que vai pagar pela gasolina e o tempo. Mas ela diz que não quer nada, a não ser um pedido de desculpas para o Adrian. E é claro que ele não faz isso.

Eu preciso parar aqui para pedir que vocês saiam de perto da Lany porque eu nunca senti tanta raiva derramando de um texto como desse aqui. E com razão!!! Não existe palavrão forte o suficiente pra descrever Nathan Ivashkov e as atitudes dele com relação ao Adrian. A gente pode imaginar que Adrian não foi um filho fácil de ser criado (afinal, ele conseguia abrir as portas do bar da casa dele aos 12 anos), mas os Ivashkovs também não estão prestes a ganhar o título de pais do ano, e a maneira que Nathan o trata – ainda mais na frente de alguém que ele acabou de conhecer – é deplorável. 

E assim os dois voltam para a estrada.

Eles ficam em silêncio e Sydney gostaria de fazer alguma coisa para diminuir o sofrimento dele. E a chance aparece quando eles passam por um posto de gasolina onde tem uma placa que dizia que eles vendiam slushes. Ela então lembra da piada que ele havia feito sobre uma dieta baseada nessa bebida. Sydney compra um pra cada um.

“What is this? A pity party for me? Because I’m so pathetic?”

“It’s not always about you” I scolded. “I saw the sign and wanted a slush”

Sydney sabia que a bebida de criança não iria desfazer o que o pai dele havia feito, mas ela esperava que ele tivesse alguns momentos de paz. Adrian então percebe que a Sydney tinha bebido algo composto de 99% de açúcar. A Alquimista então mente dizendo que o dela era sugar-free e ele acredita. É bacana notar que a Sydney entende o Adrian assim como ele a entende. Ela sabe que a única maneira dele aceitar a bebida e tirar o encontro com o pai da cabeça por alguns minutos é se ela fingisse que não havia pensado nele, que não estava com pena. E pra conseguir isso, pra proporcionar alguns minutos de paz pra um vampiro, ela vai contra os seus princípios alimentares, que sempre colocou acima de tudo.

Adrian se abre e diz que a pior parte não foi não conseguir o dinheiro e nem o fato de Nathan não acreditar que o filho não fosse conseguir continuar na faculdade. O que o incomodava é que realmente ele tinha arruinado a vida da mãe. Sydney responde que isso é algo que ele tem que discutir com a mãe que nós continuamos amando as pessoas, mesmo com erros. Mas a outra coisa que mais o incomodou foi que Nathan tinha dito tudo isso na frente da Sydney.

“After what he said about me, I can’t stand the thought that you might think less of me”

“Adrian” I laid my hand over his and felt a warm spark of connection. He jerked his head toward me in astonishment. “Nothing he said could change what I think about you. I’ve had my mind made up about you for a long time… and it’s all good”

Todo mundo no coro do AWWW! Bom, ela beija o Brayden e não sente muita coisa e ela segura na mão do Adrian e sente faíscas. Isso quer dizer alguma coisa Sydney? IMAGINA! E o Adrian também fica bastante surpreso com a atitude da Alquimista…

E dizem que em toda situação, por mais triste que seja, sempre tem um lado positivo. Talvez o Adrian tenha encontrado um…

Capítulo 10

Jill parece estar triste, mas é tudo por causa da ligação com o Adrian. Eddie pergunta se não teria uma forma do Adrian ficar um pouco menos triste e Sydney fica com isso na cabeça. Ela então tem uma ideia, mas que não poderia ser feita no mesmo dia.

No dia seguinte, a escola recebe um grupo para falar sobre modos de vida saudáveis. Jill estava sentada com Angeline e alguns amigos que ela tinha feito por causa do Micah. Jill parecia estar bem mais feliz.

A apresentação foi feita com números musicais tão ruins que Sydney resolveu até pegar o dever de matemática. Quando começa uma música sobre bebidas, Sydney tem um clarão: Jill estava “melhor” porque Adrian estava bebendo para afogar as mágoas. No final da apresentação, o grupo que estava se apresentando pegou alguns alunos para dançar com eles. E um deles escolheu a Angeline. Ela fez um sinal negativo mas o garoto continuou e conseguiu fazê-la levantar.

Angeline então deu um soco nele. YEAH ANGELINE!!! A guitarrista correu para ajudar o amigo e falou algo para a Angeline que fez com que ela batesse nela também. Eddie e Sydney estavam muito longe para fazer alguma coisa. Um grupo de professores foram separar a confusão, mas antes ela jogou uma caixa de som no cantor (não acertou) e bateu em um dos professores.

Eles levam a Angeline diretamente para a diretoria e chamam a Sydney para ir junto. E é claro que eles querem expulsá-la. Aconselhada pela Sydney, Angelina diz que ficou em pânico. Sydney, que tinha lido o livro que o RH dava para os professores, sabia que nenhum professor poderia tocar em um aluno. Apesar de a banda não ser empregada pela escola, o grupo foi convidado por ela.

Angelina então sai somente com uma suspensão. Mas é claro que a Sydney diz para ela que ela tem que agir de uma forma responsável inclusive com o Eddie. Somente quando ela diz que o Eddie está triste e Angelina fica chocada é que Sydney percebe que a Angeline não sabia que o que ela estava fazendo era errado. É engraçado ver o paralelo entre Angeline e Sydney: ambas tiveram uma educação não convencional, e de suas maneiras diferentes elas precisam lidar com sua ineptidão social. 

Sydney conta para Dimitri e Sonya sobre o que aconteceu com a Angeline, e então eles vão para o centro da cidade comprar comida e continuar a conversa. Sydney pergunta se eles não vão fazer algum experimento naquele dia, mas Sonya diz que não, porque o Adrian não quer participar e ele nem está indo para as aulas da faculdade.

Sydney então relata parcialmente a visita ao Nathan  e pergunta se eles não podem pedir para a rainha dizer para o pai de Adrian que ele está realmente ajudando nas pesquisas. Então Dimitri diz que acha que consegue, porque a rainha tem um soft spot por ele, assim como todo mundo tem. Ugh Dimitri, vai pro inferno, vai!! A resposta da Sydney?

“No”, I Said stubbornly. “Not everyone. There’s a split. Half condemn him and write him off as useless like his dad. The other half just shrug and indulge him and say, ‘Well, that’s Adrian'”.

Sonya então pergunta sobre ela, e ela responde:

“I don’t think he should be babied or disregarded. If you expect him to do great thinks, he will”

AWWW!

Sonya fica observando a Sydney… Eu queria totalmente saber como que estava a aura da Sydney nesse momento! Sonya desconfia de alguma coisa (mesmo que a Sydney não tenha ainda percebido nada). A Sydney comenta que “era como se ela pudesse ver dentro do meu coração e da minha alma.”

Rose liga para o Dimitri e Sonya e Sydney resolvem dar uma volta, já que a Alquimista queria ir à uma loja de fantasias. Eles só tinham uma fantasia grega, de um pano horrível e era do tamanho GG. E é com uma surpresa que Sydney encontra Lia DiStefano na loja e ela diz que vai fazer uma fantasia boa para ela e para a Jill.

Como Dimitri ainda não havia voltado, elas vão para o restaurante. Elas estão em um beco estreito quando quatro pessoas de preto pulam das árvores. Um deles a encostou na parede enquanto os outros três seguram a Sonya no chão. Um deles estava com uma espada!

 Capítulo 11

Sydney faz a única coisa que consegue: grita. O captor coloca uma mão na boca da Sydney mas então algo estranho acontece: ele congela, como se estivesse surpreso. Uma das pessoas que está com a Sonya fala que eles tem que ir mas a pessoa que está segurando a espada quer “livrar o mundo desse mal”.

E então Dimitri chega para salvar o dia! E foi fácil fácil!

Eles pegam a espada e logo vão para o apartamento do Adrian, que era mais perto. Sydney estava em completo choque com o ocorrido mas ela vê o apartamento de Adrian como uma fonte de segurança, o que eu acho que não tinha muito a ver com o apartamento em si não.  Mesmo assim ela consegue perceber que existiam diversas marcações na espada e que eram antigos símbolos dos Alquimistas. Esses símbolos eram da Idade Média, quando o grupo ainda era só de cientistas que tentavam transformar chumbo em ouro. Os símbolos significavam ouro, prata, terra, ar, água, fogo, Marte, Júpiter, ferro e estanho. Os símbolos também podiam se referir o sol e lua. Mas essa arma não seria de um Alquimista, porque os símbolos eram arcaicos.

Quando Sydney vai ao banheiro limpar o machucado do rosto é que ela se dá conta de toda a situação. Era Sonya que estava com a lâmina no pescoço, mas a vida dela também estava em risco. Ela foi atacada e não conseguiu se defender. Adrian então aparece e pergunta se ela está bem. Sydney pergunta se ele não consegue perceber pela aura dela. Ele então pega o pano e começa a limpar o machucado dela (Sim, vocês podem fazer Awww!). Awwww!

Ele faz a pergunta novamente e Sydney responde que talvez somente o seu orgulho esteja ferido. Ela consegue fazer muitas coisas, mas não consegue lutar. No final, ela tem que esperar que Dimitri ou Rose a salve. Adrian responde jogando uma frase dela mesma de volta, dizendo que alguém havia o dito que não adiantava tentar ser outra pessoa. E ele completa: ele diz que a mesma pessoa o disse para não ser uma vítima. Era para ela tentar aprender, como por exemplo, fazer aulas de auto-defesa ou conseguir uma arma. Ela não poderia ser uma guardiã, mas essa não era a única forma de se proteger. Eu acho essa cena linda porque ela nos mostra a insegurança que a Sydney sente, como ela acredita que tem que fazer tudo perfeitamente, tem que cuidar de tudo e de todos. E é sempre bom ver o lado mais sensível do Adrian.

Na aula da Ms Terwilliger, Sydney ainda está pensando no ataque. E ela começa a perguntar sobre alguns feitiços ofensivos que o livro explica. Ms Terwilliger então diz que ela parecia interessada em aprender o feitiço, mas Sydney logo diz que não.

Logo quando o sinal toca, Trey aparece e Ms Terwilliger , comenta que ele não apareceu na aula. Ele diz que teve algum problema de família para resolver… Huuum…

Sydney recebe uma mensagem do Adrian, perguntando como ela estava. Ela responde que estava melhor e que iria procurar aulas de auto-defesa. Adrian pede para ela falar o que encontrar, porque talvez ele vá fazer aulas também. E ela manda a pergunta que todo mundo gostaria de fazer: Por quê? Ele responde que é uma forma de se afastar da Sonya e do Dimitri e que além disso talvez ela não seja a única que precisa de proteção. Ele também diz que talvez os caçadores de vampiro que Clarence tanto falava sejam verdadeiros. Até aquele momento, Sydney não havia pensado nisso. Ponto para você Adrian! Eu acho engraçado que mesmo depois de todo esse tempo e tudo que eles já passaram juntos, a Sydney ainda se surpreende quando o Adrian pensa em algo antes dela.

Capítulo 12

Sydney então acha um instrutor: Malachi Wolfe.

Quando Sydney sai do restaurante após jantar com Brayden e ela tem que andar até o carro no escuro, ela fica em pânico. Sydney pede para que ele a acompanhe, e ela detesta ter que fazer isso; a natureza independente da Sydney faz com que ela não goste de pedir ajuda pros outros (apesar dela sempre pedir pro Adrian né). Eles ficam um pouco sem graça, mas Brayden cria coragem e a beija (o aperto de mão com o Adrian ainda está ganhando).

Sydney manda um torpedo (mas hein esses dois ficam conversando o dia inteiro) falando sobre as aulas do Wolfe. Adrian diz que vai participar e pede dinheiro emprestado pra Sydney. Eu racho de rir!

Sydney encontra com Jill e elas conversam um pouco sobre o laço de espírito e sobre como Adrian tinha ficado em depressão depois do encontro com o pai.

 “These moods come and go for him. Always have.” Jill got a faraway look in her eyes. “He’s laid off the drinking a little bit – for my sake. But then that just opens him up for… well, it’s hard to explain. You know how spirit drives people insane? When he’s down like this and sober, it makes him more vulnerable”.

Sydney então se lembra de um momento em que o Adrian estava sobre a influencia do espírito: no final de Bloodlines, quando ele comenta sobre os olhos dela. Eu acho que aquele momento lindo interrompido por Sonya e Dimitri (ugh Dimitri!) pode até ter tido um pouco de espírito, mas num geral foi o Adrian mesmo percebendo o quanto essa garota não era comum, que ela poderia se tornar alguém muito, mas muito especial.

Sydney pergunta para Jill o que estava a incomodando. Ela responde que o Micah a beijou pela primeira vez e ela estava surpresa sobre como ela se sentiu. Sydney pergunta se a experiência não tinha sido muito boa e Jill fica sem entender nada. Ela diz que foi maravilhoso ou melhor quase. Ela estava preocupada com as presas… Jill começou a pensar em como toda essa situação com Micah não era uma boa idéia.

E então, dia seguinte… Aulas de auto-defesa!

Logo no carro Sydney percebe algo vermelho na mão do Adrian: tinta! Ou seja, ele tinha voltado a pintar! Sydney comenta que achava que ele tinha parado de ir as aulas, mas ele responde que quase tinha. Mas ele se lembrou que convenceu uma garota que se ela desse uma chance e o colocasse nessas aulas, que ele seguiria todo o curso.

O local onde eles teriam as aulas já era bem estranho. Mas nada foi a maior do que a surpresa quando um homem com uma bermuda tropical, camiseta e um tapa-olho abre a porta. Além disso ele tinha vários cachorros, que pareciam uma mistura de Chihuahua. Eles pagam a inscrição e vão para a garagem esperar as outras pessoas.

A primeira coisa que o Wolfe fala na aula é como Sydney e Adrian não desconfiam quando ele os mandou irem para a garagem. Ele inclusive fala que aquele lugar parecia cena de um filme de serial killer (e o Adrian tinha falado isso logo quando eles chegaram). Eles não observaram o caminho, nem janelas, nem saídas… E essa era a primeira regra da auto-defesa: nunca acreditar em nada.

Wolfe começa a falar sobre alguns movimentos básicos, principalmente como conseguir fugir. Eles então praticam em duplas. O movimento principal da aula era como conseguir escapar se a pessoa o segurasse por trás. Ela e Adrian se revezaram para praticar, lentamente e quase com nenhum contato. Era com os bonecos  que eles realmente treinavam.

Wolfe deu nota alta para eles por terem aprendido a técnica. Isso fez com que Sydney se sentisse um pouco arrogante, e quando Adrian virou de costas para pegar água, ela jogou os braços em volta dele e conseguiu prender o Moroi (Sou só eu que imagino essa cena em câmera lenta, com a Sydney correndo até o Adrian e pulando nele? Não, não é só você Lany. Eu também imagino a Sydney meio que sorrindo ao fazer isso). Wolfe havia os ensinado como sair desse tipo de situação, e ela achava que o Adrian iria conseguir sair antes de encostar nele. Mas não foi isso o que aconteceu. E vamos deixar a linda da Sydney descrever a cena:

“He froze, and for one moment, we stood locked in time. I could feel the silk of his shirt against my skin and the warmth of his body. The lingering scent of the overpriced cologne he wore floated around me. No smoke for a change. I’d always told him the cologne couldn’t be woth what he spent, but suddenly, I reconsidered. It was amazing.

I was so awash in sensory overload that I was caught completely unaware when he did push me away”.

Adrian parece desconfortável e até mesmo chateado (cofcofcof). E ele diz:

“Never thought I’d see the day when you’d throw your arms around a vam- someone like me”

Sydney admite para ela mesma que ela nunca teria feito isso alguns meses atrás e que o tocar agora parecia perfeitamente natural.

E então Wolfe diz:

“You were totally unprepared for her”

This seemed to distress Adrian even more, and I could’ve sworn I heard him mutter, “That’s for damned sure”

Essa frase pode ter vários sentidos. E eu sei que vocês conseguem imaginar no que eu pensei. Será que vocês conseguem imaginar o que eu pensei?

Na volta para casa, Adrian comenta algo sobre a aula de Wolfe. Ele disse que as vítimas normalmente são vigiadas antes do ataque. Os caras que atacaram Sydney e Sonya pensavam que ela era uma Strigoi. E se eles já tivessem a espiando?

Sydney consegue ligar os pontinhos e chama o Adrian de gênio! Ela se lembra de quando as duas encontraram um rapaz na rua que disse que a conhecia de Kentucky.

“Adrian, you’re a genius!”

He flinched in surprise. “Wait. What?”

A conversa passa para quem estaria comandando os ataques e Sydney comenta como no início existiam várias facções de Alquimistas e cada uma queria tratar dos vampiros de uma forma diferente. Um grupo queria erradicar os vampiros, mas eles não obtiveram sucesso e os Alquimistas atuais achavam que eles haviam se dissipado. E as marcas na espada poderiam ser dessa época… Para se manter escondido, esse grupo só poderia estar matando Strigois. Os Strigois não são organizados e era fácil de livrar dos corpos: só colocá-los no sol.

Se o grupo estava realmente atrás de Sonya, então ela estava em grande perigo. Adrian diz que eles tem que avisar o Dimitri. E essa é a primeira vez que ele fala sobre o dhampir sem nenhum rancor.

Quando Sydney volta para o dormitório, ela recebe dois pacotes. Eram os vestidos para o baile que a Lia havia feito! Ela também recebeu um pacote da Ms Terwilliger. No recado estava dizendo que não era dever de casa e que talvez ela não odiasse. Era um livro de feitiços de ataque e defesa. Sydney fica revoltada e quer devolver o livro. Mas a Mrs. Weathers a mandaria esperar até o dia seguinte e então ela colocou o livro de volta no envelope para devolver.

Mas ela começa a se lembrar da aula de Wolfe. E se o Clarence estivesse certo? E se os caçadores de vampiro fossem reais? Ela olha para o envelope e decide não o fechar naquele momento.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...


  • Jullyane Prado disse:

    nossa que fofo a Sidney com o Adrian, simplesmente MARAVILHOSO e nossa tô amando esses dois e odiando o pai do Adrian, que cara chato, ele merece um booooom castigo!! Afss

  • Vania disse:

    Oi Jullyane,

    Eu realmente espero que o Sr. Ivashkov tome uma na cara viu. Ele merece!!

  • Rossana Batista disse:

    Calma Vaniiiiia!!! Seem palavrões, sem palavrõoes kkkk
    Fiquei curiosa com a curiosidade de saberem se existe ou não os caçadores de vampiros!!

  • Vania disse:

    hahaha pois é, eu tive que me conter.

    A história dos caçadores de vampiros ainda é mais desenvolvida nesse livro… embora não seja concluída… hmmmm

    Abraços, e obrigada pelo comentário!

  • Roberta Moraes disse:

    Olha pra isso, a Sydney mentindo sobre a bebida kkk mas até deu pra entender o lado dela. Quero ver o rumo que vai tomar depois do ataque às garotas e o que vai acontecer com a Sonya.

  • Vania disse:

    A gente já começa a ver como a Sydney está mudando né! Eu adoro ver essa transformação!!

    Abraços!!

  • Jessica Lisboa disse:

    ah mais eu vou ter que ler esse livro mesmo, tentar achar o E-book por aqui.

    xx

  • ELIZABETH MACHADO SALLES disse:

    Nossa quanta tensão entre Adrian e o pai. Coitada da Sidney, tendo que apaziguar os ânimos. Que almoço pesado, hein? Adorando até aqui. Beijos.

  • REBECCA DE SALLES NEWBOLD disse:

    Que clima é esse entre pai e filho? Quanta tensão. E a Sidney segurando a barra. Coitada.

PREENCHA OS CAMPOS ABAIXO PARA DEIXAR SEU COMENTÁRIO




Mensagem