Arquivo para a categoria ‘ Aventura ’


Resenha + Sorteio: O Regresso

Olá gafanhotos (ou ursinhos?), finalmente o PEP está aqui com a resenha do comentadíssimo O Regresso! Infelizmente o urso não levou o oscar, mas você pode se  consolar lendo a nossa resenha. Será que o urso merecia?

O_REGRESSO_1452889207542171SK1452889207BEm 1823, os caçadores da Companhia de Peles Montanhas Rochosas desbravavam as terras inexploradas dos Estados Unidos, enfrentando diariamente o clima implacável, as feras selvagens e a ameaça constante de confronto com os índios, que defendiam suas terras da invasão dos homens brancos.
Em uma das missões da companhia, Hugh Glass, um dos melhores e mais experientes caçadores do grupo, fica frente a frente com um urso-cinzento, é atacado e termina gravemente ferido, claramente sem chances de sobreviver. Os homens que deveriam esperar sua morte e lhe oferecer um funeral apropriado o abandonam, levando consigo as armas e os suprimentos. Entre delírios, Glass os observa fugindo e é tomado por um único desejo: vingança. Uma determinação cega que o torna capaz de atravessar quase cinco mil quilômetros de terras intocadas e selvagens, fugindo de predadores, sobrevivendo à fome e à agonia dos ferimentos mais terríveis, a fim de concluir seu objetivo.
Inspirado em fatos reais e escrito em uma prosa arrebatadora, O Regresso é uma notável história de obsessão, um romance sobre um homem cuja vida foi ao mesmo tempo salva e condenada pela sede de vingança. Fonte: Skoob.

Continue lendo…




Resenha: Vango – Entre o Céu e a Terra

Olá saltitantes gafanhotos! Com muitas cambalhotas e perseguições constantes Vango, chama a atenção pela capa linda e pela sinopse recheada de muita ação e aventura #sessãodatarde. São tantas acrobacias e piruetas que o livro até te deixa com vontade de sair pulando por aí. Ou será que não?

VANGO__ENTRE_O_CEU_E_A_TERRA_1423509028435339SK1423509028BSalvar a pele e, ao mesmo tempo, descobrir a própria identidade. Este é o grande desafio de Vango, o jovem herói do novo romance do escritor francês ‘Timothée de Fombelle’. Ao ler esse thriller histórico, ambientado no conturbado período entre as duas grandes guerras mundiais, somos impelidos a fugir com Vango pelos cinco continentes, num clima de absoluto perigo e suspense. Este rapaz órfão de 19 anos desconhece sua origem assim como desconhece a motivação do franco atirador que, além da polícia, está em seu encalço. Deparamo-nos com Vango na solenidade em que ele e outros seminaristas seriam ordenados padres na suntuosa catedral de Notre-Dame, em Paris. O assassinato do padre Jean, seu protetor, desencadeia a perseguição ao rapaz, que empreende uma fuga espetacular ao escalar nada menos do que os famosos vitrais da catedral. Essa cena é apenas um exemplo do clima de perseguição e aventura de que é feita toda a narrativa, quando acompanharemos nosso protagonista em situações e lugares improváveis – como um intruso escondido num caça da SS, galopando nas Terras Altas da Escócia, dependurado num vulcão italiano ou sobrevoando o Brasil e vários outros lugares num zepelim. O fracasso em não ter sido ordenado padre deixa nosso herói arrasado, mas a jovem Ethel fica bem feliz. É ela quem vai ajudar Vango a provar sua inocência e descobrir sua identidade. Também fazem parte da saga outros personagens marcados por vidas cheias de segredos, como Mademoiselle, a Senhora Poliglota e sem memória com quem Vango é salvo do naufrágio na costa da Sicília aos três anos de idade e Hugo Eckner, personagem verídico, comandante alemão do Graf Zepelin, esse grande dirigível que fascinou o mundo nas primeiras décadas do século XX. Outras personalidades incorporadas à história são Joseph Stalin, sua filha Svetlana e Adolf Hitler.

Continue lendo…




Resenha: Doctor Who – O prisioneiro dos Daleks

Andava doida para ler esse livro, portanto, no meu aniversário, encontrei-o com desconto na Saraiva e pensei “é agora, mereço um presente!”. Li tudo de uma vez, num dia só; Doctor Who – O prisioneiro dos Daleks não é apenas um livro divertido com o melhor Doutor de todos (#LoveTennant), é também um livro bem escrito, com uma trama inteligente de ficção científica e um drama com um protagonista solitário e atormentado.

prisioneiro-dos-daleks-doctor-who-suma-de-letras“O Império Dalek não para de se expandir, e batalhas eclodem em vários sistemas solares. Quando o futuro da galáxia está em jogo, o Doutor se vê a bordo de uma nave próxima à linha de frente, junto a um implacável grupo de caçadores de recompensas.
O Comando da Terra paga a eles por cada Dalek morto, por cada olho entregue como prova. Mas, com a ajuda do Doutor, os caçadores conseguem algo de valor inestimável: um Dalek inteiro, vivo, com os sistemas desarmados e pronto para ser interrogado. No entanto, com os Daleks nada é o que parece e ninguém está a salvo. Quando o jogo virar, como o Doutor sobreviverá ao se tornar prisioneiro de seu maior inimigo?
Uma aventura inédita do Décimo Doutor, interpretado na tevê por David Tennant.” Fonte

Allons-y!




Resenha: A Espada do Verão

Quando a Intrínseca disponibilizou esse livro, eu logo fiquei interessada. Como a Lany é quem geralmente faz as resenhas do tio Rick, eu pedi licença para fazer essa, mesmo sem ter terminado a série Heróis do Olimpo. rs

Pois é, vamos ao que interessa!

A_ESPADA_DO_VERAOA vida de Magnus Chase nunca foi fácil. Desde a morte da mãe em um acidente misterioso, ele tem vivido nas ruas de Boston, lutando para sobreviver e ficar fora das vistas de policiais e assistentes sociais. Até que um dia ele reencontra tio Randolph – um homem que ele mal conhece e de quem a mãe o mandara manter distância. Randolph é perigoso, mas revela um segredo improvável: Magnus é filho de um deus nórdico.

As lendas vikings são reais. Os deuses de Asgard estão se preparando para a guerra. Trolls, gigantes e outros monstros horripilantes estão se unindo para o Ragnarök, o Juízo Final. Para impedir o fim do mundo Magnus deve ir em uma importante jornada até encontrar uma poderosa arma perdida há mais de mil anos. A espada do verão é o primeiro livro de Magnus Chase e os deuses de Asgard, a nova trilogia de Rick Riordan, agora sobre mitologia nórdica. Fonte

Continue lendo…




Resenha: Doctor Who – Mortalha da Lamentação

E olha nós aqui outra vez com resenha de Doctor Who! Nessa edição da Suma de Letras de Doctor Who – Mortalha da Lamentação, encontramos o 11th Doutor de Matt Smith em uma aventura com Clara Oswald nos Estados Unidos, logo após a morte do Presidente Kennedy. Não é meu Doutor preferido, de longe, mas é Doctor Who, então resolvi ler. O livro mistura aventura, drama e humor, tudo no estilo Who de ser. Mas será que a leitura vale a pena?

doctormortalha“Humor, drama e aventura dignos de adaptação para a tevê!
Doctor Who é a série de ficção científica mais antiga no ar e uma das mais cultuadas no mundo. Veiculada no Brasil pela TV Cultura e a BBC HD, série britânica de TV completou 50 anos em novembro de 2013 com grande repercussão, sendo o programa do gênero transmitido há mais tempo e para mais países no mundo.

Em Doctor Who – Mortalha da lamentação, é o dia seguinte ao assassinato de John F. Kennedy — e o rosto de pessoas mortas começa a aparecer por toda parte. O guarda Reg Cranfield vê o pai na névoa densa ao longo da estrada Totter Lane. A repórter Mae Callon vê a avó em uma mancha de café na mesa de trabalho. O agente especial do FBI Warren Skeet se depara com seu parceiro falecido há muitos anos olhando para ele através das gotas de chuva no vidro da janela.

Então os rostos começam a falar e gritar. São as Mortalhas, que se alimentam da tristeza alheia, atacando a Terra. Será que o Doutor conseguirá superar o próprio luto para salvar a humanidade?” Fonte

Corra!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...