Arquivo para a categoria ‘ David Levithan ’


Resenha: Todo Dia

Quando descobri Todo Dia tive uma única e absoluta certeza: preciso ler esse livro. Tudo nele cheirava a criatividade, transbordava ousadia e sensibilidade. O único livro que li do David Levithan foi Will & Will – Um nome, um destino, em parceria com o John Green. Agora seria uma experiência única, apenas do autor. Assim que o recebi, gentilmente cedido pela Galera Record, comecei a lê-lo. E, assim como A, vivi muitas vidas e tive várias sensações. Algumas em conflito, outras não. Todo Dia é um livro para ser sentido e vivido, muito mais do que lido. Esse é um livro para mergulhar de corpo e alma e, por alguns dias, trocar de corpo e viver outras vidas dentro de uma só.

“Neste novo romance, David Levithan leva a criatividade a outro patamar. Seu protagonista, A, acorda todo dia em um corpo diferente. Não importa o lugar, o gênero ou a personalidade, A precisa se adaptar ao novo corpo, mesmo que só por um dia. Depois de 16 anos vivendo assim, A já aprendeu a seguir as próprias regras: nunca interferir, nem se envolver. Até que uma manhã acorda no corpo de Justin e conhece sua namorada, Rhiannon. A partir desse momento, todas as suas prioridades mudam, e, conforme se envolvem mais, lutando para se reencontrar a cada 24 horas, A e Rhiannon precisam questionar tudo em nome do amor.” Fonte

Quando você quer viver segundo a própria realidade, deve escolher passar pelo inicialmente doloroso porém finalmente reconfortante processo de descoberta.




Resenha: Will & Will – Um nome, um destino

Olá, pessoal! Nós já temos uma resenha super apaixonada da Vânia de Will Grayson, Will Grayson aqui no blog, na versão em inglês, e depois de ler essa resenha há muito tempo, eu já vinha com aquela vontade enorme de ler o livro. Com lançamento no Brasil, a Editora Record gentilmente nos cedeu um exemplar, apesar de não sermos parceiros do selo da Galera Record, portanto foi a oportunidade de ouro para que eu também me deliciasse com essa história. É claro que depois de ler a resenha da Vânia minhas expectativas estavam altíssimas, porém, dessa vez, elas só conseguiram ser superadas, o que é lindo e muito, muito amor, gente. Então esperem outra resenha babando o ovo do livro, mas também com algumas outras opiniões e mais sobre essa ótima edição brasileira da Galera.

Em uma noite fria, numa improvável esquina de Chicago, Will Grayson encontra… Will Grayson. Os dois adolescentes dividem o mesmo nome. E, aparentemente, apenas isso os une. Mas mesmo circulando em ambientes completamente diferentes, os dois estão prestes a embarcar em um aventura de épicas proporções. O mais fabuloso musical a jamais ser apresentado nos palcos politicamente corretos do ensino médio. Fonte

Do querido John Green, eu já li Quem é você, Alasca? (Looking for Alaska) – a minha primeira leitura do autor, presente também da Vânia, que foi quem começou todo o nosso amor pelo John Green aqui no blog. Também li A Culpa é das Estrelas (The Fault in Our Stars) – meu queridinho – e desenvolvi uma paixão arrebatadora pelo livro e pelo autor desde então. Já do David Levithan eu ainda não tinha lido nada e agora estou doida para conhecer outras obras do autor.

Simplesmente diga a verdade. Por dez minutos. E então podemos voltar a ser idiotas.




Resenha: Dash & Lily’s Book of Dares

Imagine: Você está na sua livraria preferida, na prateleira dedicado ao seu autor preferido  (ninguém mais ninguém menos que F. Scott Fitzgerald) quando se depara com um caderninho vermelho olhando pra você, pedindo para ser aberto. É isso que acontece com Dash, que cede aos impulsos de sua curiosidade, abre o caderno e encontra o seguinte:

“Eu deixei algumas pistas para você.
Se você as quiser, vire a página.
Se não, coloque o caderno de volta na prateleira, por favor.”

Dash obviamente aceita o desafio, e assim começa sua correspondência com Lily. A história se passa na cidade de Nova York às vésperas do Natal – época idolatrada por Lily e detestada por Dash. Seus desafios os levam à diversos cantos da Big Apple, onde a cada nova leitura do caderno eles sentem que se conhecem – e se entendem – cada vez mais.

“You bookish little pervert”




Resenha: Will Grayson, Will Grayson

Depois de me deliciar com Quem é Você, Alasca? (leia a resenha aqui), essa semana resolvi ler meu segundo livro do maravilhoso John Green. Will Grayson, Will Grayson foi escrito por Green e David Levithan e lançado em Abril de 2010 nos Estados Unidos.

Em uma noite fria, no lugar mais improvável de Chicago, dois adolescentes – ambos chamados Will Grayson – estão prestes a se encontrar. À medida que seus mundos se chocam e se entrelaçam, os Will Graysons vêem suas vidas indo em direções novas e inesperadas, levando à encontros românticos e à produção épica do musical adolescente mais fabuloso do mundo. [Fonte]

Após terminar de ler Will Grayson, Will Grayson eu não sabia se ria, chorava ou se subia na mesa e começava a cantar alguma música de Wicked ou Grease. Porque foi assim que me senti durante toda a leitura desse livro. Os Will Graysons dessa história não têm muita coisa em comum: eles dividem o nome e a tentativa de saber quem eles realmente são, e não é isso que ser adolescente significa? Tentar descobrir-se, entender o mundo, entender a si mesmo?

Being friends, that’s just something you are.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...