Arquivo para a categoria ‘ Ed. Seguinte ’


Resenha: Fique onde está e então corra

John Boyne se tornou um dos meus autores favoritos (ainda vou fazer um Meu Autor de Cabeceira dele, logo, logo) desde que li O Ladrão do Tempo. Desde então, sempre que a Companhia das Letras ou a Seguinte lançam algo dele… eu já fico doida. A Lany que o diga: há várias conversas no Facebook onde eu digo “JohnBoyneJohnBoyneJohnBoyne”. Enfim, foi por isso que quis ler Fique onde está e então corra, último lançamento dele pela Seguinte. E, maravilhoso que é, Boyne não me decepcionou: sensível, emocionante, inspirador, honesto, fiel. Eu poderia dar um milhão de adjetivos para esse livro. Senta que lá vem resenha apaixonada mais uma vez.

“Em meio às tragédias da Primeira Guerra Mundial, o amor é a única arma de um garoto para curar seu pai. Alfie Summerfield nunca se esqueceu de seu aniversário de cinco anos. Quase nenhum amigo dele pôde ir à festa, e os adultos pareciam preocupados — enquanto alguns tentavam se convencer de que tudo estaria resolvido antes do Natal, sua avó não parava de repetir que eles estavam todos perdidos. Alfie ainda não entendia direito o que estava acontecendo, mas a Primeira Guerra Mundial tinha acabado de começar. Seu pai logo se alistou para o combate, e depois de quatro longos anos Alfie já não recebia mais notícias de seu paradeiro. Até que um dia o garoto descobre uma pista indicando que talvez o pai estivesse mais perto do que ele imaginava. Determinado, Alfie mobilizará todas suas forças para trazê-lo de volta para casa.” Fonte

Pela melhor razão do mundo – ele explicou. – Por amor.




Resenha: O Histórico Infame de Frankie Landau-Banks

O_HISTORICO_INFAME_DE_FRANKIE_LANDAUBANSinopse: Aos catorze anos, Frankie Landau-Banks era uma garota comum, um pouco nerd, que frequentava a Alabaster, uma escola tradicional e altamente competitiva. Mas tudo muda durante as férias. Na volta às aulas para o segundo ano, o corpo de Frankie havia se desenvolvido, e ela havia adquirido muito mais atitude. Logo ela chama a atenção de Matthew Livingston, o cara mais popular do colégio, que se torna seu novo namorado e a apresenta ao seu círculo de amigos do último ano. Então Frankie descobre que Matthew faz parte de uma lendária sociedade secreta – a Leal Ordem dos Bassês -, que organiza traquinagens pela escola e não permite que garotas se juntem ao grupo. Mas Frankie não aceitará um “não” como resposta. Esperta, inteligente e calculista, ela dará um jeito de manipular a Leal Ordem e levantará questionamentos sobre gênero e poder, indivíduos e instituições. E ainda tentará descobrir se é possível se apaixonar sem perder a si mesma.  Fonte

Eu tinha muita expectativa quando adquiri esse livro, apesar de estar lendo bem depois de tê-lo adquirido. Sinceramente, eu achei a história muito dinâmica e inteligente. Mas, infelizmente para mim, faltou alguma coisa ali.

Que tipo de estímulos a levam a fazer escolhas que farão com que outras pessoas a odeiem depois?




Resenha: Aristóteles e Dante Descobrem os Segredos do Universo

A primeira coisa que pensei ao me deparar com Aristóteles e Dante Descobrem os Segredos do Universo foi: que título curioso (e comprido!). Porém, eu não tinha nenhuma expectativa sobre ele, nenhuma mesmo, apesar de ter visto aqui e acolá algumas pessoas comentando superbem dele. Peguei-o para ler e… bem, eu o li em 5 horas. Sim, de uma vez só. Não, não consegui parar. Extremamente doce, sensível, criativo, com personagens incrivelmente cativantes, esse livro me conquistou. Vamos desvendar os segredos do universo junto a Ari e Dante?

“Dante sabe nadar. Ari não. Dante é articulado e confiante. Ari tem dificuldade com as palavras e duvida de si mesmo. Dante é apaixonado por poesia e arte. Ari se perde em pensamentos sobre seu irmão mais velho, que está na prisão. Um garoto como Dante, com um jeito tão único de ver o mundo, deveria ser a última pessoa capaz de romper as barreiras que Ari construiu em volta de si. Mas quando os dois se conhecem, logo surge uma forte ligação. Eles compartilham livros, pensamentos, sonhos, risadas – e começam a redefinir seus próprios mundos. Assim, descobrem que o amor e a amizade talvez sejam a chave para desvendar os segredos do Universo.” Fonte

Mas, Ari, não preciso entender sempre as pessoas que amo.




Resenha: A Escolha

A escolha“Estava cansada da competição. Precisava terminar de vez com Aspen. Lutaria por Maxon.

Quando foi sorteada para participar da Seleção, America não imaginava que chegaria tão perto da coroa – nem do coração do príncipe Maxon. Com o fim do concurso cada vez mais próximo, e as ameaças rebeldes ao palácio ainda mais devastadoras, ela se dá conta de tudo o que está em risco e do quanto precisará lutar para alcançar o futuro que deseja. America já fez sua escolha, mas ainda há muitas outras em jogo… Aspen, seu antigo namorado, terá de encarar um futuro longe dela. E Maxon precisa ter certeza dos sentimentos da garota antes de tomar a grande decisão, ou acabará escolhendo outra concorrente.”

Essa com certeza foi uma das resenhas mais difíceis que eu já fiz até hoje. Primeiro, porque a principal pergunta do livro é muito simples: “Com quem a America vai ficar?”. Com isso, eu fico com medo de dar qualquer tipo de spoiler aqui – e por isso eu tomei o dobro de cuidado na hora de escrever esse texto. Só para deixar bem claro, eu gosto do Maxon e do Aspen e, portanto desde que a Kiera me convencesse, eu ficaria feliz com qualquer um dos dois. Em segundo lugar, eu precisaria contar o que acontece no livro para poder explicar as minhas opiniões… Mas, eu não posso, então talvez quem leu o livro vai entender melhor o que eu estou querendo dizer.

Aviso: Essa resenha contém spoilers de A Seleção e A Elite

Quem leu a minha resenha de A Elite, deve se lembrar de todas as minhas reclamações sobre a America. Em A Escolha, Kiera Cass conseguiu me lembrar dos motivos de eu ter gostado tanto da protagonista em A Seleção. Apesar de ainda ter algumas dúvidas entre Maxon e Aspen, America não se foca nisso. Mesmo com o fim do concurso para escolher a esposa de Maxon cada vez mais próximo, os ataques dos rebeldes estão tão frequentes que ela tem outras preocupações. E a America é sensacional na arte de quebrar todas as regras e irritar o rei. Ela não tem medo, ela bate de frente, ela não consegue ir contra os seus princípios. Eu tive vontade de aplaudi-la em vários momentos, porque sério, ela poderia liberar qualquer rebelião em qualquer distopia.

Continue lendo…




Resenha: Tormento

Desde a leitura de O Ladrão do Tempo, eu me apaixonei pela escrita de John Boyne. Existem autores pelos quais nos apaixonamos à primeira vista (ou leitura) e esse é um deles para mim. Por isso, pedi – com olhinhos do Gato de Botas! – para a Lany conseguir um exemplar de Tormento, que foi lançado em janeiro pela Editora Seguinte. Ela conseguiu porque a editora é uma querida e eu li o livro em… uma hora! Louco, não? Li antes de dormir, em uma horinha apenas. Nessa obra curtíssima, John Boyne mostra um episódio triste e atordoante de uma família. Tudo pode mudar – algumas vezes, para sempre – quando menos se espera. E o autor não poderia ter mais razão em sua frase.

“Danny Delaney curtia tranquilamente as férias, até que sua mãe volta pra casa tarde da noite, escoltada por dois policiais. Ele logo percebe que algo terrível aconteceu. A sra. Delaney havia atropelado um garotinho, que agora está em coma e ninguém sabe se vai acordar. Consumida pela culpa, ela se isola de todos ao seu redor. Caberá a Danny e seu pai impedir que a família se despedace.” Fonte

Tormento é um livro tão curtinho, tão rápido, que acho que nem é livro – é  conto, ou no máximo noveleta. Mas sua trama é tão interessante que merece vir em um livro só dele.

O guarda-roupa ficou quase vazio. Os cabides pareciam esqueletos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...