Arquivo para a categoria ‘ Ed. Companhia das Letras ’


Resenha: O Cisne e o Chacal

A série Na Companhia de Assassinos foge um pouco da minha zona de conforto literária, é verdade, mas os dois primeiros livros (A Morte de Sarai O Retorno de Izabel) foram leituras empolgantes, que possuíam romance e sensualidade na dose certa e muito suspense e ação, o que realmente me interessava. A combinação era ótima e eu esperava que J. A. Redmerski continuasse mantendo a receita que parecia funcionar tão bem. Na verdade fiquei bem feliz quando li o aviso da autora no início de O Cisne e o Chacal, no qual ela diz que se você quer ler um romance, leia outro dos seus livros (como Entre o Agora e o Nunca), porque essa série não é sobre romance. “Oba!”, é o que eu penso. O aviso, porém, cabe direitinho quando o assunto são os dois primeiros livros. Quanto a esse, bem, ele é um romance sim, e infelizmente não é um romance bom.

o-cisne-e-o-chacal“Fredrik Gustavsson nunca considerou a possibilidade de se apaixonar certamente nenhuma mulher entenderia seu estilo de vida sombrio e sangrento. Até que encontra Seraphina, uma mulher tão perversa e sedenta de sangue quanto ele. Eles passam dois anos juntos, em uma relação obscura e cheia de luxúria. Então Seraphina desaparece. Seis anos depois, Fredrik ainda tenta descobrir onde está a mulher que virou seu mundo de cabeça para baixo. Quando está próximo de descobrir seu paradeiro, ele conhece Cassia, a única pessoa capaz de lhe dar a informação que tanto deseja. Mas Cassia está ferida após escapar de um incêndio, e não se lembra de nada. Fredrik não tem escolha a não ser manter a mulher por perto, porém, depois de um ano convivendo com seu jeito delicado e piedoso, ele se descobre em uma batalha interna entre o que sente por Seraphina e o que sente por Cassia. Porque ele sabe que, para manter o amor de uma, a outra deve morrer.” Fonte

Então você não é quem eu pensava que fosse.




Outras Páginas: Persépolis

PersépolisMarjane Satrapi tinha apenas dez anos quando se viu obrigada a usar o véu islâmico, numa sala de aula só de meninas. Nascida numa família moderna e politizada, em 1979 ela assistiu ao início da revolução que lançou o Irã nas trevas do regime xiita – apenas mais um capítulo nos muitos séculos de opressão do povo persa.
Vinte e cinco anos depois, com os olhos da menina que foi e a consciência política à flor da pele da adulta em que se transformou, Marjane emocionou leitores de todo o mundo com essa autobiografia em quadrinhos, que só na França vendeu mais de 400 mil exemplares.
Em Persépolis, o pop encontra o épico, o oriente toca o ocidente, o humor se infiltra no drama – e o Irã parece muito mais próximo do que poderíamos suspeitar. Fonte

Continue lendo…




Resenha: Espada de Vidro

Ano passado resenhei A Rainha Vermelha, que foi um livro que gostei muito, com tramas e traições que caíram bem na história.

ESPADA_DE_VIDROSe sou uma espada, sou uma espada de vidro, e já me sinto prestes a estilhaçar.
O sangue de Mare Barrow é vermelho, da mesma cor da população comum, mas sua habilidade de controlar a eletricidade a torna tão poderosa quanto os membros da elite de sangue prateado. Depois que essa revelação foi feita em rede nacional, Mare se transformou numa arma perigosa que a corte real quer esconder e controlar.
Quando finalmente consegue escapar do palácio e do príncipe Maven, Mare descobre algo surpreendente: ela não era a única vermelha com poderes. Agora, enquanto foge do vingativo Maven, a garota elétrica tenta encontrar e recrutar outros sanguenovos como ela, para formar um exército contra a nobreza opressora. Essa é uma jornada perigosa, e Mare precisará tomar cuidado para não se tornar exatamente o tipo de monstro que ela está tentando deter. Fonte

Para quem não se lembra:

A história conta como pessoas que tem sangue vermelho são governadas (=escravizadas) por aqueles cujo sangue é prateado e esse mesmo sangue lhes dá poderes inimagináveis. Até então, os vermelhos eram indefesos. Até que Mare Bare descobre que, mesmo sendo vermelha de nascimento, possui poderes de um prateado. Tendo sido descoberta pela Corte, ela é obrigada a fingir ter sangue prateado para garantir que a ira do rei não recaia sobre sua família. Na corte, porém, ela começa a participar de um plano rebelde com a ajuda do príncipe Maven, porém o coração de Mare pode ser seu principal inimigo, quando ela tem olhos para o príncipe Cal.

Essa resenha contém SPOILERS de A Rainha Vermelha (tentei evitar, mas não deu).

Continue lendo…




Resenha: Achados e Perdidos

Stephen King não para de escrever – e isso é ótimo. Seus livros mais recentes fazem parte da Trilogia Bill Hodges (sim, King tem um detetive agora!), que aliás ele já finalizou e o último livro lançou esse mês pela Suma de Letras (alguém me diz como o King consegue escrever tanto, gente! Espera, eu já sei, porque li Sobre a escritamas que ele é uma máquina, isso ele é!). Como estou um pouco atrasada nas leituras, só recentemente terminei de ler o segundo livro, Achados e Perdidos, e é dele que quero falar aqui. Com uma narrativa ágil, personagens incrivelmente reais e uma trama de tirar o fôlego, Stephen King conseguiu de novo escrever uma obra-prima, consagrando de vez sua série policial, que começou com Mr. Mercedes (resenha aqui).

Aviso: essa resenha pode ter alguns spoilers de Mr. Mercedes, primeiro livro da série.

achadosperdidos““— Acorde, gênio.”

Assim King começa a história de Morris Bellamy. O gênio é John Rothstein, um autor consagrado que há muito abandonou o mundo literário. Bellamy é seu maior fã e seu maior crítico. Inconformado com o fim que o autor deu a seu personagem favorito, ele invade a casa de Rothstein e rouba os cadernos com produções inéditas do escritor, antes de matá-lo. Morris esconde os cadernos pouco antes de ser preso por outro crime. Décadas depois, é Peter Saubers, um garoto de treze anos, quem encontra o tesouro enterrado. Quando Morris é solto da prisão, depois de trinta e cinco anos, toda a família Saubers fica em perigo. Cabe ao ex-detetive Bill Hodges e a seus ajudantes, Holly e Jerome, protegê-los de um assassino agora ainda mais perigoso e vingativo.” Fonte

Essa merda não quer dizer merda nenhuma.




Resenha: Sou fã! E agora?

sou-faUm livro para fã nenhum botar defeito!

Fã que é fã adora conversar, discutir, interagir. Mas nem sempre temos por perto um amigo tão fanático quanto a gente para desabafar. Foi pensando nisso que Frini Georgakopoulos, uma fã de carteirinha, escreveu este livro: um manual de sobrevivência voltado para quem é apaixonado por livros, filmes, séries de TV…
Com uma linguagem rápida e divertida, Sou fã! E agora? é uma mistura de artigos breves e atividades interativas que convidam a refletir sobre os motivos para curtirmos tanto as histórias, além de ajudar a descobrir o que fazer com todo esse amor: criar seu próprio cosplay, escrever uma fanfic, organizar um evento, começar um blog ou canal e muito mais!

Não tem como não começar essa resenha sem falar da autora – porque mais do que nunca, ela realmente representa a alma do seu livro. “Sou fã!E agora?”, como o título já sugere, nos leva ao mundo de ser fã e eu já era fã de Frini Georgakopoulos desde muito antes desse livro ser escrito.

A Frini foi uma das pioneiras na realização de grandes eventos para fãs de livros aqui no Rio de Janeiro. Eu a conheci no Potter Rio 3, que se eu não estou enganada, aconteceu logo antes do lançamento do sexto livro da série Harry Potter (façam as contas e descubram quantos anos atrás, eu tenho medo de descobrir). Eu adorei o evento, foi muito divertido e eu nunca me esqueci de uma palestra que ela fez sobre o Harry. Na época, todo mundo ficava falando sobre como o Harry era chato (por causa da sua fase de adolescente rebelde em Harry Potter e a Ordem da Fênix) e ela fez praticamente um estudo sobre o personagem. Eu não me lembro exatamente o que ela disse, mas o sentimento permanece até hoje. Ela agora é a responsável pelos Clube do Livro da Saraiva aqui no Rio, e eu já perdi as contas de quantos outros eventos de editoras ou fã clubes que ela já participou e/ou organizou. Mas não importava sobre o que ela estava falando, ela sempre demonstrava o que era ser fã. Ser fã é não ter vergonha, é gostar de carteirinha daquele livro/série/filme. É não ligar para o que os outros falam, é sofrer por causa de um triângulo amoroso, é gostar tanto de um personagem que ele parece até ser real.

Continue lendo…

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...



Página 10 de 33« Primeira...89101112...2030...Última »