Arquivo para a categoria ‘ Ed. Companhia das Letras ’


Resenha: As Esganadas

Olha eu aqui de novo, dessa vez para trazer um pouco de literatura nacional para vocês. E por falar em literatura nacional, essa resenha faz parte do Desafio realmente desafiante 2013 do blog Silêncio que eu to lendo. O item do desafio é o 11. Ler um livro nacional.

Estou contente porque estou conseguindo acompanhar o desafio, apesar de algumas resenhas terem atrasado. Mas pelo menos estou conseguindo cumprir uma cota mínima de leitura para o desafio, espero que no fim do ano eu tenha lido pelo menos 50% da minha meta de leitura – levando em consideração que eu, hm… acrescentei alguns livros na meta do skoob.

Mas vamos ao que interessa. rsrs :P

AS_ESGANADASSinopse: Rio, 1938. Um perigoso assassino está à solta nas ruas. Seu alvo são mulheres jovens, bonitas e… gordas. Sua arma são irresistíveis doces portugueses. Com requintes de crueldade gastronômica, ele mata sem piedade suas vítimas e depois expõe seus cadáveres acintosamente, escarnecendo das autoridades. Fonte

Quando eu adquiri meu kindle, a minha amiga Mi me presenteou com alguns livros que ela achou que eu fosse gostar, incluindo este. Eu torci o nariz, porque não gostei muito de O Xangô de Baker Street – mas não gostei simplesmente porque gosto muito das histórias originais de  Sherlock Holmes e vê-lo um tanto parodiado não me agradou.

Continue lendo…




Resenha: Travessia

Travessia“Em busca de um futuro que pode não existir e tendo que decidir com quem compartilhá-lo, a jornada de Cassia às Províncias Exteriores em busca de Ky – levado pela Sociedade para uma morte certa –, mas descobre que ele escapou, deixando uma série de pistas pelo caminho. A busca de Cassia a leva a questionar o que é mais importante para ela, mesmo quando vislumbra um diferente tipo de vida além das fronteiras. Mas, à medida que Cassia tem certeza sobre o seu futuro com Ky, um convite para uma rebelião, uma inesperada traição e uma visita surpresa de Xander – que pode ter a chave para revolta e, ainda, para o coração de Cassia – mudam o jogo mais uma vez. Nada é como o esperado em relação à Sociedade, onde ilusão e traição fazem um caminho ainda mais confuso”. (Fonte)

Travessia… Quando eu fiquei sabendo o nome do segundo livro da série Destino,  de Ally Condie (vocês podem ler a resenha do primeiro livro aqui), logo pensei na jornada de Cassia em busca de Ky. Isso já me deixou interessada, porque significaria que teríamos ação em um mundo distópico, o que eu adoro!  Minhas expectativas aumentaram quando eu abri o livro  e percebi que teríamos a narração tanto da Cassia quanto do Ky… Em Destino, nós só tivemos um narrador e como eu já disse em diversas resenhas, eu gosto quando temos diferentes personagens narrando.

Continue lendo…




Resenha: Marina

“Neste livro, Zafón constrói um suspense envolvente em que Barcelona é a cidade-personagem, por onde o estudante de internato Óscar Drai, de 15 anos, passa todo o seu tempo livre, andando pelas ruas e se encantando com a arquitetura de seus casarões. É um desses antigos casarões aparentemente abandonados que chama a atenção de Oscar, que logo se aventura a entrar na casa. Lá dentro, o jovem se encanta com o som de uma belíssima voz e por um relógio de bolso quebrado e muito antigo. Mas ele se assusta com uma inesperada presença na sala de estar e foge, assustado, levando o relógio. Dias depois, ao retornar à casa para devolver o objeto roubado, conhece Marina, a jovem de olhos cinzentos que o leva a um cemitério, onde uma mulher coberta por um manto negro visita uma sepultura sem nome, sempre à mesma data, à mesma hora. Os dois passam então a tentar desvendar o mistério que ronda a mulher do cemitério, passando por palacetes e estufas abandonadas, lutando contra manequins vivos e se defrontando com o mesmo símbolo – uma mariposa negra – diversas vezes, nas mais aventurosas situações por entre os cantos remotos de Barcelona. Tudo isso pelos olhos de Oscar, o menino solitário que se apaixona por Marina e tudo o que a envolve, passando a conviver dia e noite com a falta de eletricidade do casarão, o amigável e doente pai da garota, Germán, o gato Kafka, e a coleção de pinturas espectrais da sala de retratos. Em Marina, o leitor é tragado para dentro de uma investigação cheia de mistérios, conhecendo, a cada capítulo, novas pistas e personagens de uma intrincada história sobre um imigrante de Praga que fez fama e fortuna em Barcelona e teve com sua bela esposa um fim trágico. Ou pelo menos é o que todos imaginam que tenha acontecido, a não ser por Oscar e Marina, que vão correr em busca da verdade – antes de saber que é ela que vai ao encontro deles, como declara um dos complexos personagens do livro.” Fonte

Podem me atirar ovos: eu ainda não conhecia Carlos Ruiz Zafón. E eu definitivamente não sabia o que estava perdendo. Posso largar todos os livros da minha longa lista de leitura e ir correndo ler toda e qualquer coisa escrita por esse homem (até a lista do supermercado dele deve ser fantástica!)?! Posso? É só que eu preciso devorar cada palavra desse escritor. Ele é bom demais.




Resenha: A Zona Morta

“Após passar cinco anos em coma profundo, Johnny Smith, um simples professor, acorda de seu estado inconsciente não reconhecendo certos objetos. Segundo os médicos, Johnny está com uma área de seu cérebro danificada, a qual eles chamam de Zona Morta. Entretanto, este será o menor dos problemas na vida de Johnny daqui para frente. Ele agora é capaz de, com um simples aperto de mão, saber fatos do passado das pessoas e prever seu futuro. Para aqueles que estão a sua volta, esta é uma dádiva. Para Johnny, não passa de uma maldição. Com isso, o professor torna-se popular, atraindo um número crescente de pessoas em busca de previsões. Mas, ao apertar a mão de Greg Stillson, um inescrupuloso político norte-americano, Johnny será atormentado por uma visão apocalíptica.” Fonte

Pelo menos uma vez por ano eu tenho essa vontade de ler Stephen King. Então eu vou lá na minha estante e dou uma olhada no que eu ainda não li – ou no que quero reler. Um dos meus projetos esse ano é começar a releitura de toda a série A Torre Negra, mas isso é história para outro post. O que importa mesmo é que eu tive essa vontade, vi A Zona Morta dando sopa na estante e resolvi ler.

“Some things were better lost than found.”




Resenha: The Indigo Spell (Bloodlines #3)

indigo_spell_capaATENÇÃO: Além de spoilers de Bloodlines e The Golden Lily, os dois primeiros livros da série, essa resenha contém ALTOS NÍVEIS de fangirling.

Essa semana foi lançado o terceiro livro da série Bloodlines (Laços de Sangue, com lançamento previsto para Junho/13 pela Editora Seguinte). Esse é um título que tanto a Lany quanto eu esperamos ansiosamente desde Junho de 2012, quando o segundo volume da série saiu aqui nos Estados Unidos. É o tipo de livro pelo qual nós fazemos contagem regressiva, que nos deixa de ressaca literária por um bom tempo após sua leitura. É aquele livro que a gente compra o ebook pra podermos fazer o download dele à meia-noite e já começar a ler. Como o livro foi lançado terça-feira – e nada de Carnaval por aqui – eu tive aula normal na universidade e por isso fui torturada pela Lany (que terminou de ler bem antes de mim) pelo twitter. Chegando em casa, não pude ficar atrás, e embora eu tivesse dois artigos para escrever, deixei meu lado Sydney Sage de lado e embarquei logo nas páginas de The Indigo Spell.

what do you think, buttercup?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...



Página 30 de 33« Primeira...1020...2829303132...Última »