Arquivo para a categoria ‘ Ed. Intrínseca ’


[Especial Liane Moriarty] Resenha: O Que Alice Esqueceu

Adorei a premissa do livro… pare um minuto para imaginar… de repente, você bate a cabeça e perde a memória dos últimos 10 anos de sua vida. Pensou? Aos poucos você vai redescobrindo a pessoa que se tornou nestes 10 anos. O que você acha dessa pessoa?…

 Ficha técnica:

 Nome: O que Alice esqueceu

 Autor: Liane Moriarty

 Tradutor: Julia Romeu

 Páginas: 416

 Editora: Intrínseca

 Compre aqui

 

Sinopse: Alice tinha certeza de que era feliz: aos 29 anos, casada com Nick, um marido lindo e amoroso, aguardando o nascimento do primeiro filho rodeada pela linda família formada por sua irmã, a mãe atenciosa e a avó. Mas tudo parece ir por água abaixo quando ela acorda no chão da academia… dez anos depois!

Enquanto tenta descobrir o que aconteceu nesse período, Alice percebe que se tornou alguém muito diferente: uma pessoa que não tem quase nada em comum com quem ela era na juventude e, pior, de quem ela não gosta nem um pouco.

Ao retratar a vida doméstica moderna provocando no leitor muitas risadas e surpresas, Liane Moriarty constrói uma narrativa ao mesmo tempo ágil e leve sobre recomeços, o que queremos lembrar e o que nos esforçamos para esquecer. (Fonte)

Continue lendo…




Resenha: O labirinto de fogo

Ficha Técnica:

Nome: O Labirinto de Fogo

Autor: Rick Riordan

Tradução: Regiane Winarski

Páginas: 368

Editora: Intrínseca

Compre aqui

 Sinopse:  No terceiro livro da série, o deus Apolo vai ser posto à prova ao enfrentar uma perigosa armadilha. Apolo, o deus mais glorioso e belo que já existiu, causou a ira de Zeus e foi expulso do Olimpo. Ele foi parar na terra, mais precisamente em uma caçamba de lixo em Nova York. Agora, ele é Lester Papadopoulos, um mortal desajeitado e sem poderes divinos. Para reconquistar seu lugar ao lado do todo-poderoso, Apolo terá que libertar cinco oráculos desaparecidos. Com a ajuda de alguns amigos semideuses, como Percy Jackson, Leo Valdez e a desbocada Meg McCaffrey, Apolo conseguiu sobreviver às duas primeiras provações de sua temporada terrena. Agora, ele vai ter que enfrentar mais um componente do triunvirato do mal formado por antigos imperadores romanos e deve descer até o Labirinto de Dédalo para impedir que o terceiro imperador destrua o próximo oráculo da lista.

E estamos aqui para mais uma resenha de um dos livros da série “As provações de Apolo”. Lembrando que essa resenha pode conter spoilers dos livros anteriores (eu só coloquei os mesmos presentes da sinopse, que não são muitos). Leia por sua conta e risco!

Continue lendo…




Resenha: Todas as coisas belas

Você é livre para ser quem quiser — mesmo que isso tenha um preço.

Aos 18 anos, Nanette O’Hare é a típica boa garota. No fundo, porém, ela nunca se sentiu realmente parte do grupo, sufocando em um permanente desconforto com diversas atitudes das amigas e com os padrões sociais. Mas tudo muda quando, no último ano do colégio, ela ganha um livro de seu professor preferido, o clássico cult O Ceifador de Chicletes, e fica fascinada com a mensagem de que ela pode ser de fato quem é. Nanette se torna amiga do recluso autor e se apaixona por Alex, um jovem poeta que também é fã do livro. Encantada com esse novo mundo que se abre, ela se permite, pela primeira vez, tomar as próprias decisões. No entanto, aos poucos Nanette percebe que a liberdade pode ser um desejo arriscado e começa a se perguntar se a rebeldia não cobra um preço alto demais.

Todas as coisas belas é um livro do Matthew Quick – sim, do mesmo autor de “O lado bom da vida”. Eu gostei bastante desse livro e confesso que fiquei curiosa em ler algo dele com personagens mais novos. Eu odeio comparações entre autores (porque eu acredito que cada um é único), mas não tem como não dizer que esse livro tem um “feeling” bem John Green. Claro que ele tem características bem próprias do Matthew, mas se você está na dúvida do que esperar do livro, eu acho que essa é a melhor definição.

Continue lendo…




Resenha: A Forma da Água

Lindo! Lindo!! Lindo!!!!

A história de Guillermo del Toro que deu origem ao filme vencedor do Leão de Ouro no Festival de Veneza, recordista de indicações ao Globo de Ouro e um dos mais cotados na corrida do Oscar 2018.

Richard Strickland é um oficial do governo dos Estados Unidos enviado à Amazônia para capturar um ser mítico e misterioso cujos poderes inimagináveis seriam utilizados para aumentar a potência militar do país, em plena Guerra Fria. Dezessete meses depois, o homem enfim retorna à pátria, levando consigo o deus Brânquia, o deus de guelras, um homem-peixe que representa para Strickland a selvageria, a insipidez, o calor — o homem que ele próprio se tornou, e quem detesta ser.

Para Elisa Esposito, uma das faxineiras do centro de pesquisas para o qual o deus Brânquia é levado, a criatura representa a esperança, a salvação para sua vida sem graça cercada de silêncio e invisibilidade.
Richard e Elisa travam uma batalha tácita e perigosa. Enquanto para um o homem-peixe é só objeto a ser dissecado, subjugado e exterminado, para a outra ele é um amigo, um companheiro que a escuta quando ninguém mais o faz, alguém cuja existência deve ser preservada.

Mistura bem dosada de conto de fadas, terror e suspense, A Forma da água traz o estilo inconfundível e marcante de Guillermo del Toro, numa narrativa que se expande nas brilhantes ilustrações de James Jean e no filme homônimo, vencedor do Leão de Ouro em 2017. Uma história cinematográfica e atemporal sobre um homem e seus traumas, uma mulher e sua solidão, e o deus que muda para sempre essas duas vidas.

Continue lendo…




Resenha + Sorteio: O Homem de Giz

Sabe quando você lê um livro em dois dias e fica “UAU!” – e não apenas no final, como no livro todo? Pois é, este é O Homem de Giz: um thriller cheio de tensão, nostalgia, referências nerds e completamente impossível de largar.

~ E para animar as coisas, que tal um sorteio? Participe no final da resenha! ~

“Assassinato e sinais misteriosos em uma trama para fãs de Stranger Things e Stephen King.

Em 1986, Eddie e os amigos passam a maior parte dos dias andando de bicicleta pela pacata vizinhança em busca de aventuras. Os desenhos a giz são seu código secreto: homenzinhos rabiscados no asfalto; mensagens que só eles entendem. Mas um desenho misterioso leva o grupo de crianças até um corpo desmembrado e espalhado em um bosque. Depois disso, nada mais é como antes.
Em 2016, Eddie se esforça para superar o passado, até que um dia ele e os amigos de infância recebem um mesmo aviso: o desenho de um homem de giz enforcado. Quando um dos amigos aparece morto, Eddie tem certeza de que precisa descobrir o que de fato aconteceu trinta anos atrás.
Alternando habilidosamente entre presente e passado, O Homem de Giz traz o melhor do suspense: personagens maravilhosamente construídos, mistérios de prender o fôlego e reviravoltas que vão impressionar até os leitores mais escaldados.” Fonte

O amor não é uma escolha, é uma compulsão.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...



Página 1 de 2312345...1020...Última »