Arquivo para a categoria ‘ Ed. Intrínseca ’


Resenha: Frantumaglia

Apesar de nunca ter falado de Elena Ferrante aqui no blog, eu já tinha lido 5 livros dela antes de Frantumaglia. Li toda a Tetralogia Napolitanade A Amiga Genial – uma série maravilhosa, que devorei sem parar para respirar, um atrás do outro, como se fosse um grande livro único. Mas, antes da série, li também A Filha Perdida. Mas não fiz resenha de nenhum deles porque… vocês já sentiram que um autor é tão bom, tão genial, que somos pequenos para falar dele? É como se resenhar um autor desse calibre fosse algum tipo de pecado. Eu me sentia assim com Carlos Ruiz Zafón – e ainda me sinto, toda vez que preciso fazer uma resenha dele. Pois bem, Elena Ferrante é outra autora que me faz sentir assim, que é tão incrível e brilhante que me intimida, não como leitora, como resenhista.

“Cartas, entrevistas e trechos inéditos oferecem visão única de uma das maiores escritoras da atualidade.

Elena Ferrante, voz extraordinária que provocou grande comoção na literatura contemporânea, tornou-se um fenômeno mundial. O sucesso de crítica e de público se reflete em artigos publicados em importantes jornais e revistas, como The New York Times, The New Yorker e The Paris Review. Ao longo das últimas duas décadas, o “mistério Ferrante” habita a imprensa e a mente dos leitores, mas, afinal, quem é essa escritora?
Nas páginas de Frantumaglia, a própria Elena Ferrante explica sua escolha de permanecer afastada da mídia, permitindo que seus livros tenham vidas autônomas. Defende que é preciso se proteger não só da lógica do mercado, mas também da espetacularização do autor em prol da literatura, e assim partilha pensamentos e preocupações à medida que suas obras são adaptadas para o cinema e para a TV.
Diante das alegrias e dificuldades da escrita, conta a origem e a importância da frantumaglia para seu processo criativo, termo do dialeto napolitano que sempre ouvira da mãe e, dentre os muitos sentidos, seria uma instável paisagem mental, destroços infinitos que se revelam como a verdadeira e única interioridade do eu; partilha ainda a angústia de criar uma história e descobrir que não é boa o suficiente, e destaca a importância do universo pessoal para o processo criativo. Nas trocas de correspondência, nos bilhetes e nas entrevistas, a autora contempla a relação com a psicanálise, as cidades onde morou, a maternidade, o feminismo e a infância, aspectos fundamentais à produção de suas obras.
Frantumaglia é um autorretrato vibrante e íntimo de uma escritora que incorpora a paixão pela literatura. Em páginas reveladoras, traça, de maneira inédita, os vívidos caminhos percorridos por Elena Ferrante na construção de sua força narrativa.” Fonte

A escrita precisa do máximo de ambição, do mínimo possível de preconceitos e de uma desobediência deliberada.




Semana especial “Tartarugas até lá embaixo”: Outros livros do autor

Oi gente! E aí, estão acompanhando essa semana especial? Temos posts super legais com a resenha de “Tartarugas até lá embaixo”, suas personagens, falamos um pouquinho sobre TOC e outras questões, e hoje vamos falar sobre os outros livros do Sr. Verde. hehe

Bom, nem preciso dizer que o nome de John Green ficou mesmo conhecido com “A Culpa é das Estrelas” (resenha aqui). Quem nunca leu, já assistiu o filme. E quem nunca leu nem assistiu o filme, nem nunca ouviu falar… sei lá… é meio alienado. :-p Como é uma história que mexe com o sentimento das pessoas todo mundo tem algo pra contar. Tipo: “Nossa, usei um pacote de lenços inteiro no cinema”, ou então, “Nossa, não consegui parar de ler e li tudo em uma noite”, que foi meu caso. “A Culpa é das Estrelas” é na verdade o sexto livro do autor, lançado em janeiro de 2012. Em 2009 ele anunciou que estava escrevendo um livro cujo título seria The Sequel, mas o projeto foi abandonado. E segundo o próprio autor muitas partes de The Sequel foram reescritas e ajustadas para fazerem parte de “A Culpa é das Estrelas”. O livro, assim como o filme fizeram um mega sucesso. O que por um lado é ótimo! Por outro, isso gerou uma tremenda insegurança em John Green que achava que nunca mais conseguiria escrever nada à altura.

Continue lendo…




Semana especial de “Tartarugas até lá embaixo”: Vamos falar sobre TOC e distúrbios mentais?

Observação: Esse texto foi escrito por duas pessoas. Os comentários em azul foram escritos pela Drika!

O tema principal do livro “Tartarugas até lá embaixo” é o Transtorno Obsessivo Compulsivo, popularmente conhecido pela sigla TOC. O TOC é uma doença mental caracterizada por pensamentos e medos irracionais (obsessões) que levam a comportamentos compulsivos. Estima-se que cerca de 4 milhões de brasileiros sofram com a doença e assim como outras doenças mentais ela é muitas vezes classificada pela população em geral apenas como uma “frescura”. Mas não, não é. Os sintomas podem interferir em todos os aspectos da vida, como nos relacionamentos pessoais, no trabalho ou na escola, e isso foi belamente descrito no livro do John Green. Aza, a protagonista, tem um dos “tipos” mais comuns de TOC que é o medo de microrganismos e contaminações, mas existem diversos outros, como preocupação excessiva com a limpeza, revisar inúmeras vezes se as portas estão fechadas antes de sair, deixar objetos em uma ordem perfeita… Pois é, eu acho que muitas pessoas vão acabar se identificando com essa lista (eu mesma tenho uma mania enorme de conferir se a porta está fechada). Mas a principal diferença é que uma pessoa com TOC não consegue controlar os seus pensamentos nem as suas atitudes, mesmo tendo a noção de que eles são excessivos.

Continue lendo…




Resenha: Tartarugas até lá embaixo

Depois de seis anos, milhões de livros vendidos, dois filmes de sucesso e uma legião de fãs apaixonados ao redor do mundo, John Green, autor do inesquecível A culpa é das estrelas, lança o mais pessoal de todos os seus romances: Tartarugas até lá embaixo.

A história acompanha a jornada de Aza Holmes, uma menina de 16 anos que sai em busca de um bilionário misteriosamente desaparecido – quem encontrá-lo receberá uma polpuda recompensa em dinheiro – enquanto lida com o transtorno obsessivo-compulsivo (TOC).

Repleto de referências da vida do autor – entre elas, a tão marcada paixão pela cultura pop e o TOC, transtorno mental que o afeta desde a infância –, Tartarugas até lá embaixo tem tudo o que fez de John Green um dos mais queridos autores contemporâneos. Um livro incrível, recheado de frases sublinháveis, que fala de amizades duradouras e reencontros inesperados, fan-fics de Star Wars e – por que não? – peculiares répteis neozelandeses. (Fonte)

Continue lendo…




Resenha: A casa das marés

“Uma história que atravessa décadas e gerações para mostrar que nunca é tarde demais para nos descobrir e correr atrás dos nossos sonhos.

Na década de 1950, Merham não passava de uma cidadezinha litorânea como tantas outras: pacata, tradicional e obcecada pelas aparências. Os homens cuidavam do comércio, as mulheres cuidavam dos filhos e todos tomavam conta da vida dos outros. Até que um boêmio grupo de artistas estrangeiros se muda para a Casa Arcádia, uma bela construção art déco à beira-mar. Ao contrário dos demais habitantes, que logo veem os artistas com maus olhos, temerosos de que possam destruir a boa reputação da cidade, Lottie Swift e Celia Holden não conseguem esconder o interesse pelos novos residentes.

Cinquenta anos mais tarde, quando o passado já parece enterrado e esquecido, a Casa Arcádia é vendida para um empresário que pretende transformá-la em um refúgio de luxo planejado pela arquiteta Daisy Parsons, que chega a Merham para reconstruir não só a casa, mas sua própria vida. Porém, assim como antes, o prenúncio de mudança revolta os moradores, dispostos a tudo para inviabilizar o projeto.

Repleto de encontros emocionantes e segredos revelados, A casa das marés é uma leitura deliciosa e romântica que explora as dinâmicas familiares, antigos amores e traições.”

Quem já leu as minhas resenhas anteriores da Jojo Moyes, sabe que eu amo os livros dessa autora, porém eu só li os livros que foram lançados depois de “Como eu era antes de você”. Várias vezes eu já pensei em pegar um dos livros anteriores, porém eu sempre ficava com medo. As resenhas no Goodreads (onde tinha um maior número do que no Skoob porque os livros foram lançados aqui há pouco tempo) sempre me deixavam com um pé atrás. Mas eu resolvi dar uma chance para ter a minha própria opinião e por isso eu peguei A casa das marés para ler.

Continue lendo…

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...