Arquivo para a categoria ‘ Fantasia & Ficção Científica ’


Resenha: A Pergunta e a Resposta

Ficha técnica:

Nome: A Pergunta e a Resposta

Autor: Patrick Ness

Tradutor: Edmundo Barreiros

Páginas: 528

Editora: Intrínseca

O Novo Mundo não é mais o mesmo. A promessa de paraíso a cada dia se revela um pesadelo. Nos primeiros anos de colonização do planeta, um germe brutal transformou o pensamento dos homens em um fluxo caótico e incessante de sons, o Ruído. Além disso, infectou e dizimou todas as mulheres. Ao menos era o que Todd Hewitt achava até conhecer Viola… Depois de anos de paz, uma nova guerra se anuncia.

Quando Todd fugiu de Prentisstown, enfrentou provações e descobriu segredos terríveis. Agora ele se vê cercado de inimigos e obrigado a encarar inúmeras crueldades para tentar proteger Viola, sem ao menos saber se ela está viva. É nesse cenário incerto que dois grupos vão travar um arriscado embate. De um lado, a poderosa Pergunta. Do outro, a bombástica Resposta. Do que serão capazes para conquistar seus objetivos, mesmo com a existência do Novo Mundo em risco?

A Pergunta e a Resposta é o segundo volume da trilogia Mundo em caos, uma distopia de tirar o fôlego que nos lança em uma acirrada batalha pelo poder. Publicada em mais de trinta países, a série consagrou Patrick Ness como um dos maiores nomes da literatura jovem e o primeiro volume ganhará uma adaptação cinematográfica estrelada por Tom Holland e Daisy Ridley. Fonte

Gente, finalmente consegui postar aqui de novo!

Depois de um TEMPÃO sem conseguir conciliar meu tempo, eu estava louca pra voltar a postar! A Drika fez um post super explicativo de como nossas rotinas de trabalho colidiram, ou melhor, atropelaram nossa rotina de leituras e postagens, tanto que optamos por simplesmente LER e postar… quando der vontade, quando acharmos divertido, quando tivermos tempo hábil. E esse último é o que me falta, estou com várias resenhas pendentes, mas tenho fé que ainda consigo deixar tudo o que tinha programado em dia. rsrs

Então bora começar com a resenha desse livro que, sinceramente? Adorei!

É provável que essa resenha contenha SPOILERS leves de Mundo em caos, mas não coloco nada que prejudique a leitura alheia.

Continue lendo…




Resenha: Leopardo Negro, Lobo Vermelho

Ficha Técnica:

Nome: Leopardo Negro, Lobo Vermelho

Autor: Marlon James

Tradutor: André Czarnobai

Páginas: 784

Editora: Intrínseca

Com um faro infalível para encontrar coisas que preferem ficar perdidas, o Rastreador achará tudo o que quiser. E, mesmo ciente de que o objeto de sua busca já não está mais no mundo dos vivos, o habilidoso caçador aceita a missão de localizar um garoto desaparecido. Afinal, o menino pode ser o herdeiro legítimo do trono de um império.

Seguindo rastros deixados por seu alvo, o Rastreador passa por cidades ancestrais, desbrava rios e florestas, imerge em culturas e costumes, vivencia lendas e mitos, enfrenta todo tipo de perigos: demônios, feiticeiros, bruxas, necromantes. Confrontado pela vastidão do continente, por toda a beleza e o terror em seu caminho, o Rastreador decide ir contra seus princípios de caçador solitário ao perceber que seus inimigos são mercenários atrás do mesmo objetivo.

O grupo ao qual se junta é heterogêneo e composto por personagens fantásticos, entre eles o misterioso metamorfo — metade homem, metade Leopardo —, que irá conduzi-lo em sua jornada. Enquanto lutam para sobreviver e concluir a tarefa, o Rastreador é assombrado por questionamentos: quem é o menino desaparecido? O que o fez desaparecer? Por que há tanto interesse em que não seja encontrado? Mas, sobretudo, quem está mentindo e quem está dizendo a verdade?

Inspirado nas histórias e nos folclores da África, valendo-se de uma imaginação aparentemente ilimitada, Marlon James cria uma aventura multicolorida e surrealista na qual questiona os limites da verdade e do poder e o preço da ambição. Desdobrando personagens e lendas em uma cascata vigorosa, Leopardo Negro, Lobo Vermelho é uma ode à beleza e à pluralidade da mitologia africana. (Fonte)

Continue lendo…




Resenha: O Timbre

Ficha técnica:

Título: O Timbre

Autor: Neal Shusterman

Tradutor: Guilherme Miranda

Páginas: 560

Editora: Seguinte

Compre aqui

Sinopse:No aguardado desfecho da trilogia Scythe, ditadores, profetas e novas tensões sociais surgem no suposto planeta perfeito. Será que a humanidade será dilacerada justamente por causa da imortalidade que conquistou?

A humanidade alcançou um mundo ideal em que não há fome, doenças, guerras, miséria… nem morte. Mas, mesmo com todo o esforço da inteligência artificial da Nimbo-Cúmulo, parece que alguns problemas humanos, como a corrupção e a sede de poder, também são imortais. Desde que o ceifador Goddard começou a ganhar seguidores da nova ordem, entusiastas do prazer de matar, a Nimbo-Cúmulo decidiu se silenciar, deixando o mundo cada vez mais de volta às mãos dos humanos. Depois de três anos que Citra e Rowan desapareceram e Perdura afundou, parece que não existe mais nada no caminho de Goddard rumo à dominação absoluta da Ceifa ― e do mundo. Mas reverberações das mudanças na Ceifa e da Grande Ressonância ainda estremecem o planeta, e uma pergunta permanece: será que sobrou alguém capaz de detê-lo? A resposta talvez esteja na nova e misteriosa tríade de tonistas: o Tom, o Timbre e a Trovoada.”

O Timbre é o segundo livro da série Scythe, dos ótimos O Ceifador (resenha aqui) e O Timbre (resenha aqui). Portanto, se você não leu os dois primeiros livros, saiba que esta resenha possui spoilers deles. Eu estava esperando há um bom tempo por este livro, uma vez que a série se iniciou – pelo menos aqui no Brasil – lá ainda em 2017 (parece outra vida, não é mesmo?). E quando O Timbre chegou aqui pela Seguinte, no turbulento 2020, eu mal podia esperar para me desconectar da realidade horrorosa e absurda que vivemos para mergulhar nesse universo. Continue lendo…




Resenha: Território Lovecraft

Ficha técnica:

Nome: Território Lovecraft

Autor: Matt Ruff

Tradução: Thais Paiva

Páginas: 400

Editora: Intrínseca

Compre aqui

Sinopse:

“Nos Estados Unidos segregados da década de 1950, Atticus é um rapaz negro, veterano da Guerra da Coreia, fã de H. P. Lovecraft e outros escritores de pulp fiction. Ao descobrir que o pai desapareceu, ele volta à cidade natal para, com o tio e a amiga, partir em uma missão de resgate. Na viagem até a mansão do herdeiro da propriedade que mantinha um dos ancestrais de Atticus escravizado, o grupo enfrentará sociedades secretas, rituais sanguinolentos e o preconceito de todos os dias.

Ao chegar, Atticus encontra seu pai acorrentado, mantido prisioneiro por uma confraria secreta, que orquestra um ritual cujo personagem principal é o próprio Atticus. A única esperança de salvação do jovem, no entanto, pode ser a semente de sua destruição — e de toda a sua família. E esta é apenas a primeira parada de uma jornada impressionante. Estruturado ao mesmo tempo como uma coletânea de contos e um romance, Território Lovecraft apresenta, além de personagens memoráveis, elementos sobrenaturais, como casas assombradas e portais para outras realidades, objetos enfeitiçados e livros mágicos.

Um retrato caleidoscópico do racismo — o fantasma que até hoje assombra o mundo —, a obra de Matt Ruff une ficção histórica e pulp noir ao horror e à fantasia de Lovecraft para explorar os terrores da época de segregação racial nos Estados Unidos.”

Peguei Território Lovecraft para ler sem saber muito do que se tratava ou que viraria uma série; apenas li a sinopse, gostei e pedi. Quando o livro chegou aqui em casa, ainda lá no outro mundo antes da pandemia, fiquei impressionada com a qualidade gráfica da obra e o aspecto retrô. Comecei a ler o primeiro conto/capítulo (porque o livro é um romance fix-up, ou seja, vários contos interligados entre si, formando uma grande história) e fiquei assustada, não tanto com o horror cósmico que recria Lovecraft, mas sim com as situações cruéis às quais os personagens, negros, do livro são submetidos. O racismo assusta. Como uma pessoa branca, eu penso nisso, mas, privilegiada que sou, não sei o que é sentir esse terror como as pessoas negras sentem todos os dias; e ali, no livro, como em toda história, você se coloca no lugar dos personagens e se apavora frente à brutalidade dos brancos. É uma mistura de medo, estranhamento e vergonha.

Continue lendo…




Resenha: Através do Vazio

Ficha técnica:

Nome: Através do Vazio

Autor: S. K. Vaughn

Tradutor: Renato Marques

Páginas: 376

Editora: Suma

 

Em Através do Vazio, ficção científica e suspense se misturam, construindo uma trama complexa e emocionante que mantém o leitor envolvido até a última página.

É Natal de 2067. Os acordes de uma música natalina ecoam pelas ruínas de uma espaçonave que flutua pela escuridão. Lá dentro, May desperta lentamente ― a única sobrevivente de um acidente desastroso na primeira viagem tripulada a Europa, a lua de Júpiter. Sozinha no vazio do espaço, em uma nave caindo aos pedaços, May tenta desesperadamente reencontrar o caminho para a Terra. A única pessoa capaz de ajudá-la é Stephen Knox, um cientista brilhante da Nasa… e um homem que ela magoou profundamente antes de partir.

Enquanto ela batalha pela própria sobrevivência e sinais de sabotagem começam a vir à tona, a voz de Stephen parece ser a única coisa capaz de atravessar o vazio insondável do espaço e levá-la de volta para casa em segurança. (Fonte)

Continue lendo…