Arquivo para a categoria ‘ John Boyne ’


Resenha: O menino no alto da montanha

Sabe aquele momento que você está bloqueado? Nada está bom, nenhuma leitura progride, por mais que o livro não seja ruim, o problema é você. Bem, eu estava assim. E o que melhor para sair de uma vibe ruim dessas do que um dos seus autores favoritos? John Boyne nunca desaponta. Esse homem tem o dom de deixar cada história que toca perfeita. E em O menino no alto da montanha, ele conseguiu criar uma obra-prima tão marcante quanto seu livro mais conhecido, O menino do pijama listrado. Perturbador e inesquecível, é impossível não devorar esse livro, mesmo na pior ressaca literária.

meninoaltomontanha“Quando Pierrot fica órfão, precisa ir embora de sua casa em Paris para começar uma nova vida com sua tia Beatrix, governanta de um casarão no topo das montanhas alemãs. Mas essa não é uma época qualquer: estamos em 1935, e a Segunda Guerra Mundial se aproxima. E esse não é um casarão qualquer, mas a casa de Adolf Hitler. Logo Pierrot se torna um dos protegidos do Führer e se junta à Juventude Hitlerista. O novo mundo que se abre ao garoto é cada vez mais perigoso, repleto de medo, segredos e traição. E pode ser que Pierrot nunca consiga escapar.” Fonte

Acha que podemos ser crianças de novo?




Resenha: Uma história de solidão

O quanto você sabe sobre a vida dos padres? Já parou para pensar neles, não como o ser inatingível que fica em cima de um púlpito, mas como uma pessoa? E quando você pensa em um, qual a primeira ideia que lhe vem à cabeça?

Com uma narrativa sensível e brilhante, John Boyne aborda um tema pouco debatido, em mais uma obra tocante. Quando a Companhia das Letras publica mais uma obra desse meu autor de cabeceira, eu corro para ler no mesmo minuto. Vamos à resenha.

história_solidão“Odran Yates era um garoto tímido nascido na Irlanda dos anos 1950. O país tinha uma longa tradição católica, e as leis da Igreja moldavam a sociedade com rigor claustrofóbico. Filho de um pai alcoólatra, que morreu com a certeza de que era um grande ator, e de uma mãe que abandonara a carreira de aeromoça para cuidar da família, Odran abraçou o caminho eclesiástico como único destino possível.
Primogênito de um lar disfuncional, que se tornou sufocante após uma tragédia familiar, Odran obedece à mãe e vai estudar em um seminário, onde conhece Tom Cardle, de quem se torna amigo. Ao contrário de Odran, tímido, inocente e reservado, Tom era irritadiço e rebelde. Não fossem os maus-tratos constantes do pai, ele nunca teria nem sequer passado em frente a uma igreja. Já Odran concluiria mais tarde que o sacerdócio era realmente adequado à sua personalidade.
Da ingenuidade dos primeiros anos de colégio à descoberta dos segredos mais bem guardados da Igreja, o padre Odran Yates descreve uma Irlanda repleta de contradições e ódio por trás de um projeto social baseado nos bons costumes. Vive a decadência de seu ofício, que, diante de tantas denúncias de abuso sexual, passa a ser visto com desconfiança.
Mais do que lidar com a vida sofrida daqueles que ama e as implicações políticas de seu trabalho, o padre Yates tenta fazer um acerto de contas com a própria consciência, depois de ter sido convencido de que era inocente demais para entender o que ocorria ao seu redor.” Fonte

A coisa toda era um campo minado. Ninguém consegue sair de casa sem ofender alguém.




Promoção: A Casa Assombrada

banner_casaassombrada

Vocês já estão carecas de saber: eu amo John Boyne. Além das várias resenhas dele que já fiz aqui no blog, como se não bastasse, escrevi também um apaixonado Autor de Cabeceira para ele. É sério, gente: tudo o que esse homem escreve fica divino. Fico imaginando como é a lista de compras dele. E, como não poderia deixar de ser, quando ele se aventurou a escrever terror… ficou excepcional! E como tudo que é ótimo quero dividir com vocês, leiam a resenha e participem da promoção em parceria com a Companhia das Letras, valendo um exemplar lindo de A Casa Assombrada!

Continue lendo…




Resenha: A Casa Assombrada

John Boyne escrevendo um livro de terror? Mas é claro que eu tinha que ser a primeira da fila a ler! E, assim que o livro chegou, iniciei a leitura. E, o que mais me assombrou nesse livro (além dos fantasmas!), foi a capacidade de John Boyne de se reinventar. Mesmo sendo um escritor contemporâneo, ele conseguiu transportar tanto seus personagens, quanto sua linguagem e estilo, para a época dos clássicos, em um romance assustador e reflexivo.

“Eliza Caine tem 21 anos e acaba de perder o pai. Totalmente sozinha e sem dinheiro suficiente para pagar o aluguel na cidade, ela se depara com o anúncio de um tal H. Bennet. Ele busca uma governanta para se dedicar aos cuidados e à educação das crianças de Gaudlin Hall, uma propriedade no condado de Norfolk – sem, no entanto, mencionar quantas são, quantos anos têm ou dar quaisquer outras explicações. Assim, ela larga o emprego de professora numa escola para meninas e ruma para o interior.
Chegando a Gaudlin Hall, Eliza se surpreende ao encontrar apenas Isabella, uma menina que parece inteligente demais para sua idade, e Eustace, seu adorável irmão de oito anos. Os pais das crianças não estão lá. Não se veem criados. Ela logo constata que não há nenhum outro adulto na propriedade, e a identidade de H. Bennet permanece um mistério.
A governanta recém-contratada busca informações com as pessoas do vilarejo, mas todos a evitam. Nesse meio tempo, fica intrigada com janelas que se fecham sem explicação, cortinas que se movem sozinhas e ventos desproporcionais soprando pela propriedade. E então coisas realmente assustadoras começam a acontecer…” Fonte

(…) algo que todos os homens e mulheres precisavam aceitar como o preço que se paga pela vida.




Meu autor de cabeceira: John Boyne

Sabe quando você lê um livro do autor e se apaixona perdidamente? Pois é, com John Boyne aconteceu desse jeito. Em abril desse ano li meu primeiro livro dele e, coincidentemente, também o primeiro romance que ele escreveu: O Ladrão do Tempo. E só ali já percebi que havia encontrado um autor favorito. Mas, como sou teimosa (e como queria ler mais e mais dele) decidi ler outros títulos do autor antes de vir aqui declarar todo meu amor. Li mais dois romances e, posso afirmar com toda certeza, John Boyne é um dos meus autores de cabeceira.

John+BoyneJohn Boyne, romancista irlandês, nasceu em Dublin em 30 de abril de 1971. Começou a escrever histórias aos 19 anos e teve o primeiro romance publicado dez anos depois. Trabalhou em uma livraria dos 25 aos 32 anos. Seu livro mais célebre, O menino do pijama listrado (2007) lhe rendeu dois Irish Book Awards, vendeu mais de 5 milhões de exemplares pelo mundo e foi adaptado para o cinema em 2008. Aqui no Brasil seus romances adultos são publicados pela Companhia das Letras, enquanto os infanto-juvenis saem pelo selo Seguinte.

Continue lendo…

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...



Página 1 de 212