Arquivo para a categoria ‘ Literatura Nacional ’


A Cuca Recomenda: Prisioneiras

Tenho um grande interesse pelo tema carcerário, especialmente quando se trata de prisões femininas. Portanto, quando a Companhia das Letras lançou Prisioneiras, de Drauzio Varella, fiquei muito curiosa. Não-ficção não costuma participar da minha zona de conforto, mas o que seríamos de nós, leitores, se não a abandonássemos de quando em quando em nossas leituras? Já conhecia o prestigioso médico, claro, mas nunca havia lido nada dele; sua narrativa envolvente, bem-estruturada e emocionante foi uma grata surpresa e transformou Prisioneiras em uma das minhas melhores leituras de 2017.

prisioneiras“O trabalho de Drauzio Varella como médico voluntário em penitenciárias começou em 1989, na extinta Casa de Detenção de São Paulo, o Carandiru. Os anos de clínica e as histórias dos presos, dos funcionários e da própria cadeia seriam retratados nos aclamados livros Estação Carandiru (1999) e Carcereiros (2014). Em 2017, Drauzio encerra sua trilogia literária sobre o sistema carcerário brasileiro com Prisioneiras. Alçando as mulheres encarceradas a protagonistas, o médico rememora os últimos onze anos de atendimento na Penitenciária Feminina da Capital, que abriga mais de duas mil detentas. São histórias de mulheres que não raro entram para o crime por conta de seus parceiros inclusive tentando levar drogas aos companheiros nas penitenciárias masculinas em dias de visita , porém que são esquecidas quando estão atrás das grades. As famílias conseguem tolerar um encarcerado, mas não uma mãe, irmã, filha ou esposa na cadeia. No ambiente carcerário feminino, há elementos comuns às penitenciárias masculinas. Assim como no Carandiru, um código de leis não escrito rege as prisioneiras; o Primeiro Comando da Capital (PCC) está presente e mostra sua força através das mulheres que integram a facção; e a relação entre aquelas que habitam as cadeias não é menos complexa. As casas de detenção femininas, no entanto, guardam suas particularidades diferenças às quais o médico paulistano dedica atenção especial em sua narrativa. Desde a dinâmica dos atendimentos e a escassez de visitas até os relacionamentos entre as presas, fica nítido que a realidade das prisões escapa ao imaginário de quem vive fora delas. Prisioneiras é um relato franco, sem julgamentos morais, que não perde o senso crítico em relação às mazelas da sociedade brasileira. Nesse encerramento de ciclo, Drauzio Varella reafirma seu talento de escritor do cotidiano, retratando sua experiência e a vida dessas mulheres com a mesma disposição, coragem e sensibilidade que empreendeu ao iniciar seu trabalho nas prisões há quase três décadas.” Fonte

Sou médio, não juiz, condição que me coloca em plano de observação privilegiado. Escuto histórias da infância, relatos de desencontros, paixões, vinganças, perversidades, sofrimentos e humilhações que jamais suspeitei existir fora dos livros. A todo momento me surpreendo com a riqueza e a diversidade do universo feminino.




Resenha dupla: Reverso

Esse foi o primeiro livro reli esse ano! Sim, porque ele foi lançado e eu li. Depois, antes de resenhar, resolvi ler de novo! Agora vocês vão saber o que achamos do livro que encerra a duologia Espelhos da Karen! Meu texto será em azul e o da Lany em laranja.

ReversoMegan gostaria de ter deixado todos os seus medos do outro lado do espelho, presos com Megami e sua perigosa obsessão. Mas ela sabe que nada é tão fácil e, rápido demais, o espelho cobra seu preço também deste lado. Megan se vê dentro do seu maior pesadelo, um que conhece muito bem. E agora, além de lutar contra Megami, precisa fazer uma terrível escolha que definirá o seu futuro e o das pessoas ao seu redor.

Em meio a tantos segredos e dúvidas, Megan deve descobrir a verdade sobre Megami e, acima de tudo, sobre si mesma.

Reverso é a conclusão da história iniciada em Inverso, de Karen Alvares, a jornada de uma garota em busca de sua própria identidade. Para proteger quem mais ama, Megan enfrentará seus maiores temores e irá compreender seus sentimentos mais profundos. Mas será que ela é assim tão diferente da garota que a encara do outro lado do espelho?

Continue lendo…




A Cuca Recomenda: Jantar Secreto

Raphael Montes é um dos escritores mais promissores da literatura brasileira atualmente. Cínico e sem medo de chocar, ele aborda temas espinhosos em suas obras. Li todas elas e posso dizer que gostei muito de (quase) todas, exceto, talvez O Vilarejo (resenha aqui), um livro no qual acredito que ele perdeu um pouco da sua essência, procurando fazer apenas um terror tradicional, o que não é seu forte. Não é isso que esse autor escreve. Para mim, ele faz suspense, do tipo que choca, perturba, incomoda. E em Jantar Secreto ele retoma essa essência com o mesmo efeito, ou talvez até mais assustador, de outras de suas obras como Suicidas Dias Perfeitos (resenha aqui).

jantar_secreto“Um grupo de jovens deixa uma pequena cidade no Paraná para viver no Rio de Janeiro. Eles alugam um apartamento em Copacabana e fazem o possível para pagar a faculdade e manter vivos seus sonhos de sucesso na capital fluminense. Mas o dinheiro está curto e o aluguel está vencido. Para sair do buraco e manter o apartamento, os amigos adotam uma estratégia heterodoxa: arrecadar fundos por meio de jantares secretos, divulgados pela internet para uma clientela exclusiva da elite carioca. No cardápio: carne humana. A partir daí, eles se envolvem numa espiral de crimes, descobrem uma rede de contrabando de corpos, matadouros clandestinos, grã-finos excêntricos e levam ao limite uma índole perversa que jamais imaginaram existir em cada um deles.” Fonte

Venha viver a experiência gastronômica mais exótica, única e saborosa da noite carioca! Att. Equipe Carne de Gaivota




Resenha: Sou fã! E agora?

sou-faUm livro para fã nenhum botar defeito!

Fã que é fã adora conversar, discutir, interagir. Mas nem sempre temos por perto um amigo tão fanático quanto a gente para desabafar. Foi pensando nisso que Frini Georgakopoulos, uma fã de carteirinha, escreveu este livro: um manual de sobrevivência voltado para quem é apaixonado por livros, filmes, séries de TV…
Com uma linguagem rápida e divertida, Sou fã! E agora? é uma mistura de artigos breves e atividades interativas que convidam a refletir sobre os motivos para curtirmos tanto as histórias, além de ajudar a descobrir o que fazer com todo esse amor: criar seu próprio cosplay, escrever uma fanfic, organizar um evento, começar um blog ou canal e muito mais!

Não tem como não começar essa resenha sem falar da autora – porque mais do que nunca, ela realmente representa a alma do seu livro. “Sou fã!E agora?”, como o título já sugere, nos leva ao mundo de ser fã e eu já era fã de Frini Georgakopoulos desde muito antes desse livro ser escrito.

A Frini foi uma das pioneiras na realização de grandes eventos para fãs de livros aqui no Rio de Janeiro. Eu a conheci no Potter Rio 3, que se eu não estou enganada, aconteceu logo antes do lançamento do sexto livro da série Harry Potter (façam as contas e descubram quantos anos atrás, eu tenho medo de descobrir). Eu adorei o evento, foi muito divertido e eu nunca me esqueci de uma palestra que ela fez sobre o Harry. Na época, todo mundo ficava falando sobre como o Harry era chato (por causa da sua fase de adolescente rebelde em Harry Potter e a Ordem da Fênix) e ela fez praticamente um estudo sobre o personagem. Eu não me lembro exatamente o que ela disse, mas o sentimento permanece até hoje. Ela agora é a responsável pelos Clube do Livro da Saraiva aqui no Rio, e eu já perdi as contas de quantos outros eventos de editoras ou fã clubes que ela já participou e/ou organizou. Mas não importava sobre o que ela estava falando, ela sempre demonstrava o que era ser fã. Ser fã é não ter vergonha, é gostar de carteirinha daquele livro/série/filme. É não ligar para o que os outros falam, é sofrer por causa de um triângulo amoroso, é gostar tanto de um personagem que ele parece até ser real.

Continue lendo…




Resenha: A Caçadora – Sorriso de Vampiro

Faz algum tempo que li esse livro em formato de e-book. Já “conhecia” a Viviane Fair, a famosa Chefa de seu blog, mas nunca tinha lido seus livros até agora. Para falar a verdade, eu sempre torci o nariz para os vampiros desde Crepúsculo, mas lendo a sinopse, eu percebi que a pegada do livro era bem diferente. E bota diferente nisso!

A CaçadoraQuem nunca se apaixonou por um vampiro, que atire a primeira estaca.
Jéssica levava uma vida simples até descobrir que seus pacatos pais – um dentista e uma professora – eram na verdade caçadores de vampiros. Pressionada para seguir a tradição da família, parte em uma viagem para provar de uma vez por todas que vampiros não existem e que seus pais precisam de terapia.
Ao frequentar a universidade onde um suposto vampiro atua, faz amigos estranhos, uns tais otakus, e é perseguida por líderes de torcida e outros tipos populares. E antes que perceba, acaba se interessando por um rapaz que só pode ser vampiro – pálido, lindo, só sai à noite e tem cara de que usa muito delineador.
Com o tempo Jéssica perceberá que a verdade vai bem além dos livros e acabará pondo em risco muito mais que o pescoço: o seu próprio coração.
A Caçadora – Sorriso de vampiro é o primeiro romance da trilogia A Caçadora, de Vivianne Fair, autora que conquistou fãs pelas suas divertidas comédias românticas cheias de referências à cultura pop. Fonte

Continue lendo…

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...



Página 1 de 4612345...102030...Última »