Arquivo para a categoria ‘ Resenhas ’


Resenha: Blue Bloods – Vampiros de Manhattan

O livro Blue Bloods foi o primeiro da nova onda de vampiros que eu li (tentei Crepúsculo e não deu certo). Então vamos lá:

Sinopse: Quando o Mayflower aportou nos Estados Unidos, em 1620, trazia a bordo homens e mulheres que lançariam as bases da sociedade norte-americana. Mas entre os Peregrinos havia também aqueles que não estavam apenas fugindo de perseguições religiosas. Eram os Blue Bloods – um clã que acumulou grande poder e riqueza, tornando-se um dos mais influentes grupos da sociedade de Nova York. Schuyler acabou de completar quinze anos. Veias azuis começam a saltar sob a pele pálida de seus braços. Sente um desejo insaciável por carne crua, e estranhas visões de tempos remotos assombram sua mente. E quando uma garota de seu colégio é encontrada morta, sem nenhuma gota de sangue no corpo, Schuyler não sabe o que fazer. Poderiam ser verdadeiras as histórias de vampiros? Fonte: Skoob

Continue lendo…




Resenha: A Guerra dos Tronos

Num dos raros momentos em que me peguei assistindo televisão há algumas semanas, tive a sorte de ver o comercial de uma nova série da HBO, A Game of Thrones (A Guerra dos Tronos no Brasil). O título não me pareceu estranho e o comercial era simplesmente perfeito, então consultei nosso bom e velho amigo Google, apenas para descobrir que se tratava do primeiro livro da série As Crônicas de Gelo e Fogo, que um amigo havia me recomendado há algum tempo. Como a série estréia aqui nos Estados Unidos esse mês, resolvi comprar o livro e lê-lo imediatamente. Não me arrependi.

Winter is Coming!




Resenha: A Menina Que Roubava Livros

A primeira vez que li A Menina Que Roubava Livros (Markus Zusak) foi no final de 2008, em meio à preparativos para me mudar pros EUA. Me encantei tanto com a história narrada pela Morte que diversas vezes ignorei o apelo de meus familiares e amigos para me juntar a eles em suas conversas, preferindo saber a história de Liesel Meminger. Esse é um fato triste, eu sei, mas se você começar a ler sobre a ladra de livros, aposto que também se encantará a ponto de não conseguir descansar enquanto não souber o desfecho.

“Ao perceber que a pequena Liesel Meminger, uma ladra de livros, lhe escapa, a Morte afeiçoa-se à menina e rastreia suas pegadas de 1939 a 1943. A mãe comunista, perseguida pelo nazismo, envia Liesel e o irmão para o subúrbio pobre de uma cidade alemã, onde um casal se dispõe a adotá-los por dinheiro. O garoto morre no trajeto e é enterrado por um coveiro que deixa cair um livro na neve. É o primeiro de uma série que a menina vai surrupiar ao longo dos anos. O único vínculo com a família é esta obra, que ela ainda não sabe ler. Assombrada por pesadelos, ela compensa o medo e a solidão das noites com a conivência do pai adotivo, um pintor de parede bonachão que lhe dá lições de leitura. Alfabetizada sob vistas grossas da madrasta, Liesel canaliza urgências para a literatura. Em tempos de livros incendiados, ela os furta, ou os lê na biblioteca do prefeito da cidade. A vida ao redor é a pseudo-realidade criada em torno do culto a Hitler na Segunda Guerra. Ela assiste à eufórica celebração do aniversário do Führer pela vizinhança. Teme a dona da loja da esquina, colaboradora do Terceiro Reich. Faz amizade com um garoto obrigado a integrar a Juventude Hitlerista. E ajuda o pai a esconder no porão um judeu que escreve livros artesanais para contar a sua parte naquela História.” Fonte

Quando a morte conta uma história, você deve parar para ler




Resenha: Quem é Você, Alasca?

Após ter terminado o melhor livro que li até agora nesse ano, tento me lembrar do motivo pelo qual comprei Quem é Você, Alasca? (título original e muito mais interessante Looking for Alaska) e não consigo me decidir. Ele estava na lista de livros recomendados de acordo com minhas compras passadas, e sua capa, ah sua capa me chamou a atenção. Uma vela. A fumaça. E então eu li a sinopse e soube que precisaria ler, precisaria saber o que era antes, o que viria depois e o que aconteceu para mudar tudo.

Se pessoas fossem chuva, eu seria uma garoa e ela um furacão




Resenha: Eu Sou o Número Quatro

Nove crianças são mandadas às pressas para a Terra com seus guardiões após a invasão de seu planeta natal, Lorien. A cada criança é dado um número, o que impede que elas sejam mortas fora de ordem caso vivam separadas. Ao chegar na Terra, cada uma das crianças segue para lugares diferentes com seus respectivos guardiões e elas nunca mais se vêem enquanto crescem tentando escapar dos Mogadorians – raça que destruiu Lorien e agora está na Terra.

Três estão mortos. Eu sou o Número Quatro. Eu sou o próximo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...