Arquivo para a categoria ‘ Séries ’


Resenha: Mapa dos Dias

Ficha técnica:

Nome: Mapa dos Dias

Autor: Ransom Riggs

Tradutor: Giu Alonso e Ulisses Teixeira

Páginas: 448

Editora: Intrínseca

Compre aqui

Sinopse: 

Mapa dos Dias é a aguardada continuação de uma das séries de maior sucesso dos últimos anos. Para os leitores que estavam com saudades do universo mágico criado por Ransom Riggs, esta sequência vai além do prometido e descortina um cenário ainda mais rico, com novas criaturas, mistérios que envolvem todo o mundo peculiar e uma infinidade de aventuras a serem exploradas. Fascinante e imperdível para os amantes da série e para os novos fãs que certamente virão.

Jacob voltou para sua casa nos Estados Unidos após vencer os etéreos no Recanto do Demônio, mas ainda não sabe como conciliar a vida normal e tudo o que viveu. Agora que Emma, a srta. Peregrine e seus outros amigos vivem com ele no presente, em sua casa na Flórida, vamos acompanhá-los no processo de reconstrução do mundo peculiar.

Mas essa ideia cai para segundo plano quando eles descobrem um bunker subterrâneo na casa onde seu avô morou. A partir daí, surgem pistas de uma organização secreta que caçava etéreos e ajudava peculiares por todos os Estados Unidos, e isso os inspira a sair em uma missão tão perigosa quanto significativa por esse território desconhecido. Um mundo novo, sem regras nem ymbrynes; um país em que clãs vivem em conflito e em que cada fenda temporal esconde criaturas nunca antes vistas.

A série de Ransom Riggs é sucesso absoluto no Brasil e no mundo, tendo conquistado milhões de leitores graças a uma encantadora combinação de mistério, romance, aventura, viagem no tempo e à sombria seleção de fotografias antigas, da coleção pessoal do autor – desta vez, muitas delas coloridas.

Estranhei quando vi o lançamento de Mapa dos Dias. Ao finalizar a leitura de Biblioteca de Almas (resenha aqui), o terceiro volume da série O Lar da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares, acreditava que a história estava finalizada. O que mais haveria para contar? Bem, até que Ransom Riggs conseguiu extrair alguma coisa neste quarto volume, mas será que foi o suficiente?

Continue lendo…




Resenha: A Caçadora de Dragões

Gente, eu sou muito fã de fantasia e vou confessar aqui: se eu pudesse ter um bicho de estimação de fantasia, seria um dragão. Na verdade, eu nem sei se seria possível ter o dragão como “bicho de estimação”, porque parece um título de posse, acho que ia querer ele como “amigo” mesmo. Enfim, por isso pedi esse livro para a Cia das Letras só pelo título (tudo bem que ele não me parece muito promissor para quem é fã de dragões rsrs, mas tinha esperanças).

Ficha técnica:

Nome: A caçadora de Dragões

Autor: Kristen Ciccarelli

Tradutor: Eric Novello

Páginas: 398

Editora: Seguinte

Compre aqui

Quando era criança, Asha, a filha do rei de Firgaard, era atormentada por sucessivos pesadelos. Para ajudá-la, a única solução que sua mãe encontrou foi lhe contar histórias antigas, que muitos temiam ser capazes de atrair dragões, os maiores inimigos do reino. Envolvida pelos contos, a pequena Asha acabou despertando Kozu, o mais feroz de todos os dragões, que queimou a cidade e matou milhares de pessoas — um peso que a garota ainda carrega nas costas. Agora, aos dezessete anos, ela se tornou uma caçadora de dragões temida por todos. Quando recebe de seu pai a missão de matar Kozu, Asha vê uma oportunidade de se redimir frente a seu povo. Mas a garota não vai conseguir concluir a tarefa sem antes descobrir a verdade sobre si mesma — e perceber que mesmo as pessoas destinadas à maldade podem mudar o próprio destino.

Continue lendo…




Resenha: Graça e Fúria

Ficha técnica:

Nome: Graça e Fúria

Autor: Tracy Banghart

Tradutor: Isadora Prospero

Páginas: 304

Editora: Seguinte

Compre aqui

Sinopse: Duas irmãs lutam para mudar o próprio destino no primeiro volume de uma série de fantasia repleta de romance, ação e intrigas políticas. Em Viridia, as mulheres não têm direitos. Em vez de rainhas, os governantes escolhem periodicamente três graças — jovens que viveriam ao seu dispor. Serina Tessaro treinou a vida inteira para se tornar uma graça, mas é Nomi, sua irmã mais nova, quem acaba sendo escolhida pelo herdeiro. Nomi nunca aceitou as regras que lhe eram impostas e aprendeu a ler, apesar de a leitura ser proibida para as mulheres. Seu fascínio por livros a levou a roubar um exemplar da biblioteca real — mas é Serina quem acaba sendo pega com ele nas mãos. Como punição, a garota é enviada a uma ilha que serve de prisão para mulheres rebeldes. Agora, Serina e Nomi estão presas a destinos que nunca desejaram — e farão de tudo para se reencontrar. Fonte

Para você que gostou de O conto da Aia, talvez vá gostar desse livro. Ou não, talvez você veja algo muito romantizado e que ache desnecessário. Eu não considerei o romance, mesmo porque ele fica bem em segundo plano nesse livro, e me concentrei nas lutas que as duas protagonistas travam.

A toda mulher que mandaram sentar e ficar quieta… e que se levantou mesmo assim.




Resenha: Uma coisa absolutamente fantástica

Ficha técnica:

Nome: Uma coisa absolutamente fantástica

Autor: Hank Green

Tradutor: Lígia Azevedo

Páginas: 384

Editora: Seguinte

Compre aqui

Sinopse: Em seu aguardado livro de estreia, Hank Green traz a história original e envolvente de uma jovem que se torna uma celebridade sem querer — mas logo se vê no centro de um mistério muito maior do que poderia imaginar.

Enquanto volta para casa depois de trabalhar até de madrugada, a jovem April May esbarra numa escultura gigante. Impressionada com sua aparência — uma espécie de robô de três metros de altura —, April chama seu amigo Andy para gravar um vídeo sobre a aparição e postar no YouTube. No dia seguinte, a garota acorda e descobre que há esculturas idênticas em dezenas de cidades pelo mundo, sem que ninguém saiba como foram parar lá. Por ter sido o primeiro registro, o vídeo de April viraliza e ela se vê sob os holofotes da mídia mundial. Agora, April terá de lidar com os impactos da fama em seus relacionamentos, em sua segurança, e em sua própria identidade. Tudo isso enquanto tenta descobrir o que são essas esculturas — e o que querem de nós.

Divertida e envolvente, essa história trata de temas muito relevantes nos dias atuais: como lidamos com o medo e o desconhecido e, principalmente, como as redes sociais estão mudando conceitos como fama, retórica e radicalização.

Parem tudo o que vocês estiverem fazendo agora e leiam “Uma coisa absolutamente fantástica”, do Hank Green. Sim, o nome não é coincidência: ele é irmão de John Green, aquele que já escreveu vários livros inclusive o famoso “A Culpa é das estrelas”. “Mas eu não gosto dos livros do John Green”, você pode me dizer. Não tem problema, os irmãos são bem diferentes na forma que eles escrevem. O único ponto em comum é o público alvo (apesar de que esse livro alcança todas as idades). Eu nem gosto tanto assim dos livros do John Green (alguns eu nem consegui terminar de ler) mas posso dizer que em “Uma coisa absolutamente fantástica” Hank teve uma ideia absolutamente… brilhante.

April May só queria voltar pra sua casa depois de trabalhar até a madrugada (horas vagas não era exatamente algo que ela tinha) e tudo estava absolutamente normal até ela encontrar com uma estátua enorme parada em uma das calçadas. A estátua era um robô imenso que ela não tinha nem ideia de como ele tinha ido parar ali sem ninguém ter percebido. April liga para o seu amigo Andy para gravar um vídeo para eles colocarem na internet (Andy já tem experiência pois tem um canal no Youtube com outro amigo). Mas o que foi absolutamente extraordinário foi que essa não foi a única estátua (que April batizou de Carl) que apareceu: dezenas cidades do mundo relataram a presença dela. Todas foram batizadas com Carl + o nome da cidade, já que o vídeo da April rapidamente viralizou por ser o primeiro que relatou esse estranho fenômeno. April se torna uma celebridade em horas e ela vai ter que saber lida com esse mistério, tanto na frente quanto fora das câmeras. E, apesar do que muitos pensam, a fama não é nada fácil…

Continue lendo…




Resenha: A Nuvem

Ficha técnica:

Nome: A Nuvem

Autor: Neal Shusterman

Tradutora: Guilherme Miranda

Páginas: 496

Editora: Seguinte

Compre aqui

Sinopse: No segundo volume da série Scythe, a Ceifa está mais corrompida do que nunca, e cabe a Citra e Rowan descobrir como impedir que os ceifadores que não seguem os mandamentos da instituição acabem com o futuro da humanidade.

Em um mundo perfeito em que a humanidade venceu a morte, tudo é regulado pela incorruptível Nimbo Cúmulo, uma evolução da nuvem de dados. Mas a perfeição não se aplica aos ceifadores, os humanos responsáveis por controlar o crescimento populacional. Quem é morto por eles não pode ser revivido, e seus critérios para matar parecem cada vez mais imorais. Até a chegada do ceifador Lúcifer, que promete eliminar todos os que não seguem os mandamentos da Ceifa. E como a Nimbo Cúmulo não pode interferir nas questões dos ceifadores, resta a ela observar.

Enquanto isso, Citra e Rowan também estão preocupados com o destino da Ceifa. Um ano depois de terem sido escolhidos como aprendizes, os dois acreditam que podem melhorar a instituição de maneiras diferentes. Citra pretende inspirar jovens ceifadores ao matar com compaixão e piedade, enquanto Rowan assume uma nova identidade e passa a investigar ceifadores corruptos. Mas talvez as mudanças da Ceifa dependam mais da Nimbo Cúmulo do que deles. Será que a nuvem irá quebrar suas regras e intervir, ou apenas verá seu mundo perfeito desmoronar?

A Nuvem é o segundo livro da série Scythe, do ótimo O Ceifador (resenha aqui). Portanto, se você não leu o primeiro livro (que fortemente recomendo que leia!), saiba que esta resenha possui spoilers dele. Contrariando aquela velha máxima que segundos livros de séries não são lá essas coisas, A Nuvem traz uma trama eletrizante, com fortes críticas políticas, mas com um final que pode dividir leitores e fãs.

Continue lendo…

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...