Arquivo para a categoria ‘ Séries ’


TTT: Dez séries que eu não vou terminar de ler

O tema do Top Ten Tuesday dessa semana era um que com certeza eu não conseguiria fazer dez tópicos sobre ele. Por isso resolvi sem vergonha nenhuma mudar completamente o tópico para um que eu sempre quis! Então, hoje eu apresento o “Dez séries que eu não vou terminar de ler”. Eu sempre tento ler todos os livros de uma série, mesmo quando eu não gostei, porque vai que os outros livros me surpreendem e são bons? Mas existem alguns casos que…  Não, não dá. Para saber o final, só através de spoilers!

Lembrando que O Top Ten Tuesday é um meme realizado pelo blog The Broke and the Bookish.

Continue lendo…




Resenha: Névoa

Névoa me interessou pela bela capa e pela sinopse misteriosa. Recebemos um exemplar da Farol Literário e, apesar de ter demorado um pouco para iniciar a leitura, assim que comecei o livro terminei-o rapidamente. Li-o em questão de um dia e meio, praticamente. Mesmo assim, não foi uma boa leitura. Após ler Névoa, fiquei com a estranha sensação de que dentro do livro está aprisionada uma história com muito potencial, mas que foi prejudicada por uma escrita pouco habilidosa.

“Gwen, uma garota de 15 anos, marca sua festa de aniversário no meio da mata. Sua irmã Nell sabe dos perigos de fazer uma festa na floresta, mas Nell não consegue impedir a irmã. Gwen é levada pela névoa da floresta. Somente Nell sabe quem está por trás do sequestro de sua irmã – o garoto que ela imaginava ser seu amigo, o belo e misterioso Evan River. Evan não é um garoto comum – ele tem um segredo que fará com que Nell questione tudo o que ela sempre ouviu de sua avó: que as histórias sobre as meninas perdidas fossem apenas contos de fadas. Evan vive à margem do mundo de Nell, raramente vislumbrado, incompreendido e temido. Um confronto entre os dois mundos está prestes a começar.” Fonte

Deveríamos nos encontrar no meio. Então, quem sabe, seremos duas irmãs normais.




Resenha: Convergente

Divergente é uma série de livros que me causa sensações conflitantes. Enquanto Divergente foi bastante empolgante – com alguns problemas, é claro, mas ainda um bom livro, Insurgente foi lamentável e um verdadeiro desperdício de tempo. Porém, apesar dos meus problemas com a série – e principalmente com a relação Tris/Quatro – eu ainda estava curiosa por esse final. E, bem, não é todo dia que temos a oportunidade de finalizar uma série, certo? São tantas pipocando por aí e depois nada das continuações… Mas enfim, eu li Convergente. Sim, fiquei curiosa e adquiri-o assim que lançou porque eu queria saber o final. E qual foi minha reação? Em uma palavra? Bem, acredito que “POUTZ!” define meu sentimento – para não dizer o português claro que eu estava realmente pensando. Revelador e original, Convergente foi um ótimo final para uma série cheia de altos e baixos.

Lembrem-se: a resenha tem spoilers de Divergente e Insurgente. Estão avisados. Mas fiquem tranquilos, ela está livre de spoilers de Convergente.

“A sociedade baseada em facções, na qual Tris Prior acreditara um dia, desmoronou – destruída pela violência e por disputas de poder, marcada pela perda e pela traição. Portanto, diante da chance de explorar o mundo além dos limites que ela conhecia, Tris não hesita. Talvez, assim, ela e Tobias possam ter uma vida simples e nova juntos, livres de mentiras complicadas, lealdades suspeitas e memórias dolorosas. No entanto, a nova realidade de Tris torna-se ainda mais alarmante do que aquela deixada para trás. Antigas descobertas rapidamente perdem o sentido. Novas verdades explosivas transformam os corações daqueles que ela ama. Então, mais uma vez, Tris é obrigada a compreender as complexidades da natureza humana enquanto convergem sobre ela escolhas impossíveis que exigem coragem, fidelidade, sacrifício e amor.
Narrado sob uma emocionante perspectiva dupla, Convergente conclui de maneira poderosa a série que alcançou o primeiro lugar na lista de bestsellers do New York Times, na qual Veronica Roth revela os segredos do mundo distópico que cativou milhões de leitores com Divergente e Insurgente.” Fonte

Sinto-me como eu mesma, forte e fraca ao mesmo tempo, livre, pelo menos por um breve instante, para ser as duas coisas.




Resenha: O Beijo das Sombras

Ano passado, quando fiquei sabendo que Academia de Vampiros ia virar filme, algumas amigas minhas insistiram para que eu lesse a série. Como estou apinhada de livros, não dei tanta bola assim, ainda mais porque se tratava de um tema que já estava saturado: vampiros.

Aí a Lany e a Vânia começaram a ler o spin-off Bloodlines e estavam tentando me convencer a ler. Eu sei que para ler um você não precisa ter lido a outra série, basta saber de alguns spoilers (e eu li todos os spoilers), mas com o filme se aproximando decidi dar uma chance à Academia de Vampiros, então o escalei para a Maratona Literária 2.0. A minha surpresa foi que eu o li rapidamente.

Esse livro também faz parte do Desafio Realmente Desafiante 2014, promovido pela Clícia do blog Silêncio que eu to lendo. O item é o número 10: O primeiro livro de uma série.

O_BEIJO_DAS_SOMBRAS1Sinopse: Lissa Dragomir é uma adolescente especial, por várias razões: ela é a princesa de uma família real muito importante na sociedade de vampiros conhecidos como Moroi. Por causa desse status, Lissa atrai a amizade dos alunos Moroi mais populares na escola em que estuda, a São Vladimir. Sua melhor amiga, no entanto, não carrega consigo o mesmo prestígio: meio vampira, meio humana, Rose Hathaway é uma Dampira cuja missão é se tornar uma guardiã e proteger Lissa dos Strigoi – os poderosos vampiros que se corromperam e precisam do sangue Moroi para manter sua imortalidade. 

Pressentindo que algo muito ruim vai acontecer com Lissa se continuarem na São Vladimir, Rose decide que elas devem fugir dali e viver escondidas entre os humanos. O risco de um ataque dos Strigoi é maior, mas elas passam dois anos assim, aparentemente a salvo, até finalmente serem capturadas e trazidas de volta pelos guardiões da escola. 

Mas isso é só o começo. Em O Beijo das Sombras, Lissa e Rose retomam não apenas a rotina de estudos na São Vladimir como também o convívio com a fútil hierarquia estudantil, dividida entre aqueles que pertencem e os que não pertencem às famílias reais de vampiros. São obrigadas a relembrar as causas de sua fuga e a enfrentar suas temíveis consequências. E, quem sabe, poderão encontrar um par romântico aqui e outro ali. Mais importante, Rose descobre por que Lissa é assim tão especial: que poderes se escondem por trás de seu doce e inocente olhar? Fonte

Continue lendo…




Resenha: Encontre-me

Recebemos Encontre-me como uma gentil cortesia surpresa da Globo Livros. Aliás, a campanha de marketing desse livro foi bem bacana; antes de enviarem o exemplar a editora enviou um envelope negro com um post-it colado, onde estava escrito “Encontre-me”. Quando o livro chegou, fiquei bem curiosa para lê-lo, mas por culpa da minha imensa pilha de leituras só pude lê-lo recentemente. Foi um livro que me empolgou desde a primeira linha, mas que do meio para o final deixou muito a desejar. Com uma escrita ágil e uma trama tensa, Encontre-me seria um livro incrível se apenas insistisse no ótimo suspense ao invés de se deixar levar por clichês exaustivos.

“Um clima de suspense crescente, narrado sob o ponto de vista de uma heroína com a cara do século 21: a descolada adolescente Wick Tate. Órfã de mãe, e filha de um violento criminoso, a garota só confia em seu aguçado instinto de sobrevivência quando se trata de cuidar de si mesma e da irmãzinha, Lilly. Não confia em ninguém – nem mesmo nos pais adotivos com quem ela e Lilly temporariamente vivem num confortável lar de classe média alta próximo à cidade de Atlanta. Por isso mesmo, tenta se garantir mantendo uma secreta e rentável “atividade extracurricular”. Faz investigações on-line sob encomenda para mulheres que suspeitam da fidelidade dos parceiros. Wick é uma hacker de mão cheia.

O peculiar estilo de vida de Wick sofre uma reviravolta quando Tessa Waye, uma antiga amiga de escola, é encontrada morta e o diário dela acaba nas mãos de Wick. Em meio às páginas, uma enigmática mensagem: “Encontre-me”. Aos poucos, Wick involuntariamente é enredada numa rede de mistério que se transforma num desafio pessoal, quando se descobre que Tessa foi assassinada – e que Lilly pode ser a próxima vítima. Para chegar à identidade do assassino, Wick terá de contar com todo seu talento em programação de computadores, além da ajuda constante do vizinho, com quem tem uma certa tensão sexual, Griff.

Com um enredo que mantém o leitor agarrado ao livro da primeira à última página, Encontre-me é o livro de estreia de Romily Bernard e o primeiro da trilogia homônima, “Encontre-Me”.” Fonte

Fingir ser normal faz com que você sinta que está sangrando até a morte.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...



Página 29 de 38« Primeira...1020...2728293031...Última »