Arquivo para a categoria ‘ Séries ’


Resenha: Tentação sem limites

Depois que li Paixão sem Limites, eu fiquei com muita raiva do Rush, o mocinho da história. Só por isso, eu torcia para lançarem logo a continuação, apesar de saber mais ou menos até onde a relação entre as personagens vai chegar, mas só para ver como o Rush ia sofrer (sim, eu sou má). Observação: essa resenha pode conter spoilers que provavelmente não vão atrapalhar sua leitura, mas nunca se sabe, melhor avisar.

TENTACAO_SEM_LIMITESSinopse: A vida de Blaire Wynn não foi nada fácil. Sua irmã gêmea morreu muito cedo, seu ex-namorado e melhor amigo a traiu e ela precisou cuidar da mãe doente até o último dia de sua vida. Depois de tanto sofrimento, o que ainda seria capaz de machucá-la? O terrível segredo de Rush Finlay. Depois de se apaixonar perdidamente por ele, Blaire descobriu algo cruel que destruiu para sempre o mundo que conhecia. Agora ela está mais sozinha do que nunca e precisa recomeçar a vida longe de todos que a feriram. O único problema é que não consegue deixar de amá-lo. Rush Finlay também não sabe o que fazer. Apesar das tentativas dos amigos e da família para animá-lo, o rapaz segue desolado. Ele já não quer saber da vida que levava, regada a festas, bebidas e mulheres. É atormentado pelas lembranças de um sentimento que jamais imaginara que fosse conhecer e que não pôde ser vivido plenamente. Nem Rush nem Blaire imaginavam que seus universos pudessem se transformar de forma tão radical. Porém, a maior reviravolta das suas vidas ainda está por vir. E ela será tão intensa que obrigará Blaire a engolir o orgulho, voltar a Rosemary, na Flórida, e enfrentar seus inimigos. Rush por sua vez, terá que lutar para consertar seus erros e se provar digno da confiança e do amor dela. Segundo volume da trilogia Sem Limites, que já vendeu mais de 5 milhões de exemplares no mundo, Tentação sem limites é tão viciante e tentador quanto uma paixão proibida. Fonte

Continue lendo…




Resenha: Fazendo meu filme 2 – Fani na Terra da Rainha

Fazendo meu filme 2“Depois de conquistar milhares de leitores e leitoras, a nossa doce e querida Fani volta ainda mais divertida e encantadora. O segundo volume do livro Fazendo meu filme apresenta as aventuras de Estefânia Castelino Belluz na terra da rainha. Sim, na Inglaterra! Longe do grande amor, ela passa por momentos de alegria, dor, saudade, tristeza e, mais do que isso, pode conhecer melhor a si mesma. Sem deixar de lado suas amigas inseparáveis e sua família, ela consegue, no outro continente, viver momentos cheios de suspense, revelações, aventuras, descobertas e emoções fortíssimas! Feliz, triste, preocupada, ansiosa, temerosa, otimista, insegura, cheia de si, apaixonada, desiludida, seja como estiver, Fani mostra a cada página deste livro que não é mais aquela menina tão frágil que muitas vezes se escondia por trás de sua timidez.”

Atenção: Essa resenha contém spoilers do primeiro livro da série, Fazendo meu filme 1 – a estreia de Fani.

Vocês já devem ter lido a minha resenha muito animada do primeiro livro da série. Sim, eu amei a estreia da Fani e por isso fui correndo ler o segundo livro da série. Estava tão feliz que havia me esquecido da “Maldição do segundo livro”. Eu tenho sérios problemas com o segundo livro de uma série: é muito difícil eu realmente gostar dele (posso contar nos dedos quantas vezes isso aconteceu). Apesar da leitura ter sido muito divertida, eu senti que esse livro poderia ser melhor. Não foi nada que estragasse completamente a série – eu continuo adorando a escrita da Paula Pimenta. Mas nunca é bom ler um livro com muitas expectativas, e talvez esse tenha sido um dos problemas.

Continue lendo…




TTT: Dez séries que eu não vou terminar de ler

O tema do Top Ten Tuesday dessa semana era um que com certeza eu não conseguiria fazer dez tópicos sobre ele. Por isso resolvi sem vergonha nenhuma mudar completamente o tópico para um que eu sempre quis! Então, hoje eu apresento o “Dez séries que eu não vou terminar de ler”. Eu sempre tento ler todos os livros de uma série, mesmo quando eu não gostei, porque vai que os outros livros me surpreendem e são bons? Mas existem alguns casos que…  Não, não dá. Para saber o final, só através de spoilers!

Lembrando que O Top Ten Tuesday é um meme realizado pelo blog The Broke and the Bookish.

Continue lendo…




Resenha: Névoa

Névoa me interessou pela bela capa e pela sinopse misteriosa. Recebemos um exemplar da Farol Literário e, apesar de ter demorado um pouco para iniciar a leitura, assim que comecei o livro terminei-o rapidamente. Li-o em questão de um dia e meio, praticamente. Mesmo assim, não foi uma boa leitura. Após ler Névoa, fiquei com a estranha sensação de que dentro do livro está aprisionada uma história com muito potencial, mas que foi prejudicada por uma escrita pouco habilidosa.

“Gwen, uma garota de 15 anos, marca sua festa de aniversário no meio da mata. Sua irmã Nell sabe dos perigos de fazer uma festa na floresta, mas Nell não consegue impedir a irmã. Gwen é levada pela névoa da floresta. Somente Nell sabe quem está por trás do sequestro de sua irmã – o garoto que ela imaginava ser seu amigo, o belo e misterioso Evan River. Evan não é um garoto comum – ele tem um segredo que fará com que Nell questione tudo o que ela sempre ouviu de sua avó: que as histórias sobre as meninas perdidas fossem apenas contos de fadas. Evan vive à margem do mundo de Nell, raramente vislumbrado, incompreendido e temido. Um confronto entre os dois mundos está prestes a começar.” Fonte

Deveríamos nos encontrar no meio. Então, quem sabe, seremos duas irmãs normais.




Resenha: Convergente

Divergente é uma série de livros que me causa sensações conflitantes. Enquanto Divergente foi bastante empolgante – com alguns problemas, é claro, mas ainda um bom livro, Insurgente foi lamentável e um verdadeiro desperdício de tempo. Porém, apesar dos meus problemas com a série – e principalmente com a relação Tris/Quatro – eu ainda estava curiosa por esse final. E, bem, não é todo dia que temos a oportunidade de finalizar uma série, certo? São tantas pipocando por aí e depois nada das continuações… Mas enfim, eu li Convergente. Sim, fiquei curiosa e adquiri-o assim que lançou porque eu queria saber o final. E qual foi minha reação? Em uma palavra? Bem, acredito que “POUTZ!” define meu sentimento – para não dizer o português claro que eu estava realmente pensando. Revelador e original, Convergente foi um ótimo final para uma série cheia de altos e baixos.

Lembrem-se: a resenha tem spoilers de Divergente e Insurgente. Estão avisados. Mas fiquem tranquilos, ela está livre de spoilers de Convergente.

“A sociedade baseada em facções, na qual Tris Prior acreditara um dia, desmoronou – destruída pela violência e por disputas de poder, marcada pela perda e pela traição. Portanto, diante da chance de explorar o mundo além dos limites que ela conhecia, Tris não hesita. Talvez, assim, ela e Tobias possam ter uma vida simples e nova juntos, livres de mentiras complicadas, lealdades suspeitas e memórias dolorosas. No entanto, a nova realidade de Tris torna-se ainda mais alarmante do que aquela deixada para trás. Antigas descobertas rapidamente perdem o sentido. Novas verdades explosivas transformam os corações daqueles que ela ama. Então, mais uma vez, Tris é obrigada a compreender as complexidades da natureza humana enquanto convergem sobre ela escolhas impossíveis que exigem coragem, fidelidade, sacrifício e amor.
Narrado sob uma emocionante perspectiva dupla, Convergente conclui de maneira poderosa a série que alcançou o primeiro lugar na lista de bestsellers do New York Times, na qual Veronica Roth revela os segredos do mundo distópico que cativou milhões de leitores com Divergente e Insurgente.” Fonte

Sinto-me como eu mesma, forte e fraca ao mesmo tempo, livre, pelo menos por um breve instante, para ser as duas coisas.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...