Outras páginas: Mangá Cavaleiros do Zodíaco

cavaleiros do zodiaco


Embora Cavaleiros do Zodíaco não seja a minha saga de mangás preferida, ela foi a primeira que li, então nada mais justo do que colocá-la nessa coluna.

Então, com licença, vou contar um pouco como conheci essa saga.

Em 1994,  a extinta (e saudosa) TV Manchete começou a exibir alguns animes, dentre eles Os cavaleiros do zodíaco. No começo eu me rachava de rir com aquela abertura e a música brega (sim, eu achava porque não admitia que GOSTAVA – ainda acho um pouco brega, mas penso nela com carinho hoje) e que de tão chiclete acabei decorando, mas que chamou minha atenção e assim acabei me acostumando e me afeiçoando à série. Depois de alguns anos é que veio a conclusão do anime, que passou por três sagas. Na época, eu lia a revista Herói (da editora Conrad), que mostrava as prévias de alguns capítulos e depois mostrou/contou como foi a última saga do mangá, que não foi adaptada para animação (isso mudou por volta de 2005).

Ainda alguns anos depois, acho que no final dos anos 90, estava eu no litoral paulista quando vejo de longe em uma banca o mangá número 2 de Os Cavaleiros do Zodíaco, também pela Conrad. Comprei, sem saber se colecionaria ou não, mas depois meu irmão encontrou o número 1, então resolvi colecionar. Foram 48 volumes lançados no Brasil entre 1999 a 2003. Minha alegria foi que, apesar de algumas dificuldades, a Conrad conseguiu lançar todos os mangás, inclusive a saga de Hades, que não foi adaptada para anime antes dos anos 2000 (o anime foi lançado na década de 80).

Agora deixa eu contar um pouco sobre a história do mangá:

cavaleiros+do+zodiaco+manga1

Capa do primeiro volume lançado pela Conrad

A história gira em torno de um jovem chamado Seya, um órfão que vivia em um orfanato com sua irmã, Seika. Aos sete anos, ele é separado de sua irmã de forma brutal e levado para a mansão do milionário Mitsumasa Kido, que havia “adotado” 100 jovens para treinarem e conquistarem uma armadura sagrada de cavaleiro de Athena. Ele fez Mitsumasa prometer que o deixaria ver sua irmã caso trouxesse a armadura de volta para o Japão.

CavaleirosZod1Capa 2.indd

Capa do primeiro volume relançado pela JBC em 2012

Cada um dos cem órfãos é enviado para um determinado lugar do mundo para receber um treinamento próprio e conquistar uma armadura sagrada, a prova de que é um cavaleiro. Dentre os órfãos, estão também os outros protagonistas da série: Shiryu, Hyoga, Shun e seu irmão mais velho, Ikki.

Seya vai para a Grécia e seis anos mais tarde ele conquista a armadura de Pégaso. Mas, ao retornar ao Japão para rever sua irmã, descobre que ela havia desaparecido assim que ele embarcou para a Grécia e que Mitsumasa Kido estava morto, deixando sua neta Saori Kido, a quem Seya odiava, responsável por tudo.

Não tendo meios de encontrar sua irmã, Seya negocia com Saori: Ele participaria da tal Guerra Galáctica e, se vencesse e conquistasse a sagrada armadura de ouro de Sagitário, ela ajudaria na busca por sua irmã através da Fundação GRAAD.

O que começou apenas como um torneio entre os 10 cavaleiros de bronze que retornaram, se tornou o início de uma jornada contra o mal, principalmente quando descobre-se que Saori Kido na verdade é Athena, que nasce na Terra a cada 200 anos.

A história é dividida em quatro sagas:

Cavaleiros negros: A armadura de Sagitário é roubada da arena da Guerra Galáctica por um dos cavaleiros e Seya tem que se unir aos seus companheiros para consegui-la de volta.

Santuário: Os cavaleiros devem atravessar as 12 casas do zodíaco e enfrentar os cavaleiros de ouro para levarem o Grande Mestre até Athena, que corre risco de morrer.

Poseidon: Para impedir que a Terra seja completamente coberta de água, os cavaleiros devem derrubar os pilares localizados nos sete mares, protegidos pelos generais marinas, para conseguirem derrubar o pilar principal, onde Athena está presa.

Hades: Para impedir que o mundo caia em completa escuridão, os cavaleiros devem ir até o Inferno para destruir Hades.

Entre a saga do Santuário e Poseidon tem ainda uma aventura solo de Hyoga, chamada Natássia do País do Gelo. De todas elas, a minha favorita é a saga de Hades, que tem uma conclusão épica e com gostinho de quero mais.

Como eu disse ali em cima, tenho um carinho especial por essa saga por ela ter sido a primeira que eu li e colecionei. Depois dos mangás clássicos, foram lançados outros títulos relacionados, Episódio G  (Conrad) e The Lost Canvas (JBC) e que espero conseguir falar sobre eles em outros posts, já que cada um é diferente do outro.

Apesar de alguns furos temporais, a história toda é centrada na amizade, lealdade e amor, nunca voltada para o lado romântico e você consegue se emocionar com a história – sério, teve duas partes que eu fiquei com vontade de chorar. O traço de Kurumada é bem grosseiro, na minha opinião mas, uma vez que a história me fisgou, eu não me importei com isso e acabei me acostumando.

next_dimensionEm 2012 a JBC adquiriu os direitos de publicação relançou os mangás da saga clássica (acabei de ver que serão 28 volumes) além da continuação oficial, Next Dimension. No momento eu não tenho intenção de adquirir Next Dimension, meio que a série já deu o que tinha que dar (estou tentada, na verdade), mas para quem for fã de carteirinha e quiser relembrar, ou ainda para aqueles que quiserem conhecer, fica a dica.

 Informações interessantes sobre a saga, resumos mais detalhados, imagens, vídeos e notícias podem conferir nesse neste site.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  


  • Nayara disse:

    Eu simplesmente amo cavaleiros do zodiaco! <33 Lembra muuito minha infância!
    Nunca li os mangás =( Mas queria muito!!!
    Adorei o post!!
    Beijoss

  • Lucy disse:

    Oi, Nayara! É um memorial né? rsrs
    Atualmente acho que é mais fácil encontrar os mangás pela internet, mas lembrando que eles estão disponíveis na banca pela JBC – sempre é tempo. ;)
    Bjos!

  • Dâmaris Carvalho Lima disse:

    Eu assistia cavaleiros do zodíaco, mas não sou muito fã de mangás.

  • Lucy disse:

    OI, Dâmaris! Uma pena, realmente. Eu diria que muitos animes são para os mangás como as adaptações de cinema são para os livros, ou seja… Já sabe que vai ter muito mais informação no mangá. rsrs (Se bem que muitos animes colocam “fillers” para encher linguiça enquanto o mangá é finalizado, então…)
    Mas enfim, quem sabe um dia vc se interesse.
    Bjs

  • Jaynne Souza disse:

    Meus primos são loucos por mangás, já eu não consigo gostar muito :c

  • Lucy disse:

    Oi, Jaynne! Poxa, uma pena mesmo. Quem sabe outro título?
    Bjs

  • Isa Aragão disse:

    Nossaaaa. Adorava assistir Cavaleiros do Zodíaco. Pouco me lembro, mas me deixou com um gostinho de saudade <3

  • Lucy disse:

    Oi, Isa! Já tem um tempinho né? rsrs Eu que o diga! Quem sabe você se anima com o mangá tb.
    Bjos!

  • Shadai disse:

    gostei muito desse post, pois me identifiquei totalmente.
    também faço parte da geração Cavaleiros na Manchete, e com direito a comprar a revista herói e depois colecionar os mangás da Conrad.
    mas só colecionei a saga “normal”, as outras fases recentes não comprei, assim como não assisti os animes novos. Para mim esses mais recentes não parecem nada com o Cavaleiros original, por isso nem fico tentado a comprar mais nada.
    para finalizar: post nostálgico demais, saudades da minha ótima infância!

  • Lucy disse:

    Nossa, eu colecionei até a edição 100 da revista herói! *__*
    Sobre as sagas novas: Realmente, são diferentes da original, mas seguem o mesmo estilo: Luta contra alguém malvado e etc. rsrs
    Sobre os animes novos, da saga de Hades, realmente eles ficaram diferentes dos antigos que eu preferia mais. Agora também acho que a série deu o que tinha que dar, por isso não me animei com os novos mangás.
    Obrigada!
    Bjos

  • camila rosa disse:

    Oi, eu não sabia que havia mangá também eu sabia que tinha o anime que eu assitia e gostava, muito, adorei esse post, e você tem razão a musica de abertura é brega, mas também tenho um carinho enorme por esse anime.
    Beijos!!!

  • Lucy disse:

    Oi, Camila! Pois é! Geralmente vem o mangá, depois o anime! É assim que nem os livros. rsrs
    A música de abertura era realmente muito brega, só depois de anos é que mudaram para uma mais com a cara da série.
    Obrigada!
    Bjs

  • Caroline Evans disse:

    Eu nunca assisti ao anime, e atualmente não me vejo lendo os mangás. =(

  • Lucy disse:

    Poxa, Carol. Uma pena, você não sabe o que perdeu. rs
    Bjos

  • Marcio Renato disse:

    Para mim é o melhor anime e o melhor mangá de todos os tempos,particularmente eu acho o mangá melhor,com mais detalhes,coerência e a arte do Kurumada é fantástica!Felizmente eu já possuo a saga completa q foi publicada pela Conrad,e qto a essa nova saga talvez eu a colecione no futuro!

  • Top Ten Tuesday: Dez Mangás Favoritos « Por Essas Páginas disse:

    […] Os Cavaleiros do Zodíaco, Masami Kurumada: Foi o primeiro mangá que eu li. Já falei dele aqui no blog e, como a maioria dos fãs, eu conheci primeiro pelo anime, com aquela musiquinha cafona (e […]

PREENCHA OS CAMPOS ABAIXO PARA DEIXAR SEU COMENTÁRIO




Mensagem