Sexta do Sebo #299

E olha a primeira Sexta do Sebo de 2019!

Estou com duas leituras em andamento que encalharam ano passado, peguei Um acordo e nada mais e também O caso da Mansão Deböen, que recebi da Intrínseca!

Leiam as regras com muito amor nesse coração!

Sexta do Sebo é inspirada no PsychoSunday do blog Psychobooksque por sua vez se inspiraram no Second Hand Saturday do Reading Teen.

Toda semana faremos uma pergunta sobre literatura em geral. Não há resposta correta, o que queremos são os comentários e opiniões do vocês. Entre os comentaristas do post realizaremos um sorteio na semana seguinte (próxima sexta) e o vencedor poderá escolher um livro entre os que estão na lista divulgada no tópico. Serão válidos os comentários desde o dia do post (sexta-feira) até a quinta-feira da semana seguinte. Vale a pena lembrar que todos os livros dessa lista são usados, ou seja, eles podem ter algum defeito na capa, folhas amareladas, dedicatórias, livros encapados ou qualquer outra coisa do gênero, mas todos estão em bom estado para leitura. São livros da nossa equipe que, originalmente, estavam destinados aos sebos (por isso Sexta do Sebo!), porém, ao invés disso, resolvemos sortear aqui no blog. O prazo de entrega dos livros é o que normalmente utilizamos no blog, ou seja, 30 dias após o recebimento do endereço do vencedorIMPORTANTE (NOVA REGRA): Caso o vencedor não atenda às três tentativas de entrega dos correios e não vá buscar o livro na agência, como informado pelos correios, será cobrado frete do livro para o novo envio do mesmo. O vencedor será sempre divulgado nas sextas-feiras, no post da próxima edição da Sexta do Sebo e nesse post será feita uma nova pergunta que valerá para a semana seguinte. Nesse sorteio nós não avisaremos o vencedor como geralmente fazemos; quem comentou deverá acompanhar os novos posts todas as sextas-feiras e, caso seja o vencedor da semana, deverá enviar um e-mail para o contato@poressaspaginas.com com seu endereço em até 48 horas. O sorteio será realizado via Random.

O vencedor da Sexta do Sebo #298 foi…

Continue lendo…




Resenha: Tempestade de Guerra

Tempestade de GuerraFicha técnica:

Nome: Tempestade de Guerra

Autor: Victoria Aveyard

Tradutores: Cristian Clemente, Guilherme Miranda, Lígia Azevedo, Zé Oliboni

Páginas: 699

Editora: Seguinte

Compre aqui

No aguardado desfecho da série A Rainha Vermelha, descubra qual poder sairá vencedor depois que a tempestade de guerra passar.

Mare Barrow aprendeu rápido que, para vencer, é preciso pagar um preço muito alto. Depois da traição de Cal, ela se esforça para proteger seu coração e continuar a lutar junto aos rebeldes pela liberdade de todos os vermelhos e sanguenovos de Norta. A jovem fará de tudo para derrubar o governo de uma vez por todas — começando pela coroa de Maven.

Mas nenhuma guerra pode ser vencida sem ajuda, e logo Mare se vê obrigada a se unir ao garoto que partiu seu coração para derrotar aquele que quase a destruiu. Cal tem aliados prateados poderosos que, somados à Guarda Escarlate, se tornam uma força imbatível. Por outro lado, Maven é guiado por uma obsessão profunda e fará qualquer coisa para ter Mare de volta, nem que tenha que passar por cima de tudo — e todos — no caminho.

Continue lendo…




Resenha: Maria Bonita – Sexo, Violência e Mulheres no Cangaço

Você acha que sabe quem foi Maria Bonita? Sabia que ela só passou a ser conhecida por esse nome depois de sua morte?

Ficha técnica:

Nome: Maria Bonita – Sexo, Violência e Mulheres no Cangaço

Autora: Adriana Negreiros

Páginas: 296

Editora: Objetiva

Compre aqui

 

Sinopse: A mulher mais importante do cangaço brasileiro, que inspirou gerações de mulheres, ganha agora sua biografia mais completa e com uma perspectiva feminista. Embora a mitificação da imagem de Maria Bonita tenha escondido situações de constante violência, ela em nada diminui o caráter transgressor da Rainha do Sertão.

Desde os anos 1990, quando Vera Ferreira, filha do casal de cangaceiros mais famoso do Brasil, cravou como data de nascimento de sua mãe o 8 de março, Maria Bonita é celebrada no Dia Internacional da Mulher. Com o tempo, transformou-se em uma marca poderosa.

Enquanto a companheira de Lampião viveu, no entanto, essa personagem nunca existiu. A cangaceira que teve a cabeça decepada em 28 de julho de 1938 era simplesmente Maria de Déa: uma jovem de 28 anos que morreu sem jamais saber que, um dia, seria conhecida como Maria Bonita.

Nos anos em que viveu com Lampião e nos subsequentes à sua morte, despertou pouco interesse em pesquisadores ou jornalistas. E foi essa lacuna de informações sobre sua vida e a das outras jovens que viviam com o bando que contribuiu para que se criasse a fantasia de uma impetuosa guerreira, hábil amazona do sertão, uma Joana D’Arc da caatinga. Essa versão romântica e justiceira de Maria Bonita, rapidamente apropriada pela indústria cultural, tornou-se um produto de forte apelo comercial — e expandiu seus limites para além das fronteiras do sertão. Neste livro, Adriana Negreiros constrói a biografia mais completa até então daquela que é, sem dúvidas, a mulher mais importante do cangaço.

Continue lendo…




Sorteio Verão 2019!

Sim, eu sei que o nome é brega, mas achei que combinava! hahaha

FELIZ ANO NOVO!

A equipe do Por essas páginas deseja a todos um 2019 cheio de boas leituras e boas vibrações! E vamos celebrar esse novo ano e o nosso aniversário com um Sorteio de verão!

Continue lendo…




Resenha: Celular

Ficha técnica:

Nome: Celular

Autor: Stephen King

Tradutora: Fabiano Morais

Páginas: 384

Editora: Suma

Compre aqui

Sinopse:

Onde você estava no dia 1.º de outubro? O protagonista Clay Riddell estava em Boston, quando o inferno surgiu diante de seus olhos. Bastou um toque de celular para que tudo se transformasse em carnificina. Stephen King – que já nos assustou com gatos, cachorros, palhaços, vampiros, lobisomens, alienígenas e fantasmas, entre outros personagens malévolos – elegeu os zumbis como responsáveis pelo caos desta vez.

Depois de anos de tentativas frustradas, o artista gráfico Clay Riddell finalmente consegue vender um de seus livros de histórias em quadrinhos. Para comemorar, decide tomar um sorvete. Mas, antes de poder saboreá-lo, as pessoas ao seu redor, que por acaso falavam ao celular naquele momento, enlouquecem.

Fora de si, começam a atacar e matar quem passa pela frente. Carros e caminhões colidem e avançam pelas calçadas em alta velocidade, destruindo tudo. Aviões batem nos prédios. Ouvem-se tiros e explosões vindos de todas as partes.

Neste cenário de horror, Clay usa seu pesado portfolio para defender um homem prestes a ser abatido, Tom McCourt, e eles se tornam amigos. Juntos, eles resgatam Alice Maxwell, uma menina de 15 anos que sobreviveu a um ataque da própria mãe.

Os três sortudos – entre outros poucos que estavam sem celular naquele dia – tentam se proteger ao mesmo tempo em que buscam desesperadamente o filho de Clay. Assim, em ritmo alucinante, se desenrola esta história. O desafio é sobreviver num mundo virado às avessas. Será possível?

Celular era um livro do Stephen King que sempre tive curiosidade de ler, mesmo após ter visto o filme (que, na minha humilde opinião, é do tipo “não perca seu tempo”). Apesar disso, ainda via o livro com bons olhos, pois me parecia ser uma história de zumbis que subvertia os clichês do gênero, com toda a ideia dos celulares etc. Isso acontece? Sim. A ideia é bem legal e King consegue ir além, inserindo aspectos sobrenaturais que tornam a coisa toda bem diferente. Mas tem um “mas”, não é?

Sim, tem um “mas”.
Continue lendo…

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...