Por essas telas: The Boys

 

Quando assinei a Amazon Prime, eu nem pensava muito no canal de streaming, eu fiz para conseguir um frete grátis e entrega mais rápida de mercadorias. Aí fui dar uma olhada no acervo e talz… E me deparei com The Boys. Fugi dessa série por um tempo para assistir alguns filmes (e tinha acabado de lançar Aladim por lá! ♥), até que não deu mais.

Só posso dizer que se você tem estômago fraco, The Boys não é para você. Aliás, se você tem menos de 18 anos, não recomendo também.

Do que se trata a série?

A série é uma adaptação dos quadrinhos de Garth Ennis e Darick Robertson.

Em um universo alternativo existem seres humanos com superpoderes e que se tornam heróis, mas acabam abusando de seus poderes, em vez de o usarem para o bem da humanidade. Quando a namorada de Hughie é morta acidentalmente por um desses heróis, ele recebe uma proposta de um homem misterioso, Billy Butcher, que reúne uma equipe que já trabalhou na CIA (+ uma mulher) para tentar acabar com esses heróis.

Quando me deparei com as primeiras cenas, achei que eu demoraria um pouco mais para terminar de assistir, mesmo sendo uma série relativamente curta, com 8 episódios de aproximadamente 1 hora de duração. Mas a série prende muito quem a assiste, porque sempre tem aquela tensão de saber se algum herói (principalmente o Patriota) vai acabar descobrindo sobre “os Caras” (vou chamá-los de “The Boys”, ok?), ou se eles conseguirão alguma forma de desmascarar todos os supers e a empresa que os agencia, a Vought.

É uma sátira aos heróis que conhecemos – a semelhança com a Liga da Justiça não é mera coincidência – bem acima do que eu esperava: bem mais violenta, com personagens fortes e sarcasmo até dizer chega.

O que achei muito interessante nessa série é a forma como a Vought manipula a população e os próprios supers. Ela agencia os supers, transformando-os em mega astros. Inclusive, não é surpresa encontrar filmes ou séries de TV, realities shows estrelados por esses super-heróis, fora os brinquedos ou colecionáveis e eventos de grande escalas.

Aliás, a Vougth também cria situações e “crimes” para que seus heróis apareçam e salvem o dia. Expõe seus heróis como peões, não importa o sentimento, ou mesmo a “missão” de salvar a humanidade. O que importa é a audiência. E, com todo esse poder, os heróis se corrompem, usam e abusam de seus poderes, sem medir as consequências.

É interessante notar que as pessoas comuns não percebem esse desvio de caráter dos heróis ou, se percebem, preferem continuar como expectadores, só vendo o circo pegar fogo entre eles.

A não ser que haja um “dano colateral”.

Hughie é uma prova viva disso, principalmente quando sua namorada é morta por um desses heróis, evento esse conhecido como “dano colateral”. Então, ele é recrutado por Billy Butcher (ou Billy Bruto, conforme tradução) e conhece os bastidores de como os heróis agem. A cada episódio, eu ficava mais horrorizada com o que os heróis faziam sem qualquer culpa e também com o que a Vought era capaz de fazer para manter as aparências e ainda tentar alçar voos mais audaciosos.

Eu não li os quadrinhos, mas pesquisei algumas diferenças entre a série da Amazon e a HQ e devo dizer que na HQ o grau de violência é ainda maior, inclusive a questão da Estelar, que na Amazon acaba se tornando uma referência na série em relação a assédio e estupro, mas na HQ é diferente.

Uma série cheia de críticas sociais, sobre alienação, o consumo acelerado consequente dessa alienação, como o poder e o ego podem corromper, além de jogos políticos… É um prato cheio de alfinetadas e até com um humor negro, bem ácido, e personagens bem construídos. Os efeitos especiais também são um show à parte.

Recomendo muito que assistam! Mas já aviso: sangue pra todo o lado, cenas de sexo, nudez masculina e muito sangue (sim, de novo) na tela.

Para quem assistiu: Não sei vocês, mas eu acho o Patriota assustador e sei que o Sombra Negra é ainda mais, acredito que ele terá mais espaço na segunda temporada. Vamos aguardar.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...


  • Debyh disse:

    Olá,
    Eu já ouvi falar tão bem dessa série, quero super ver. Sempre gostei de ver séries sobre heróis, mesmo que pelo visto estes não sejam exatamente heróis.

  • Kênia Cândido disse:

    Oi Lucivania.

    Eu ainda não assisti nenhuma série do Amazon Prime, mas estou criando uma listinha com série que desejo dar prioridades. Eu já tinha visto um trailer dessa série, mas não tinha lido nenhuma crítica. Vou adicionar na listinha e assistir o mais rápido possível. Obrigada pela dica.

    Bjos

  • Bianca Ribeiro disse:

    Eu ainda não assisti essa série, mas minha esposa já viu e o pouco que eu vi, parece ser muito bacana mesmo, mesmo que, segundo ela, a série dê uma patinada em alguns pontos, é bem legal.
    Eu quero muito ver essa série quando eu tiver tempo! Adorei sua critica!

  • Lilian de Souza Farias disse:

    Um amigo me indicou essa série, até fiquei tentada em assinar a Amazon Prime, mas pelas mesmas razões que vocês, porém, tenho me deparado com ótimos elogios das séries, acho que vou aproveitar muito, como você, também não li os quadrinhos.

PREENCHA OS CAMPOS ABAIXO PARA DEIXAR SEU COMENTÁRIO




Mensagem