Queridinho do Mês – Rose Tyler

Uma vez ou outra nós nos deparamos com um personagem pelo qual nos apaixonamos de tal maneira que nada mais faz muito sentido se ele/ela não estiver nas páginas. Esses são aqueles personagens sempre inseridos em conversas aleatórias, aqueles que seus amigos não aguentam mais ouvir o nome de tantas referências que você faz. São aqueles personagens que você passa horas e horas imaginando o que aconteceu com ele após fechar o livro, ou o que irá acontecer no próximo volume… que não importa a quantidade de informação que você tenha sobre ele, nunca parece ser suficiente. Esses são os personagens que eventualmente, de uma forma ou de outra, quebram nosso coração.

Rose Tyler (interpretada por Billie Piper), de Doctor Who, é uma dessas personagens para mim. Vocês estão provavelmente se perguntando o que uma personagem de uma série de TV está fazendo em um blog de literatura, mas eu tenho uma explicação: sabem aqueles personagens que nós amamos tanto e precisamos tanto falar sobre eles que encontramos explicação para tudo? Rose aparece em pelo menos 12 livros que acompanham a série de TV, publicados pela BBC Books e embora eu tenha lido apenas um deles posso dizer que é a mesma Rose da TV.

The Doctor showed me a better life. (…) That you don’t just give up, you don’t just let things happen, you make a stand. You say no. You have the guts to do what’s right when everyone else just runs away!

AVISO: Contém spoilers das quatro primeiras temporadas da nova série de Doctor Who. Se você é um dos meus amigos aos quais eu ameacei convenci a ver a série, pare exatamente aqui. A não ser que você seja a Lucy, nesse caso pode ler sem problemas!

Doctor Who conta as aventuras de um alienígena (o Doctor, interpretado por Christopher Eccleston) na sua nave espacial/máquina do tempo no formato de uma cabine da polícia da década de 60 – a TARDIS. Ele é o último dos Time Lords e viaja pelo tempo e espaço sempre à procura de novos lugares, sempre à procura de fazer parte da história de uma forma ou de outra (vocês podem ler uma apresentação mais detalhada da série em um post que fiz no Café com Blá Blá Blá). O primeiro episódio – Rose – foi exibido em 26 de Março de 2005, e como o título indica é nele que conhecemos a minha queridinha do mês.

Rose acordando em sua vida monótona

Rose é uma londrina de 19 anos extremamente entediada com sua vida. Ela mora com sua mãe, Jackie Tyler (seu pai morreu atropelado quando ela tinha apenas 6 meses), namora seu vizinho e mecânico Mickey Smith, e trabalha na loja de departamento Henrik’s. De acordo com o Doctor Who Annual 2006, ao se apaixonar por Jimmy Stone – um músico de 20 anos – Rose terminou seu namoro com Mickey, abandonou a escola antes de completar seus A-Levels (nível de estudo opcional mais avançado nos dois últimos anos do Ensino Médio) e saiu de casa para viver com ele. Cinco meses depois, o relacionamento acabou com Jimmy se mudando para Amsterdam com outra mulher.

Rose dançando com o Doctor

Rose conhece o Doctor na Henrik’s, quando se vê atacada por manequins controlados pela espécie alienígena conhecida como Consciência Nestene. Nos diversos encontros de Rose com o Doctor no primeiro episódio, ela o questiona incessantemente, desejando saber quem é aquele homem estranho que surgiu do nada segurando sua mão e gritando para ela correr, e quando o Doctor se recusa a dar maiores informações, Rose toma as rédeas e procura informações por conta própria. Essa é uma das características que eu mais admiro na Rose: ela não é uma vítima, ela corre atrás, ela procura, ela se defende e ela tenta proteger os mais fracos – tanto que no final da segunda temporada, o Doctor a chama de Defensora da Terra, e nenhum título poderia ser mais apropriado. São essas características que vemos primeiramente no final do episódio 1×01, quando o Doctor é capturado e Rose – a garota sem estudo, sem trabalho e sem futuro – salva a Terra de uma invasão de manequins assassinos. Tendo visto sua coragem e sua determinação, o Doctor a convida para viajar pelo Universo com ele, e apesar de recusar a princípio quando ele diz que a TARDIS é também uma máquina do tempo, Rose deixa todas as suas dúvidas de lado e corre para dentro da cabine azul para o lado daquele homem estranho em quem ela não pode deixar de confiar.

Não é necessário dizer que sua vida muda radicalmente. Nada mais de levantar todos os dias às 7:30 da manhã para trabalhar num emprego sem futuro, voltar para casa e comer torradas com feijão. Cada dia é uma aventura diferente, em um planeta diferente, em um tempo diferente. Com o Doctor, Rose vê a destruição da Terra, conhece Charles Dickens, salva a Terra de uma invasão alienígena, traz seu pai de volta à vida por algumas horas, e até mesmo consegue instituir em um Dalek – espécie desprovida de sentimentos –  um pouco de humanidade. Ao levá-la consigo e mostrar a ela como ele vive, o Doctor mostrou à Rose que cada pessoa, por mais insignificante que acredite ser, pode fazer a diferença. E se o Doctor fez a diferença na vida dela, ela também teve um grande papel para que ele se tornasse o homem que é hoje.

Doctor: Rose, get out of the way now!
Rose: No! Cause I won’t let you do this.
Doctor: That thing killed hundreds of people.
Rose: It’s not the one pointing the gun at me.

Nascido da guerra (Time Lords se regeneram – quando estão prestes a morrer, suas células se modificam e uma nova pessoa “nasce”), sendo o último sobrevivente de sua espécie e diretamente responsável por seu extermínio a nona encarnação do Doctor é cheia de raiva, culpa e tristeza reprimidas e é esse homem que Rose conhece e por quem se apaixona. Mas longe de se submeter a ele e seus caprichos, Rose o confronta quando acredita que ele está sendo injusto, fala o que ele precisa ouvir e igualmente importante, está a seu lado o tempo todo. O Doctor também acaba se apaixonando pela jovem garota cheia de humanidade à qual ele é incapaz de negar qualquer coisa. Sempre mantendo sua confiança nele (talvez com uma exceção), Rose o torna uma pessoa melhor e no final da primeira temporada quando ele se vê em uma situação sem saída, ele a manda de volta para a Terra, para onde ela possa ficar segura, pedindo para que ela “tenha uma vida fantástica” por ele. Mas como já foi dito, Rose Tyler é qualquer coisa antes de ser uma vítima e sendo assim, ela descobre uma maneira (absorção do Vortex do Tempo) de voar a TARDIS de volta para o futuro onde o Doctor se encontra e salvar a Terra – e o Doctor – novamente. Mas a absorção do Vortex vai acabar matando Rose e isso é algo com o qual o Doctor não pode viver. Beijando-a pela primeira vez, o Doctor absorve para si o Vortex do Tempo, salvando Rose mas se sacrificando no processo. Como ele é um Time Lord, ele se regenera e é então que temos a entrada de David Tennant no papel de um Doctor mais humano, pelo qual a Rose se encanta ainda mais.

Rose com o novo Doctor

Na segunda temporada, temos muito mais momentos cruciais entre Rose e o Doctor começando com a regeneração que ela vê em primeira mão, passando por diversas aventuras com lobisomens, o diabo e Cybermen em um universo paralelo. Os sentimentos de Rose aumentam e seu ciúme é testado quando o Doctor encontra Sarah Jane Smith – uma antiga companheira de viagens. Rose o confronta, perguntando se o destino de Sarah Jane (que foi abandonada pelo Doctor) é o mesmo reservado à ela, e ele diz que não, não com ela.

Doctor: I don’t age. I regenerate. But humans decay. You wither and you die. Imagine watching that happen to someone you…
Rose: What, Doctor?
Doctor: You can spend the rest of your life with me. But I can’t spend the rest of mine with you. I have to live on, alone. That’s the curse of the Time Lords.

Doctor tentando salvar Rose

Mas nem tudo são flores, e no final da segunda temporada o Doctor tem que fazer mais uma de suas decisões extremamente difíceis: para salvar a Terra de um ataque conjunto dos Cybermen e Daleks, ele precisa enviar Rose e sua família para um universo paralelo e fechar a comunicação entre os dois universos – o que ele fica e o que ela vai. Rose obviamente se recusa a ir, dizendo que havia prometido ficar com ele para sempre, mas o Doctor com uma tristeza profunda e a determinação de mantê-la viva, não a deixa ter uma chance. Quando ela se vê presa no universo paralelo, meu pobre coração desmoronou: Rose não poderia ir assim tão fácil, simplesmente aceitar ser teletransportada para um universo paralelo onde ela ficaria longe do Doctor para sempre. E minha menina não me decepcionou: contra tudo e contra todos, ela volta para ajudar o Doctor, mesmo sabendo que isso pode muito bem significar sua morte. E por um momento é quase isso realmente que acontece, mas ela é teletransportada para o universo paralelo no último segundo.

Because if these are gonna be my last words, then you’re gonna listen. I met the Emperor, and I took the Time Vortex and poured it into his head, and turned him into dust. D’you get that? The God of all Daleks, and I destroyed him!

O adeus

Em um dos raros momentos românticos da série, o Doctor aparece como uma visão para Rose no universo paralelo, dizendo que está “queimando um sol apenas para dizer adeus” e explicando que eles nunca mais poderão se ver. Eu não sou uma chorona de carteirinha, especialmente quando se trata de filmes e TV, mas Doomsday me fez chorar basicamente como chorei quando Fred Weasley morre no último volume de Harry Potter. Talvez mais. Ao terminar, ao ver que minha Rose não estaria presente na terceira temporada, um desespero tomou conta de mim e inconformada, incapaz de aceitar o destino da minha personagem preferida, eu fiz o que ninguém deve fazer em sã consciência: procurei spoilers e não me decepcionei (me arrependi um pouco sim, mas decepção não passou perto de meus sentimentos!) Apesar de não ter entendido exatamente o que estava para acontecer, uma coisa era certa: Rose Tyler voltaria!

Rose: I love you!
Doctor: Quite right, too. And I suppose… if it’s my last chance to say it… Rose Tyler…

Vídeo feito por fãs sobre Doomsday. Ainda não consigo assistir sem chorar.

Rose e Donna

E ela volta! Nós vemos Rose novamente na quarta temporada, sempre procurando por seu Doctor, e dessa vez basicamente assumindo o papel dele: fazendo as pessoas – mais especificamente Donna Noble, a nova companheira do Doctor – acreditarem em si mesmas, no seu potencial, mostrando a elas que cada ser humano é extremamente importante para o curso da história, por mais insignificante que ele presuma ser. Mas se tem uma coisa que a gente aprende logo no começo com Doctor Who é que as coisas nunca, mas nunca são fáceis para ele. No ápice de seu reencontro com Rose, ele é atingido por um Dalek filho da puta o que faz com que ele precise se regenerar. Sem entrar em muitos detalhes (spoilers são interessantes, mas vocês precisam assistir à série pra entender) ele consegue se curar sem precisar trocar de corpo, e por causa de um acidente com Donna dentro da TARDIS, um novo Doctor é criado – parte Time Lord, parte Donna.

O reencontro tão esperado!

A Terra é salva, yadda yadda, e o Doctor de verdade leva Rose de volta ao universo paralelo. Ela não entende o motivo dele estar a abandonando até que ele explica: o Doctor novo – nascido de sangue, de guerra – não pode ficar na Terra. Ele precisa que Rose cuide dele, que o transforme em um homem melhor assim como ela transformou o próprio Doctor. E é assim que termina a história de Rose Tyler – pelo menos por enquanto – em Doctor Who: de mãos dadas com o Doctor que não é realmente o Doctor mas que pode envelhecer com ela, amá-la sem receios e dar a ela tudo que o verdadeiro Doctor não podia.

Rose e a versão Doctor-Donna

Eu continuei assistindo à série mesmo depois da saída “definitiva” da Rose na quarta temporada. David Tennant deu adeus à seu papel de Doctor pouco tempo depois, dando lugar à Matt Smith. Embora Matt não seja meu Doctor favorito, ele faz um ótimo trabalho, e a série não perdeu em qualidade. Há diversos novos personagens igualmente encantadores, mas a ausência de Rose é sentida a cada final de episódio: ela sempre fará falta com seu sorriso contagiante, sua coragem, lealdade, bondade e determinação. Mas eu gosto de pensar que o sacrifício do Doctor verdadeiro em deixá-la no universo paralelo para ter “a aventura que eu nunca poderei viver” serviu para alguma coisa, e que Rose ainda está lá, fazendo o que sempre fez melhor: defendendo a Terra ao lado do seu Doctor!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...


  • Lucy disse:

    Sim, eu li tudo! \o/
    Eu não sei, apesar de vc ter contado alguns spoilers, eles nada mais são para mim do que alguém contando a história. E se eu quiser saber dos detalhes, tenho que ver por conta própria e é isso que eu faço. hahahaha 😀 A história da Rose é marcante, fiquei com vontade de assistir, acho q vai ser dificil eu não sentir a partida dela como vc sentiu.
    Adorei, Ily!
    Bjos bjos

  • Vania disse:

    Ai Lu, assista! É uma série muito boa, se tornou minha favorita rapidamente… os personagens são encantadores, as ligações entre os episódios são fantásticas, os efeitos especiais são demais, e a história em si é maravilhosa! Vale muito a pena ver uma série de ficção científica com aquele humor britânico e que não apela para sexo (afinal é uma série direcionada também à crianças). E a Rose… ah, a Rose, eu amo ela demais! Ainda existe um vácuo pra mim nos episódios em que ela não está, mesmo na terceira temporada… quando a Donna virou companion do Doctor, melhorou um pouco porque as duas são tão diferentes mas com os mesmos princípios… mas a Rose ainda faz falta! Eu fico extremamente em conflito sobre a possibilidade dela voltar porque eu queria muito vê-la novamente mas ao mesmo tempo não sei como me sentiria ao vê-la com o novo Doctor… e também gosto de pensar que ela está vivendo feliz para sempre haha.

  • Karen Alvares disse:

    Parceira, eu parei onde você mandou, porque faço parte do time ameaçado para ver a série (calma calma, Dexter está no fim e Doctor Who vem em seguida! 😀
    Quando a gente gosta de uma personagem, não tem jeito, fica marcado e só queremos falar sobre ela. Fiquei feliz que falou de quem você queria tanto se expressar! =)

  • Vania disse:

    É isso aí, Parceira! Não leia o post, não veja as fotos!!! Só depois de ver Doctor, que independente da Rose, é uma série fantástica e que vale muito a pena ser vista!!

  • Sabrina Inserra disse:

    Tô com a Karen… Também parei onde você avisou, hahahaha…
    Porque, né? Um dia chego lá!
    Mas a abertura do post já foi contagiante!!! XD
    Beijocas!!

  • Lany disse:

    Bom, eu não assisti Doctor Who, então não posso ler o post hahaha! Mas gostei de você ter autorizado a Lucy a ler os spoilers HAHAHA!

  • Vania disse:

    Boas meninas hahaha. E vão assistir a Doctor Who que é a melhor série ever e vocês não vão se arrepender!!!

  • Resenha: Doctor Who – The Stone Rose « Por Essas Páginas disse:

    […] que essas são palavras vazias. E para quem – como eu – é simplesmente apaixonado por Rose Tyler e nunca acha demais um pouquinho de romance implícito com o Doctor, The Stone Rose foi feito na […]

  • Mariana disse:

    Eu tinha que comentar nesse post, questão de honra. Duas semanas e inúmeros episódios de Doctor Who depois, quase sempre acompanhados, (né, d. Ily?) eu ganhei o direito de ler o post inteiro. Sim, eu fui parte do time dos ameaçados a assistir Doctor Who e cheguei ao ponto de não ler mais spoiler nenhum nesse post. O mais legal foram as teorias que eu criei durante as temporadas, a minha insistência e as eternas negativas da Ily em me contar sobre o destino de Rose Tyler…

    O problema é que agora tô meio (leia-se por inteiro) viciada em Doctor Who e vou continuar assistindo. Mas tudo bem: vale muito a pena.

  • Vania disse:

    Eu confesso que teve uma época que eu gostava mais da Rose do que do Doctor, e a Rose foi um dos motivos que insisti na série, mas ela é muito maior que isso (a série, não a Rose). No entanto, ela sempre vai ser minha queridinha, minha preferida e por mais que eu queira que ela continue no universo paralelo sendo feliz com seu Doctor feito sob medida, confesso que não vou achar ruim caso resolvam trazê-la de volta. Mas pra mim foi um final perfeito, digno de Rose Tyler e mais do que qualquer companion teve… enfim, Rose rocks!!!

  • Larissa disse:

    Nossa gente eu não me conformo , eu acho que a Miiinha Rose devia ficar com o Doutor, véey comecei a assistir essa série por acaso e me apaixonei ,quando comecei a assistir ainda era o primeiro doutor, e então eu amei, e comecei a assistir, depois teve a troca de corpos, e então veio o David Tennant, de primeira não me identifiquei e nem aceitei, mais ela faz um ótimo trabalho. Sinceramente eu queria que a Rose participasse de todas as temporadas, ela é totalmente perfeita *—-*

  • roby disse:

    adorei tudo que escreveu !também adoro a rose !ela faz muita falta na série.pensei que eu era a única que sentia falta dela!kk.na verdade eu continuei assisti a série por causa da historia de amor entre ela e o doutor!espero que ela volte!e obrigado pelo seu resumo e também pelos spoilers neles tem detalhes que eu nem me lembrava!!!!!obrigada mesmo!!!!!!!

  • Czar disse:

    I miss Rose and Donna! 🙁

  • Melissa de Sá disse:

    Eu senti isso tudo que você sentiu com a Rose na segunda temporada com a Donna na quarta temporada. Eu chorei DESESPERADAMENTE e fiquei soluçando “don’t do it, don’t do it” quando o Doctor leva ela nos braços pra casa da mãe e do avô. Os vizinhos devem ter achado que eu era louca. A Donna é minha companion favorita e acho que sinto por ela esse amor que você tem pela Rose. Donna Noble is THE woman. hahahahahaha

    Me emocionei com o seu texto, mesmo sem gostar da Rose. Consegui perceber mesmo o quanto você admira e gosta da personagem. Estou aqui tentando pensar porque não gosto dela e acho que se resume um pouco à idealização que ela tem pelo Doctor. Mas não nego que ela rendeu ótimos momentos na série e que no final da segunda temporada, naquela praia em Bad Wolf, rolou um sentimento. hahahahahahaha Ninguém é de ferro, né? Fiquei até feliz por ela ter finalmente ganhado seu Doctor e vivido feliz na sua realidade paralela.

  • lais disse:

    socorro! como faz pra ter amigas fofas iguais as suas que REALMENTE assistem aquilo que você pede (ordena)? hahahah sofro calada (na verdade não, encho o saco de todo mundo com as minhas referências, rs), pq nenhum dos meus amigos assitem DW )))):
    AH, e concordo com tudo o que vc falou sobre a “mah roes” <3 pra mim, ela é melhor companion, pq nós nos identificamos com ela e, apesar de gostar do "doctah" ela não sucumbe às vontades dele. Lembro de um ep, "the unquiet dead", que ela especificamente fala "she is NOT fighting your battles" sobre a garota que o doctor queria que virasse uma "ponte" entre os gelth e os humanos…
    enfim, acho que tanto ela como o eccleston foram fundamentais pra volta de DW (:

  • Lipe disse:

    Nossa ainda bem que ela volta sou viciado na série vejo pela netflix quase desisti da série mas se ela volta vou assistir até o último ep da última temporada

  • Cesar Alexandre Cocato disse:

    Eu passei a assistir Doctor Who, de tanto que o personagem shelton, do Big Bang Theory falar sobre ele. Comecei a assistir, e não consegui parar mais. Mas me apaixonei pela Rose, adorava o jeito dela, sempre sorridente e companheira, sempre torci pra que ela ficasse com o Doutor amorosamente. Quando ela se,despediu no final da 2ª temporada, confesso,fiquei muito triste, e quando ela disse que amava o Doutor chorando, confesso novamente, fiquei muito emocionado. agora estou aqui eu tranquilamente assistindo a 4ª temporada, e quem eu vejo? Rose,imagina a minha alegria!

  • Shayena Uchiha Matos disse:

    ………..A Rose e a minha companion preferida na serie e mesmo fiquei louca quando ela saiu na segunda temporada e foi uma chatice pq veio a Marta, mas ai veio a Donna e ficou tudo legal de novo>>>>> eu ainda acho que a Rose deveria ter ficado com o verdadeiro Doctor em alguma temporada seguinte, sei la deveriam ter inventado uma historia maluca pra eles terem ficado juntos no final mas quem sabe ne?

    kkkkkkkkkkkkkk Obs: eu ate criei uma pasta com gifs e fotos do Doctor e a Rose kkkkk!!!!””

    Outros companions que eu gosto: Amy e Rory >> River Song >>Clara Oswald >> Martha Jones (por incrivel que pareca) e Donna Nobble (a DIVA!!!)

  • Ju disse:

    Eu não tenho palavras pra descrever o quanto tua resenha me emocionou, pensei que só eu sinto falta da Rose a capa episódio, e nossa garota, tu escreve MUITO bem!

  • Vanessa Tavares disse:

    Você aliviou meu coração

PREENCHA OS CAMPOS ABAIXO PARA DEIXAR SEU COMENTÁRIO




Mensagem