Resenha: A cidade do sol

“Mariam tem 33 anos. Sua mãe morreu quando ela tinha 15 anos e Jalil, o homem que deveria ser seu pai, a deu em casamento a Rashid, um sapateiro de 45 anos. Ela sempre soube que seu destino era servir seu marido e dar-lhe muitos filhos. Mas as pessoas não controlam seus destinos. Laila tem 14 anos. É filha de um professor que sempre lhe diz: “Você pode ser tudo o que quiser.” Ela vai à escola todos os dias, é considerada uma das melhores alunas do colégio e sempre soube que seu destino era muito maior do que casar e ter filhos. Mas as pessoas não controlam seus destinos. Confrontadas pela história, o que parecia impossível acontece: Mariam e Laila se encontram, absolutamente sós. E a partir desse momento, embora a história continue a decidir os destinos, uma outra história começa a ser contada, aquela que ensina que todos nós fazemos parte do “todo humano”, somos iguais na diferença, com nossos pensamentos, sentimentos e mistérios.” Fonte.

Quando peguei esse livro para ler, ano passado, emprestado por uma amiga, nem sabia do que se tratava, apenas que o autor era o mesmo de “O Caçador de Pipas”, que era famoso, mas eu também não tinha lido. Minha amiga apenas disse que era lindo e tocante, e que eu iria gostar. Mal sabia que além de gostar, lembraria para sempre desse livro.

Existem várias palavras para descrever esse livro, mas a que mais se encaixa é “marcante”. Essa é uma história que cala fundo no peito. Ela deixa uma marca nas pessoas, como pegadas na areia – só que essas as ondas não levam embora. É difícil esquecer esse livro. É difícil não pensar na vida de Mariam e Laila por muito tempo após a leitura.

O livro narra a vida de duas mulheres extremamente diferentes uma da outra, em um país onde as mulheres sofrem o que a maioria de nós só consegue imaginar. Mariam aprendeu a duras penas, por toda sua vida, qual era “o seu lugar” no mundo, e por um tempo se conformou em apenas ser uma mera sombra atrás de outros homens: seu pai e depois, seu marido, tantas vezes cruel. Isso até encontrar Laila, uma mulher muito diferente, que fora encorajada por seu pai a ser tudo o que desejasse ser, mas foi pega de surpresa pela vida e uma de suas muitas reviravoltas.

As duas se encontram em um momento muito delicado; ambas estão completamente sozinhas, humilhadas, desesperadas, perdidas. Tão perdidas, que a princípio se sentem ameaçadas uma pela outra, sendo incrível a transição pela qual passam, e como, no final, tornam-se amigas, companheiras, irmãs, mãe e filha.

A estrutura do livro também é um ponto forte. A primeira parte, narrada somente por Mariam, a segunda, somente por Laila, a última, intercalando um capítulo entre uma e outra. Outra coisa que emociona além da trajetória das personagens são as frases do livro: são do tipo que desejamos gravar na memória para recitar mais tarde, ou então colar em algum lugar na parede, ou ainda divulgá-las para o mundo.

 “O dedo de um homem sempre encontrará uma mulher a quem culpar.”

“A cidade do sol” é um livro belo e terrível, que fala a verdade crua sobre machismo, crueldade, intolerância, mas também traz valores como dignidade, força e superação ante a vida que nos é dada. É sobre como o destino se impõe sobre nossas vidas e as escolhas que fazemos para lidar com ele. É impossível não se comover e se colocar no lugar dessas duas mulheres, que representam tantas outras, em tantos lugares. Mulheres que passam a vida apenas suportando: suportando a dor, a humilhação e as lágrimas.

Ficha Técnica

Título: A cidade do sol
Autor: Khaled Hosseini
Editora: Nova Fronteira
Páginas: 365
Onde comprar: Livraria Cultura
Avaliação: 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...


  • Carolina disse:

    Oi Karen tudo bem? Eu li apenas dois livros desse autor: cidade do sol e o caçador de pipas, e em ambos, eu fiquei extremamente emocionada, chorei muito, e enquanto lia os dois livros, eu analisava a benção que é a minha vida. Realmente, concordo com você quando disse que o livro é marcante. Acho que define tudo. Houve um marco na minha percepção de vida na minha opinião: antes e depois de ler esse livro. É um livro maravilhoso, forte, com trechos tristes e outros simplesmente inacreditáveis. Recomendo a todos esse livro. Beijos

  • Karen disse:

    Oi Carol! 🙂
    Eu ainda não li “O Caçador de Pipas”, mas se for tão bom quanto “A cidade do sol”, já imagino que deve ser uma ótima leitura! Quando a gente lê esse livro fica como você disse: pensando em como nossa vida é boa, como somos abençoados. A gente sempre lembra dessa história.
    Beijos!!!

  • Ana Lúcia disse:

    Lindo… Só isso que eu consigo dizer, não tenho palavras para descrever

  • Angela Gabriel disse:

    Um livro marcante, profundo, de uma sutileza ímpar. E concordo com o que vc escreveu em sua resenha, parece que lemos procurando as frases que ficarão guardadas na memória por um longo tempo.
    Uma história triste…mas que nos deixa sempre com um suspiro no fim de cada capitulo né??
    Resenha perfeita, no ponto certinho.rs Adorei!
    Parabens 😀

  • Nivia Fernandes disse:

    Faz um bom tempo que me cobro para ler livros do Khaled Hosseini, todo mundo fala muito bem!
    Por isso nem procurei do que se tratava, só sabia que precisava ler. Lendo a resenha, imagino que devo começar por este. Parece ser muito tocante, e adoro histórias assim – por mais que sejam tristes, nos ensinam algo de valioso sobre a vida.
    Sua resenha tá linda! \o/

  • Melissa disse:

    Todo mundo fala tão bem desses livros que eu tenho que achar um espaço pra ler na minha lista. Okay, confesso que não é meu tipo de leitura na confort zone, mas com recomendações tão boas, acho que vale a pena.

  • Lany disse:

    Eu li “Caçador de Pipas” e realmente é um livro MUITO tocante. Imagino que “Cidade do Sol” deve ser a mesma coisa!
    Ai, lendo a sua resenha, fiquei com muita vontade de ler, mas meu livro esta la no Brasil hahaha!

  • Lançamentos da Ediouro « Por Essas Páginas disse:

    […] A cidade do sol, de Khaled Hosseini [Resenha] […]

  • Resenha: O caçador de pipas « Por Essas Páginas disse:

    […] já tinha lido A cidade do sol, outra obra belíssima do autor. Os dois livros são editados no Brasil pela Nova Fronteira, que […]

  • ELIZABETH MACHADO DE SALLES disse:

    Quero muito ler ele,ainda não tive oportunidade,quem sabe mais pra frente eu consiga. Já li o primeiro livro do autor e me impressionou muito.Gostei gemais.

  • Resenha: O silêncio das montanhas « Por Essas Páginas disse:

    […] agora, posso dizer que li todas as suas obras: aqui no blog tem a resenha de O caçador de pipas e Cidade do Sol (meu preferido de todos). Porém, apesar de ter elegido meu favorito, é impossível não cair de […]

  • Dâmaris Carvalho Lima disse:

    gosto como Khaled escreve para criticar os muçulmanos, é bem sutil, pelo que vejo na resenha ele crítica a forma que é tratada a mulher nessa sociedade, é sutil e ao mesmo tempo impactante, certamente vou ler esse livro!!

  • Débora disse:

    Esse é o melhor livro que eu já li, porque tanto a historia quanto seu desenvolvimento são perfeitos. O livro é emocionante na medida certa não é piegas e é uma historia linda, triste é verdade mas é isso que faz o filme magico porque não fala apenas de tristeza e sofrimento e perdas mas também de confiança, amor, redenção e até felicidade, nos mostra o quanto temos que aguentar e que embora a vida seja dura nós podemos ser mais e supera-la.
    O que eu mais gosto desse livro é que os personagens são reais em todos os aspectos e como laila e Mariam fazem uma dupla cativante, em como o sofrimento une, e que por fim Mariam morre para que Laila possa encontrar a felicidade e em como Laila sempre reconhece esse sacrificio, e o melhor do livro é que percebemos que a morte não foi um final triste pra Marian porque para ela valia a pena, chegou a ser um momento de redenção e ver a felicidade de Laila é incrível. Amo a forma como o livro termina sem dizer tudo mas nos indicando o caminho, e quando acabamos estamos com lagrimas nos olhos e um sorriso nos lábios.
    Enfim é como se Mariam estivesse fadada ao sofrimento e Laila levado a ela pelas circunstancias , mas o destino as tivessem unido pra mostrar que é possível suportar quando se tem alguém que nos ame.

  • Top Dez – Quotes inspiradores de livros | Eu, Papel e Palavras disse:

    […] Leia a resenha. […]

  • Kamylla Cavalcanti disse:

    Khaled Hosseini é um contador de história sem igual! Tenho os tres livros dele e aguardo o próximo com muita ansiedade. A cidade do sol foi o melhor livro que já li na minha vida, não me lembro de ter me emocionado tanto com outro livro. Sou apaixonada pela amizade de Mariam e Laila que são tão diferentes e tiveram infâncias opostas mas que foram unidas pela dor e o sofrimento. Engraçado como os livros de Khaled Hosseini tratam muito disso: amizade! Enfim leitura mais que indicada e parabéns pela resenha!!!!

  • Fabiana disse:

    É um dos livros mais lindo que eu já li, é de um sofrimento e parceria que emocionam a qualquer um. Depois de ler uma obra dessas não tem como não ver a vida de outra maneira, avaliar o que realmente é sofrimento na vida. gostei de reler a resenha. Não dou de reler livros mas este está super cotado para que isso ocorra.

  • Top Ten Tuesday: Dez livros que se passam em outros países « Por Essas Páginas disse:

    […] Em O Caçador de Pipas, Khaled Hosseini narra a história de dois meninos com vidas muito diferentes, amigos de infância, no Afeganistão da época da invasão soviética. Com o olhar sensível do escritor, conhecemos melhor a vida naquele país. Do mesmo autor e passando-se no mesmo país, recomendo também A Cidade do Sol. As resenhas estão aqui e aqui. […]

PREENCHA OS CAMPOS ABAIXO PARA DEIXAR SEU COMENTÁRIO




Mensagem