Resenha: A marca de uma lágrima, Pedro Bandeira

Olá! Esses dias estava lembrando dos livros que fizeram parte da minha infância/adolescência e lembrei desse livro. Na época li e reli várias vezes, então espero que gostem da resenha:

Sinopse: Isabel se acha feia. Será mesmo? Ou somente ela acha isso? Escreve cartas e versos para ajudar o namoro de Rosana, sua melhor amiga, com Cristiano, seu grande amor. Por causa da beleza e da verdade de suas cartas, Cristiano mais se apaixona por Rosana e mais aumenta a desesperança de Isabel. Sua situação agrava-se ainda mais com a morte da diretora da escola, pois a jovem é testemunha de que aquele aparente suicídio seria na verdade um bárbaro assassinato. Fonte

Já aviso que li esse livro quando tinha aproximadamente 13 anos de idade (faz muito, muito tempo) e é o típico romance de adolescentes. Se você é mais velho e quer se aventurar na leitura pela primeira vez, não vejo problema, mas perceberá pelo texto qual o público-alvo que o autor quis atingir.

Alguém já ouviu falar de Cyrano de Bergerac? Pois é, este livro foi inspirado nele. Isabel é uma adolescente de 14 anos de idade brilhante e tem um talento nato para poesia, mas que se acha sem atrativos. Ao contrário de sua amiga Rosana, que é muito charmosa, porém nem um pouco talentosa (sério, ela não tem imaginação nem para a famosa redação “minhas férias”). Quando Isabel encontra seu primo Cristiano em uma festa, se apaixona à primeira vista. O mesmo acontece com Cristiano, mas ele se apaixona por Rosana…

A trama gira em torno desse amor não correspondido, no qual Isabel ajuda Cristiano e Rosana escrevendo poemas, colocando todo o seu amor por Cristiano neles. A morte da diretora (não é spoiler, está na sinopse…), porém, aproxima Isabel do amigo de Cristiano, Fernando, que deixa claro que tem uma queda enorme por ela. O mistério da morte da diretora aumenta o clímax da história, já que Isabel sabe que pode ser a próxima vítima, devido ao que viu.

O livro foi lançado em 1985, mas nem por isso acho que a leitura seria obsoleta hoje em dia. Eu li pela primeira vez em 1993, uma época em que não havia romances sobrenaturais estilo vampiros-anjos-fadas-zumbis-[insira aqui outro universo alternativo/sobrenatural], e li tantas vezes que acho que cheguei a decorar o texto (risos). Em algumas partes eu achei que houve excesso de drama, alguns suspiros exagerados, talvez, mas nada que estragasse a história.

O apelo à poesia, citando Fernando Pessoa, é bem presente, mostrando Isabel com seus complexos e conflitos: por um lado, Cristiano nunca olharia para ela, por ser feia e gorda (segundo ela) – e ela não podia/conseguia mudar isso em curto prazo, por outro, ela se sentia feliz por Cristiano  admirar seus poemas (porque acredita que foi Rosana quem os escreveu). O ambiente familiar instável – pais divorciados, com a mãe reclamando sem parar, pai querendo “comprar” a felicidade da filha –  fortaleciam a solidão de Isabel, fazendo com que ela se fechasse em seu mundo de poesia e enfrentasse seus próprios demônios da forma mais difícil.

Recomendo a leitura, mas reforço o que disse ali em cima: a leitura é para o público adolescente. Se você quiser um romance mais maduro, é capaz de se decepcionar.

Ficha técnica:
Nome: A marca de uma lágrima
Autor: Pedro Bandeira
Editora: Moderna
Páginas: 185
Onde comprar: Livraria Cultura
Minha avaliação: 

Esse livro marcou minha adolescência. Qual livro marcou a adolescência de vocês?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...


  • Karen disse:

    Ah, Lucy, que resenha nostálgica! Fiquei aqui me lembrando também de alguns livros que fizeram parte da minha adolescência… Costumava ir à biblioteca da escola e pegar esses livrinhos (geralmente eram pequenos, né? Fininhos) e li em um, dois dias no máximo. Eram livros deliciosos.
    Lembrei desse aqui http://www.skoob.com.br/livro/5204-o-primeiro-beijo
    “O primeiro beijo” de Marcia Kupstas. Como o livro do Bandeira que você resenhou, era o tipo de livro simples e honesto, sem muitas firulas, nada pretensioso, apenas com a vida normal, situações que todo mundo passa e se identifica. Mas esses livros sempre passavam alguma coisa boa, alguma moral.
    Ai que saudade!

    [Reply]

    Lucy Reply:

    A gente lia livros bem legais naquela época, né? Também gostava muito dos livros da Coleção vaga-lume. Mto bons e bem fininhos! hahaha
    Esses livros voltados para o público adolescente é bem isso mesmo, mostra problemas mais corriqueiros, talvez pra mostrar do que a vida da gente é feita. ;)
    bjos bjos

    [Reply]

  • Rosana O. disse:

    Nossa, quantas lembranças boas! Me lembro da série dos Karas, também do Pedro Bandeira! O livro que marcou minha adolescência, e eu o guardo até hoje, é Fernão Capelo Gaivota, de Richard Bach

    [Reply]

    Lucy Reply:

    Acredita que não cheguei a ler a série dos Karas? Mas fiquei curiosa, não sei se o leria com o mesmo entusiasmo, mas nunca se sabe. hehehe
    Bjos!

    [Reply]

  • Carolina disse:

    Oi Lucy, tudo bem?
    Essa resenha me fez voltar no tempo rsrs….
    Eu lembro que li esse livro no início da minha aborrescência rs, e eu simplesmente amei.
    Parabéns pela resenha.
    Beijos

    [Reply]

    Lucy Reply:

    Oi, Carol!
    Obrigada! Esse livro traz mesmo boas lembranças.
    Bjos!

    [Reply]

  • Natália Keli disse:

    Amo esse livro. Ele marcou a minha adolescência e até hoje tenho um carinho especial por ele, me traz ótimas lembranças…
    Bjo

    [Reply]

  • Ygo Maia - Mergulhando Na Leitura disse:

    Adorei a sua resenha!
    Li recentemente esse livro e gostei muito.
    Pedro Bandeira escreve muito bem.
    http://ymaia.blogspot.com.br/

    [Reply]

PREENCHA OS CAMPOS ABAIXO PARA DEIXAR SEU COMENTÁRIO




Mensagem

Powered by sweet Captcha