Resenha: Brilho

Eu queria ler esse livro desde que o vi pela primeira vez, na livraria. Não tenho vergonha de dizer que foi um livro que apaixonei pela capa. Ela é linda, gente! E a foto não diz tudo sobre ela, porque a capa tem detalhes em glitter imitando estrelas, tudo, tudo mesmo, é muito caprichado nesse livro. Depois fui lendo resenhas e me apaixonando. Quase o comprei no Natal, mas aí bateu aquela culpa de todo leitor compulsivo “mas você já tem uma pilha gigante de livros para ler!”. Ok, deixei passar. Mas aí nós conseguimos a parceria com a Geração Editorial e eu não aguentei. Enchi a paciência da Lucy, que cuida dessa parceria, pra ela conseguir o livro pra mim, mesmo ela já tendo sido lançado há algum tempo. E a editora foi linda e me enviou um exemplar. Comecei a ler assim que botei as mãos nele e devorei de um dia para o outro. Eletrizante, envolvente, questionador: você deve parar tudo o que estiver fazendo e ler agora mesmo Brilho, de Amy Kathleen Ryan. Eu falo sério: é pra ler agora mesmo!

“A Terra não existe mais, e em duas naves que procuram um novo mundo no espaço, uma menina de 15 anos precisa casar e engravidar para garantir a sobrevivência da humanidade. Enquanto isso, uma sucessão de acontecimentos eletrizantes torna a jornada pelo espaço algo absolutamente imprevisto. Temas como religião, a escolha da mulher e a ideia de poder e dominação vão aparecendo muito suavemente articulados ao longo da trama, amarrando o leitor com surpresas e reviravoltas estonteantes. São temas universais, postos num livro por uma escritora surpreendente e que promete arrasar a cena literária a partir desta sua fantástica criação.” Fonte

Vou tentar explicar porque amei tanto esse livro, mas é tarefa difícil, porque quando a gente ama demais uma história acaba se perdendo na crítica e só fica dizendo coisas como “leia, leia, leia”, que é o que eu quero dizer pra vocês, mas bem, vou respirar fundo e tentar ser o mais imparcial possível aqui (difícil, muito difícil).

Primeiro devo dizer que a sinopse não é justa com o livro. Ele é muito, muito mais do que a história de uma garota que precisa engravidar para garantir a sobrevivência da humanidade. Pensem em algo mais: multipliquem por mil. É muito, muito mais que isso. Esse é um livro bem mais profundo, com questionamentos complexos que vão deixar seus pensamentos a mil mesmo após fechar a última página. Eu não consigo me desgrudar da história, não consigo parar de pensar nela e ficar me questionando: mas o que está certo, afinal?

A verdade é que ninguém detém o poder da verdade. Nada está completamente certo, nada está completamente errado. E isso é só mais um dos questionamentos desse livro. Sério, é de pirar o cabeção.

brilho (1)

O livro começa com uma conversa entre Waverly e Kieran. Eles são dois jovens concebidos e nascidos no espaço, dentro de uma imensa nave. São também os jovens mais velhos nessa nave, e espera-se que fiquem juntos, casem-se e tenham filhos, perpetuando, assim, a humanidade. Eles namoram há algum tempo, mas Waverly não tem certeza se é isso que quer realmente – ao menos agora; com razão, a garota se acha jovem demais para casar e ter filhos, sem ainda ter certeza de que realmente ama Kieran – e ainda há o fato de que ela se sente atraída por outro garoto da nave, Seth. Já Kieran é completamente apaixonado por Waverly e acredita piamente que é dever deles formarem uma família e perpetuarem a espécie e cumprirem a missão da nave. A Terra Velha foi se tornando gradualmente inóspita, e então duas naves a deixaram com a finalidade de levar algumas pessoas para colonizarem um novo mundo, que eles chamam de Terra Nova. A primeira nave, New Horizon, deixou o planeta um ano antes da nave onde vivem Waverly e Kieran, a Empyrean. Isso significa que a primeira nave deveria estar já muito longe, a vários anos-luz da segunda nave. Mas eis que, inesperadamente, dentro de uma nebulosa, a New Horizon aparece, visível e muito próxima da Empyrean. É aí que as coisas começam a dar errado.

Nesse livro, se algo puder dar errado… dará. Não espere calmarias, não há nenhuma.

brilho (4)

A Empyrean é atacada pela New Horizon de maneira brutal e todas as garotas são levadas para a outra nave, inclusive Waverly. A partir daí, gente, é uma sequencia de cenas de tirar o fôlego, muita conspiração, intrigas e acontecimentos brutais. É o tipo de livro que você sente – e sabe – que ninguém está seguro. As narrações se alternam entre a visão de Waverly e Kieran, ambos lutando contra situações terríveis às quais são submetidos. Enquanto Waverly está presa na New Horizon, Kieran tem que lidar com o caos na Empyrean.

“Sempre que Waverly falava sobre o pai e de como sentia falta dele, percebia que Felicity estava tentando ouvi-la, tentando dizer a coisa certa, mas sempre conseguia mudar de assunto, e redirecionava a atenção de Waverly para algo mais animador.
‘Eu não quero me animar! Eu quero sentir a tristeza!’, Waverly chegara a gritar uma vez (…)”

Waverly é uma protagonista incrível, uma das mais cativantes e bem desenvolvidas que já li. Ela é ousada, inteligente e ardilosa, mas ao menos tempo, evolui também gradualmente, transformando-se de uma adolescente ingênua a uma mulher perspicaz. O livro mostra, brutal e intensamente, como as pessoas são obrigadas a amadurecer e crescer em meio a situações extremas. E Waverly faz exatamente isso. Você se vê torcendo por ela, comemorando a cada passo que ela dá em busca de sua liberdade – e das suas companheiras. E eu já disse o quanto esse livro é brutal? Há momentos críticos em que você simplesmente não consegue acreditar – e aceitar – que aquilo possa ter acontecido. Prepare-se para se chocar bastante.

Já no ponto de vista de Kieran, você nunca sabe em quem confiar. Na realidade, você se sente dividido várias vezes e não sabe se deve confiar até mesmo nele próprio, e olha que ele é o narrador em muitos momentos. Há um conflito intenso entre Kieran e Seth, e pasmem, não é pela garota. Sim, e eu adorei isso! O livro tem um romance, mas ele fica lá no fundo, em pausa, porque a maior parte do tempo eles estão separados! Os verdadeiros conflitos entre Kieran e Seth são por divergência de opiniões, em grande parte, políticas. Todo o livro é de um caráter intensamente conspiratório, aquele tipo de história que você várias vezes se encontra dividido entre os personagens. Você vai desconfiar deles, amá-los, odiá-los, e mesmo depois de odiá-los, ainda vai ter dúvidas se esse é o sentimento correto. É difícil explicar, mas é um livro que divide opiniões.

“(…) Deve ter algo por trás disso tudo. – Ele fez um gesto em direção ao portal, onde uma estrela ou outra piscavam meio escurecidas através da nebulosa. – Quero dizer: toda a criação… Você, eu… Só por causa de algum acidente cósmico? Não me parece algo realista.
– Sei o que você quer dizer – comentou Kieran pensativo. – Mas você acha que somos minoria?
– Em que sentido?
– Você acha que somos os únicos a bordo que têm fé?
Sarek balançou a cabeça em negativa.
– Nem de longe. De qualquer forma, não mais. Meu pai sempre dizia que não existem ateus em trincheiras.”

O que mais me impressionou nesse livro é o grau complexo e profundo de seus questionamentos. Espere encontrar, diluídos na trama de tirar o fôlego, reflexões sobre o papel da mulher na sociedade, machismo, política e religião. Há, na verdade, um grande questionamento e importância da religião na trama, começando pelo fato de que a New Horizon é populada por tripulantes religiosos e a Empyrean, em sua grande maioria, por ateus. A grande sacada aqui é que o livro mostra o lado extremamente negativo e nocivo da religião, mas também mostra o lado positivo e altruísta dela. O que é certo, afinal? O que fazer quando se perde a esperança? Seria a fé uma corda de salvação ou ela o enforcará em algum momento?

“- Digamos que eu, instintivamente, não acredite na perfeição.”

Há uma enorme dose de ironia aqui também, e algumas vezes você percebe como o livro está brincando com você, mostrando o quanto a vida, no fundo, é irônica e cruel. Você vai ficar dividido em vários momentos e com certeza vai terminar o livro, como eu, sem saber o que pensar. É o tipo de livro em que os personagens – todos! – são cinza: humanos com qualidades e defeitos, acertos e erros. Você realmente se liga a eles intensamente. Eles são reais.

brilho (3)

O livro também faz uma referência memorável a Senhor das Moscas, lembram desse livro? Pois é, ele é sobre um conjunto de garotos adolescentes que ficam presos em uma ilha – tipo Lost -, só que lá só tem garotos, nenhum adulto. Isso também acontece na Empyrean. E aí surgem os conflitos. Como garotos, sozinhos, poderão pilotar uma nave, gerir problemas e cuidarem uns dos outros?

“Simplesmente conte a verdade da melhor forma que puder e as pessoas enxergarão o seu lado.”

Outro ponto a ser destacado é a pesquisa cuidosa que teve a autora para narrar, de maneira inteligente e brilhante, os aspectos físicos e biológicos do espaço. Deu para perceber o quanto ela se dedicou para que isso fosse o mais verossímil possível. E, apesar de muitas vezes ela nos explicar essas particularidades da vida no espaço, ainda assim em nenhum momento isso é feito de maneira didática; a autora vai sempre diluindo as informações nos diálogos e narrações de maneira envolvente, tanto que você quase não percebe isso e continua grudado na história.

E tenho que abrir um parêntesis aqui para destacar o quanto essa edição é perfeita! Sim, pessoal, perfeita. Desde a capa até a escolha da fonte, a diagramação cuidadosa, os detalhes a cada nova parte da história, o cheiro. Tudo! Fiquei encantada pelas páginas negras e pontilhadas de estrelas que separavam as partes do livro. Toda a edição é extremamente caprichada, em um nível que dificilmente se vê por aí. Vale cada centavo, pessoal.

brilho (2)

O livro é o primeiro da série “Em Busca de um Novo Mundo” e, mesmo que vocês me vejam reclamar aí que “existem muitas séries sendo lançadas” e “eu não aguento mais esse apelo” ou ainda “estou lendo quase 30 séries e surtando”, bem, meus amigos, nesse livro eu não vou reclamar de nada, nadinha mesmo. O que eu quero aqui é mais e mais livros, eu quero mesmo é ler muito mais sobre essa história incrível e devorar a escrita fascinante de Amy Kathleen Ryan. E pela primeira vez em muito tempo eu pergunto: “cadê o próximo livro porque eu preciso lê-lo AGORA!”.

Leiam Brilho. Simplesmente leiam. Já.

Livro gentilmente cedido para leitura e resenha pela Geração Editorial.

Ficha Técnica

Título: Brilho – Em Busca de Um Novo Mundo #1
Autor: Amy Kathleen Ryan
Editora: Geração Editorial – Selo Jovem
Páginas: 354
Onde comprar: Livraria Cultura / Amazon (e-book)
Avaliação: 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Compartilhe:
  • 3
  •  
  •  
  •  
  •  


  • Nayara disse:

    Adorei a capa e a página dos capítulos! Nunca tinha visto esse livro… uma pena, porque com certeza a capa ia me chamar muita atenção.
    Karen, sei bem como é a sensação de precisar ter o segundo livro da série… hahahaha… tava assim com os livros do Percy!
    Gostei da história, bem diferente e trata de vários assuntos ~polêmicos~
    Com certeza, vou ler! :D
    Beijos

  • Lucy disse:

    Kakazinha the flash! hahaha
    Caramba, que bom que vc gostou desse livro! E pelo visto ele é mesmo bem intenso. Eu estou super curiosa pra ler, então pode colocar na pilha de “livros para emprestar para Lucy”, que deve estar aumentando aí. rsrs
    Bjos!

  • Jéssica Castro Paim disse:

    Eletrizante, envolvente, questionador!!!
    Depois de ler essas palavras precisa dizer mais alguma coisa??
    Estou apaixonada por esse livro pela capa por tudo, essa resenha também está maravilhosa não poderia descrever melhor.

  • Marília Sena disse:

    Todos falam tão bem desse livro que eu já estou me remoendo de curiosidade. Não vi nenhuma resenha negativa. E o livro é lindo mesmo, estou encantada, desde o enredo até os “detalhes físicos”, sem falar nas suas resenhas que são sempre maravilhosas. <3

  • Isa Aragão disse:

    Nossaa! Você realmente se empolgou com a leitura! Já tinha visto essa capa já um tempo e me apaixonado. Fiquei feliz em saber que você gostou. Mais um motivo para eu comprar haha
    Beijão!
    isaaragao.blogspot.com.br

  • Dâmaris Carvalho Lima disse:

    Já tinha ouvido falar do livro, todas as resenhas que eu vejo só elogiam ele.
    Eu queria muito ler esse livro *.*

  • Mari disse:

    Eu tô com esse livro na minha cabeceira da cama (literalmente) para ler. Devo confessar que foi a capa que me atraiu – e sim, você está certa, acho que foto nenhuma faz jus a essa capa. Mas a história (futuro apocalíptico + espaço) é exatamente o meu tipo de história, então tá aqui, na pilha. Quem sabe agora no carnaval não consigo lê-lo?

  • Top Ten Tuesday: Dez autores populares que eu nunca li « Por Essas Páginas disse:

    […] – A capa do livro “Brilho” sempre me chamou muita atenção porque ela é linda. Depois dessa resenha da Karen falando muito bem do livro, não tive dúvidas: eu tenho que conhecer mais essa série. […]

  • George Araujo disse:

    Quando vi a linda capa, pensei que se tratava de um livro mais romântico. Ai comecei a ler a resenha e imaginei que fosse um romance espacial. Então avancei e descobri que há um conjunto de fatores que me deixaram muito curioso sobre o título. Por isso é bom ler resenhas, porque as vezes julgamos superficialmente um título e a sinopse em nada ajuda. Com uma capa linda dessas, com essa brutalidade e esse conteúdo que mexe com a cabeça do leitor, esse livro promete ser uma ficção prato cheio.
    Eu quero!!

    Beijos ao pessoal e obrigado pela resenha!

  • Julliany disse:

    Uaaaaaaaaaaaaau, já que é uma ordem né kkkk fazer oq.
    Realmente para fazer uma história que se desenrola no espaço deve ser um trabalhão, desde pesquisar, porque mesmo com todo avanço o espaço ainda é um mistério. Amo distopias, e se esse livro é tão bom quanto você está dizendo, é mais do que obvio que eu lerei o mais rapidamente possíveeeeel

  • Promoção: Brilho « Por Essas Páginas disse:

    […] gente. Eu quase tive um treco quando li Brilho de um dia para o outro (não leu a resenha? LEIA!). Pensando nisso, a Geração Editorial linda […]

  • Alina disse:

    Esse livro realmente chamou minha atenção. É o estilo de sci-fi que adoro e espero que consiga ler.

  • Fabiana Strehlow disse:

    Pra começar, essa capa é linda! Chama atenção pro livro, o que é muito bom!
    Aí, ao ler a resenha, percebo que este é um livro daqueles que intrigam pelo enredo e forma discritiva.
    Preciso muito ler “Brilho”.

  • TAÍS INÁCIO DA SILVA disse:

    A capa me conquistou logo de cara!! Sem falar que esse gênero me encantou de mais!!
    Comecei lendo “Feios” do Scott Westerfeld e a partir daí comecei a gostar desse tipo de livro, tanto que minha “listinha” de distopias está enorme.
    Gostei bastante do cenário em que se passa a história, é muito criativo, nunca li nada parecido. Curiosa para saber como funciona esse negócio de nave espacial, como eles ficam “voando”(?) por aí sem rumo? A nave tem combustível?! rsrsrs curiosíssima!!

  • Giovanna Territsen disse:

    Essa obra esta uma coisa linda mesmo. Chama muito a atenção a arte grafica. Eu estou realmente curiosa para ler o que a autora diz sobre esses aspectos biologicos do universo, como biologa nao posso deixar d ler heheh. adorei!

  • Gizeli R. Meister disse:

    Não tinha lido nenhuma resenha do livro, mas agora que li, estou muuuuito curiosa e morrendo de vontade de lê-lo! A capa é maravilhosa e essa premissa dá a ideia de que o livro é diferente de tudo que já li!

  • Nayara Duarte disse:

    Não conhecia a autora e nem o livro. Eu finalmente estou acabando essa fase “estou lendo quase 30 séries e surtando”! kkk Fiquei muito interessada por ler a sua resenha. Parece ser BEM diferente da maioria das séries por aí! ^^

  • Douglas Fernandes disse:

    Eu tbm amei a capa quando vi ele na livraria… *-*
    os detalhes da capa são muito bacanas mesmo, e pelo que eu li aqui não só a capa como a história toda é magnifica, sabe aquela sensação de que vc precisa do livro, então com esse livro foi assim, pera aí que meu aniversário foi ontem(2 de abril) vou ali na minha mãe falar uma coisa com ela: “Mãaaaaaaaaaaae compra pra mim o livro Brilho de presente” hahahahahaha

  • Top Ten Tuesday: Os dez livros mais originais « Por Essas Páginas disse:

    […] excepcionalmente criativo e envolvente. Não leu?! Leia! Tem que ler! Aproveita e lê também a resenha e aproveita que tem sorteio do livro rolando no […]

  • Nardonio disse:

    A capa é realmente bem bonita e ela ao vivo é melhor ainda. Em relação a trama, gostei bastante, pois ela tem tudo o que procuro em uma boa história: Narrativa legal, cenas com ação, aventura, conspirações, reflexões, etc. Sem falar nesses temas que a autora resolveu abordar, e o trabalho de pesquisa para estruturar sua trama. Enfim, quero ler muito em breve.

    @_Dom_Dom

  • Samantha (Samgirl) disse:

    Confesso, que primeiramente o livro também me chamou a atenção por causa da capa maravilhosa que tem.
    Adoro livros agitados, que nos fazem refletir e nos marcam profundamente.
    Interessante ele não se focar totalmente no romance e caminhar mais para os conflitos dos personagens, pois quando algo se volta excessivamente para o romance chato.

    Samantha Artes e Books

  • Andressa Nunes disse:

    Resenha muito boa , destacando passagens importantes do livro, despertando o interesse dos leitores, vale a pena conferir

  • Shadai disse:

    fico feliz de ter lido sua resenha pois eu achava que esse livro era mais um sobre romance adolescente com pano de fundo ficção futurística.
    que bom que há muito mais coisas nele, temas polêmicos como religião.
    o único pequeno porém, que deve ser machista de minha parte, é a capa ser muito voltada para o público feminino, um livro chamado Brilho na cor roxa cheio de glitter ficaria estranho na minha estante mas tudo bem hahahaha

  • Resultado da Promoção Brilho « Por Essas Páginas disse:

    […] será que ganhou esse livro “fantástico, incrível, sensacional e surtante”? Depois da resenha da Karen, eu fiquei muito curiosa, e resolvi conhecer essa obra. E foi isso tudo mesmo que ela […]

  • Aline Gatto disse:

    Eu tenho esse livro….quando o ví na livraria adorei a capa e logo lí atrás p ver do q se tratava…comprei na hora pq amoooo histórias no espaço (amo ficção científica). Amei o livro e tbm estou super anciosa pelo segundo!!! Estou lendo agora As Crônicas de Gelo e Fogo q sou super fã tbm enquanto aguardo o outro livro…. =)

  • Top Ten Tuesday: Dez autores que só li um livro… mas deveria ler mais « Por Essas Páginas disse:

    […] me apaixonei completamente por Brilho, de Amy Kathleen Ryan. Com-ple-ta-men-te. Agora estou doida pela sequencia, Centelha, que já […]

  • Resenha: Centelha « Por Essas Páginas disse:

    […] fica pensando por dias e não quer se separar dos personagens de jeito nenhum. A exemplo de Brilho (resenha aqui), primeiro volume da trilogia, Centelha figura como um dos favoritos na minha estante. Mas isso […]

  • Top Ten Tuesday: As dez continuações que mal posso esperar « Por Essas Páginas disse:

    […] Busca de um Novo Mundo, Amy Kathleen Ryan (leia as resenhas de Brilho e […]

  • Top Ten Tuesday: Dez autores que eu conheci em 2014 « Por Essas Páginas disse:

    […] Kathleen Ryan – Eu li Brilho depois da resenha da Karen – e também porque ela recomendou mil vezes para a gente. Eu AMEI […]

  • Top Ten Tuesday: Dez livros que celebram a diversidade « Por Essas Páginas disse:

    […] No espaço, em uma ficção científica, um Young Adult distópico, há lugar para discutir religião? Sim, há, e esse é só um dos motivos pelos quais essa série é brilhante. Sem doutrinações, há uma bela discussão, do ponto de vista moral e científico, a respeito de religião e ateísmo aqui. E seja você religioso ou ateu, tenho certeza que vai pender entre os dois lados nesse livro, afinal, nada é preto no branco. Leia as resenhas: Brilho/Centelha. […]

  • Top Dez: Dez livros que celebram a diversidade | Eu, Papel e Palavras disse:

    […] No espaço, em uma ficção científica, um Young Adult distópico, há lugar para discutir religião? Sim, há, e esse é só um dos motivos pelos quais essa série é brilhante. Sem doutrinações, há uma bela discussão, do ponto de vista moral e científico, a respeito de religião e ateísmo aqui. E seja você religioso ou ateu, tenho certeza que vai pender entre os dois lados nesse livro, afinal, nada é preto no branco. Leia as resenhas: Brilho/Centelha. […]

  • Top Ten Tuesday: Dez livros para quem gosta de tecnologia « Por Essas Páginas disse:

    […] & Centelha (série), Amy Kathleen Ryan (resenhas aqui e […]

  • Sexta do Sebo #196 « Por Essas Páginas disse:

    […] Kathleen Ryan. Adorei os dois primeiros livros da série e estava ansiosa por esse! Tem resenhas aqui e […]

PREENCHA OS CAMPOS ABAIXO PARA DEIXAR SEU COMENTÁRIO




Mensagem