Resenha: Bruxos e Bruxas

Esse livro fazia parte da minha meta de livros para o inverno. Só que não deu tempo, aí tentei ler no mês de setembro. Bem, para falar a verdade, minhas leituras estão TODAS atrasadas, seja de parceria, seja de meta pessoal. Estou bem chateada com isso.

Mas chega de mimimi! Consegui terminar de lê-lo agora no começo de outubro e vou compartilhar o que achei dele.

BRUXOS_E_BRUXASSinopse: No meio da noite, os irmãos Allgood, Whit e Wisty, foram arrancados de sua casa, acusados de bruxaria e jogados em uma prisão. Milhares de outros jovens como eles também foram sequestrados, acusados e presos. Outros tantos estão desaparecidos. O destino destes jovens é desconhecido, mas assim é o mundo sob o regime da Nova Ordem, um governo opressor que acredita que todos os menores de dezoito anos são naturalmente suspeitos de conspiração. E o pior ainda está por vir, porque O Único Que É O Único não poupará esforços para acabar com a vida e a liberdade, com os livros e a música, com a arte e a magia, nem para extirpar tudo que tenha a ver com a vida de um adolescente normal. Caberá aos irmãos, Whit e Wisty, lutar contra esta terrível realidade que não está nada longe de nós. Fonte

Já adianto que a primeira coisa que chamou muito a minha atenção e me fez rir foi o sobrenome dos personagens: Allgood (separando as palavras, “tudo de bom”, em português), o que é bem sugestivo quando você descobre quem realmente são Whit e Wisty e seu papel na trama.

Por falar na trama: Premissa bem legal, história… Nem tanto. Conheço James Patterson pelo nome, mas nunca li seus livros policiais. Não sei se esse é o primeiro YA (na verdade, acho que está mais próximo do infanto-juvenil do que de YA) que ele escreve, mas não sei. Deve ter desandado em algum ponto, porque a leitura não fluiu como eu gostaria.

A história começa com uma cena de sequestro/prisão. Os dois irmãos são presos, acusados por bruxaria – sem nunca terem feito nada. Seus pais dão a eles um livro (em branco) e uma batuta – por algum motivo é permitido que cada prisioneiro leve apenas um pertence para a cadeia. A Nova Ordem está no poder, com O Único Que É O Único (um minuto de silêncio para o nome mais brega de vilão que me lembro. Obrigada.) no comando de tudo. Aliás, tem vários “Únicos” nesse livro: O Único Que É Único, O Único Que Julga…

Os dois, que nunca haviam feito nada de anormal na vida, começam a desenvolver seus poderes na prisão – que foi construída na verdade para anular o poder dos bruxos descobertos pela Nova Ordem. Curiosamente, todos os bruxos presos são crianças até 17 anos. Ao completarem dezoito, elas são enforcadas – simples assim.

“Vocês são a coisa mais distante de “normal” que pode existir!” (página 107)

Whit e Wisty conseguem fugir da prisão ao se darem conta finalmente de que eles REALMENTE tinham poderes. A partir daí, eles tem que desbravar outros mundos, salvar outras crianças ameaçadas e ainda descobrem que seu papel nessa guerra contra a Nova Ordem é maior do que haviam imaginado.

A narrativa é em primeira pessoa, tanto pelo ponto de vista de Wisty quanto de Whit, a maioria pelo ponto de vista da Wisty, que tem um gênio bem difícil e rebelde, enquanto Whit é o “desengonçado e sensível” por seu tamanho e força. A personalidade de ambos é forte, mas eles parecem mais novos do que realmente são, o que causa estranhamento e irritação em várias partes da leitura. Os poderes que foram aparecendo aos poucos me pareceu muito coisa de quadrinhos estilo Marvel, além de pequenos feitiços que pareciam “inventados”, feitos na hora – e que soaram bem infantis.

O que achei interessante na história é que meio que incita os jovens a buscarem a revolução em um regime opressor. Porque o livro todo fala muito sobre o regime opressor e retrógrado da Nova Ordem e a revolução que são os jovens e sobre como devemos lutar pela liberdade, em vez de ficar sentados de braços cruzados, conformados com a opressão. Essa mensagem foi legal.

Eles têm medo de mudança, e nós precisamos mudar

Eles têm medo dos jovens, e nós somos os jovens.

Eles têm medo de música, e música é a nossa vida.

Eles têm medo de livros e do conhecimento, e de ideias.

Acima de tudo, eles têm medo da nossa magia. (página 244)

Esse é o primeiro livro da série, não me lembro agora se é trilogia ou não. Mesmo tento achado a leitura bem razoável, vou insistir e ler o segundo livro, que já é o novo lançamento da Novo Conceito. Vamos ver os autores conseguem me convencer melhor.

Ah, antes que me esqueça: No final do livro temos uma lista de “livros considerados especialmente ofensivos” e banidos pela Nova Ordem pelo O Único Que Bane Livros e há vários livros com títulos muito semelhantes aos livros que conhecemos. A invenção de Hugo Cabret, por exemplo, se transforma em A invenção de Bruno Genet; O Ladrão de Raios (primeiro livro da série Percy Jackson e os Olimpianos) se transforma em O Ladrão de Trovões e Harry Potter e a Ordem da Fênix termina como Harry Podre e a Ordem dos Idiotas (esse foi o único que não gostei), além da série “Aurora” (Crepúsculo?), entre outros.

Livro gentilmente cedido em parceria para resenha pela Editora Novo Conceito.

Ficha técnica:

Nome: Bruxos e Bruxas
Autor: James Patterson, Gabrielle Charbonnet
Páginas: 288 páginas
Editora: Novo Conceito
Onde comprar:Livraria Cultura /Livraria Cultura (e-book)Amazon
Minha avaliação:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...


  • Karen disse:

    O nome de vilão mais brega que existe! HAHAHAHAHAHAHAHAHA Adorei, ri muito aqui. Gostei do final ter os nomes dos livros, mas realmente o de Harry Potter é ruim. Mas meh, desanimei de ler a série. Ainda mais que agora vi que tem 5 livros. Não é tão boa assim e é muita coisa pra ler. A pilha já tá grande.

  • Caroline Centeno disse:

    Oi querida.
    Baah, senti aquela mesma sensação ao ler mais uma resenha do Bruxos e Bruxas….Que o livro deixou pontos que não agradou muita gente.
    A capa , divulgação e tudo mais feito para a divulgação ,deixou muita gente com alta expectativa e acredito que ele não superou todas.
    Vou acompanhar suas resenhas sobre esses livros (Y)

  • Karen disse:

    Caroline, te contar que eu sempre fico com o pé quando o livro tem muito marketing em cima dele. =/

  • Jullyane Prado disse:

    Esse livro teve muita divulgação e a capa é muito bonita, mas não interessei em ler, bem não é muito meu tipo!! rssr!!

  • renata melo disse:

    Eu também achava que a estória era um pouco diferente pela capa,mais acho legal a mensagem de revolução que ele passa.

  • Rossana Batista disse:

    Harry Podre e a Ordem dos Idiotas eu também não gostei não viu, parece que o autor não gosta de Harry, foi o que eu entendi. Só por isso já fico estressada para não ler. rum!

  • Roberta Moraes disse:

    Mas geralmente o primeiro livros de série é mais arrastadinho porque eles são mais explicações sobre personagens e fatos… pelo menos os que li foram assim na maioria e depois ficaram melhores.
    A capa é bem lindinha com esse B de fogo.

  • Jessica Lisboa disse:

    Gostei do livro pelo fato que na epoca teve uma grande divulgação, nao tenho muito o que disser, só espero que quando eu for ler ele nao me decepcione.

    xx

  • Top Comentarista – Novembro « Por Essas Páginas disse:

    […] O livro da vez será Bruxos e Bruxas! A resenha vocês podem conferir aqui. […]

  • Gabriela S. disse:

    Não sei pq todo mundo fala desse livro… Parece ser bem legal, pelo o que eu li na resenha… haha ♥

  • Lucy disse:

    Hm… Não é bem legal, mas você pode arriscar. rsrs
    Bjos

  • Sandy Mayara disse:

    Nossa mas que … um a menos pra minha lista!

  • Lucy disse:

    Sorry, Sandy… rsrs

  • Jéssica Castro Paim disse:

    Poxa eu estava procurando uma resenha desse livro porque queria compra-lo e fiquei um pouco triste, somente 2 estrelas não me parece uma boa coisa, acho que vou adiar esse livro pois confio nas recomendações do blog, se alguém me emprestar até posso ler…

  • Lucy disse:

    Oi, Jéssica! Obrigada pela consideração. rsrs
    Bem, realmente se eu fosse você adiaria a leitura. Claro que se conseguir ler, pode tirar sua própria conclusão. Afinal, as pessoas podem ter gosto diferente. Infelizmente esse livro não me cativou, mas nunca se sabe.
    Bjos!

  • Resenha: O Dom « Por Essas Páginas disse:

    […] que li o primeiro livro da série, Bruxos e Bruxas, confesso que não me animei a ler o segundo. Mas é sempre bom dar uma segunda chance a uma […]

  • Top Ten Tuesday: Dez capas que eu gostaria de refazer | Por Essas Páginas disse:

    […] Bruxos e Bruxas, James Patterson [Resenha] […]

PREENCHA OS CAMPOS ABAIXO PARA DEIXAR SEU COMENTÁRIO




Mensagem