Resenha: Colin Fischer

COLIN_FISCHERSinopse: Colin Fischer – Resolvendo o crime. Uma expressão facial por vez. O ano letivo de Colin Fischer acabou de começar. Ele tem cartões de memorização com expressões faciais legendadas, um desconcertante conhecimento sobre genética e cinema clássico e um caderno surrado e cheio de orelhas, que usa para registrar suas experiências com a MUITO INTERESSANTE população local.
Quando um revólver dispara na cantina, interrompendo a festinha de aniversário de uma das garotas, Colin é o único que pode investigar o caso. Está em suas mãos provar que não foi Wayne Connelly, justamente aquele que mais o atormenta, que trouxe a arma para a escola.
Afinal de contas, a arma estava suja de glacê, e Wayne não estava com os dedos sujos de glacê… Fonte

Colin é um garoto de 14 anos que acaba de ingressar no colegial. Um tanto peculiar, ele não gosta de azul, nem de sons altos e quase não aceita ser tocado (a menos pelos pais, mas somente depois de um aviso). Extremamente inteligente e observador, ele tem síndrome de Asperger, o que dificulta seu relacionamento com outras pessoas, por isso ele tem seus cartões de memorização para cada expressão facial. Infelizmente, essas características peculiares também chamam a atenção de quem ele menos queria e acaba que Colin é uma vítima de bullying.

E justamente seu carrasco, Wayne Connelly, é acusado de trazer uma para a escola, que dispara em meio a uma confusão durante o recreio, quando uma das poucas amigas de Colin comemorava seu aniversário. Mas Colin sabe desde o início que não foi Wayne quem levou a arma, e está decidido a provar sua inocência e ainda apontar o verdadeiro culpado.

Ao começar a leitura, eu já suspeitava que Colin tivesse Asperger, mesmo antes de ele explicar isso para seu professor. De alguma forma, ele já me cativou desde o início, com seu jeito único de interpretar os seres humanos e sua forma de pensar – além, é claro, de ele ser grande fã de Sherlock Holmes (eu também sou!). Dá um aperto no peito quando percebemos o quanto ele é discriminado pela maioria dos colegas e mesmo por seu irmão, mas no caso deste último é mais ciúmes pela atenção que Colin recebe dos pais do que qualquer outra coisa. Aos poucos, podemos ver o modo como Colin age, demonstrando que é um garoto inteligente e sem ressentimentos, mas ainda assim frágil e gentil.

Uma das coisas que eu gostei da trama foi que Colin pareceu vencer um pouco mais a barreira que o Asperger cria. Uma vez que é uma condição próxima ao autismo, Colin tem certa limitação em interagir com outras pessoas, mas de certo modo ele consegue se fazer entender ao longo do livro e isso acabou trazendo uma recompensa para ele.

O livro é narrado em terceira pessoa, boa parte no ponto de vista de Colin. Em algumas partes mais explicativas, temos o uso de rodapés, também no ponto de vista de Colin. No entanto, os capítulos começam como um diário que Colin escreve, sendo esses trechos sempre em primeira pessoa.

Com a narrativa leve e divertida, o livro não deixa de passar uma mensagem sobre as condições dos portadores da síndrome de Asperger e sobre o autismo. Ainda por cima em um ambiente que mais parece uma floresta selvagem, onde apenas o mais forte sobrevive, que é o segundo grau. Também fala sobre como é fácil julgar alguém apenas por ela já ter um histórico de malcriações.

Recomendo a leitura. É possível ler em um dia apenas, então podem separar para aqueles dias de chuva em que você quer ficar sossegado em casa com a boa companhia de um livro.

Este livro foi gentilmente cedido para resenha pela editora Novo Conceito.

Ficha técnica:

Nome: Colin Fischer
Autor: Ashley Edward Miller e Zack Stentz
Páginas: 176
Editora: Novo Conceito
Onde comprar: Livraria Cultura / Saraiva / Saraiva Digital / Submarino / Amazon
Minha avaliação:

Compartilhe:
  • 2
  •  
  •  
  •  


  • Douglas Fernandes disse:

    Eu nao agradei muito da capa… hahaahha
    achei feia…
    Mas a história já parece interessante, eu conheço muito pouco sobre essa sindrome, e sobre altismo conheço pouco, mas agora que tenho um primo altista estou passando a aprender mais.
    Ainda nao tive a oportunidade de ler nenhum livro falando sobre, tem aquele passarinha que ouvi dizer que é muito bom tbm, tenho muita vontade de ler e esse Colin Fischer tbm.
    Tem nada mais gostoso que um dia com aquela chuvinha, um café e um bom livro… ‘-‘

    [Reply]

  • Vitória Ramos disse:

    Confesso que eu não ia ler o livro por conta da capa que não me agradou muito, mas como sempre dizem não se deve julgar o livro pela capa, então irei ler porque a história me cativou muito.

    [Reply]

  • Gustavo disse:

    Eu julguei o livro pela capa, pronto falei. Odiei a capa, e não queria nem saber o que se tratava o livro, mas finalmente dei o braço a torcer li a sinopse e adorei e fiquei muito interessado, a sua resenha só me fez ter mais certeza de que preciso ler esse livro, mesmo tendo realmente detestado a capa kkk. Mas depois de ler a sinopse, a capa meio que fez sentido…

    [Reply]

PREENCHA OS CAMPOS ABAIXO PARA DEIXAR SEU COMENTÁRIO




Mensagem