Resenha: Desejo à Meia-Noite

Esse ano eu vi a Editora Arqueiro publicar vários romances de época e confesso que sou fã desse tipo de romance, mas não são todos chamam a minha atenção. Quando eu vi as capas desses livros, realmente não dei muita bola. Mas aí saiu a sinopse de Manhã de Núpcias (o quarto livro da série) e eu fiquei interessada, achei que valia a pena pesquisar mais sobre a série. No fim das contas, eu achei uma tradução de fãs para fãs do primeiro livro e… simplesmente devorei! Acabei adquirindo a edição oficial não só do primeiro, mas dos quatro livros já lançados e em uma forte crise de ressaca literária, eu li todos de uma vez só (e de vez em quando ainda “folheio” os e-books aqui e ali).

Ah, esse livro faz parte do Desafio realmente desafiante 2014, promovido pela Clícia do blog Silêncio que eu to lendo. Esse livro é do item 14: Um livro com um personagem tatuado.

DESEJO_A_MEIANOITESinopse: Após sofrer uma decepção amorosa, Amelia Hathaway perdeu as esperanças de se casar. Desde a morte dos pais, ela se dedica exclusivamente a cuidar dos quatro irmãos – uma tarefa nada fácil, sobretudo porque Leo, o mais velho, anda desperdiçando dinheiro com mulheres, jogos e bebida. Certa noite, quando sai em busca de Leo pelos redutos boêmios de Londres, Amelia conhece Cam Rohan. Meio cigano, meio irlandês, Rohan é um homem difícil de se definir e, embora tenha ficado muito rico, nunca se acostumou com a vida na sociedade londrina. Apesar de não conseguirem esconder a imediata atração que sentem, Rohan e Amelia ficam aliviados com a perspectiva de nunca mais se encontrarem. Mas parece que o destino já traçou outros planos.

Quando se muda com a família para a propriedade recém-herdada em Hampshire, Amelia acredita que esse pode ser o início de uma vida melhor para os Hathaways. Mas não faz ideia de quantas dificuldades estão a sua espera. E a maior delas é o reencontro com o sedutor Rohan, que parece determinado a ajudá-la a resolver seus problemas. Agora a independente Amelia se verá dividida entre o orgulho e seus sentimentos.

Será que Rohan, um cigano que preza sua liberdade acima de tudo, estará disposto a abrir mão de suas raízes e se curvar à maior instituição de todos os tempos: o casamento? Fonte

Nesse primeiro livro de uma série de cinco, somos apresentados à excêntrica família Hathaway. São eles: Leo, Amelia, Winnifred, Poppy e Beatrix, os quatro mais velhos já maiores de idade. Também tem Merripen, um cigano que foi acolhido pelos Hathaway anos antes e que decidiu ficar com eles (mais detalhes sobre ele na resenha do segundo livro hohoho). Eles tentam se adaptar à uma nova vida, agora que Leo se tornara um visconde e recebera o título de lorde Ramsay. Porém, Leo não está em condições de lidar com seu título ou cuidar de sua família, uma vez que se entregou a vários vícios em decorrência de uma tragédia em sua vida e cabe a Amelia, a segunda mais velha, tomar as rédeas da família, tentando cuidar de tudo e de todos, literalmente, nem que tenha que colocar seus interesses de lado.

“- Deus proteja quem ficar no seu caminho. Você gosta de cuidar da vida das pessoas, não é?
– Apenas quando é óbvio que posso fazer isso melhor do que elas.”

E é assim que encontramos Amelia no início do livro, à procura de seu irmão que desapareceu de novo. Acompanhada por Merripen, ela acaba conhecendo Cam Rohan, gerente de uma casa de jogos, e pede sua ajuda. Mesmo relutando a princípio, Rohan decide ajudar Amelia a encontrar Leo.

Logo no início, os dois demonstram um certo fascínio um pelo outro. Pode até ser o famoso clichê “atração na primeira olhada”, mas não foi forçado. Cam simplesmente se sentiu fascinado pela simplicidade de Amelia e sua determinação, além do cuidado que ela tem com sua família, mesmo que às vezes esse zelo pela família parecesse em excesso. Por outro lado, Amelia achou intrigante o fato de Cam ser meio cigano e viver com tanta desenvoltura em meios aos gadje, ou melhor, aos não ciganos, além de seu ar misterioso e místico, muito intimidante e, porque não dizer, atraente.

A sinopse já conta que o caminho dos dois se separam e depois tornam a se encontrar, então eu prefiro parar por aqui, porque a graça toda está em ler e descobrir aos poucos o que acontece e como acontece. Todo o desenvolvimento da trama e a interação das personagens entre si é muito envolvente e engraçado. A trama, por mais simples e previsível que pareça, consegue prender o leitor do início ao fim e não tem situações forçadas ou apelativas, mesmo nas cenas mais quentes. Teve apenas uma cena que eu achei exagerada e talvez até estereotipada, uma cena de ciúmes, mas nem isso fez com que eu diminuísse a nota da leitura. Nesse livro a autora também explorou uma parte mais, digamos, “sobrenatural”, o que deu um toque de melancolia na trama e que eu gostei muito.

Quanto aos personagens, eles são ótimos! Nesse livro em especial, contamos com a participação de cada Hathaway, o que vai diminuindo no decorrer da série, o foco se voltando mais para o casal principal.

Do clã dos Hathaway, mesmo Leo que parecia fadado a ser intratável e talvez até “descartável” (ele conseguia tirar Amelia do sério, e eu também!), é cativante da maneira dele, mesmo sendo atormentado pelas lembranças de um amor perdido, o que não justifica seu comportamento autodestrutivo. Porém, em poucos momentos nós podemos ver que Leo não é totalmente indiferente a suas irmãs, além de ver que seu sentimento é muito profundo, então acabamos por torcer por sua recuperação. Win é a mais doce das irmãs e tem a saúde debilitada por causa da escarlatina. Já nesse livro vemos que ela e Merripen nutrem sentimentos um pelo outro, mas que ainda não foram revelados (não que seja segredo para ninguém). Algumas pessoas podem achar Merripen muito carrancudo – e ele é, mas tem todo um motivo para ele ser assim.  Poppy é a mais falante de todas e aparentemente a mais “normal”, enquanto que Beatrix é uma jovem de espírito livre, amante dos animais, porém também tem problemas quando fica nervosa ou ansiosa…

Como eu disse acima, Amelia é muito determinada e orgulhosa. Não admite fraquezas em si mesma e carrega todos os fardos da família nas costas, fazendo questão de não precisar de ninguém para ajudar. A única concessão para receber ajuda é quando tem que levar em consideração a segurança dos irmãos em primeiro lugar. Traída no passado, decidiu não alimentar mais sonhos de se casar e constituir família. Não contava com o surgimento de um cigano com uma tatuagem misteriosa no braço, um pooka, criatura mítica irlandesa na forma de um cavalo alado negro, com olhos cor de enxofre.

“- … o pooka quer apenas levar a pessoa para uma aventura… voar em sua companhia para lugares que só podem ser vistos em sonhos. E depois a leva de volta para casa.
– Mas as lendas dizem que, depois que o cavalo o leva nessas viagens noturnas, nunca mais se é o mesmo.
– Não – disse ele com suavidade – Como poderia?”

Cam é aquele tipo de personagem com uma aura de mistério e misticismo devido às suas origens e também pelo que passou durante sua vida. Ele é um mestiço, metade cigano, metade gadjo irlandês, como ele mesmo fala. Aprendeu a lidar com os gadje depois de ser abandonado por sua tribo em Londres e agora ele quer saber por que. Sendo cigano, diz que foi amaldiçoado com a praga da boa sorte, adquirindo uma fortuna que não queria, por ser meio cigano. No entanto, em cada investimento que ele achava que acabaria perdendo dinheiro, a soma investida triplicava!

“Para um chal, usar roupas tão ricas, permanecer sob o mesmo teto por tanto tempo, acumular riquezas… é vergonhoso”.

Quando conhece Amelia, Cam sabe que seria um erro se envolver com ela, já que a sociedade provavelmente fecharia as portas para ela por se envolver com Cam. Mas ele acredita em destino e quando a reencontra, não esconde seu interesse pela jovem, deixando-a desconcertada. A sintonia entre os dois é ótima e Cam tem desenvoltura de sobra para lidar com os outros membros da família Hathaway – mesmo com Merripen, que possui algo em comum com Cam além de seu passado cigano (aguardem a próxima resenha para saber hohoho).

Para quem não conhece a autora, ela escreveu essa série após finalizar uma outra série, chamada “The Wallflowers”, que a Arqueiro trará para o Brasil ano que vem com o nome “As quatro estações do amor”, se não estou enganada. O que aconteceu: ela ficou meio sem saber como parar de falar de personagens queridos na primeira série, então resolveu criar uma série para onde eles pudessem fazer uma participação especial. Pelo que entendi, nessa série que antecedeu Os Hathaway, temos uma pequena participação de Cam também (eu não achei tradução de fãs para fãs para confirmar, vou esperar mesmo a tradução da Arqueiro rsrs).

Leitura super recomendada para quem gosta de um romance!

Ficha técnica:

Nome: Desejo à Meia-Noite
Autor: Lisa Kleypas
Páginas: 272
Editora: Arqueiro
Onde Comprar: Livraria Cultura / Livraria Cultura (e-book) / Amazon
Minha avaliação:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...


  • Daniella Alves Vale disse:

    Simplesmente maravilhoso os livros dessa autora. Adquiri esses quatro primeiros livros simplesmente por ter amado as capas. Ansiosa para o lançamento do quinto e último livro da série.

  • Lucy disse:

    Oi, Daniella! Confesso que o que quase me fez não ler a série foram as capas. rsrs O último da série está chegando, também estou ansiosa! *__*
    Bjos

  • Diana Batista disse:

    Eu li os quatro livros em uma semana!! São muito bons! Estou ansiosa pelo quinto e último volume que está previsto para sair em abril de 2015.

  • Lucy disse:

    Oi, Diana! Para nossa sorte, a Arqueiro já divulgou uma data de lançamento, 16/01! *__*
    Bjos

  • Douglas Fernandes disse:

    Ainda nao li nada da autora, mas vejo muitos comentarios positivos em relação aos livros, parece um prato cheio pra quem curte romance de época, confesso que leio muito pouco esse tipo de livro, vou ver se passo a ler mais.

  • Gustavo disse:

    Eu não estava com vontade nenhuma de ler esse livro, ou essa série, mas alem da resenha (que adorei e que me faria ao menos repensar se leria ou não o livro), a primeira passagem do livro que colocou me interessou demais. Depois dessa frase (num contesto histórico em que mulheres tinham que ser submissas e caladas, como um objeto), eu com certeza quero ler esse livro para ver ao menos no que da kkkk. Espero gostar tanto quanto você gostou kkk

  • Lucy disse:

    Oi, Gustavo! O livro tem várias citações que valem a pena, que bom que gostou dessas que coloquei! rsrs
    Também espero que você goste!
    Bjos

  • Suelen Mendes disse:

    A Aequeiro realmente investiu nisso de romances de época msm esses ano,e eu espero que ela continue assim ano que vem kkkk Eu adoro romances de época!Tenho tbm todos os lançados dessa série mas ainda não li nenhum.Vou ficar aguardando essa nova série que está pra vir ano que vem.
    Bjus

  • Lucy disse:

    Oi, Suelen! Eu também espero! rsrs Leia! Você vai adorar!
    Bjos

  • Ana Paula Barreto disse:

    Adoro romances de época e estou doida pela série. Acho que gosto muito de duas coisas que o livro apresenta: personagens “humanos” e fortes, e a cultura cigana, que não me é familiar, mas me desperta curiosidade.
    A narrativa também parece abrilhantar a trama e entreter o leitor, transportando-o para a história e para a convivência com os personagens.
    Espero ler em breve.
    bjs

  • Lucy disse:

    Oi, Ana Paula!
    A cultura cigana foi um tempero a mais que eu adorei nesse livro.
    A narrativa é bem leve, você vai gostar!
    Bjos

  • Nayara disse:

    Oi Lucy!
    Olha, as capas também não me chamaram a atenção, confesso!! hahahaha.
    Mas lendo a sua resenha fiquei curiosa para ler.
    Ah, ainda bem que as cenas mais quentes não são apelativas… porque me parece um pouco fora do contexto. Igual Veneno; achei bem desnecessário.
    Beijos

  • Shadai disse:

    Não sou muito interessado em Romances de Época, mas esse eu curti o fato de o protagonista masculino ser autodestrutivo, adoro tipos assim.
    Mas, acho bem provável que eu ficasse só nesse volume. Já que prefiro variar minha leitura, em vez de ler histórias parecidas.

  • Resenha: Sedução ao Amanhecer « Por Essas Páginas disse:

    […] vocês devem lembrar na resenha de Desejo à meia-noite, a família Hathaway é composta por cinco integrantes e cada livro conta a história de um deles. […]

  • Queridinhos do mês: Família Hathaway « Por Essas Páginas disse:

    […] também são carismáticos e apaixonantes. A começar por Cam Rohan, que se apaixona por Amelia em Desejo à meia-noite. Dou mais crédito à ela por me fazer gostar tanto dessa família, já que assumiu o papel de […]

PREENCHA OS CAMPOS ABAIXO PARA DEIXAR SEU COMENTÁRIO




Mensagem