Resenha: Doctor Who – The Stone Rose

Eu sou uma pessoa extremamente apaixonada. Quando me empolgo com alguma coisa, me empolgo pra valer e meus amigos e familiares sofrem com as insistências para que também se rendam ao meu capricho da vez, com as referências sem fim que ninguém entende, com minha necessidade de sempre falar sobre o assunto e convencer o maior número possível de pessoas a entrarem no mesmo barco que estou. Confesso que quando comecei a assistir a série de TV britânica Doctor Who eu não pensei que seria assim. Mas assim foi, e após assistir à seis temporadas num período de duas semanas (quem precisa de uma vida, afinal de contas?) eu me peguei completamente sem chão. O que fazer agora, enquanto espero pela sétima temporada que só estréia no segundo semestre? Foi então que descobri os livros baseados na série. Livros cujas páginas podem ser cheiradas e viradas e admiradas e reverenciadas! Livros que eu poderia colocar na minha estante, exibindo-os à todos que me visitam em minha casa, mostrando do que eu gosto, o que faz parte de quem eu sou. Livros!

E eis que pesquisando qual comprar primeiro, me deparo com uma surpresa ainda maior: audiobooks das aventuras do Décimo Doctor narrados por ninguém mais ninguém menos que ele mesmo: David Tennant! Enquanto os dois livros físicos – capa dura e tudo – encomendados não chegavam, não resisti à voz do meu Doctor preferido e comprei The Stone Rose, o primeiro da série de mais de 30 livros das aventuras do Décimo Doctor. Se você nunca viu a série, o livro não dá explicações sobre pontos básicos: quem é o Doctor, os personagens secundários, quem é Rose, o que é a TARDIS. Mas também não há spoilers do cronograma principal da série.

Além de Doctor e Rose, The Stone Rose  traz de volta dois de meus personagens preferidos: Jackie Tyler e Mickey Smith. Ao resolver fazer algo pela comunidade, Mickey encontra nada mais nada menos do que uma estátua de Rose Tyler – de quase 2,000 anos – no museu onde ele tornou-se voluntário. Ao ver a estátua, o Doctor conclui que ele e Rose devem fazer uma visita à Roma Antiga para que a estátua possa ser esculpida antes de um paradoxo ser criado. Rose, maravilhada com o prospecto de tornar-se uma modelo, aceita a viagem na hora e logo quando chegam no ano 120 a.c. eles conhecem Gracilis, um velhinho que está procurando por seu filho Optatus, que desapareceu sem deixar pistas. Doctor e Rose se oferecem para ajudar na busca pelo garoto, e juntamente com Vanessa – uma escrava que consegue prever o futuro – se deparam com Ursus, um escultor que estava responsável por fazer uma estátua de Optatus.

Não é difícil deduzir o que aconteceu com Optatus e o que acontece com Rose: as estátuas não são feitas de mármore; elas são as pessoas simplesmente transformadas em pedra. Mas como em Doctor Who tudo tem uma explicação científica (bem, na maior parte do tempo), no livro não poderia ser diferente, e a resolução depois das diversas reviravoltas é bastante satisfatória. No meio tempo, nós temos uma cena entre o Doctor e Mickey que eu senti falta na série, com todas as coisas que eu realmente acredito que o Mickey diria para o Doctor, e é impossível não sentir vontade de abraçar os dois e dizer que vai ficar tudo bem, mesmo que a gente saiba que essas são palavras vazias. E para quem – como eu – é simplesmente apaixonado por Rose Tyler e nunca acha demais um pouquinho de romance implícito com o Doctor, The Stone Rose foi feito na medida certa!

“He saw the statue – she shrank back as he hurried forward. And then he realized it wasn’t her. Rose was taken aback. She hadn’t known – how could she know – what her disappearence had done to him. This Doctor had a look of such despair in his eyes that her heart almost stopped in pity.”

A narração do audiobook – feita por David Tennant – foi o ponto decisivo que me fez escolher entre a versão em áudio e a versão impressa. Que ele faria a voz do Doctor melhor do que eu podia imaginá-la em minha mente eu não tinha dúvidas, mas a maneira com que ele incorpora os sotaques e os maneirismos de Jackie, Mickey e Rose é fantástica! Durante os primeiros 15 minutos tive que voltar alguns segundos várias vezes porque eu me pegava sorrindo e imaginando Camille Coduri, Noel Clarke e Billie Piper atuando e perdia o fio da meada. Também é maravilhoso poder ouvir o sotaque real de Tennant – mesmo que ele seja mais difícil de compreender – que só aparece na série durante um episódio da segunda temporada.

Clique aqui para ouvir um trecho do audiobook narrado por David Tennant.

The Stone Rose é mais uma amostra do motivo pelo qual Doctor Who é o sucesso que é: não são os efeitos especiais, os sets detalhados, as maquiagens perfeitas, as atuações fantásticas. Esses são fatores importantes sem os quais a série não sobreviveria, mas no coração de tudo isso está a verdadeira razão: Doctor Who nos conta boas histórias, histórias bonitas, cativantes, emocionantes. E sem isso, não há forma de entretenimento – seja visual, auditiva ou impressa – que consiga sobreviver.

Ficha técnica:

Nome: The Stone Rose
Autor: Jacqueline Rayner
Páginas: 249
Onde comprar: Audiobook // Ebook
Minha avaliação:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...


  • Jeh Asato disse:

    Olha que bacana, eu já ouvi falar dessa série mas não sabia que era boa e que tinha audiobooks. Mas parece estranho né? Sei lá, estou imaginando escutar Friends sem ver as cenas, hehehe!

    Mas ficou a dica e está anotado aqui, quando eu puder assistir, com certeza verei!
    Beijos!
    ;*

  • Vania disse:

    Jeh, eu sou suspeita pra falar porque me apaixonei perdidamente, mas Doctor virou minha série favorita em questão de duas temporadas. É muito bacana mesmo, assista quando tiver oportunidade! Eu pensei que fosse achar estranho, e confesso que nos primeiros cinco minutos foi um pouquinho, mas eu sou tão fangirl do DT que não resisti, e valeu a pena! A história é boa, a narração é boa e pra quem estava órfã do Tennant como Doctor e da Rose, é uma ótima pedida hehe

  • Lucy disse:

    Eu acho que nesse caso eu tenho q fazer o contrário, eu tenho q assistir primeiro a série pra depois ler o livro! hehehe

  • Vania disse:

    É Lu, nesse caso é melhor mesmo. É a inversão do que estamos acostumadas né, a série que deu origem aos livros. Eu acabei comprando outro audiobook mas não gostei, só valeu a pena mesmo pela narração do Tennant. Tenho dois outros livros aqui pra ler, um do 9 e um do 10 com a Rose, vamos ver como eles se saem. E veja a série sim, vale muito a pena!!

  • TTT: Os Dez Cenários que eu Gostaria de ver com mais Frequência « Por Essas Páginas disse:

    […] Ness (bizarro, eu sei), tenho uma certa fixação com a Escócia. Adicionem à lista o sotaque do David Tennant e BAM, surge a vontade de ler mais livros que se passam na Escócia. Apesar de Hogwarts ficar na […]

  • graziela segredo silvestre disse:

    adorei esta resenha dr woo é muito divertido,parabens,bjos grazi

  • Inne disse:

    Adoro doctor who!!! É minha série preferida!!! Convenci uma amiga a assistir e hoje ela também fã da série. É a melhor série que já vi na vida!!! Tenho até a chave de fenda sônica do doctor. Meu doctor prefeeido é o David Tennant, ele foi e sempre será o melhor doctor da série!!! Alonz-y!!!

PREENCHA OS CAMPOS ABAIXO PARA DEIXAR SEU COMENTÁRIO




Mensagem