Resenha dupla: Reverso

Esse foi o primeiro livro reli esse ano! Sim, porque ele foi lançado e eu li. Depois, antes de resenhar, resolvi ler de novo! Agora vocês vão saber o que achamos do livro que encerra a duologia Espelhos da Karen! Meu texto será em azul e o da Lany em laranja.

ReversoMegan gostaria de ter deixado todos os seus medos do outro lado do espelho, presos com Megami e sua perigosa obsessão. Mas ela sabe que nada é tão fácil e, rápido demais, o espelho cobra seu preço também deste lado. Megan se vê dentro do seu maior pesadelo, um que conhece muito bem. E agora, além de lutar contra Megami, precisa fazer uma terrível escolha que definirá o seu futuro e o das pessoas ao seu redor.

Em meio a tantos segredos e dúvidas, Megan deve descobrir a verdade sobre Megami e, acima de tudo, sobre si mesma.

Reverso é a conclusão da história iniciada em Inverso, de Karen Alvares, a jornada de uma garota em busca de sua própria identidade. Para proteger quem mais ama, Megan enfrentará seus maiores temores e irá compreender seus sentimentos mais profundos. Mas será que ela é assim tão diferente da garota que a encara do outro lado do espelho?

Em Inverso, conhecemos Megan e sua família: seu pai, sua irmã Mina e sua gata, Alanis. A mãe de Megan havia morrido devido a um câncer e a jovem estava longe de superar essa perda. Também conhecemos Daniel, melhor amigo de Megan, que é um doce de pessoa. Um dia, ao se deparar com o espelho no quarto dos pais, Megan se depara com o próprio reflexo. Só que não. Era uma versão de Megan bem diferente, mais patricinha e fútil e não legal, chamada Megami. A história começa a pegar fogo quando as duas descobrem que conseguem atravessar o espelho para “o outro lado” e coexistirem uma dentro da mente da outra.

O detalhe importante e crucial da história: No universo de Megami, a mãe de Megan estava viva.

Voltando aos acontecimentos mais atuais, Megan começa a ler o diário da mãe, que revela a verdadeira relação entre o espelho e a família de Megan, mais propriamente, entre as mulheres da família. Além dessa relação chocante, existe também uma consequência por atravessar para o outro lado. Consequência que pode ser fatal se Megan continuar em seu próprio mundo, mas sem qualquer resquício se trocar de lugar com Megami. Ou isso, ou Megan será obrigada a abandonar alguém de sua vida para conseguir se curar.

Ao mesmo tempo, Megan quer entender porque Megami trocaria de lugar com ela (ficar em um mundo sem sua mãe) e porque sua família do outro lado do espelho não é tão amorosa como sempre foi no mundo de Megan. E além disso tudo, ainda tem os sentimentos que Megan nutre por Daniel.

A escrita da Karen continua instigante, nos prendendo do começo ao fim. Toda a trama é desenvolvida e explicada aos poucos, sem pressa dessa vez, e passamos a entender melhor todos os personagens, inclusive Megami, que, de certo modo, também ganha a nossa simpatia (mas demora um pouco para isso acontecer). A luta de Megan não era apenas por saúde física – afinal, ela acabou descobrindo ter o mesmo tipo de tumor que sua mãe – ela foi obrigada a fazer escolhas que nunca imaginou que faria – e isso foi de partir o coração.

Em um mundo onde séries tem cada vez mais livros (e você fica se perguntando se é por causa de enredo mesmo ou por outros motivos), o leitor consegue completamente entender porque Espelhos é uma duologia: porque não tinha como o enredo ser desenvolvido em um livro só. A trama foi muito bem dividida entre os dois livros, porque cada um deles nos mostra um pedaço do desenvolvimento do Megan. No primeiro a gente fica com aquela dúvida: o que é o espelho? Quem é a pessoa que está do outro lado? Os mundos são diferentes? A MÃE DA MEGAN ESTÁ VIVA COMO ASSIM? Já no segundo, nós temos as duras consequências dessas viagens através do espelho e também nós conhecemos mais o background dos personagens. Concordo totalmente com a Lucy: a Megami também ganhou a minha simpatia. Várias opiniões que eu tinha sobre os personagens no primeiro livro foram quebradas no segundo!

O romance foi muito bem dosado. A relação entre Daniel e Megan é de muita cumplicidade e companheirismo e Daniel parece ser o único que permanece ele mesmo no mundo real e no do espelho. Eu gostei pelo assunto ter sido abordado da forma que foi, sem muitos suspiros, mas tendo todo aquele clima romântico e juvenil (mesmo assim, sem suspiros demais). Eu ADOREI o desenvolvimento romance porque apesar de toda a parte “sobrenatural” do livro, o romance foi muito real, muito pé no chão, se posso assim dizer. E o clima realmente combina bastante com a idade dos personagens, contribuindo ainda mais para esse sentimento. 

Eu também gostei muito da relação familiar da Megan e também como foi para ela conviver com a sua família do outro lado, ou melhor, a família de Megami. As coisas às vezes não são fáceis entre as famílias, mas fugir dos problemas nunca foi a solução.

A única coisa que não gostei, eu já falei para a Karen e não vou comentar aqui porque é spoiler. Sim, eu entendi o que aconteceu, e entendi que tinha que acontecer, mas… é o meu fraco. Isso em momento algum faz com que eu tire uma estrela da avaliação. Eu com certeza sei do que a Lucy está falando e concordo: foi difícil porque também é um dos meus pontos fracos, mas é aquela situação de sempre: se o enredo é todo flores e maravilhas, não existe conflito e a história não te prende. Autores tem que nos fazer sofrer um pouco (em alguns casos até muito) para que o sentimento fique mais tempo com o leitor.

Recomendo a duologia inteira para quem quiser. Se com Inverso ficamos roendo as unhas de curiosidade, em Reverso temos todas as nossas respostas, com um final emocionante e cheio de esperança. Assim como a Lucy, eu recomendo muito a duologia e principalmente por causa de um ponto. Durante o processo de escrita de um livro, o livro é 100% do autor. Mas, quando ele o publica, esse livro não é só mais dele: ele está compartilhando uma mensagem com o mundo de leitores que por razões diferentes vão resolver ler essa história. Por isso que eu acho que um bom livro (aquele livro que é diferente de todos os outros e que consegue realmente tocar o leitor) tem algo a mais. Além do enredo desenvolvido, presente em qualquer obra, ele tem uma mensagem ali escondida que o autor quer passar. Claro que essa mensagem não é como nos livros infantis que vem uma “moral da história” no final escrito em letras claras. Não. Um bom livro traz uma mensagem que o leitor que mergulha na história consegue entender e faz com que o ele saia diferente depois daquela leitura. E foi exatamente isso que a duologia Espelhos fez comigo: quando eu terminei o livro com lágrimas nos olhos, eu sabia que não era mais a mesma de antes.

Ficha técnica:

Nome: Reverso
Autor: Karen Alvares
Páginas: 148
Onde comprar: Livraria Cultura / Kobo / Saraiva /Amazon
Minha avaliação: 

Avaliação da Lany: 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  


  • Leticia disse:

    Olá, adorei sua resenha, pela capa não da pra perceber o quão maravilhoso se parece esse livro, e confesso que quando comecei a ler sua resenha pensei no filme Coraline, adorei.. Vou colocar na lista infinita de próximas leituras..

  • Lucy disse:

    Oi, Letícia! Olha, até que a comparação faz sentido! Talvez a Karen tenha se inspirado em Coraline, ela adorou o livro! Rsrs
    Quando conseguir ler, volte para dizer o que achou!
    Bjos

  • Andrea Morais disse:

    Olá!
    Achei essa resenha a duas mãos muito interessante. No começo, não me interessei muito pelo enredo dessa duologia, mas depois de evidenciarem a temática sobrenatural, fiquei ainda mais empolgada. =)
    Parabéns pela resenha e obrigada pela dica!

  • Lucy disse:

    Oi, Andrea! Obrigada!
    Espero que você dê uma chance para a leitura, vale a pena!
    Bjs

  • Fábrica dos Convites disse:

    Faz um bom tempo que quero ler algo da Karen, mas ainda não consegui. Esta duologia já está pronta, talvez comece por ela. É bom saber que todas as curiosidades apresentadas durante a leitura foram esclarecidas.
    Bjs, Rose

  • Lucy disse:

    Oi, Rose!
    Você também pode conferir Alameda dos Pesadelos, que é um livro único. Ele tem uma pegada mais espiritual e tem resenha aqui no blog também, caso queira conferir! :D
    Bjos!

  • Beatriz disse:

    Eu não conhecia o livro e fiquei curiosa com a leitura, gostei de ver os comentários de vocês sobre a obra e me deu vontade de ler também.

    Só fiquei meio confusa com essa resenha dupla, mas depois entendi quem falava o que.

    Acho que em resenhas duplas, o legal é colocar as opiniões divididas, primeiro uma e depois a outra. É só uma sugestão como leitora do blog, assim fica mais fácil o entendimento e podemos comparar as opiniões depois.

  • Lucy disse:

    Oi, Beatriz!
    O lance de colocar cores diferentes na resenha, em vez de colocar as opiniões divididas, é que às vezes uma opinião complementa a outra, então para nós não fica confuso – e até o momento pareceu agradar a galera, porque também parece que estamos em uma conversa bem informal com o público. Mas vamos levar isso em consideração em uma próxima vez! :D
    Obrigada!
    Bjs

  • Ana Caroline disse:

    Olá, tudo bem? Não conhecia a duologia e fiquei bem curiosa, mas confesso que essas capas são meio bléh hahaha Adorei essa forma de resenha, afinal duas opiniões são bem legais. Ótima escrita <3
    Beijos,
    diariasleituras.blogspot.com.br

  • Lucy disse:

    Oi, Ana! Poxa, eu gostei das capas! hahaha
    Na verdade, depois que você lê os livros, elas fazem ainda mais sentido para a história. Espero que a capa não te influencie quanto à vontade de ler! rsrs
    Obrigada!
    Bjos

  • Thayenne disse:

    Olá,

    Achei dahora essa resenha dupla, é muito legal ver os pontos de vistas diferentes de uma mesma história. Já conhecia esse livro, mesmo não tendo lido-o, porém apesar de achar a capas mega interessante, não me senti tentada a fazer essa leitura, por isso deixarei a dica para um outro momento quem sabe.

    Beijos,
    entreoculoselivros.blogspot.com

  • Lucy disse:

    Oi, Thayenne! Poxa, que pena…
    Mas não tem problema, quem sabe no futuro você não muda de ideia, não é?
    Bjos!

  • Angélica disse:

    Oi, tudo bem?
    Não leria o livro no momento apesar de ele ter uma premissa bem legal, mas confesso que acho essa capa bem feia.
    Bjs

  • Lucy disse:

    Oi, Angélica! Uma pena, eu gosto da capa e acho que ela tem tudo a ver com a série. Lembre de nunca julgar um livro pela capa. ;-)
    Bjos!

  • Valéria disse:

    olá, flor… bem,já tem um bom tempo que ouvi falar desse livro mas nunca bateu vibe pra ler, confesso… a premissa já me é familiar em outras tramas, e ando buscando algo que me surpreenda…
    bjs…

  • Lucy disse:

    Oi, Valéria!
    Não lembro de ter visto a premissa dele em outros livros, na verdade, e acho que não devia subestimar tanto assim a obra, você pode sim se surpreender. Mas cada coisa a seu tempo, certo?
    Bjos!

  • Luana Alves disse:

    Que legal isso de resenha dupla! Muito bom quando as opiniões se conversam e são expostas juntas.
    Outra coisa que achei interessante foi a conclusão dada, que depois da leitura você já não é a mesma que antes. Essas obras transformadoras são tudo de bom!
    Dica anotada.
    Beijos

  • Camila disse:

    Olá tudo bem?
    Não conhecia o livro e achei o enredo bastante intrigante. Numa época em que todos os livros de fantasia parecem ser continuações um dos outros, a autora parece ter conseguido inovar.
    Dica anotada.
    Bjs

PREENCHA OS CAMPOS ABAIXO PARA DEIXAR SEU COMENTÁRIO




Mensagem