Resenha Especial: Harry Potter e o Prisoneiro de Azkaban

Eu sempre achei que fosse mais difícil falar sobre um livro que eu não gostei do que sobre um livro que eu indicaria para todo mundo. Mas isso foi até começar a escrever a resenha de “Harry Potter e o Prisoneiro de Azkaban”… Como conseguir resumir o que eu sinto por um livro que é praticamente um dos meus melhores amigos?

Eu comecei a ler a série Harry Potter em 2001. Eu estava no Ensino Fundamental e no meu colégio eram as professoras que diziam onde cada aluno iria sentar. Os alunos que eram quietos (e eu estava inclusa nessa categoria) normalmente ficavam no fundo da sala. Mas, nas aulas “chatas”, os “nerds” também se rebelavam da sua forma: a mesa era grande e tinha um local embaixo para colocar livros. A gente disfarçava e ficava lendo… E foi assim que eu descobri que uma amiga estava lendo “Harry Potter e o Cálice de Fogo”. Ela falava com tanto carinho de um personagem chamado Rony Weasley que eu simplesmente tive que ir a biblioteca e pegar o primeiro livro da série.

Li “Harry Potter e a Pedra Filosofal” rapidamente. Gostei, mas não achei nada de “tão especial” no livro. Voltei na biblioteca e eles não tinham o segundo. Sem pensar duas vezes, peguei então “Harry Potter e o Prisoneiro de Azkaban” para ler (e hoje eu penso sempre: imaginem só se fosse o contrário?).

Prisoneiro de Azkaban“As aulas estão de volta à Hogwarts e Harry Potter não vê a hora de embarcar no expresso a vapor que o levará de volta à escola de bruxaria. Mais uma vez suas férias na rua dos Alfeneiros foi triste e solitária. Com muita ação, humor e magia, ‘Harry Potter e o prisioneiro de Azkaban’ traz de volta o gigante atrapalhado Rúbeo Hagrid, o sábio diretor Alvo Dumbledore, a exigente professora de transformação Minerva McGonagall e o novo mestre Lupin, que guarda grandes surpresas para Harry.” (Fonte)

 

 

Como em todas as férias de verão, Harry está de volta a Rua dos Alfeneiros. É claro que os tios ainda não aceitam que o sobrinho é um bruxo… Harry está tão acostumado a ser ignorado  que ele nem se lembra que é o seu aniversário – até receber presentes dos seus amigos de Hogwarts.

“Mesmo sendo muito fora do comum, naquele momento Harry Potter se sentiu como todo mundo: feliz, pela primeira vez na vida, porque era o dia do seu aniversário”.

E foi no noticiário trouxa que Harry ficou sabendo que um perigoso bandido havia escapado da prisão – Sirius Black. É claro que foi somente depois que ele descobriu que na verdade Black era um bruxo seguidor de Voldemort e que ele havia fugido de Azkaban (fato que todo mundo achava impossível).  Como nada era fácil para Harry, todos acreditavam que Black estava atrás dele, para terminar o que Voldemort não havia conseguido doze anos atrás…

É muito interessante como J.K.Rowling consegue fazer com que Voldemort seja uma ameaça a Harry, mesmo que ele não tenha um “corpo físico”. E toda a história do livro foca exatamente na fuga de Black. É nesse livro, por exemplo, que somos apresentados aos Dementadores, os terríveis guardiões de Azkaban. Eles simplesmente se alimentam da felicidade humana e faz com que a pessoa sinta uma forte depressão. Como Ron descreve no livro, a pessoa acha que ela nunca conseguirá ser feliz novamente. E como o passado de Harry já é bem triste, ele é uma das pessoas mais afetadas pelos Dementadores.

“Isto sugere que o que você mais teme é o medo. Muito sensato, Harry.”

Prisoneiro de Azkaban foi quando eu tive certeza que J.K.Rowling tinha um enredo muito bem planejado e que ligaria todos os livros da série (Quando eu reli a série e percebi que Sirius havia sido citado no primeiro livro, fiquei muito surpresa!). Finalmente começamos a ter algumas respostas sobre o que aconteceu na noite em que Voldemort foi atrás dos Potter… É claro que nem todas as perguntas foram respondidas, mas é que isso o que torna a série tão interessante. Tendo algumas pistas os leitores podem fazer teorias sobre o que irá acontecer nos próximos livros. Um exemplo? Snape. Começamos a entender um pouco sobre o motivo dele não gostar do Harry, mas nós não sabíamos nem da metade da sua história…

azkaban 2E finalmente chegamos ao ponto que me faz amar esse livro e que faz com que eu chore enquanto eu escrevo essa resenha: os Marotos. Eu me lembro como se fosse hoje da minha reação quando terminei a leitura. Fechei o livro e eu não conseguia acreditar em tudo o que eu tinha lido. Fiquei admirando a capa como se ela tivesse a resposta de todas as minhas perguntas (e não, infelizmente não tinha)… Como, mas como J.K.Rowling tinha conseguido escrever uma história tão brilhante? Por que ela tinha que ter sido tão cruel com aqueles personagens tão queridos? Eu posso ter sido muito ingênua durante a leitura, mas eu realmente nunca conseguiria adivinhar o final (e o mistério do Lupin realmente estava muito fácil de descobrir!). Durante dias eu  só conseguia pensar em todas as injustiças, em todos os 12 anos que todos aqueles personagens sofreram por culpa de Voldemort… E foi nesse momento que os personagens da série “saltaram” da página e se tornaram meus amigos. Eu queria continuar lendo, eu precisava saber o que iria acontecer, eu não conseguia pensar que algo ruim poderia acontecer a eles…

DSC03757Após ler todos os livros da série, eu fico muito na dúvida em eleger um favorito. Mas eu terei para sempre um carinho especial por Prisoneiro de Azkaban. Ele foi o primeiro livro que me fez sentir.  Durante a longa espera para “Harry Potter e a Ordem da Fênix”, ele foi um grande amigo. Eu ficava relendo vários trechos, sempre com um sorriso no rosto, e me lembrava que toda essa espera valeria a pena.

Foi por esse amor a Harry Potter que eu resolvi procurar na internet informações sobre a série e com isso eu conheci pessoas que se tornaram meus melhores amigos. E esse é outro fato que eu nunca irei me esquecer! Se tem uma mensagem que Prisoneiro de Azkaban nos passa é que a amizade verdadeira é eterna…

Malfeito feito!

Ficha técnica:

Título: Harry Potter e o Prisoneiro de Azkaban
Autor: J. K. Rowling
Editora: Rocco
Páginas: 352
Onde comprar: Livraria Cultura
Minha avaliação:

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  


  • Melissa de Sá disse:

    Ah, Prisioneiro de Azkaban… eu também tenho um carinho todo especial por esse livro. Não sei quantas vezes li e reli esse livro. Sempre achei a história dos marotos mágicas e foi o primeiro livro que eu passei a adorar o Snape!

  • Lany disse:

    Eu fiquei REVOLTADÍSSIMA com o Snape porque ele falou o segredo do Lupin para a escola hahaha!
    Mas, mesmo assim, eu adoro o Snape e para mim “The Prince´s Tale” em HP7 é um dos melhores capítulos de toda a série!

  • Camila Carvalho disse:

    O Prisioneiro de Azkban sempre foi o meu favorito, seguido quase empatado com O Cálice de Fogo. Mas realmente os Marotos são um fator de peso. Incrível como a história deles também me arrebatou. O que eu não daria pra Jô escrever pelo menos 10 páginas sobre eles em Hogwarts… *suspiro*
    HP é a melhor série de todo o mundo e sempre vai ser insubstituível pra mim. <3

  • Lany disse:

    É sempre tão bom encontrar outros fãs de HP! *-*
    Eu fico em dúvida entre Prisoneiro de Azkaban e As Relíquias da Morte. Tem capítulos desse livro que eu AMO demais e eu achei um excelente final! Eu também gosto do Cálice de Fogo porque… YAY LUFA-LUFA!
    Muito obrigada pelo comentário!

  • Karen Alvares disse:

    Ah, que linda essa resenha, Lany! Foi tocante mesmo, deu para ver o quanto você colocou de coração nela. Uma delícia de ler. E você pulou A Câmara Secreta na primeira leitura!!! Tsk, tsk, tsk.
    Gosto muito de Prisioneiro de Azkaban, acho que é um livro bem feito e quando a JK começa a mostrar algumas coisas mais claramente – claro que poucas. Mas não sei porque não consigo vê-lo como um queridinho. Talvez seja porque eu não tenho todo esse carinho pelos marotos.
    A espera para Ordem da Fênix parecia infinita mesmo… ai ai e sou eu quem vou resenhá-lo!
    Lany, tu fez jus à resenha e ao livro! :D

  • Lany disse:

    Eu pulei A Câmara Secreta, mas eu juro que não foi culpa minha hahaha! Naquela época eu não comprava muitos livros, então ou pulava, ou iria demorar para ler hahaha!
    E você tem que falar da espera infinita por HP5 na resenha. Eu achei que fosse ficar maluca durante esse tempo!
    Awww, obrigada! Eu demorei muito pra escrever a resenha, porque eu sempre achava que tinha algo faltando ou que eu não tinha escrito direito rs!

  • Lucy disse:

    Lany mega apaixonada pelos Marotos rsrs
    Mas não posso culpar vc, também me apaixonei por eles nos livros. Fico imaginando como tudo se passou naquela época, e mesmo vemos uma outra versão dos Marotos, uma não tão atraente só no quinto livro, mesmo assim eu não deixei de gostar deles, apenas me dei conta que eles ñ eram aqueles exemplos de crianças que pensávamos (acho q do Sirius nunca pensei isso… rsrs)
    Adorei sua resenha, Lany! Mto sentimental rsrs.
    Bjos bjos

  • Lany disse:

    Mesmo depois do quinto livro, eu continuo gostando dos Marotos. Eu acho que eles ficaram mais humanos depois dessa caracterização, mostrando que eles sim tinham defeitos. O Sirius realmente eu nunca pensei que ele fosse “certinho”, mas o James foi uma surpresa enorme! É claro que eu não concordo com muitas coisas que eles fizeram, mas… Adolescência as vezes é bem complicado hahaha! (e eles mudaram depois, isso é o que importa!)
    Isso me lembra que antes de HP5, a maioria das fics L/J eram todas aquela coisa bem melosa, de paixão logo no início… Aí veio HP5 e descobrimos que não foi bem assim hahaha (e eu gostei muito disso!).

  • Resenha Especial: Harry Potter e o Cálice de Fogo « Por Essas Páginas disse:

    […] das lindas resenhas de Pedra Filosofal, Câmara Secreta, e Prisioneiro de Azkaban feitas pela Lucy, Karen e Lany respectivamente, a responsabilidade para demonstrar com clareza a […]

  • Resenha especial: Harry Potter e a Ordem da Fênix « Por Essas Páginas disse:

    […] os novos leitores a par do que aconteceu se, por um acaso, começassem a ler, por exemplo, do terceiro volume em diante. Porém, aqui ela abandona essa tática, joga os braços para o alto e diz “leiam […]

  • Harry Potter e a Ordem da Fênix - Livros de Fantasia disse:

    […] os novos leitores a par do que aconteceu se, por um acaso, começassem a ler, por exemplo, do terceiro volume em diante. Porém, aqui ela abandona essa tática, joga os braços para o alto e diz “leiam […]

  • Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban - Livros de Fantasia disse:

    […] Post publicado originalmente em http://poressaspaginas.com/resenha-especial-harry-potter-e-o-prisoneiro-de-azkaban […]

  • Vania disse:

    Impossível uma resenha sua sobre Prisioneiro de Azkaban não ser apaixonada, Lanyta! Não conseguiria pensar em outra pessoa pra falar sobre esse livro, e acho que o carinho especial que você tem por ele é muito lindo. Askaban, eu acredito, é o “turning point” pra muitos fãs; é o momento em que Harry Potter deixa de ser somente mais uma série, é o momento em que nós percebemos que a Jo tinha realmente um objetivo, que ela não dava ponto sem nó. Pelo menos foi assim pra mim. Eu lembro que me recusava a aceitar que um cara chamado Sirius Black seria maligno. I mean, really??? E a história dos Marotos é realmente fascinante. Embora o desejo mais profundo do meu coração com relação à Jo voltar a escrever sobre esse mundo seja uma história dos Fundadores, eu ficaria igualmente feliz com uma história sobre os Marotos (mesmo já sabendo como tudo começa e termina).

    Linda resenha, parabéns!

  • Carolina Gama disse:

    Até que o último livro saísse, esse era o que eu mais gostava. Foi um dos primeiros que eu tive, aliás. E concordo com você e com todos os leitores que também pensam que este livro foi o que mais teve significado, porque deu início a uma era. Adorei a resenha!

  • Top Ten Tuesday: Dez músicas que me lembram livros « Por Essas Páginas disse:

    […] Every breath you take, The Police / Harry Potter e O Prisioneiro de Azkaban (série), J. K. Rowling (resenha) […]

PREENCHA OS CAMPOS ABAIXO PARA DEIXAR SEU COMENTÁRIO




Mensagem