Resenha: Estilhaça-me

“Juliette não toca alguém a exatamente 264 dias. A última vez que ela o fez, que foi por acidente, foi presa por assassinato. Ninguém sabe por que o toque de Juliette é fatal. Enquanto ela não fere ninguém, ninguém realmente se importa. O mundo está ocupado demais se desmoronando para se importar com uma menina de 17 anos de idade. Doenças estão acabando com a população, a comida é difícil de encontrar, os pássaros não voam mais, e as nuvens são da cor errada. O Restabelecimento disse que seu caminho era a única maneira de consertar as coisas, então eles jogaram Juliette em uma célula. Agora muitas pessoas estão mortas, os sobreviventes estão sussurrando guerra – e o Restabelecimento mudou sua mente. Talvez Juliette é mais do que uma alma torturada de pelúcia em um corpo venenoso. Talvez ela seja exatamente o que precisamos agora. Juliette tem que fazer uma escolha: ser uma arma. Ou ser uma guerreira.” Fonte

O romance de estréia de Tahereh Mafi, editado pela Novo Conceito, prometia. Estamos passando por uma época em que séries, trilogias e distopias estão na moda, e pelo que eu tinha lido na sinopse, essa parecia se destacar. Várias resenhas que li foram extremamente positivas, muitas ressaltando o romance do livro, mas tudo bem, se a história for consistente, eu aguento um romance muito bem, afinal, todo mundo gosta de um bom romance e meu coração não é tão de pedra assim.

Só que eu não esperava que o livro fosse só isso. Só. Isso. O. Tempo. Todo. Que o romance transbordasse pelas páginas e queimasse meus dedos enquanto segurava o livro. Sinto-me quase um E.T. ao dizer que detestei esse livro. Bem, quase um E.T., porque apenas uma pessoa me alertou sobre ele, mas eu quis ver/ler com meus próprios olhos. Deveria ter seguido o sábio conselho dessa pessoa e largado o livro.

Apesar da capa ser como é: uma garota linda e sexy (aliás, palavra muito utilizada no livro, e palavra que eu detesto ler), fazendo cara de sedutora, eu ainda assim acreditava que poderia ser um bom livro. Uma distopia alucinante, na qual você corre para chegar ao final, ansioso por conhecê-lo. Vamos dar uma chance não? (Ah, e só para constar, o trabalho de edição e da capa são caprichosos, a capa é metálica, muito bonita; o problema é mesmo a foto da capa em si, que me deixa enjoada.)

O livro começa bem, bastante interessante. Uma garota trancafiada por anos em um sanatório, sem poder tocar ninguém, ninguém mesmo, porque o seu toque é letal. A narração é feita em primeira pessoa, pela própria Juliette, e aqui abro parêntesis para enaltecer a maior qualidade do livro: a narração. Ela é perfeita e totalmente coerente com a história e, principalmente, o estado mental e emocional da personagem. Tanto que você percebe que à medida que o livro vai passando, a narração se torna um pouco mais equilibrada, mais confiante, assim como Juliette. Há muitas repetições de palavras, de frases, “erros” de linguagem e concordância, e muitos, muitos riscos. Isso tudo é perfeito! A narração é ótima…

…mas o enredo não.

A história até seria boa se ela seguisse o que propôs ali na sinopse. Uma distopia, malucos corruptos no governo, aventura alucinada etc. Afinal, foi isso que a sinopse pareceu prometer. Mas a verdade é que o livro é um romance sobrenatural disfarçado de distopia. Juliette, que no começo parece perturbada, porém firme, ao conhecer seu príncipe encantado (que é tão encantado que dá até bronca, porque ele não existe!) se desmancha como manteiga. É frágil, submissa, deslumbrada e irritante. Aliás, essa expressão da manteiga é recorrente, em diferentes formas. Outras verbos  muito encontrados são “ruborizar” e “corar”, descritos de diversas maneiras. Sinceramente, essa garota ficou tantas vezes corada que no final do livro estava mais vermelha que o pimentão do comercial de protetor solar.

E todo mundo se apaixona por Juliette. Todo mundo! Por quê? Por quê? Acho que o único que não deve ser apaixonado/atraído por ela deve ser mesmo o garotinho (melhor personagem do livro seguido do amigo desbocado do Adam, aquele cara perfeito-impossível-de-existir que eu mencionei).

No final do livro você tem a nítida sensação de estar lendo sobre X-Men, com direito a Charles Xavier em carne, osso e telecinesia (exceto cadeira de rodas). Bem, isso eu não fui enganada, porque muita gente já tinha comentado em outras resenhas. Mas não achei que fosse tão explícito.

Não me entendam mal, por favor. Tenho certeza de que esse livro pode ser e é apreciado por muitas pessoas. Só que eu não sou uma delas. E o pior é que eu me senti enganada por ele, principalmente por essa sinopse e pelo gênero que lhe foi atribuído, de distopia. Se simplesmente fossem sinceros para afirmar que era um romance sobrenatural, tudo seria melhor. Eu não leria e pronto, e quem gostasse do gênero, leria confortavelmente.

Mas ser enganada é muito chato.

“Estilhaça-me” é o primeiro de uma trilogia, que já possui título para as duas continuações: Destroy Me Unravel Me. Mas quanto a mim, não estou tão ansiosa assim por elas.

Ficha Técnica

Título: Estilhaça-me
Autor: Tahereh Mafi
Editora: Novo Conceito
Páginas: 304
Onde comprar: Livraria Cultura
Avaliação: 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...


  • Vania disse:

    Poxa que pena Parceira… eu também li várias coisas boas sobre esse livro, mas DETESTO me sentir enganada. Aconteceu esses tempos, a sinopse dava a entender que seria o mistério de um assassinato, e quando li era na verdade a história de uma menina que queria sair de casa, tendo o assassinato somente como pano de fundo… ai ai viu. Eu sinto que se eu soubesse, não teria lido o livro ou teria guardado para um outro momento, porque o que eu queria NAQUELA HORA era um assassinato misterioso!! Mas pooooxa, não seja cruel com os romances sobrenaturais… tem alguns legais até, que têm o foco central no romance mas dão espaço pra outras coisas também hehe

  • Nivia Fernandes disse:

    Bom, esse eu também li… Não me senti enganada, porque não estava esperando demais dele. Distopia virou moda, e moda sempre acaba tendendo para livros mais ou menos numa certa hora…
    A narração foi inteligente, concordo, mas eu sou MUITO chata. As frases repetidas me incomodaram. Por que não repetir duas vezes e riscar uma? Tava bom!

    Quanto a todo mundo se apaixonar pela Juliette: ela parecia ser a única mulher ali e o povo tava numa gritante seca desgraçada. Fazer o quê.
    E ela nem era tudo isso, com certeza.

    O Adam… claro que ele não existe. huahuahuahua Mas eu ainda prefiro ele a certos personagens que já vi por aí, e você sabe de quem estou falando!

    Bom, quando vi a última parte parecido com X-Men… foi literariamente broxante. Porque a gente não espera isso, ninguém avisou! E a autora disse quando veio para cá que não tinha pensado em X-Men, porque parece que ela nem tinha se tocado que existia ou coisa assim. Fiquei chocada.
    E acho que o livro é uma espécie de começo do enredo, não chega a ter um gancho. A história não começou pra valer. Se o livro fosse maior, podia fazer 2 e pronto, ou até um só!

    Quero saber como continua. Mas não estou me descabelando com isso. Afinal, muitas coisas me irritaram. E o romance tem hora que enche.
    O Warner é interessante, quero saber o que raios fizeram com ele. A Juliette podia ser melhor se largar a taradice um pouco. Se falar que Warner e Adam são irmãos por algum motivo, eu taco o livro na parede. Prometo.
    E você tem razão: é romance, não distopia. Sabemos muito pouco da sociedade modificada. Tomara que depois isso seja mais abordado. Senão… parede.

  • Lany disse:

    Eu acredito que cada tipo de livro tem o seu leitor. E por isso que eu compreendo totalmente voce ter ficado chateada! Se as sinopses não retratam realmente qual tipo de livro ele é, como que o leitor vai escolher se quer ler ou não? Eu, por exemplo, leio distopia e romance sobrenatural… Voce gosta de ler distopias… Eu também teria a mesma reação se isso acontecesse comigo.
    Eu ja li algumas resenhas de pessoas que também não gostaram do livro (e essas pessoas também gostam de romance sobrenatural). Então, Estilhaça-me não esta na minha lista de prioridades. Até porque, eu estou acompanhando algumas séries em que o livro 1 é maravilhoso e o livro 2 é meio decepcionante… Então eu desanimo de ler uma série que o livro 1 ja não é muito bom hahaha!

  • Carolina disse:

    OI Karen tudo bem? Ainda não li “Estilhaça-me” mas é bom ver as opiniões que comentam dos “defeitos” do livro. O livro pela sinopse parece ser bem interessante, e devo admitir que fiquei super curiosa com o livro, mas… não tenho a intenção de ler tão cedo rs.
    Beijos

  • Melissa disse:

    Distopia? Eu não vi nada de distopia aí, sinceramente. Eu tenho birra de gente usando termos errados e eu estudo distopia no meu mestrado, então isso me deixa duplamente chateada. Distopia é quando a história se passa num futuro com uma sociedade diferente da nossa atualmente mas que pra pior. Pronto. Tem que descrever a estrutura social, tem que explicar, tem mesmo. Se não, não é distopia. X-Men não é distopia. Exterminador do Futuro não é distopia (só o 4). Se não, vira samba do criolo doido e tudo é distopia, né? Isso aí é romance sobrenatural. Pronto. Qual é o problema de usar o nome certo?

    Odeio me sentir enganada por livros também. É tipo muito broxando ir quente achando que é uma coisa e no final ser outra.

  • Marcelle disse:

    Tenho uma amiga que já leu esse livro , e ela gostou muito estou pensando em ler.

  • Resenha: Garotas de Vidro « Por Essas Páginas disse:

    […] um momento chave da história. Em alguns pontos, a narração é muito semelhante à de Estilhaça-me, mas diferente desse livro, Garotas de Vidro faz o que se propõe e de maneira brilhante. É […]

  • Daniel Monteiro disse:

    Admito que ri demais da resenha, pois vc passou uma decepção tão grande na escrita que se tornou cômica. Calma Karen, ele só é o primeiro de três!!! Será que vai ler os outros? rsrs

  • Karen disse:

    Hahahahaha sério que ficou cômica? Nossa, mas é verdade, a leitura desse livro foi tão ruim, tão trágica que até vira uma comédia… Cara, eu soube que é uma série (quando eu peguei pra ler não sabia). Primeiro que fiquei doida da vida porque, raios, tudo tem que ser série agora?! Que inferno! E ainda por cima ruim desse jeito?! Olha… não digo nunca, mas é bem improvável que eu leia o resto. E se eu ler, provavelmente vai sair uma resenha comédia como essa.

  • Notícia: Editora Novo Conceito vende e-books a preços promocionais « Por Essas Páginas disse:

    […] [Resenha] Lola e o Garoto da Casa ao Lado, Stephanie Perkins [Resenha] Estilhaça-me, Tahereh Mafi [Resenha] Garotas de Vidro, Laurie Halse Anderson [Resenha] Julieta Imortal, Stacey Jay [Resenha] Romeu […]

  • Nicole Lilian disse:

    Ainda bem que você me avisou, argh odeio ser enganada por livros hahaha eu gosto muito do gênero distopia então pela sinopse estaria na minha lista de desejados, mas pela sua resenha parece um livro que eu iria gostar se estivesse nos meus 14 anos hahaha tô meio cansada de romances adolescentes…

  • Karen disse:

    Foi exatamente por isso que eu li, Nicole. Eu também gosto de distopias e pela sinopse parece muito bom, mas no final é um romance melado que sai completamente do foco do livro. =/
    Obrigada pelo comentário!

  • Resenha: Destrua-me [Estilhaça-me #1.5] « Por Essas Páginas disse:

    […] eu li Estilhaça-me e foi uma completa decepção, como vocês podem ler na minha resenha. Porém, eu sou uma pessoa persistente. Acredito que a escrita de um autor possa sim evoluir. […]

  • Top Ten Tuesday: Top dez livros da minha lista para ler no inverno « Por Essas Páginas disse:

    […] como o último livro de 2013, porque… Bem, eu não estou muito animada em ler, não tive boas impressões sobre ele (e não gosto da capa). Mas… A Karen recentemente leu Destrua-me e gostou bastante, […]

  • Resenha: Liberta-me « Por Essas Páginas disse:

    […] leu minha resenha de Estilhaça-me, há algum tempo, sabe que eu definitivamente não gostei do primeiro livro da série de Tahereh […]

  • ana paula ramos disse:

    Olá.
    Eu já tinha lido varias resenhas do livro, e ainda quero ver com meus proprios olhos tbem!
    Eu acho que mesmo assim vou gostar do livro! gosto de romances sobrenaturais…. só oque tbem me incomoda um pouco, é a personagem ficar “ruborizada” d+…..

    bjos

  • Jullyane Prado disse:

    Já li várias resenhas sobre este livro e todas foram positivas, rsrrss, sabe ainda assim eu fiquei curiosa pra ler, sei que deve ser um pouco chato uma menina que possui poderes,sei lá o que ela tem, kkkkk, ficar intimidada só por causa de um homem maravilhoso. E a capa é bonita com exceção da cara da modelo que ficou sexy até demais. rsrsrs, no mais esse parece ser um livro médio, daqueles que a gente ler só pra passar o tempo!!

  • Promoção: Estilhaça-me + Liberta-me « Por Essas Páginas disse:

    […] vez são dois livros! Estilhaça-me e Liberta-me, os dois primeiros volumes da série distópica de Tahereh Mafi e da Novo Conceito! […]

  • ELIZABETH MACHADO SALLES disse:

    Adorei as resenhas que já li sobre essa série e gostaria muito de ler o livro. Cada trecho e comentário que leio fico na expectativa de ler logo e super ansiosa. Gostei muito desse gênero romântico. Beijos.

  • Mariana disse:

    Ainda não li, participando da promoção para ganhar o livro e poder ler.

  • Lucas Grima disse:

    Confesso que no início achei o livro meio estranho. Não tem muitas vírgulas, tudo é muito direto e as vezes me peguei lendo o mesmo parágrafo. Fui me acostumando com a leitura e as frases riscadas foi o que diferenciou o livro. Não é um dos melhores livros que eu li, mais o final me deixou intrigado e me fez querer saber o que está por vir. Concordo com cada palavra na resenha. Estilhaça-me, realmente prometeu e não cumpriu!

  • Ana Caroline Basto Fonseca disse:

    Nossa amei esse livro ele é perfeito, amo o Warner 🙂

  • Tâmara Moya disse:

    Oieee
    Parece que a narrativa deixou grande parte dos leitores meios confusos, mas detalhe que a maioria supera. Acredito que esse livro tem um enredo bem construído, com sentido e envolvente.
    Ótima resenha
    Bjus

  • leticia dantas disse:

    Também não curti tanto assim o primeiro livro, eu teria dado 2 ou 3 estrelas também. A sinopse é muito atrativa mas a história é mais chata do que eu imaginava… espero mudar de opinião quando ler o segundo livro.

  • Thais Conte disse:

    Eu também comecei a ler achando que ia ter um foco maior na distopia mas não deixei de gostar do livro quando percebi que não era.Tinha lido muitos livros chatos de faculdade então dei graças quando percebi como os personagens e o romance eram bons haha.Foi um alívio ter um livro gostoso de se ler,devorei ele em um dia mas entendi a sua opinião.

  • Jakeline Lima Silva disse:

    Li muitas resenhas positivas à respeito desta obra, mas gostei muito da resenha deste blog vai direto ao ponto, confesso que fiquei com uma enorme vontade de ler este livro. Tomara que eu seja sorteada!

  • Andressa Nunes disse:

    Li e gostei muito, uma trama bem amarrada, com um bom ritmo que prende a atenção de quem lê, vale apena conferir.

  • Tainara Alves disse:

    Não sou alucinada para ler a trilogia,até agora via comentários vamos dizer:positivos sobre o livro,não que ele seja incrível,mas você foi a primeira que vi que não gostou de Estilhaça-me..
    Realmente as distopias estão em alta,e quero ler algumas,mas não imaginava que Estilhaça-me não era tão bom livro assim..Me entristeci!Mas ainda sim queria lê-lo,tenho curiosidade.
    Bjs’

  • Caroline Centeno disse:

    Primeiro livro da trilogia e tá prometendo ser muitoooo bom! Louca para ganhar ele na promoção.
    Fica difícil comentar,mas posso dizer que sua resenha está muito boa porque li outras sobre o livro aí ganho uns spoiler do livro,mas instiga mais a ter *–*

  • Rita Cruz disse:

    Estou louca por esse livro. Adoro distopias e essa parece ser bem diferente do que costumamos ler.
    A sinopse me lembra X-man. A primeira vez que li a sinopse logo associei a protagonista a Vampira.
    Estou louca pra saber como a autora desenvolveu um romance quando um dos protagonistas não pode tocar ninguém sem feri-lo.
    É um dos meus livros mais desejados.

  • Stela disse:

    Ainda não li o livro e meio que me desanimei com a resenha 🙁 Mas mesmo assim quero ler para tirar as minhas próprias conclusões. Também não gostei da imagem da capa T.T

  • Nardonio disse:

    Nossa! Que pena que você não gostou desse livro. A maioria das resenhas que li sobre ele foram positivas. O que mais me chamou a atenção é essa questão de ser uma distopia, e sem falar na inspiração em X-Mem. Pretendo ler em breve e espero que ele me agrade.

    @_Dom_Dom

  • Stephanie Remohi Baradel disse:

    Fiquei muito desapontada ao ler sua resenha. Já vi muitas críticas positivas e a sua foi a primeira negativa, o que me colocou em dúvida sobre o livro. Acredito que a história seja muito interessante, mas a autora errou no modo de escrevê-la, mas ainda assim tenho curiosidade em lê-la e tirar minhas próprias conclusões. Sua resenha está de parabéns, mostra outra visão sobre o livro.
    beijinhos

  • guilherme disse:

    Quero saber como continua. Mas não estou me descabelando com isso. Afinal, muitas coisas me irritaram. E o romance tem hora que enche.
    O Warner é interessante, quero saber o que raios fizeram com ele. A Juliette podia ser melhor se largar a taradice um pouco. Se falar que Warner e Adam são irmãos por algum motivo, eu taco o livro na parede. Prometo.
    E você tem razão: é romance, não distopia. Sabemos muito pouco da sociedade modificada. Tomara que depois isso seja mais abordado. Senão… parede.

  • camila rosa disse:

    Eu sou louca para ler esse livro, pois vi comentários super positivos sobre ele, sem contar que a capa é super linda né, e eu ainda não li nenhuma distopia e quero muito ler algo do gênero.

  • Top Ten Tuesday: Dez coisas que me desanimam em um livro « Por Essas Páginas disse:

    […] eu estou falando com você, Juliette (Estilhaça-me/Liberta-me) e com você também, Tris (Insurgente). Há um limite para o mimimi, queridinhas. Sua […]

  • Tatiane Carvalho disse:

    Ainda não li o livro, mas quero muito! Já li resenhas positivas e também algumas negativas (mais ou menos). Mas gosto de ler para tirar minhas próprias conclusões…

  • Mylene Leme disse:

    Eita, bora ler o livro pra tirar minhas próprias conclusões. Este deve ser um caso daqueles ame ou odeie né!! Mas fiquei curiosa!!!

  • Natália Fraga disse:

    Sou uma apaixonada por distopias e por isso queria ler esse livro. Vi várias resenhas positivas desse livro, essa é a primeira que diz para que o livro veio realmente.. é horrivel comprar um livro acreditando que vai ler sobre um tema e o enredo girar sobre outro foco, vendem banana por maçã fazendo isso 🙁 Mas, como não tenho grandes preconceitos com livros de romance, vou dar uma chance ao livro (agora que já sei o que vou encontra na história)

  • Resenha: Encontre-me « Por Essas Páginas disse:

    […] Como já mencionei, o livro é muito rápido e a leitura flui super bem. O relacionamento de Wick com os pais adotivos, a irmã e a amiga Lauren são bem montados, mas há, além disso, Griff. Ele é um cara da escola que Wick sempre sentiu uma quedinha praticamente um tombo. O primeiro problema do livro começa aqui: o romance entre os dois é totalmente forçado. Não consegui acreditar nele. Primeiro que é aquela coisa do tipo eles nunca tiveram nada, mas então, inesperadamente, o cara está incrivelmente atraído pela garota. Tudo entre os dois acontece muito rápido e suas interações não são convincentes. Além disso, o que mais me irritou é como a personagem muda quando está em cenas com Griff. Quando ele não está presente, Wick é uma garota forte, de opiniões próprias, independente e muito esperta; quando está com Griff, Wick vira uma irritante manteiga derretida. Ela diz coisas como “se sente menor perto dele”, “que ele a ilumina como o sol” ou ainda “que seu corpo se estilhaça em mil pedacinhos quando ele a toca”. Sério?! Gente, eu achei que estava lendo um thriller de suspense, não Estilhaça-me. […]

  • Resenha: Fragmenta-me (Estilhaça-me #2.5) « Por Essas Páginas disse:

    […] distópica de Tahereh Mafi, para mim, é uma série de altos e baixos (mais baixos que altos). Em Estilhaça-me, um livro que eu tinha grandes expectativas, a autora trouxe uma personagem excessivamente […]

  • Resenha: Incendeia-me « Por Essas Páginas disse:

    […] tenho um estranho relacionamento com a série Estilhaça-me. Eu a iniciei toda empolgada e tive uma enorme decepção; quase abandonei a série, mas então li […]

PREENCHA OS CAMPOS ABAIXO PARA DEIXAR SEU COMENTÁRIO




Mensagem