Resenha: Eu sem você

Eu sem você“Há um ano, conheci o amor da minha vida. Para duas pessoas que não acreditavam em amor à primeira vista, até que Lilah e eu chegamos bem perto de dizer que isso aconteceu conosco. Eu tinha um bom emprego em uma agência de publicidade e não fazia outra coisa além de trabalhar. Era incapaz de tomar decisões sobre meu futuro e minha casa inacabada e não sabia aproveitar a vida. Até conhecer Lilah.  Lilah MacDonald era uma advogada ambientalista linda e decidida – e, para minha surpresa, detestava usar sapatos. Era uma pessoa tão maravilhosa que é até difícil descrevê-la. Nosso relacionamento não poderia ser mais improvável, mas me transformou profundamente. Comecei a enxergar as coisas de outra forma e a redescobrir antigas paixões. Lilah me ensinou a viver outra vez e a aproveitar ao máximo tudo o que a vida tem a oferecer. Ela me proporcionou momentos incríveis, mas também manteve em segredo algo que partiu meu coração. Ainda assim, se há uma coisa que aprendi com Lilah é que o amor pode curar qualquer ferida.
Meu nome é Callum Roberts e esta é a nossa história.”

No final de Eu sem você, antes dos agradecimentos, existe uma carta da autora, e em um pedaço dela diz:

“Se tiver gostado do livro, eu ficaria muito grata se você pudesse escrever uma resenha. Adoro receber feedback e o seu pode ajudar outros leitores a encontrar meus livros.”

No início, eu adorei o comentário, porque é difícil os autores admitirem o poder de uma resenha nos seus livros. Realmente, é através das resenhas que várias pessoas acabam encontrando livros novos (ainda mais de autoras que não são muito conhecidas, como a Kelly Rimmer). Mas depois eu fiquei pensando… Só se a pessoa tiver gostado? Eu acho que feedback sempre é um feedback, desde que você consiga argumentar a sua opinião (e é claro, sendo sempre uma pessoa muito educada, fato que parece cada dia mais perdido na internet). Enfim, Kelly Rimmer: eu gostei do seu livro mas eu esperava bem mais.

Uma das primeiras grandes diferenças de Eu sem você de outros romances semelhantes é que o livro é narrado por um homem: Callum Roberts. Nós acompanhamos Callum quando ele viu Lilah pela primeira vez: eles estavam em uma balsa e ela não usava sapatos. Ele estava tentando trabalhar no seu laptop, e é claro que ela percebeu que ele olhava com desgosto para os pés sujos dela. Como ele só reparou realmente nela depois que ela começa a falar, Calum diz que não foi amor à primeira vista, e sim amor à segunda vista. Mas Lilah parece não querer saber nada de romances – até que muitos conceitos acabam sendo modificados…

Se você leu a sinopse do livro (e a frase da capa que diz que fãs de Jojo Moyes e Nicholas Sparks vão gostar desse livro) você já sabe que essa é uma daquelas histórias que te fazem separar a caixa de lenços e deixá-la ali do seu lado para quando ela for necessária. O enredo realmente é bastante previsível, mas eu adoro um cliché, e por isso resolvi embarcar nessa leitura. Mas, quando um autor resolve escrever sobre um tema já bem conhecido na literatura, ele tem que ter o dobro do trabalho na hora de caracterizar os personagens. E esse foi o meu problema com Eu sem você: eu não consegui me apegar tanto assim aos personagens. Eu tenho que admitir, sim eu fiquei emocionada em alguns momentos porque esse livro é uma grande lição de vida, mas ele poderia ser muito, muito, muito mais. Ele passa uma mensagem linda – algo que com certeza eu vou levar comigo por muito bem. Mas os personagens não conseguiram me marcar tanto assim. Eu já disse isso em outras resenhas, é fácil os personagens dizerem “Eu te amo”, mas não é tão fácil assim fazer com que eles demonstrem isso. Eu não estou aqui duvidando dos sentimentos dos personagens, porque sim, eles pareciam legítimos, mas eles não me fizeram sentir as emoções junto com eles. Algumas pessoas reclamaram que a Lilah era muito irritante no início, mas eu acho que isso também foi uma quebra muito grande dos outros livros desse mesmo estilo. Aos poucos o leitor vai conhecendo a história de Lilah e vamos compreendendo os motivos das suas ações.

É muito chato não poder falar spoilers (Lucy, não se anime, eu não vou contar) porque eu me surpreendi com um ponto do enredo que eu infelizmente não posso dizer o que é. Depois que isso foi estabelecido, a leitura conseguiu ficar muito mais fluida e a autora conseguiu explorar os sentimentos dos personagens de uma forma muito mais clara. Bem no finalzinho, ela me surpreendeu novamente, mostrando que sim, Eu sem você pode ser aquele livro bem cliché, mas ele também tem vários pontos de reviravoltas no seu enredo.

Enfim, se eu recomendo Eu sem você? Se você gosta de romances, sim, Eu sem você é uma ótima leitura – mas por favor, nada de ler esse livro em locais públicos, okay? Aliás, no kit que recebemos da parceria com a Editora Arqueiro, veio uma toalha de praia! É claro que logo eu relacionei com a capa do livro, mas depois fiquei pensando… Estaria a editora mandando uma mensagem que talvez lencinhos só não fossem suficientes, e os leitores precisariam logo de uma toalha rs?

Livro gentilmente cedido para leitura e resenha pela Editora Arqueiro!

Ficha Técnica

Título: Eu sem você
Autor: Kelly Rimmer
Editora: Arqueiro
Páginas: 304
Onde comprar: Amazon / Livraria CulturaSubmarinoSaraiva
Avaliação: 

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...


  • Aline Santos disse:

    E a curiosidade só aumenta á cada resenha positiva que leio desse livro! Doida pra saber o que o destino preparou pra Callum e Lilah…
    Parabéns pela resenha! Adorei!
    Bjs!

PREENCHA OS CAMPOS ABAIXO PARA DEIXAR SEU COMENTÁRIO




Mensagem