Resenha: Fale!

Conheci Laurie Halse Anderson através do seu outro livro publicado no Brasil, Garotas de Vidro, que considerei brilhante. Por isso, quando a Editora Valentina anunciou que publicaria Fale!, fiquei enlouquecida por ele, ainda mais que a Vânia já tinha comentado que era um livro muito bom e muito forte. Sem vergonha que sou já fui logo pedindo pra Lany – que é a responsável aqui no blog pela parceria com a Valentina – que pedisse o livro pra mim (hohoho). E então o livro chegou. E eu li em dois dias (e só porque tinha que trabalhar, senão era um dia só). Quer saber por que Fale! é tão bom? Bem, vou te contar.

“Fale sobre você… Queremos saber o que tem a dizer.” Desde o primeiro momento, quando começou a estudar no colégio Merryweather, Melinda sabia que isso não passava de uma mentira deslavada, uma típica farsa encenada para os calouros. Os poucos amigos que tinha, ela perdeu ou vai perder, acabou isolada e jogada para escanteio. O que não é de admirar, afinal, a garota ligou para a polícia, destruiu a tradicional festinha que os veteranos promovem para comemorar a chegada das férias e, de quebra, mandou vários colegas para a cadeia.

E agora ninguém mais quer saber dela, nem ao menos lhe dirigem a palavra – insultos e deboches, sim – ou lhe dedicam alguns minutos de atenção, com duvidosas exceções. Com o passar dos dias, Melinda vai murchando como uma planta sem água e emudece. Está tão só e tão fragilizada que não tem mais forças para reagir.

Finalmente encontra abrigo nas aulas de arte, e será por meio de seu projeto artístico que tentará retomar a vida e enfrentar seus demônios: o que, de fato, ocorreu naquela maldita festa?” Fonte

Primeiro tenho que dizer que essa capa é muito linda, mas a foto não transmite tudo o que ela é. O material é aveludado, o que faz com que o simples ato de segurar o livro seja uma delícia. O papel das páginas é amarelado e a fonte é no tamanho certo, deixando a leitura muito confortável. Além disso, todas as páginas contam com uma árvore encantadora no número das páginas e as transições de fases do livro também tem a ilustração de uma árvore maior. Simples e elegante. Resumindo: a edição está super caprichada.

fale_arvore

Mas falando agora do que mais importa: a história. Quando conhecemos Melinda, ela está entrando no ensino médio. Ela passou por um trauma, mas não sabemos o quê, apenas que aconteceu algo numa festa e ela ligou para a polícia; depois disso, ninguém mais fala com ela. E, o mais importante, ela também não fala com ninguém. Não que ela seja muda, mas ela fala somente o estritamente necessário. O contraste enorme está na sua narração, na qual ela fala bastante. Ou seja: aquela máxima de quem pouco fala, muito pensa. E Melinda pensa demais.

Gosto da sensação do sal das minhas lágrimas ardendo nos meus lábios. Lavo o rosto na pia até não restar mais nada dele, nem olhos, nem nariz, nem boca. Um nada todo liso. Página 61.

Por causa do que sofreu, Melinda se retraiu socialmente e escondeu-se dentro de si mesma. E prefere sempre ficar calada. É aí que é impossível não se identificar, mesmo se a gente não sofreu algo tão horrível quanto ela. Quem nunca ficou calado, quando por dentro estava gritando? E isso acontece muito, principalmente, quando se é adolescente. Eu não sei quantos de vocês que estão lendo essa resenha são adolescentes, mas deixo aqui meus votos de boa sorte e força, gente, porque essa fase realmente não é fácil. Nesse ponto, eu me identifiquei e muito com Melinda: eu era retraída e tinha pavor de falar o que não devia, por isso grande parte do tempo ficava calada. É claro que calar nem sempre é um problema: muitas vezes é melhor ficar quieto do que falar bobagem, mas em grande parte do tempo também é bom abrir o bico e dizer o que pensa. Caso contrário, ninguém vai saber sua opinião e você não vai conseguir defender seu ponto de vista, o que foi brilhantemente citado pelo personagem de David no livro.

No meu caso, só aprendi a falar quando a adolescência passou. Pra mim, esse período foi tenebroso e não tenho muitas boas lembranças, especialmente na escola. Talvez, se eu tivesse falado o que pensava, para muita gente, as coisas teriam sido mais fáceis. Talvez eu não sofresse tanto bullying. Talvez até eu tivesse mais amigos, um namorado na época e, principalmente, o respeito das pessoas. É isso que a voz, quando bem utilizada, faz: ela garante o respeito dos outros. Agora eu tenho isso, mas hoje eu sou adulta, já passei por muita coisa e sei que, se uma pessoa fala mal de você, quem tem um problema é ela. Mas quando você é adolescente não é bem assim. Você quer ser aceito e dificilmente, nessa época, você é seguro de si a ponto de pouco se importar com os outros.

Sempre que tento conversar com os meus pais ou um professor, balbucio ou congelo. O que tem de errado comigo? É como se eu tivesse algum tipo de laringite espasmódica. Página 67.

É mais fácil limpar os dentes com fio dental de arame farpado do que admitir que você gosta de alguém no ensino médio. Página 129.

Impossível não se identificar.

fale_avaliacao

E então tem também o humor de Melinda que transforma um livro tão denso em algo fácil de ler. Um livro que a gente devora em pouquíssimo tempo porque flui com uma naturalidade espantosa.

O peru flutua na pia, um iceberg de cinco quilos. Um peruberg. Tenho a sensação de estar no TitanicPágina 75.

Tem alguma coisa no Natal que pede a presença de uma criancinha. Elas é que tornam essa celebração divertida. Fico me perguntando se não poderíamos alugar uma durante esse período. Página 88.

Melinda é gritantemente depressiva, mas não do tipo que chora e se lamenta, e sim do tipo irônico, dando a todo o livro um tom ácido e sagaz, muitas vezes até mesmo engraçado e, apesar do tema e da história tão pesados. Você se pega rindo das observações dela sobre o mundo, sobre as pessoas, a sociedade, a escola. Mas mesmo quando ela ataca com seu humor amargo e ferino, Melinda ainda assim é muito verdadeira. Achei especialmente interessante as críticas que ela – e, acredito, a autora, pois várias vezes os personagens falam pelos autores – faz quanto ao sistema educacional. Lendo esse livro percebi que, apesar da adolescência ser uma fase complicada em qualquer lugar, nos EUA ela é especialmente difícil, até mesmo cruel. Ou você se encaixa, ou é excluído. Na escola os alunos são analisados por tudo, desde o jeito como comem até como se vestem. Tá certo que isso é feito aqui também e em qualquer lugar, mas nas avaliações de Melinda a cada final de fase do livro há notas para isso! Fiquei pasma. Até duvidei. Pesquisei sobre o assunto, mas não achei nada que corroborasse a informação. Alguém aí tem uma luz para o assunto?

Além disso, houve uma passagem memorável, na qual foi intensamente criticada a intolerância aos imigrantes por parte de alguns americanos, sendo estes representados pelo detestável “Mister Pescoço” – aliás, os apelidos que a Melinda dá às pessoas são intensos e hilários, em muitos casos. Ironicamente através de Melinda, que não fala, Laurie solta sua voz e faz uma crítica à sociedade do seu país e também a sociedade como um todo, afinal, as pessoas não são assim tão diferentes, não importa o lugar. Infelizmente há amostras de gente hipócrita e cruel em cada canto do planeta.

Também achei muito interessante que, pelos olhos de Melinda, nós enxergamos o quanto as pessoas são mesquinhas, barulhentas, frias. O quanto há de picuinha no sistema, na sociedade. O quanto se fala muito, mas não se diz nada. Pensem só, não seria interessante ter acesso aos pensamentos de uma pessoa, mas assim, saber tudo mesmo? Em Fale! nós temos essa oportunidade: ler esse livro é como ler os pensamentos de Melinda, sem filtro algum. Tudo o que ela não fala, ela pensa. E, de tanto falarem ao leitor, tanto Melinda quanto Laurie nos fazem pensar também.

Pensar em quantas mulheres, jovens, adolescentes, crianças são vítimas de violência todos os dias. Pensar em quanto algumas pessoas, até mesmo pessoas que amamos, estão sofrendo caladas, pedindo silenciosamente por ajuda ou apenas por alguém que as escute. Pensar no quanto somos negligentes emocionalmente com as pessoas e no quanto as pessoas foram negligentes conosco. Não é fácil falar, mas também parece que é bem difícil escutar. E isso deveria ser mais fácil, não? Então por que não escutamos? Por que tapamos os ouvidos e fugimos das monstruosidades, das coisas horríveis do mundo, das experiências tristes das pessoas? É fácil ser amigo quando tudo está bem, difícil é continuar sendo amigo, amigo de verdade, quando a situação engrossa. Ninguém quer ficar perto de uma pessoa triste, deprimida. Ninguém quer ficar do lado do fracassado, do esquisito, do caladão. É muito fácil dizer que se está preocupado com uma pessoa, mas mesmo assim não procurá-la, não tentar ajudá-la, não escutá-la.

fale_interno1

Na verdade, acho que é disso que esse brilhante livro fala: sobre falar e sobre escutar. Quando Melinda finalmente nos diz – a nós, os leitores, primeiramente – o que realmente aconteceu, é como se algo calasse na gente. Eu senti o silêncio aqui dentro de mim nesse instante e tudo perdeu a cor. De repente as tiradas de Melinda não eram mais tão engraçadas, de repente tudo estava mais denso, mais escuro. E é aí que a gente começa realmente a compreender e a sentir as feridas tão profundas de Melinda. E, quando ela finalmente fala, quando o livro termina… você tem vontade de gritar, de gritar bem alto, de falar tudo o que sente.

Ela fecha os olhos. A pele está meio cinza, desbotada, tipo de roupa de baixo lavada demais, prestes a desmanchar. Página 91.

E aí eu preciso falar de como a narrativa de Laurie é brilhante. Ela é tão cativante que nos transporta para dentro do livro e, mais que isso, o livro se transporta para dentro da gente, como se tudo ali estivesse realmente acontecendo conosco. É esse o nível de imersão que a escrita de Laurie traz. E isso é algo tão eloquente, tão inteligente e tão brilhante, que poucos, pouquíssimos autores tem a habilidade de fazer. Se eu já gostava da Laurie, agora eu a venero e quero ler cada texto que ela escreveu. Bem que a Editora Valentina poderia trazer mais alguns títulos da autora pra gente, não? Fica a dica.

fale_lombada

(O próximo parágrafo pode ser considerado um SPOILER. Leia por sua própria conta e risco.)

E falando na Editora Valentina, gostei muito, muito mesmo do trabalho que ela fez com o livro. Principalmente pela atenção e pelo cuidado que tiveram com um tema tão delicado. No final do livro há um apêndice falando sobre as vítimas de agressão sexual nos EUA, traduzido do original. Porém, antes dele, há um apêndice sobre a violência sexual no Brasil, informando estatísticas e inclusive oferecendo canais de acesso para denúncia e ajuda. Parabéns pela atitude, editora. Isso fez a conexão entre um livro estrangeiro com a nossa realidade. Isso mostra que essa violência acontece aqui, na nossa cidade, no nosso bairro, talvez na nossa rua. E que devemos ficar atentos a isso, no sentido da nossa própria proteção e também para ajudar os outros.

Se você não tem medo de temas fortes, deixe Fale! calar fundo no seu peito. Tenho certeza de que não vai se arrepender. Pelo contrário, será uma das suas essenciais e melhores leituras.

Livro cedido em parceria com a Editora Valentina!

Ficha Técnica:

Título: Fale!
Autor: Laurie Halse Anderson
Editora: Valentina
Páginas: 248
Onde comprar: Livraria Cultura
Avaliação: 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...


  • ana paula ramos disse:

    Ual!!! Muito legal mesmo a resenha. Ja li garotas de vidro, e não tinha percebido que eram da mesma autora antes de começar a ler aqui. A Laurie gosta mesmo de temas fortes então!
    Fiquei bem curiosa em ver a capa pessoalmente, já tinha gostado só da foto, e é muito legal quando a capa do livro já começa a mostrar que vai valer a pena ler!
    Eu preciso estar em um momento especial para ler livros assim mais densos, mas acho sim que vai valer a pena comprar e esperar esse momento. Tive minha fase timida de adolescente tbem, mas ainda bem que não foi um trauma grande nem passei por problemas serios… ja fiquei pensando em como deve ser mais dificil essa fase de tantas confusões e descobertas, e ainda muitos adolescentes não conseguem (ou podem) falar o que acontece! Imaginei oque poderia ter acontecido com a Melinda, e com certeza é um tema que não deve ficar calado. Parabens para a autora e editora, com certeza!!

    bjos

  • Jullyane Prado disse:

    Nossa parabéns pela a resenha, ficou maravilhosa. Quando eu vi a divulgação desse livro não me interessei muito, mas lendo a sua resenha, poxa que lindo o livro né, de inicio achei essa capa feia, mas depois que você disse que é aveludada, tô amando. Bom a adolescência é realmente um período muito difícil, apesar de conversar de mais eu também encontrei muitas dificuldade ao me relacionar com as pessoas, nunca fui de muitos amigos e sempre busquei refugio nas leituras, acredito que todos adolescentes que se sentem excluídos deveriam ler o livro Fale, porque ele parece ser bem reflexivo!!!!

  • Franciely Bortoski disse:

    Achei bem legal o livro e a história é algo q me interessa bastante pq nao consigo aceitar q algo assim aconteça com as pessoas q elas fiquem quietas ou as pessoas em volta delas fiquem quietas… Enfim, acho até q um livro desses devia estar nas escolas.

  • Shadai Vieira disse:

    Estou sem palavras para com essa resenha perfeita. Meus parabéns, mesmo! Excelente! Gostei do começo ao fim – bom, na verdade, o último parágrafo podia ter escrito bem grande: SPOILER, pois por mais que eu já suspeitasse o por quê da garota não falar, acabou estragando um pouco a surpresa e choque quando eu fosse ler. Mas, fora isso, adorei vários comentários seus, sobre adolescência e sobre pessoas que podem estar mal emocionalmente e ninguém perceber ou não se importar.
    Vou ter que arranjar esse livro, gostei muito.

  • Karen disse:

    Oi Shadai! Poxa, desculpe, eu não me toquei que era spoiler, acho que é que porque eu li o livro e já sabia do que se tratava. Bem, posso te dizer agora que isso não estraga a leitura, o livro é ótimo de qualquer jeito, eu li sabendo o porquê e mesmo assim foi fantástico. Mas de qualquer jeito coloquei o aviso como sugeriu, obrigada pela sugestão! =)
    E obrigada pelos elogios! O livro é muito, muito bom mesmo. Leia assim que puder, porque a escrita da autora é incrível e a edição está muito caprichada. Vale muito a pena! 😉

  • Universo dos Leitores disse:

    Excelente resenha! Estou muito interessada nesse livro, ele parece ser inteligente e tratar de questões muito relevantes.

    Abraços, Isabela.

  • Karen Araki disse:

    Muito legal a resenha achei a capa do livro e a diagramação muito bonitas. Achei bem legal a sinopse, ultimamente vejo que tem sido lançados muitos livros de young adult ótimos e esse parece estar na lista.

  • Sexta do Sebo #28 « Por Essas Páginas disse:

    […] e Preconceito, Filhos do Jacarandá, Todo Dia… mas se for pra escolher um só, escolho Fale!, que foi super intenso e muito, muito […]

  • Natália Fraga disse:

    Gostei muito da resenha, despertou meu interesse pelo livro. Confesso que cheguei a tê-lo em mãos na bienal, pois amei a capa, mas não tinha me interessado muito pela história.
    Depois de ler a resenha aqui, acho que é super válido tentar a leitura, já que a personagem não será dramática demais, mas até irônica, como você ressalta =)

  • Caroline Centeno disse:

    Oi, boa tarde.
    Poxa, me identifiquei realmente com o livro. Quem nunca sofreu bullying? E quando somos mais novas parece que apenas ficamos falando com nós mesma ou através da escrita em um caderno que tú sabe que nunca ninguém pode pegar. Sem que o assunto não se trata somente disso mas é um sentimento tão cru que só ao ser adulta começamos a debater e entender que se tivesse enfrentado o problema teria se libertado mais cedo.
    Agora tenho meus 21 anos , sou adulta e ainda tenho um mundo a enfrentar mas ficou tudo mais fácil no momento que eu tive apoio e principalmente quando comecei a me reeducar.
    Pode parecer engraçado ,pois minha reeducação começou com meu namorado que ficava sempre dizendo que eu fuzilava ele com os olhos, ou tinha um olhar longe enquanto estava pensando. E os pensamentos eram problemas que eu tinha dificuldade de demonstrar (:
    O que eu aprendi com tudo isso é que não se pode ficar calada e Melinda também não ficara, espero descobrir a trajetória dela.
    Obrigada pela atenção.

  • Melissa de Sá disse:

    Caramba, eu jurava que tinha comentado nessa resenha. Tava me inscrevendo na promoção e resolvi “só checar” quando me dei conta que não tinha comentado. Que coisa.

    Então, desde que li a resenha de “Garotas de Vidro” fiquei muito interessada nessa autora. Eu gosto de temas fortes quando bem abordados e esse parece ser o caso. Questões como essa de violência sexual devem sim ser parte das discussões em escolas e na família. É um assunto muito sério e é bom que alguns autores trabalhem com ele. Inclusive porque muitas vítimas realmente não falam, se fecham em si mesmas e só aumentam o trauma.

    Estou muito curiosa com os livros dessa autora. Estão na minha lista com certeza.

  • Tainara Alves disse:

    Nossa!Incrível,se já queria ler esse livro antes,agora quero mais ainda..A Laurie é incrivel,já tem dois livros(Garotas de vidro e Fale) dela que necessito..
    Ela aborda assuntos que são muito complicados na vida de adolescentes,de uma maneira delicada e que nos faz entender mais sobre o mundo em que essas pessoas vivem.
    Realmente estou encantada com esse livro,jamais imaginava que se tratava de uma história tão incrível como é..A capa é simples,mas bela..
    Desejo demais um dia ter a oportunidade de ler Fale!
    Bjs’

  • leili_pattz disse:

    Eu tenho todo um afeto por essa história a anos, sou muito fã da Kristen Stewart e ao assistir seus filmes, vi Speak (O Silêncio de Melinda), e mesmo em anos, com tantos outros filmes, esse é o meu preferido. Finalmente no começo do ano eu consegui um dvd, é dos EUA, mas eu tenho a Melinda na minha estante. Essa história tem uma carga emocional grande, você fica com o coração apertadinho. Eu ainda não li o livro, eu ia comprar um em inglês, mas não consegui, e fiquei muito feliz pelo lançamento aqui no Brasil. Com certeza eu vou ler, e sei que vai me emocionar ainda mais que o filme.

  • Shadai disse:

    Oi Karen, vindo aqui novamente só para dizer: tomara que eu ganhe o sorteio hehehe pois quero muito ler esse livro!
    E que bom que acatou a sugestão de Spoiler.
    Bjs

  • Lucas Grima disse:

    Ah, super divertida as citações. Eu já li outras resenhas a respeito deste livro, e parece ser bem legal. Parei de ler a resenha no alerta. hahaha Eu nunca li nada parecido, e espero que ler “Fale” me proporcione uma experiência única e me faça gostar do gênero.

  • Tâmara Moya disse:

    Oi flor!
    Que livro forte e polêmico esse! Abordando atitudes cruéis e violentas que acontecem nas escolas. Quantos conflitos, inseguranças e memórias dolorosas temos dessa protagonista.
    Parece que a escrita e a narrativa da autora é bem simples, descrevendo de forma precisa tudo que acontece com Melinda, graças à escrita astuta da autora nada passa despercebido aos olhos do leitor.
    Acredito que Fale! é reflexivo, envolvente e angustiante. Acredito que é uma obra que tem o objetivo de alcançar e conscientizar os jovens, mas de uma forma simples, jovem e até com relatos divertidos da adolescência.
    Ótima resenha!
    Bjus

  • Rita Cruz disse:

    Eu assisti ao filme O silêncio de Melinda e gostei bastante, e quando fiquei sabendo do livro Fale! Meu desejo por lê-lo tornou-se ardente.
    Eu não fazia ideia de que ele era uma obra da Laurie também. Li Garotas de Vidro em um fim de semana e fiquei refletindo sobre ele por quase um mês inteiro. Gosto de livros fortes, que nos fazem pensar na vida e conhecendo a narrativa da autora e sabendo como ela nos prende no início ao fim, não poderia deixar de ocnferir esta obra.
    Este livro tornou-se já um dos meus mais desejados desse ano.

  • Stela disse:

    Já estava louca para ler esse livro e depois dessa resenha fiquei ainda mais ansiosa !!! *—-* E que luxuosa é essa edição, quero muito muito esse livro.

  • ELIZABETH MACHADO SALLES disse:

    Ansiosa pra ler esse livro e conhecer mais dessa linda história que está fazendo sucesso nas livrarias.

  • Sabrina disse:

    Parece muito bom. Pelo que li na resenha, me lembrou um pouco “A marca de uma lágrima”, do Pedro Bandeira (é muito bom, recomento), principalmente pela forma de abordar a personagem principal, mostrando ela com muitos pensamentos e poucas palavras.
    Só de ler a sinopse, antes mesmo da resenha em si, já deu vontade de ler. Com a resenha, então… 😉

  • Lôh (Lorrane) disse:

    Olá! +.+
    Apaixonada pela capa do livro, apesar de que a capa da versão em inglês é bem mais bonita, (minha opinião).
    Amei a resenha do livro, ele parece ser tão envolvente, forte e intenso como Garotas de Vidro, que passou a ser um dos meus livros favoritos! *-*
    Tomara que tenha mesmo as maravilhosas características de G. V. Um livro que meche com sua cabeça e que te assombra por dias á fio.
    Amo livros assim! E também que falem de emoções humanas, segredos e etc.
    Necessitada demais de lê-lo!
    Espero ganhá-lo, ou que eu consiga interceptar o cartão de um dos meus pais. *ü*
    Se só for possível o segundo caso, espero que o preço abaixe um pouco!

    Então é isso, que a sorte esteja a meu favor . ~.~
    xoxo ^.~)

  • Vanessa Riper disse:

    Olá!
    Esse livro chamou minha atenção logo de cara por ser da mesma autora de Garotas de Vidro, livro que adorei e que mexeu muito comigo, por se tratar de um tema forte.
    Em Fale, acredito que terei a mesma sensação. Achei super importante a autora adotar o bulling como tema da história. Por aí devem existir muitas garotas como Melinda, que passam por esse tipo de constrangimento e que merecem maior atenção, mas que infelizmente não a tem.
    Espero ler o livro em breve!
    Beijos!

  • Manu Hitz disse:

    É o tipo de livro que gosto, que vai me emocionar e me fazer chorar. Sei que há superação dessa dor imensa. Imagino quantas meninas ficam caladas e com marcas profundas desses abusos, físicos e emocionais. O bullying entre as meninas é algo velado e por isso mesmo bastante cruel.
    Espero que Melinda me surpreenda e que a história me deixe leve no final.

  • Cris Aragão disse:

    A autora não tem medo de temas fortes e polêmicos. Esse livro parece ser bem intenso e um alerta para pais e professores de que é preciso ddar atenção especial aos adolescentes e cuidar do que acontece na escola e fora dela.

  • Nardonio disse:

    Tenho lido apenas resenhas positivas em relação a esse livro. Confesso que não é meu tipo de leitura preferido, mas o tema é tão real e atual, que me deu vontade de ler. Acho livros como esse de extrema importância, pois trata de assuntos mais densos com delicadeza. São coisas fortes, mas narradas de uma maneira respeitosa, sem agredir ou cocar. Espero ler em breve.

    @_Dom_Dom

  • Mylene Leme disse:

    Adolescencia já é um troço esquisito demais, sempre ficamos com algum tipo de trauma nessa fase, uns de maior repercussão e intensidade outros menores mas que porém marca muito em nossas vidas e no que nos tornaremos adiante.
    Eu sou uma pessoa muito fechada, fui assim em minha adolescencia, mas tenho certeza que tudo poderia ter sido diferente se tivesse me espressado, com certeza.
    Uma ótima pedida para os jovens de hoje, ainda não li mas me parece ser perfeito pra que eles saibam se expressar melhor sobre o que sentem…
    Só de pensar que tem um ferinha aqui em casa e que logo ele também passará por essa fase aborrecente >< tremei!!!!!

  • Ingrid Sodré disse:

    Ultimamente ando vendo muitos livros, em diversos blogs e a priori, nenhum me chamou muito a atenção. Esse livro foi um deles. Obviamente não devemos julgar um livro sem nem ao menos ler a resenha ou ver a opinião de quem o leu. Sendo assim, resolvi me informar e confesso que despertou meu interesse, me deixou curiosa. Adoro livros que me prendem, que emocionam, que são intensos e aparentemente esse livro transmite essas sensações ao leitor. Muitas pessoas estão elogiando e recomendando. Não tinha conhecimento sobre a adaptação do livro. Futuramente irei lê-lo.

  • Cristiane de oliveira disse:

    Um livro forte e verdadeiro e achei super legal estar sendo aproveitado nas escolas, gosto muito da escrita dessa autora sempre com temas fortes.Não sabia do filme e vou procurar depois de ler o livro, com certeza uma das minhas próximas leituras
    A editora está de parabéns pelas sua escolha o livro está muito lindo, acho que temas assim tem que ser divulgados.

  • Adriana disse:

    Esse é um livro que fala de uma adolescente, mas é uma leitura indicada pra qualquer pessoa né, pra pessoas que estão nessa fase e pra pessoas, que como nós, já passamos, mas com certeza durante a leitura vamos encontrando muitas coisas que também vivemos nessa época! Eu fiquei encantada com a sua resenha, com suas colocações e como voce nos mostrou a historia de uma forma ampla e sem nos revelar spoiler, isso é maravilhoso, pois me fez ficar mais ansiosa por essa leitura! Mal espero pra poder também me emocionar com a historia de Melinda! 🙂

  • REBECCA DE SALLES NEWBOLD disse:

    Estou impressionada com a história e com sua resenha. É de arrepiar. Não fazia ideia que fosse tão impactante pra mim. Vou procurar ler e saber qual o final dela. Beijos.

  • Top Ten Tuesday Especial: Dez melhores livros lidos em 2013 « Por Essas Páginas disse:

    […] 6 – Fale!, Laurie Halse Anderson – Um tapa na cara que a gente toma com gosto. Fale! é um livro adolescente, mas também maduro, que aborda um assunto seríssimo com muita qualidade. Surpreendente. Resenha. […]

PREENCHA OS CAMPOS ABAIXO PARA DEIXAR SEU COMENTÁRIO




Mensagem