Resenha: Gelo Negro


No meu último Top Tem Tuesday, eu mencionei alguns autores que mereceram destaque em 2015 e Becca Fitzpatrick fazia parte da lista. Sério, ela escreve bem, a narrativa do livro foi bem viciante, a leitura fluiu, algumas passagens são muito bem feitas, porém… Sabe aquele livro que você pega para ler e parece MUITO com um filme de suspense que você assiste às noites de sábado, ou mesmo em uma sessão da tarde? Foi essa a sensação que eu tive ao ler Gelo Negro. Foi o primeiro livro que li de Becca Fitzpatrick e, sinceramente, poderia ter sido muito melhor.

GELO_NEGROSinopse: Britt Pfeiffer passou meses se preparando para uma trilha na Cordilheira Teton, um lugar cheio de mistérios. Antes mesmo de chegar à cabana nas montanhas, ela e a melhor amiga, Korbie, enfrentam uma nevasca avassaladora e são obrigadas a abandonar o carro e procurar ajuda. As duas acabam sendo acolhidas por dois homens atraentes e imaginam que estão em segurança.

Os homens, porém, são criminosos foragidos e as fazem reféns. Para sobreviver, Britt precisará enfrentar o frio e a neve para guiar os sequestradores para fora das montanhas. Durante a arriscada jornada em meio à natureza selvagem, um homem se mostra mais um aliado do que um inimigo, e Britt acaba se deixando envolver. Será que ela pode confiar nele? Sua vida dependerá dessa resposta. Fonte

Logo no início do livro temos um assassinato. Então você pensa que tudo vai estar centrado nesse crime, mas no primeiro capítulo o livro muda de foco drasticamente, passando para a narrativa em primeira pessoa pela protagonista.

Conforme indica a sinopse, Britt e sua amiga Korbie (que por acaso é irmã do ex-namorado de Britt, Calvin) saem para fazer trilha (motivação = Britt queria impressionar o ex) e acabam presas no meio da tempestade de neve. Encontram abrigo com dois rapazes, Shaun e Ace, que elas nunca viram na vida. A história começa a ficar surreal a partir daí, já que são dois jovens desconhecidos em uma cabana ISOLADA e elas começam a flertar com eles, inclusive disputando a atenção de Shaun já que Ace é tudo, menos simpático. Enfim, vamos em frente.

Logo elas descobrem que os dois são bandidos foragidos e acabam se tornando reféns. Eles só querem sair da montanha, então Korbie é deixada para trás na cabana, enquanto Britt que inventa ser uma expert e conhecedora da montanha, se arrisca a guiá-los tendo apenas o mapa de seu ex e seu conhecimento teórico de trilha para ajudá-la.

Eu acho que Becca Fitzpatrick devia decidir se queria fazer um thriller ou um romance, porque misturar os dois não foi uma boa ideia. Até Britt ficou na dúvida se estava sofrendo da Síndrome de Estocolmo (ela estava), porque simpatizava cada vez mais com Ace (claro que o mais bonito, mais misterioso e quase bonzinho, mas com pinta de “eu sou durão e mau, não se envolva comigo”). Meio que ela se apaixona durante seu sequestro e ainda é correspondida!

Certo, mas tinha o mistério do assassinato no primeiro capítulo, que só é lembrado bem na metade do livro – e não pela protagonista. O próprio leitor faz a ligação entre os acontecimentos e quando você acha que tinha a resposta (óbvia demais, aliás) de quem seria o assassino, o jogo muda. Só que aí você praticamente descobre quem é o assassino! Então, tudo o que resta é você acompanhar a leitura até o final, para descobrir o que motivou o assassinato – mesmo porque é você quem descobre o assassino, não a Britt, que é a narradora (burra que não faz qualquer ligação) da história.

Em boa parte do livro, Britt fica em companhia apenas de Ace. Sim, o cara mais bonito, mais misterioso e quase bonzinho, mas com pinta de “eu sou durão e mau, não se envolva comigo”. Essas características são praticamente um convite para Britt se envolver. Só que foi tudo muito rápido e isso forçou a barra. Veja bem, você tem a companhia de dois caras que te sequestram e te obrigam a fazer uma rota de fuga na neve, deixando sua amiga sozinha, para morrer de hipotermia em uma cabana isolada. Um deles é um grande escroto, o outro faz jogo duplo de “sou bad boy” versus “sou legal, mas não quero demonstrar”. Tem pouco tempo para desenvolver uma história que possa culminar em um romance crível.

Quando os caminhos dos “vilões” se separam, aparentemente Britt e Ace têm uma oportunidade de se conhecerem, algo que poderia ter sido até mesmo melhor aproveitado, o que não acho que ocorreu. E ainda depois de algumas coisas que acontecem (spoilers, sorry), você acaba concordando que foi um romance forçado.

O desenrolar da trama a partir da separação dos “vilões” perde o foco de suspense, já quase inexistente, com uma história voltada mais para o romance, com boa dose de melodrama, onde em pouco espaço temos discutido: a amizade superficial de Britt e Korbin, os sentimentos que ela achava que nutria pelo ex-namorado Calvin, os sentimentos/atração que ela começava a nutrir por Ace e suas convicções do que era certo e errado. Enfim, foi quase uma novela. O final, então, nem se fala.

Calma, o suspense volta com aquela centelha ínfima de adrenalina de filmes de sábado à noite, mas só no final. E depois volta o romance e o final novelesco.

Então vocês podem perguntar: “Mas Lucy, afinal, você gostou ou não?” Gente, confesso para vocês, não larguei o livro até terminar, mesmo com todos os pontos que falei. A escrita é fluida, tem uma boa sequência (apesar da quebra do prólogo e primeiro capítulo). Porém, a história é muito fora da realidade. Minha impressão é que se não tivesse colocado o romance tão em evidência, o livro teria dado muito mais certo. Quer colocar um romance? Tudo bem, aceitaria uma dose de romance mais para o final, mas não o colocaria em foco em meio a um sequestro, em meio à tanta tensão e não interessa quem é seu público-alvo.

Dependendo do seu gosto por leitura, esse é um livro estilo “ame ou odeie”. Confesso que ainda estou na linha tênue entre os sentimentos. Fica por conta e risco do leitor.

Ficha técnica:

Nome: Gelo Negro
Autor: Becca FitzPatrick
Páginas: 304
Editora: Intrínseca
Onde comprar: Saraiva / Saraiva digital / Submarino /Amazon
Minha avaliação: 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  


  • Milena Soares disse:

    Já estava bastante interessada em ler esse livro só pela sinopse, e agora depois de ver essa resenha fiquei ainda mais curiosa em conferi essa história.

  • juliana disse:

    Também não consegui largar esse livro, li numa madrugada. Acho que mais pela escrita da autora, pq a estoria têm alguns pontos que incomodam. Por exemplo, essa fixação pelo ex namorado, achei muito forçado tudo que ela fazia era pensando nele, e uma forma de chamar a tenção dele. Tipo: vou fazer uma trilha numa montanha coberta de neve só para impressionar ele. E o cara nem aí. Sem falar que ela passou o livro sonhando em ele vir resgatá-la do perigo, como a donzela frágil. Esse blá blá blá interior acerca do Kalvin achei muito chato.

  • Maristela G Rezende disse:

    Gostei da capa do livro e da sinopse que me chamou a atenção. mais do que depressa li sua resenha para saber mais um pouco da história. Claro que quero ler. Gosto de suspense e embora tenha um pouco de romance, creio que isso não tira o foco da história, ou tira?

  • Douglas Fernandes disse:

    Pela capa do livro e pelo nome parece que vai ser aquele livro com aquele suspense bom sabe, mas pelo que vi aqui nao é bem isso, e me desanimou muito :/
    poxa o livro já começa com um assassinato e vc acha que vai ter aquele suspense, aquele misterio e de repente muda O.o
    Eu confesso que não me interessei muito pelo livro, gosto de um bom thriller e esse parece não ser, infelizmente.

  • Helio de Oliveira e Souza disse:

    A trama deste livro parece não ter um caminho certo em seu desenvolvimento o assassinato e meio que esquecido durante o sequestro das personagens um pouco confuso parece que a autora se perdeu na historia e depois atou tudo para fazer sentido uma pena .

  • Junyelle disse:

    Livro maravilhosoo

  • Daniele Reis disse:

    Nossa, não tenho nem o que falar.Creio eu que não leria.
    Sei lá, pelo que vi ficou um enredo meio estranho. Fazer um suspense com romance e a vítima de sequestro se apaixonar pelo cara que a sequestrou …
    como você disse é muito fora da realidade. Meio doentio não?

  • Beatriz dos Santos disse:

    estou com muita vontade de ler este livro, apesar de nunca ter lido nenhuma obra da autora Becca Fitzpatrick e espero que ela não me decepcione. Deve ser interessante a mistura de romance com thriller

PREENCHA OS CAMPOS ABAIXO PARA DEIXAR SEU COMENTÁRIO




Mensagem