Resenha: Isso que a gente chama de Amor

Ficha técnica:

Nome: Isso que a gente chama Amor

Autor: Maurene Goo

Tradução: Lígia Azevedo

Páginas: 304

Editora: Seguinte

Desi nunca se deu bem no amor ― até decidir transformar a própria vida em uma novela coreana.

Desi Lee acredita que tudo é possível, basta ter um plano. Foi assim, com método e disciplina, que se tornou a aluna mais brilhante do colégio e uma atleta talentosa. É apenas no amor que Desi nunca se dá bem, colecionando uma sucessão de desastres quando se trata de garotos.
Depois de protagonizar mais um desastre na frente de Luca, um jovem recém-chegado à cidade que logo atrai seu interesse, a garota passa um fim de semana assistindo a k-dramas, certa de que os finais felizes só existem nas novelas coreanas que seu pai tanto ama. É aí que ela se dá conta de que naquelas histórias também existe uma fórmula, um passo a passo que ela poderia seguir ― e conquistar Luca.
Em pouco tempo, sua vida se transforma em um enredo digno de um dorama. Mas ao contrário do que acontece na TV, isso pode não ser o suficiente para ela alcançar seu final feliz…

Já faz um tempo que li esse livro e na correria do dia a dia eu consegui arrumar um tempo para FINALMENTE vir aqui e contar o que achei dele!

Assim como diz a sinopse, Desi é uma jovem inteligente e dedicada, mas um desastre em romances. Depois de mais um fora justamente com o garoto novo da escola, Luca, ela passa por uma maratona de K-dramas em um fim de semana e tem a ideia de usar algumas características de K-dramas como inspiração para conquistar Luca. Então ela cria uma lista que vai ajuda-la a conquistar Luca e começa a sua empreitada.

Eu gostei da leitura, embora eu tenha torcido muito o nariz para algumas das atitudes de Desi. Em muitos momentos ela tentava manipular Luca e isso me incomodou bastante. Em todo o caso, pelo menos ela aprende no decorrer da história que o amor é algo que não está no nosso controle, pelo menos não por inteiro.

É um tipo de livro que você lê rapidamente, de temática bem leve e ótimo para quebrar uma ressaca literária, já que não traz grandes conflitos ou questões polêmicas. É simplesmente um romance tipicamente adolescente, por isso, não esperem personagens muito profundos ou pontos de vista complexos. O livro é narrado em primeira pessoa e achei muito bacana a Desi comentar logo no início sua relação com os K-dramas e como ela, mesmo sendo descendente coreana, teve um choque cultural em relação ao romance retratado nesses dramas quanto aos das novelas/filmes ocidentais.

“Sim, as histórias podiam seguir sempre a mesma fórmula e às vezes ser um grande clichê, mas, por causa dos personagens fortes, aqui funcionava. (…) K-dramas transformavam a ideia de amor verdadeiro de fazer perder o em doses viciantes de dez a vinte horas.”

O interessante é que a história da Desi acaba pegando essa vibe de K-drama, com direito a trapalhadas, dramas e muito romance!

Eu sou muito fã de K-dramas, então é claro que adorei as menções a dramas que já assisti, como Descendentes do Sol, além das expressões que Desi e o pai usam entre si, já que ele é coreano e ela é descendente de coreanos (me deu vontade de assistir de novo, faz tempo que não assisto!). Esse livro foi um bom achado e não demorei muito para ler (só em postar aqui a resenha dele…).

Eu recomendo a leitura, mas não vá com expectativas de um romance profundo, estamos falando de K-drama, mas calma! É um romance jovem-adulto leve e divertido que será um bom entretenimento.

Este livro foi gentilmente cedido para resenha pela editora Companhia das Letras, pelo seu selo Seguinte!

Compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  


PREENCHA OS CAMPOS ABAIXO PARA DEIXAR SEU COMENTÁRIO




Mensagem