Resenha: Joyland

Um pequeJOYLAND_1436504852302105SK1436504852Bno conselho: não se aventure na roda-gigante em uma noite chuvosa.

Carolina do Norte, 1973. O universitário Devin Jones começa um trabalho temporário no parque Joyland, esperando esquecer a namorada que partiu seu coração. Mas é outra garota que acaba mudando seu mundo para sempre: a vítima de um serial killer.

Linda Grey foi morta no parque há anos, e diz a lenda que seu espírito ainda assombra o trem fantasma. Não demora para que Devin embarque em sua própria investigação, tentando juntar as pontas soltas do caso. O assassino ainda está à solta, mas o espírito de Linda precisa ser libertado — e para isso Dev conta com a ajuda de Mike, um menino com um dom especial e uma doença séria.

O destino de uma criança e a realidade sombria da vida vêm à tona neste eletrizante mistério sobre amar e perder, sobre crescer e envelhecer — e sobre aqueles que sequer tiveram a chance de passar por essas experiências porque a morte lhes chegou cedo demais. (Fonte)

É claro que assim que este livro caiu nas minhas mãos eu parei tudo e fui ler!! Se eu gosto de King? Imagina!!!! rsrs

Acompanhamos um momento difícil na vida de Devin Jones, o Dev. Ele vai trabalhar em um parque de diversões durante o verão para depois voltar à faculdade. Ali ele percebe que se sente em casa. Mas não é só isso que o faz decidir deixar a faculdade por um semestre e se juntar aos funcionários contratados do parque. O que o levou a esta decisão foi o coração partido que ele achou que jamais seria curado (quem nunca?).

Mas algo mais o prende ali. É uma curiosidade mórbida de querer ver o espírito de Linda Grey, que foi morta na “Casa dos Horrores”.

E a história gira em torno das decisões de Dev e da morte de Linda Grey.

É um livro curto e gostoso de ler. Para mim, pareceu um “conto estendido”. Aquele tipo de história que não cabe em um conto, mas não é exatamente um mega livro.

Mas, como sempre, seus personagens são muito bem construídos. E é isso que prende o leitor. E é claro, a mistura com o sobrenatural. Neste livro, o monstro é bem humano, mas ainda assim o sobrenatural está presente. Talvez de forma um pouco mais sutil do que em outras obras do autor, mas está lá.

Não sei se porque tem praia envolvida na história, mas lembrei muito de Duma Key, um outro livro ótimo do autor.

Joyland é uma excelente opção pra quem quer ler Stephen King, mas tem medo das 500, 600… mil e tantas páginas de algumas de suas obras.

Além disso, é uma leitura fácil, gostosa, que preenche bem o tempo. Recomendado!

Ficha Técnica:

Nome: Joyland
Autor: Stephen King
Páginas: 240
Editora: Suma de Letras
Onde comprar:
Minha avaliação:

Compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  


  • Douglas Fernandes disse:

    Eu to doidinho atras desse livro hahahaha
    Amo King sou doido com os livros dele e entendo o pq vc disse o livro ser curto e parecer um conto, pq quem ta acostumado a ler King já sabe que as historias dele são bem detalhadas, Eu adoro o King inclusive estou no terceiro livro da famosa série A torre negra, estou lendo As terras devastadas *-*
    King pra mim é um dos autores que mais gosto ! <3

    [Reply]

  • Fran Ferreira disse:

    Oi Drika.
    Sabe o que mais me intriga nesse livro todas as vezes que leio um a resenha e percebo: o que é que tem haver uma roda-gigante em uma noite chuvosa com a casa dos horrores???? Essa é a chave mestre de toda a minha curiosidade. Espero poder apreciar esta leitura o mais rápido possível; ainda não tive a oportunidade de ler nada dele, mas quando assistir “Under The Dome – Prisão Invisivel’, ele me conquistou de uma tal forma que não quero nem saber se vou ou não gostar de seus livros (adooooroooooo suspense e terrosr).

    Bjsss

    [Reply]

  • Resenha: Novembro de 63 « Por Essas Páginas disse:

    […] de ter gostado muito dos dois livros anteriores que li do autor, Joyland e Revival, Novembro de 63 foi de tirar o fôlego e é daqueles livros que deixam o leitor com […]

PREENCHA OS CAMPOS ABAIXO PARA DEIXAR SEU COMENTÁRIO




Mensagem