Resenha: Mentes Sombrias

Ficha técnica:

Nome: Mentes Sombrias

Autor: Alexandra Bracken

Tradutora: Viviane Diniz

Páginas: 382

Editora: Intrínseca

Compre aqui

Do dia para a noite, crianças começam a morrer de um misterioso mal súbito. Em pouco tempo, a doença se espalha e os que sobrevivem a ela desenvolvem habilidades psíquicas assustadoras.

Uma delas é Ruby. Na manhã do seu décimo aniversário, um acontecimento aterrador faz com que seus pais a tranquem na garagem e chamem a polícia. A menina é então levada para Thurmond, um acampamento que segue as diretrizes brutais do governo vigente.

Seis anos depois, ela se torna uma das jovens mais perigosas de Thurmond, embora tenha que esconder isso a todo custo para a própria segurança. Quando a verdade vem à tona, Ruby desperta o interesse de muitas pessoas e precisa escapar às pressas. Fora dali, ela se alia a fugitivos de outros acampamentos e conhece Liam, que lidera uma fuga em direção ao único refúgio para adolescentes como eles. Por mais que queira fazer amigos e ter uma vida normal, Ruby sabe que isso não vai ser possível, porque nenhum lugar é seguro, e ela não pode confiar em ninguém – nem em si mesma. (Fonte)

Aos 10 anos Ruby é levada para um “campo de reabilitação”, o acampamento Thurmond, onde ela tem que trabalhar, viver em alojamentos e não pode, de forma alguma, usar seus poderes. Mas ela ainda nem sabe como eles funcionam.

As crianças são classificadas por cores de acordo com seus poderes

  • Verdes: inteligência fora do normal
  • Azuis: telecinese (mover objetos com a mente)
  • Amarelos: poder para criar e controlar eletricidade
  • Laranjas: poder para controlar mentes, memórias e emoções
  • Vermelhos: poder para criar e controlar o fogo

Apesar de Ruby ser laranja, ela consegue passar 6 anos em Thurmond escondendo seu poder e se passando por uma verde. Mas algo acontece que pode expô-la e neste momento ela é resgatada por uma médica que diz querer ajudá-la. Depois de resgatada, no entanto, Ruby não acredita muito nas motivações de sua salvadora e foge. Ao fugir ela encontra Suzume (Zu) , Liam e Bolota. Eles fugiram de outro acampamento e querem chegar ao East River, lugar do qual ouviram falar e acreditam que lá podem ajudá-los a encontrar suas famílias.

Depois de passarem por momentos de fuga e companheirismo, eles finalmente chegam a East River e são surpreendidos tanto pela organização do lugar quanto por quem o lidera. Mas vocês sabem que não dou spoilers!

Mas vamos lá… o que eu achei do livro?

Bom, o livro foi lançado em 2012 e chegou aqui no Brasil em 2013. Mas por que a resenha só agora?
Porque na onda de Stranger Things, em que temos uma turma de crianças fofas e corajosas salvando o mundo, os mesmos produtores resolveram filmar Mentes Sombrias (o filme será lançado em agosto de 2018). E aí saiu uma nova edição de Mentes Sombrias. Eu particularmente gostei mais da capa nova (que aparece aqui em cima)!

Esta é a atinga. Parece um tridente pintado por uma criança. Eu jamais ia achar que era um Ψ.

Mas voltando ao livro… é uma distopia YA assim como Jogos Vorazes e Divergente. MAS… com alguns furos no enredo. Tanto em Jogos Vorazes quanto em Divergente temos um cenário pós-apocalíptico bem construído, divisões de classe bem estabelecidas e explicadas, o que não é exatamente o que vemos em Mentes Sombrias.

Ok, crianças ficam doentes aos 10 anos, a maioria delas morre, e as que não morrem são presas porque desenvolvem poderes psíquicos incontroláveis. Peraí… em vez de buscar uma cura ou achar uma forma de treinar estas crianças para trabalharem pelo governo (o que seria um enredo bem plausível), vamos trancafiá-las porque temos medo delas. (Cara de ponto de interrogação!!!) E se esses poderes são tão incontroláveis, como essas crianças não se voltam contra os soldados e destroem o acampamento? (devem ser uns anjinhos!)

A parte boa é que o livro prende no início, porque a gente fica querendo saber o que aconteceu com os pais de Ruby, fica tentando entender como as coisas funcionam e a escrita, em si, não é ruim. Mas depois dessa parte inicial, depois que Ruby encontra Liam, Zu e Bolota o livro meio que vira um passeio pela estrada. Existem momentos de perseguição, mas nada que tenha me deixado ansiosa, na pontinha do sofá (poltrona, cama…).

Quando eles finalmente chegam ao lugar que tanto procuraram o mimimi e chororô de Ruby ficam piores do que nunca. “Ai, eu sou um monstro”, “ai, se souberem o que fiz ninguém vai querer se aproximar de mim”, “ai, eu não posso me aproximar de ninguém”… “ai ai ai”… que saco! Katniss (Jogos Vorazes) e Tris (Divergente) até têm seus momentos de mimimi, mas são meninas fortes, decididas. Ruby não! Ruby é só autodepreciação! Isso me entediou um pouco. Não vi no livro nenhuma personagem forte e complexa, nem do lado dos mocinhos, nem do lado dos vilões.

A médica que tirou Ruby de Thurmond trabalha para a Liga das Crianças e o livro termina com um gancho para o próximo livro, dando a entender que no próximo volume veremos mais sobre a tal Liga das Crianças. Talvez a Liga seja um vilão mais complexo, daqueles que amo odiar. Mas por enquanto, não temos um vilão assim.

Geralmente livros são bem melhores que seus respectivos filmes, mas acho que talvez, neste caso, o filme possa gerar mais empatia pelos personagens do que o livro.

Esta é uma série (Mentes Sombrias) com 6 livros, sendo que o último foi lançado nos Estados Unidos em julho deste ano. Não sei se haverá mais livros da série depois desse. Mas aqui no Brasil só temos o volume 1 (Mentes Sombrias) e um conto, No Último Minuto, traduzidos para o português. Talvez com o lançamento do filme e com essa nova edição do primeiro volume, a Intrínseca publique os demais livros da série. Até gostaria de ler os demais para saber se as personagens vão amadurecendo e se tornando um pouco mais complexas e profundas, mas sinceramente não sei se eu compraria não.

Para aqueles que curtem uma distopia YA é mais um livro pra lista.

Este livro foi gentilmente cedido pela editora para resenha. 

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  


  • RUDYNALVA CORREIA SOARES disse:

    Drika!
    Gosto muito de distopias e até tenho esse livro aqui para leitura, porém ainda não pude me deliciar com ele.
    Realmente anda uma ‘onda’ por causa do filme, quem sabe agora, traagam para o Brasil os outros livros da série?
    cheirinhos
    Rudy

  • Camila de Moraes disse:

    Olá!
    Esse sem dúvidas é uma leitura que a capa já me lembraria algum conto do SK, mas ai lendo sua resenha vejo que é distopia, o que tenho até curtido ler em algumas leituras, a divisão das crianças e poderes me lembra um pouco a Saga Lux e até fiquei animada, porém as ressalvas e a quantidade de livros que compõe a série me deu uma desanimada.
    Acho que não encararia no momento!
    Beijos!

  • Carla disse:

    Oie!
    Será que a editora vai continuar a publicação aqui no Brasil? Pois para começar, e depois não saber se vai ter uma continuação, não sei se vou começar. Achei a história bem interessante, mas vou aguardar mais publicações aqui no Brasil antes de começar.
    Bjks!
    Histórias sem Fim

  • Aninha Goulart disse:

    Oiiii,

    Nossa no início eu estava super querer ler o livro, ainda não tinha lido nada sobre ele (mesmo ele sendo antigo) mas aí eu desanimei completamente porque o que mais chamou minha atenção foi querer descobrir porque e como as crianças desenvolvem estas habilidades, e a parte do passeio também me desanimou bastante. Concordo com você que a capa atual é mais bonita. Dessa vez vou passar a dica porque sei que vou ficar desanimada com os pontos que te incomodaram.

    Beijinhos…
    http://www.paraisoliterario.com

  • Andressa Ledesma disse:

    Quando lançou pela outra editora eu fiquei muito afim de ler a obra, mas logo eu soube que a editora não iria mais publicar livros, e desisti de comprar. Fiquei muito feliz que a Intrínseca resolveu trazer o primeiro livro e não vejo a hora de poder ler.
    beijos

  • Carolina disse:

    Oi, Drika!
    Eu não sabia que esse livro era de 2012, apesar de saber sobre o filme. E também achei que era livro único, ou seja, eu não sabia de nada mesmo kkkk Mas gostei de ler sua resenha. Não acho que vá ler o livro, até pelas ressalvas que você mesma comentou, mas provavelmente irei querer assistir ao filme. Quem sabe se me cativar o suficiente eu busque os livros depois.

    http://www.anneandcia.com.br/

  • Larissa - Srta. Bookaholic disse:

    Oi, tudo bem?
    Eu não conhecia o livro ainda, só vi esses dias alguns comentários sobre o filme e fiquei curiosa, porque achei a premissa interessante. Agora lendo sua resenha fiquei chateada ao ver que tem alguns furos no enredo. E essa Ruby iria me tirar a paciência com esses momentos de autodepreciação. Enfim, eu vou dispensar essa leitura, mas gostei bastante da sua resenha.

    Beijos :*

  • Ivi Campos disse:

    Eu acho uma serie de 6 livros um exagero sem fim e acho impossível em um momento ou outro a historia ficar enrolada, mas ainda assim, já fiquei curiosa com a premissa e faz tempo que não leio uma distopia YA relevante.
    Beijos

  • Leitura Enigmatica disse:

    Nao conhecia esse livro, mas depois de ler sua resenha, fiquei bem curioso e interessado para realizar a leitura e saber a trama na íntegra. Anotada a dica na minha lista.

  • Marijleite disse:

    Olá, a premissa com crianças com poderes até é interessante, pena que esse primeiro volume passe essa impressão de muitas coisas não explicadas, mas quem sabe se os próximos volumes forem lançados a história não se torne mais crível, né?! Sua resenha ficou ótima.

  • Daniela disse:

    Oi

    Acho que ja vi esse livro, mas nunca me interessei muito em saber mais sobre ele. É bem chato quando uma série possui tantos volumes e ficamos sem saber se a editora lançará os volumes. No caso desse livro, eu fiquei em dúvida sobre a leitura dele. A premissa parece ser interessante, mas acho que não seria uma leitura para o momento.

PREENCHA OS CAMPOS ABAIXO PARA DEIXAR SEU COMENTÁRIO




Mensagem