Resenha: Não Me Abandone Jamais

Kathy, Tommy e Ruth são clones criados para doar órgãos. Tendo esse cenário de ficção científica por pano de fundo, e o triângulo amoroso como gancho, Kazuo Ishiguro fala de perda, de solidão e da sensação que às vezes temos de já ser “tarde demais”. Finalista do Man Booker Prize 2005.

Kathy H. tem 31 anos e está prestes a encerrar sua carreira de “cuidadora”. Enquanto isso, ela relembra o tempo que passou em Hailsham, um internato inglês que dá grande ênfase às atividades artísticas e conta, entre várias outras amenidades, com bosques, um lago povoado de marrecos, uma horta e gramados impecavelmente aparados. No entanto esse internato idílico esconde uma terrível verdade: todos os “alunos” de Hailsham são clones, produzidos com a única finalidade de servir de peças de reposição.

Assim que atingirem a idade adulta, e depois de cumprido um período como cuidadores, todos terão o mesmo destino – doar seus órgãos até “concluir”. Embora à primeira vista pareça pertencer ao terreno da ficção científica, o livro de Ishiguro lança mão desses “doadores”, em tudo e por tudo idênticos a nós, para falar da existência. Pela voz ingênua e contida de Kathy, somos conduzidos até o terreno pantanoso da solidão e da desilusão onde, vez por outra, nos sentimos prestes a atolar. (Fonte)

Apesar do tema ser de ficção científica, esse não é o foco do livro. E temos apenas um vislumbre dessa parte em pequenas pistas ao longo da narrativa.

A história toda é narrada por Kathy e o que temos são suas lembranças do tempo em Hailsham até a vida adulta e seu tempo como cuidadora e o reencontro com os melhores amigos dos tempos de Hailsham, Tommy e Ruth. Mesmo já sabendo sobre clones e doações por causa da orelha do livro, eu não sabia muito o que esperar. E isso é o que há de mais incrível sobre este livro.

Acompanhamos as memórias de Kathy principalmente sobre sua relação com os amigos, em especial Tommy e Ruth. Hailsham era um colégio interno na Inglaterra onde eles estudavam e moravam. Em nenhum momento a narrativa trata de momentos anteriores a Hailsham. Ali eles estudam diversas matérias e são incentivados a desenvolver seus dons artísticos. E isso é um fator muito importante para a história. E só lá para o final é que vamos descobrir porque isso era tão importante.

Kathy é uma menina mais tranquila, uma adolescente típica que gosta da companhia das amigas e das fofocas sobre outras meninas e sobre os meninos. Ruth é mais mandona e “sabe tudo”. Tommy teve que aprender a domar seus nervos. E eles mantêm uma forte amizade durante todo o período em que estiveram em Hailsham e durante o período em que foram transferidos para um outro lugar. Até Kathy decidir que era hora de se tornar uma cuidadora.

Tempos depois seu caminho se cruza novamente com o de Ruth, enquanto Ruth se recupera de uma doação. E por fim, juntas, elas decidem visitar Tommy, que está em uma clínica próxima.

Conforme Kathy narra toda sua história o que mais marca o leitor são os sentimentos que permeiam suas lembranças. É algo que podemos sentir na escrita. Sentimos o peso das incertezas, o companheirismo e cumplicidade, os questionamentos quanto ao futuro.

Agora que chegamos ao fim do ano eu com certeza posso dizer que este foi o melhor livro que li este ano! E ele é lindo!

A leitura prende porque você fica o tempo todo querendo entender melhor esse lance de clone e doações, mas ao longo do livro, você fica preso nessa narrativa de Kathy e é muito fácil se mesclar com seus sentimentos e senti-los com ela e a parte da ficção científica deixa de ser o foco do leitor.

E, na minha opinião, o mais interessante de tudo, na verdade, é aquilo que fica nas entrelinhas… a ética relacionada à questão dos clones para doação, de onde surgiu isso, qual a base desses clones, para quem vão essas doações, e por que eles aceitam isso de forma tão pacífica. E ao mesmo tempo, ao acompanhar a narrativa de Kathy em nenhum momento questionamos o quão humana ela é. Essas coisas foram o que mais me impressionou nesse livro. O autor poderia tomar outro rumo completamente diferente e tratar da parte científica da coisa toda, criar um thriller envolvendo o tema, mas seria apenas mais um thriller. Dessa forma somos atingidos por aquilo que lemos e o que não lemos, aquilo que imaginamos e questionamos.

Essa foi uma pequena amostra que tive da capacidade de escrita do vencedor do Prêmio Nobel de Literatura de 2017. E estou ansiosa para colocar as mãos nas outras obras do autor!

Se eu recomendo? Demorou!!! Coloque lá no topo da sua meta de leitura para 2018!

Este livro foi gentilmente cedido pela editora para resenha.

 

Ficha Técnica

Título: Não Me Abandone Jamais
Autor: Kazuo Ishiguro
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 344
Onde comprar: Livraria Cultura / Amazon
Avaliação: 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  


  • Greice Negrini disse:

    Pois é, tenho este livro em casa e fico pensando como é a leitura com esta sua resenha, porque não achei que fosse assim mas quero entender qual a relação da escrita dele para ele ter alcançado este mérito, pois deve ser bem tocante e diferente.

  • rudynalva disse:

    Drika!
    Gosto dos livros no estilo, onde podemos repensar uma sociedade tão cruel como a nossa, mas ainda assim, saber que algumas pessoas, mesmo que de forma ficcional, conseguem superar seus problemas e s tornam adultos equilibrados e produtivos.
    Não li nada do autor ainda, mas preciso.
    Bom ver que foi o melhor livro do ano que leu.
    E ainda melhor saber que as questões éticas são questionadas aqui meio que nas entrelinhas.
    Desejo Um Novo Ano repleto de realizações!!
    “O objetivo de um ano novo não é que nós deveríamos ter um ano novo. É que nós deveríamos ter uma alma nova.”(G. K. Chesterton)
    cheirinhos
    Rudy
    1º TOP COMENTARISTA do ano 3 livros + Kit de papelaria, 3 ganhadores, participem!

  • Cabine de Leitura disse:

    Eu não leio orelha de livro, assim como não vejo a sinopse, gosto de surpresas. Acredito que o bom do livro não se focar apenas na ficção científica, torna a leitura mais leve e envolvente.
    Gostei da premissa da obra e apesar de não conhecer nada do autor, quero muito ler, uma ótima dica.

    Beijos.

  • Jessica Santos disse:

    Poxa vida, o favorito! É porque deve ser bom MESMO, né? Adorei sua resenha, achei incrível como você me fez interessar por algo que eu normalmente odeio: Ficção Científica. Hahaha

  • Joyce disse:

    Drika lindona, que tema interessante e diferente do que vemos por ai, fiquei muito curiosa com o desfecho da trama e dos temas abordados como a clonagem e doação de orgãos. Dica mais que anotada. beijos

    Joyce
    Livros Encantos

  • Marijleite disse:

    Olá, depois de ler sua resenha eu fiquei ainda mais empolgada para ler esse livro, que já havia me chamado atenção por ser de um autor premiado. Achei a premissa super interessante, além de gostar de livros que abordem também a amizade.

  • Vitória Zavattieri disse:

    Ooi,

    Eu não acredito que não conhecia esse livro ainda!! Se foi sua melhor leitura, eu com certeza não posso descartar essa dica. Adoro ficção cientifica e ainda mais quando nos faz refletir sobre a humanidade.

    Vitória Zavattieri
    Corujas de Biblioteca

  • Luane Karolain disse:

    Na primeira vez que ouvi falar desse livro achei a trama parecida com a do filme “A Ilha”, mas agora acredito que é uma história bem mais profunda por toda temática que aborda quanto a ética e companheirismo.
    Minha vontade de ler já era grande, agora é ainda maior e acho que vou soltar algumas lágrimas no processo, se não, ao menos terei aquele nó de emoções no peito.

  • Vitoria Doretto disse:

    Oi!
    Ah a beleza das entrelinhas! Estou com esse livro na minha pilha de próximas leituras e a sua resenha me deixou super ansiosa para conseguir começar a lê-lo! Li algumas outras resenhas sobre ele e me pareceu realmente muito boa a forma como o autor tratou da ética na ficção científica (que mesmo não sendo o foco da obra, está ali no fundo).
    Beijo!

  • Camila de Moraes disse:

    Olá!
    Gostei da proposta da leitura. É sempre bom pegar livros que nos levam a algum tipo de reflexão e com uma narrativa bem profunda.
    Certamente me agrada a leitura.
    Beijos!

  • Dayhara Ribeiro Martins disse:

    Caramba, por essa capa eu jamais imaginaria que esse livro tinha tanta coisa boa acontecendo! Já conhecia a escrita do autor, li Gigante enterrado e amei, não conhecia essa obra ainda, apesar da capa não ser muito atraente, gostaria de ler.

  • Giovana Soares disse:

    Oii, tudo bem?
    Eu já ouvi falar muito desse livro e do filme também, tenho uma amiga minha que disse que chorou rios com a historia. Eu ainda não tive a oportunidade de o ler mas tenho certeza de que aborda a ética de uma forma espetacular, ele me lembra muito um filme que vi na escola, chama a “A Ilha” ele também fala sobre clones.

  • Ingrid Cristina disse:

    Olá!

    Sabe aquele tipo de livro que você poderia passar por ele numa livraria mil vezes e não daria a mínima? Então, é esse livro aí. Ainda bem que li sua resenha e pude enxergar que ele tem uma trama muito atraente e que me agradaria caso lesse. Gostei muito dos pontos abordados por você na resenha. Obrigada pela dica!

    Ingrid Cristina
    Blog Catarse Literária

  • Anelise Besson de Almeida disse:

    Oie!

    Eu tenho muita curiosidade em ler esse autor, porque já é o segundo livro dele que fico vendo as resenhas etc e tal. Acho que é uma leitura fascinante, principalmente sobre esse negócio das entrelinhas. Faz o leitor pensar além. Adorei sua resenha e com certeeeeeeeza anotei a dica. =)

    beijos!

  • Livros & Café disse:

    Olá!

    Recebi esse livro, mas ainda não consegui ler. Ouvi muito sobre ele e já li algumas resenhas. Estou bem animada com a leitura. Estou esperando gostar da escrita do autor, e espero que eu consiga ler outros livros dele.

  • Driely Meira Almeida disse:

    Oiee ^^
    Ando me sentindo mal porque não consegui ler esse livro. Assisti o filme alguns anos atrás e me apaixonei pela história, então quando a editora relançou o livro (essa edição está linda demais, né?) fiquei doidinha. Mas achei a narrativa muito cansativa (apesar de interessante) e não consegui passar da página 100 :/
    MilkMilks ♥
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br/2018/01/lancamentos-de-janeiro-editora-arqueiro.html

  • Francine Colonia disse:

    Nossa que livro mara. Não conhecia o autor, mas parece que ele é muito bom mesmo. Curti bastante a sinopse dele. E a forma como ele abordou o assunto de clonagem parece ser bem interessante. Nunca li nada sobre o assunto.

    Adorei a sua resenha. Beijos

  • sabrina nunes miranda disse:

    Esse livro com certeza está nas minhas leituras de 2018, preciso ler ele urgente na verdade, recebi ano passado e estou bem atrasada nessa leitura hahahaha.
    Mas pela sua resenha já deu pra perceber que vou amar esse livro, apesar de nunca ter lido nada do autor

  • Pollyanna Campos disse:

    Olá, tudo bom?
    Para mim o foco era realmente a ficção científica e confesso que saber que não era me deixou bem curiosa para conferir a trama, ainda mais por saber que o mais interessante é aquilo que encontramos nas entrelinhas! Já fiquei curiosa e espero poder ler em breve ^^
    Beijos!!

  • Bruna Costabeber disse:

    Olá amore!
    Estou muito ansiosa para ler esse livro, pois eu curto muito a premissa dele e estou bem curiosa para entender como funciona essa coisa do clone. Eu adorei saber que a trama dá essa sensação, esse desejo louco de querer ler e ler e ler. Vou super torcer para o meu chegar logo!
    Beijos

PREENCHA OS CAMPOS ABAIXO PARA DEIXAR SEU COMENTÁRIO




Mensagem