Resenha: O Guardião

Voltei! Sim, minhas férias acabaram! Então, vamos lá, voltar ao trabalho e, melhor ainda, voltar aos posts!

O_GUARDIAO_1332981956PHoje, quando você sair à procura de Yancey, o Rimador, e tiver de abrir caminho em meio às prostitutas, aos valentões e aos viciados loucos por mais um dia de cheirada ou um trago, você irá se deparar com o corpo de uma criança. O cadáver exala um odor que não é dele, um cheiro que recende a magia e a um lugar, se Sakra quiser, para o qual você jamais irá querer voltar. Não fique tempo demais de bobeira perto do corpo; os gélidos vão querer saber o que você fez e o que há na sua bolsa. E quando eles te pegarem, é para a Casa Negra que você irá, onde o Comandante fará uma oferta que você não terá como recusar. Bem-vindo a um mundo como nenhum outro, com uma linguagem estranha e rica e uma violência tão sombria quanto o mais negro dos noites. (Fonte)

Vocês já sabem que gosto muito de romances históricos e também gosto de uma boa chick-lit. Por isso, quando este livro entrou na minha lista para resenha aqui para o blog fiquei meio sem saber o que esperar dele. O que, no final das contas, foi bom! Acabei lendo sem preconceitos e acabei  descobrindo uma obra super interessante, que prendeu a atenção e que é bem diferente das minhas últimas leituras.

Uma das descrições para o livro é que ele é uma fantasia gótica noir. Tá… o que diabos é isso? Fui ao dicionário:
Fantasia: gênero de ficção que comumente utiliza a magia e outros fenômenos sobrenaturais como elemento do enredo primário ou tema
Gótico: gênero da literatura que combina horror e Romantismo (emoções intensas)
Noir: gênero literário com personagens e ambientação semelhantes aos do romance policial, mas sem o cinismo do detetive e  relação aos sentimentos de apreensão, horror, terror e assombro.

E não é que o livro é a combinação de tudo isso mesmo! hehe

Começamos com nosso anti-herói, o Guardião. O herói nesta obra não é aquele padrão do cara bonito, virtuoso, de bom caráter, altruísta etc. Pelo contrário. Ele tem cicatrizes que quase o deformam, sua vida fez dele um cínico, usuário de drogas, ladrão quando necessário. Mesmo assim, ele prende a atenção, acho que justamente pela mistura de sentimentos que gera no leitor. Essa foi uma sacada ótima do autor. Você não morre de amores pelo cara, mas também não perde o interesse. Você quer acompanhar a história, saber o que acontece, qual será a reação do Guardião, até que chega o momento que passa a torcer para que ele desvende o mistério (o assassinato de uma menina que causa uma grande revolta no nosso anti-herói).

Uma coisa que realmente me chamou a atenção é que ele é quem é. Ele não tem problemas em se aceitar da forma que é, lidar com seus defeitos. O livro não trata da epifania do Guardião para se tornar uma pessoa melhor. O livro é simplesmente sobre um cara que tem claramente para si a noção de justiça e injustiça, que se incomoda com o assassinato brutal de crianças e decide investigar a respeito. Que conhece bem jogos de corrupção e poder e que procura manter uma boa posição e relações para poder se dar bem neste jogo. Sem buscar o poder para si.

O livro é todo narrado em primeira pessoa com uma boa dose de fantasia e pitadas de horror. Ao longo dos capítulos o livro vai adquirindo um ritmo mais acelerado e quando você percebe, não quer mais parar de ler até descobrir tudo o que está acontecendo. E o mais legal é que quando você pensa que compreendeu tudo e já desvendou a história, há alguma reviravolta.

Encontrei alguns erros de revisão ao longo do texto que às vezes dificultam o entendimento de uma frase ou diálogo (principalmente casos de erro de concordância nominal). Acho que o livro poderia ter uma nova edição para corrigir estes erros.

Não entrei nos detalhes do enredo, mas achei muito mais legal compartilhar estas outras informações e impressões com vocês e, sinceramente, acho que para quem curte fantasia este é um “must read” (“tem que ler”).

O próximo livro, A Cilada, já é o próximo da lista (assim que eu terminar “A Eternidade por um Fio”, que vai demorar um pouquinho!).

Este livro foi gentilmente cedido pela Geração Editorial para resenha.

geração_editorial_banner_parceiro
 

Ficha Técnica

Título: Cidade das Sombras – O Guardião
Autor: Daniel Polanski
Editora: Geração Editorial
Páginas: 448
Onde Comprar:Livraria Cultura / Livraria Cultura (e-book) / Amazon
Minha Avaliação: 

 

Essa postagem está participando do Top Comentarista de Novembro. Por favor, preencha o formulário abaixo após postar seu comentário. Basta clicar na imagem para abri-lo em nova página!

Compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  


  • Ana Paula Barreto disse:

    Não gosto tanto do gênero, mas essa combinação de tantas coisas parece ter dado muito certo. Gostei bastante e fiquei com vontade de ler.
    A narrativa parece ágil e intrigante e o personagem principal, muito bem construído e caracterizado.
    bjs

    [Reply]

    Drika Reply:

    Achei que não ia ser muito minha cara, Ana Paula, mas valeu a leitura.
    Quem sabe não te surpreenda também!
    Bjs

    [Reply]

  • Gustavo disse:

    Caraca, mas que sinopse é essa? *—–* nem li a resenha ainda, tinha que vim comentar a sinopse antes kkkk amei amei amei, super meu estilo de livro, e amei a capa também *-*
    A sua resenha só serviu pra atiçar mais ainda minha vontade de ler. Amo esse estilo anti-heroi. Quero tanto, tanto ler *-*.
    Pergunta: esse livro faz parte de uma trilogia, duologia, quadrilogia, ou uma série que não se sabe ainda quantos livros terá? Kkk
    Adorei a resenha, e comentando uma coisa no começo dela: eu detestava romance histórico, detestava mesmo. Até que esse ano li a série “O Conquistador” que é a história de Gêngis Khan, que eu me apaixonei muito, e o livro “A bibliotecária de Auschwitz”, que trata de livros (paixão comum de todos os frequentadores do site rs), e a paixão por eles e pelo aprendizado. Super recomendo esses livros, principalmente para você, que já é tão fã dp gênero kkk ^^

    [Reply]

    Drika Reply:

    Oi Gustavo
    O livro é parte de uma trilogia. Mas achei que a história está bem completa. Não fica aquele gancho que deixa a gente louco esperando a sequência. Mas, com certeza, fica a vontade de ler mais.
    E valeu pelas recomendações. Já estou com “A Bibliotecária de Auschwitz” aqui.

    [Reply]

  • Douglas Fernandes disse:

    Interessante, gosto muito de livros de fantasia e com uma pitada de terror melhor ainda, me deixou muito empolgado e curioso, ja vai entrar pra minha lista aqui, espero ler em breve *-*

    [Reply]

    Drika Reply:

    Também gosto de fantasia e terror, Douglas.
    Mas a mistura do gótico e noir neste livro é o que mais me chamou a atenção. Ficou bem legal!

    [Reply]

  • Suelen Mendes disse:

    Eu gostei da maneira que foi a sua resenha,sem dar muitos detalhes do enredo.Assim me deixou mais curiosa pra ler kkk
    Como gosto de todas as descrições feitas lá na parte de cima da resenha,e juntando a curiosidade que fiquei,vou dar uma chance pra esse livro sim.(que aliás,nunca tinha ouvido falar rsss)
    Bjus

    [Reply]

    Drika Reply:

    É que eu tinha tanto pra comentar, Suelen, que o texto ia ficar longo demais se eu ficasse dando detalhes do enredo também! rs
    Eu também não conhecia. Veio parar nas minhas mãos graças à parceria com a Geração. Mas gostei muito!

    [Reply]

  • Resenha: A Cilada « Por Essas Páginas disse:

    […] se lembram da resenha super empolgada que fiz de “O Guardião”, primeiro livro da trilogia Cidade das Sombras […]

PREENCHA OS CAMPOS ABAIXO PARA DEIXAR SEU COMENTÁRIO




Mensagem