Resenha: O Teste

Desde o começo da nossa parceria com a Única, ainda não tinha lido nenhum livro da editora, apenas a Lany e a Lucy leram. Simplesmente não tinha me interessado pelos títulos. Foi então que apareceu O Teste, de Joelle Charbonneau; eu ainda fiquei com uma certa dúvida se deveria ou não ler, afinal, é uma distopia, e vamos combinar: o mercado está saturado deles. Mas a Lany pediu o livro pra mim, ele chegou na sexta-feira passada, olhei pra ele, ele olhou pra mim, rolou um sentimento e eu comecei a ler. E, apenas dois dias depois, estou aqui, escrevendo sobre ele, surtando e agradecendo à Editora Única por ter trazido esse título porque, gente, o livro é simplesmente SENSACIONAL! Eu diria um palavrão para descrever meu sentimento, mas sou muito phyna, portanto, vou respirar fundo e começar essa resenha… ai, que delícia devorar um livro e surtar com ele! Que maravilha!

“No dia de formatura de Malencia ‘Cia’ Vale e dos jovens da Colônia Cinco Lagos, tudo o que ela consegue imaginar – e esperar – é ser escolhida para O Teste, um programa elaborado pela Comunidade das Nações Unificadas, que seleciona os melhores e mais brilhantes recém-formados para que se tornem líderes na demorada reconstrução do mundo pós-guerra. Ela sabe que é um caminho árduo, mas existe pouca informação a respeito dessa seleção. Então, ela é finalmente escolhida e seu pai, que também havia participado da seleção, se mostra preocupado. Desconfiada de seu futuro, ela corajosamente segue para longe dos amigos e da família, talvez para sempre. O perigo e o terror a aguardam. Será que uma jovem é capaz de enfrentar um governo que a escolheu para se defender?” Fonte

O Teste começa de um jeito não muito diferente de qualquer distopia adolescente por aí. Malencia Vale ou melhor, Cia (nome muito estranho, ok, mas você acaba se acostumando, mesmo porque a personagem é IN-CRÍ-VEL e dane-se o nome esquisito dela), é uma garota de 16 anos, super estudiosa, que sonha em se tornar adulta e passar no Teste. Isso pode parecer infantil, mas realmente é assim que Cia parece no início (mas calma, isso faz parte da graça do livro!): no dia de sua formatura, ela fica toda feliz por simplesmente estar usando um vestido vermelho – e não rosa – pois isso significava que ela estava virando adulta. No dia seguinte, ela não mais voltaria à escola; no mínimo, ela teria que arrumar um trabalho – e sua mãe a pressiona bastante para isso, diferente do pai, que parece mais cauteloso quanto ao futuro da filha. No entanto, o que ela realmente quer é estar apta a fazer o Teste.

“Ela me diz que tem orgulho de mim. Faço o melhor para não me prender a ela quando nos abraçamos em despedida. De repente, eu lamento todas as vezes que fiquei brava por ela não encorajar meus sonhos na universidade. Agora entendo por que ela teve medo de que eu tivesse sucesso. Agora é tarde demais.” Página 45.

Esse Teste é como a porta de entrada para a universidade, onde só os melhores, os mais inteligentes e os capazes de serem líderes entram. Aí você pensa: ok, isso é o quê, um vestibular? Não, meus amigos, é muito, muito mais tenso que uma mera prova de conhecimentos gerais. Já faz dez anos que alguém da colônia que Cia vive foi selecionado para o Teste. A colônia é pequena, e os boatos que correm é que talvez seja provinciana e mente fechada demais para gerar líderes inteligentes para a capital Tosu City, o Teste e, por fim, a universidade. Mas o buraco é mais embaixo, pessoal. As intrigas e conspirações já começam aqui. O pai de Cia passou pelo Teste antes de vir para a colônia e, quando Cia recebe a notícia de que foi aceita… seu pai senta com ela e conta coisas terríveis. Sonhos, pesadelos horrorosos e o pior: sua memória foi apagada após o Teste. E alguns dos seus amigos desapareceram.

Só que agora Cia é obrigada a ir para o Teste. Não há escapatória. Ela segue para a capital, Tosu City, junto a três outros colegas da colônia. Ela não tem muita amizade com nenhum deles, mas agora eles são sua única conexão com sua casa, para a qual jamais retornará. E então o Teste começa. E aí as coisas começam a ficar sinistras.

o_ teste (3)

Tudo isso que eu narrei para vocês é só a premissa do livro; a ambientação. É necessária, mas não é ainda a melhor parte. Fiz questão de dizer tudo isso para colocá-los a par da história; até aí, eu estava lendo de boa, estava interessante, mas nada de mais, nada fora do normal. A narração é fluida e bem construída, envolvente, dá vontade de continuar lendo. Mas então, eis que o Teste começa e tudo muda. Acontecem coisas realmente sombrias. E você começa a sentir que tudo e todos realmente estão em perigo. O Teste não é apenas uma prova de conhecimentos, é muito mais que isso; e a punição para erros é severa… digamos que “perder uma nota” não é nada por aqui. O livro vai, gradualmente, tornando-se mais denso, mais sinistro, até entrar em um momento de extrema tensão, na qual você não consegue mais parar de ler, você realmente precisa virar páginas e mais páginas, pois essa necessidade é quase física. Juro, não consegui largar o livro, eu tinha que chegar ao final.

“Tenho segredos também. Segredos que me fazem enfrentar o sono. E quando o sono me toma, aqueles segredos me perseguem em meus sonhos.” Página 237.

A evolução de Cia durante o livro é tão incrível que chega a ser desconcertante. Porém, ao mesmo tempo, é muito gradual, de um jeito que você nem consegue notar, como uma pessoa de verdade. A Cia que termina o livro é quase irreconhecível se comparada à que o iniciou. De uma garota apenas esperta, mas extremamente ingênua e cheia de sonhos, Cia evolui para uma jovem analítica, de pensamento ágil; o mundo opressivo em que percebe que se encontra a endurece, não a torna uma pessoa fria, mas sim prática e racional. Ela percebe que há coisas que simplesmente precisa fazer: não há outra alternativa. Ela ainda é humana e sofre, mas não faz drama, não fica de mimimi, não senhor; ela respira fundo, ergue a cabeça e segue em frente, aprendendo sempre um pouco mais e, principalmente, agindo. Ela é uma garota muito real, até comum, mas uma personagem forte no sentido de fazer o que tem que ser feito e não ficar remoendo as coisas, e o mais importante, ela não faz as coisas sem pensar. Isso a distanciou de muitas e muitas protagonistas por aí, especialmente das protagonistas de séries distópicas. Eu adorei especialmente o quanto Cia é prática. O livro tem sim questões adolescentes, mas Cia trata tudo de um jeito prático, racional, consciente. Não há enrolação, não há draminhas. Perfeito!

o_ teste (2)

Até mesmo o romance foi na medida certa. Gradual, construído lentamente, imprevisível em alguns momentos. Essa última parte é especialmente interessante pois nem no alvo romântico de Cia você confia. Nesse livro, você realmente não confia em ninguém. Todos fazem o que for preciso para sobreviver, inclusive Cia! E eu nem vou dizer quem é o personagem com o qual Cia se envolve, porque o mais legal é que você demora um bom tempo pra perceber que será ele o par romântico dela. E, mesmo quando eles estão envolvidos, a relação é real e sem rasgação de seda amorosa, pois eles estão no meio de uma situação incrivelmente tensa e sabem que não é hora pra isso! Em meio a tantos livros que jogam na sua face um romancinho mela-cueca que desvia completamente o foco da distopia de verdade, um livro como esse é um oásis no deserto. E eu fui olhar: demorou quase 200 páginas para o casal se beijar. Aí sim, minha gente, nada de beijo nos primeiros capítulos, romance bem construído e que, até agora, eu ainda não sei se devo ou não torcer por ele, porque não confio no… vocês vão descobrir quem ele é! Há!

“O beijo é leve como uma pena, mas sinto até meu estômago.” Página 172.

A parte distópica da trama é sensacional. Você sente de verdade o medo, a opressão mascarada em sorrisos vazios, a conspiração, o sistema sinistro que lidera pessoas com mãos de ferro. Você tem a noção real de porque aquele sistema é horrível. E o final, ah, gente, o final é cruel. Ele soluciona várias perguntas, mas te deixa ao mesmo tempo sem muitas respostas. E o gancho final do livro para a continuação foi uma das coisas mais brilhantes que eu já vi; um gancho que me deixou na ponta da cadeira, mas não foi apelativo, fechou o livro, fechou uma história, mas mostra que sim, há muito mais a ser contado. E eu estou louca para ler.

A edição está competente, gostei bastante da capa – simples, mas direta, significativa -, da diagramação e dos detalhes nos inícios dos capítulos, os números sangrentos. No final, o marcador do livro vem na página da contracapa, podendo ser destacado, o que é brilhante! Porém, algumas folhas minhas vieram grudadas e, quando eu separei, elas rasgaram um pouquinho na ponta; pode ser um problema pontual desse exemplar, mas fica aqui o relato do que aconteceu. Além disso, a tradução pecou em muitos pontos, deixando a desejar com algumas escolhas equivocadas de palavras; a revisão também poderia muito bem ter cortado algumas repetições de palavras que às vezes irritam o leitor. O texto ficou com vícios de escrita e estilo que podem muito bem ser comuns na língua original, mas que em português ficam feios. Agora, tudo isso não é nada, absolutamente nada, em vista desse texto incrível e viciante de Joelle Charbonneau.

o_ teste (1)

Não há limites para o quanto O Teste pode surpreendê-lo. Envolvente, maduro, sombrio, cheio de ação, um livro inteligentíssimo que vai fazê-lo pensar e desconfiar de todos. Estou morrendo aqui para ler as sequências. O Teste continua em Independent Study Graduation Day, disponíveis apenas em inglês até o momento. Editora Única, pode trazer rapidinho pra gente esses livros? Tem uma pessoa surtando aqui por eles. Muito obrigada! Recomendo e muito que vocês leiam esse livro e também se surpreendam como eu. Só não me responsabilizo pelo estado em que ficarão após terminá-lo, já que, por aqui, eu estou à beira de um surto psicótico.

Esse livro foi gentilmente cedido para resenha pela Editora Única.

unica_logo

Ficha técnica:

Nome: O Teste
Autor: Joelle Charbonneau
Páginas: 320
Editora: Única
Onde comprar: Livraria Cultura / Amazon (e-book)
Minha avaliação: 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...


  • Douglas Fernandes disse:

    Quando saiu esse livro eu li a sinopse e pensei, eu quero demais ler esse livro, agora lendo essa resenha eu já penso, eu preciso desse livro pra agora…
    Sei muito bem essa sensação de você não conseguir dormir e acordar de madrugada pra ler um pouco, principalmente se vc estiver quase acabando o livro, ja aconteceu comigo, tive que levantar de madrugada ler os 4 capitulos que faltavam pra eu conseguir dormir… hahahahaa
    Eu adoro essas coisas sombrias nos livros, ação, esse livro está cada vez me chamando pra lê-lo.

  • Fabiana Strehlow disse:

    Huummm… bem interessante…
    Uma distopia romântica, cheia de suspense e tensão!
    Acho que vou incluir O Teste em minha lisa de leitura.

    Beijos!

  • Débora Mille disse:

    Realmente, o mercado está bem saturado de distopias. Apesar de eu achar interessante a ideia de se pensar que o futuro pode ser bem ruim.
    Quando vi o lançamento deste livro, fiquei pensando que a capa era muito parecida com divergente… Quer dizer, algo me lembrava muito.
    Mas depois de ler sua sinopse, acho que vc me influenciou. Agora estou louca pra ler este livro agora…

  • Marília Sena disse:

    Eu já estava bem ansiosa para ler O Teste, depois dessa resenha então… SIMPLESMENTE QUERO ELE PARA ONTEM! Primeiro porque amo distopias, e segundo porque essa parece ser uma das melhores. O livro trás uma promissa inteligente e não tem aqueles vícios chatos de alguns livros distópicos. Eu já me encantei, não vejo a hora de tê-lo em mãos.

  • Gustavo disse:

    Eu amo distopias, mesmo o mercado estando tão cheios dessa categoria atualmente, não me canso, e sempre penso “que venham mais e mais distopias maravilhosas” kkk *-*
    Nunca li absolutamente nada dessa editora D= acho que vou começar por esse livro kkk
    Nossa, geralmente eu vou lendo a resenha e venho escrever meu comentário em alguns pontos que acho interessante comentar, mas essa resenha me prendeu de um modo incrível que nem tenho muito o que dizer além de que com certeza essa autora já tem um novo fã, mesmo sem eu ter lido a obra dela kkkk e pretendo obter essa maravilha o mais breve possível, porque é quase pecado deixar de ter essa distopia *-*

  • Karolyne K. disse:

    Gente…. acho que eu realmente me surpreenderia =O
    Não estava dando muito por este livro, mas ler tudo isso, todos estes pontos positivos… me faz ver que este livro pode se tornar um dos meus favoritos…. e… ESTOU PRECISANDO DE FAVORITOS HAHAHAHA.
    Sério, estou precisando de livros realmente bons, e vou atrás desse \o/

  • Ana disse:

    Estou morrendo de vontade de ler O teste, como viciada em distopias, achei o enredo bem interessante 🙂 estou esperando um oportunidade de comprar hahahaha

  • Carol fragoso disse:

    Como anda ocorrendo nos últimos meses, esse livro me surpreendeu muito! Não era o que eu esperava, foi maravilhoso!

  • Ana Carolina disse:

    Eu quero tanto ler esse livro , depois dessa resenha to me coçando pra ler , no começo eu amava distopia , mas agora essas estão me decepcionando , mais eu quero muito ler essa , tem várias resenhas positivas sobre ele .

  • Nelson Yanetzky disse:

    De fato! O mercado está bastante saturado de distopias. Apesar de acreditar interessante a ideia de se pensar que o futuro pode ser bem ruim se não fizermos algo para mudar isto.
    Mas após a leitura de sua resenha, confesso que você me influenciou. Agora estou louco para ler este livro.

  • TAÍS INÁCIO DA SILVA disse:

    Apesar de “o mercado estar saturado ” de distopias esse é de fato meu gênero favorito, não ligo se é modinha ou não, gosto das histórias me envolvo com elas, viajo na maionese as vezes, mas não deixo de ler um distopia só porque todo mundo ta lendo. O Teste é bem parecido com outras distopias que li e isso me fez querer ler o livro ainda mais. Amei a capa, o nome da personagem é bem estranho mesmo, a primeira vez que li li Melancia rsrsrs achei estranho li de novo continuou estranho.

  • Manoela disse:

    Se for metade do que a resenha tá falando.. tá valendo meu tempo!
    Já estrou pra minha lista de livros para comprar!

  • Patricia Gomes disse:

    Amo distopias, apesar de termos atualmente uma saturação delas! Essa distopia adolescente com um toque de romance parece trazer tudo mesmo na medida certa, principalmente com a evolução da personagem principal. E a parte distópica, que é o que mais interessa, parece ser o centro do livro. Fiquei ainda com mais vontade de ler esse texto viciante. E torcer para que o segundo livro chegue logo!!

  • Andressa Nunes disse:

    Bela resenha, abordando o conteúdo de forma simples e inteligente, facilitando o entendimento e convidando todos à leitura, vale apena conferir.

  • Gizeli Regina Meister disse:

    Amei sua resenha, ela está completa. Se antes eu estava em dúvida de iria ler ou não o livro, agora já decidi. Quero ler e logo.

  • Ana Claudia Medeiros disse:

    Não é meu tipo de leitura, e sinceramente, lendo a resenha, muito bem feita por sinal, ainda estou na dúvida se irei colocar na minha lista de livros para ler.

  • Shadai disse:

    Tenho pé atrás de ler mais uma distopia juvenil, pois já são tantas lançadas. Mas, essa parece ser excelente!
    Fiquei interessado, então esperar as continuações serem lançadas, pois não consigo ler sem ter a continuação hehehe

  • Letícia G. disse:

    Certo, vejamos: distopia sinistra com um pouco de romance na medida certa? Necessito desse livro. Simples assim.
    Eu já tinha lido a sinopse desse livro em algum site de compras, mas ainda não tinha me aventurado em nenhuma resenha, por medo de as opiniões dos resenhistas serem negativas demais. Só que, quando entrei no blog, para dar uma lida nas novidades, e vi que estavam sorteando um exemplar, pensei: “agora preciso de ler essa resenha e decidir de uma vez por todas”. É, eu não preciso ler esse livro, eu NECESSITO. É perfeito demais, amo distopias de paixão, e não me importo se o mercado já está saturado delas. Polo que pude ver essa distopia vai muita mais até de algumas outras, e estou curiosa para conhecer a personagem.
    Fora a capa. Gente! Essa capa é lindíssima. Adorei, sou dessas que julga o livro pela capa, sorry.
    Enfim, resenha perfeita, só me incentivou mais ainda a ler o livro. Vocês querem me deixar pobre né? rs.
    Beijos, parabéns e até as próximas.

  • Lauren Alice disse:

    Resenha belíssima!
    Já li muitas coisas boas referentes a esse livro, e eu quero muito ler, mas para evitar um surto psicótico, eu vou me segurar para ler ele somente quando tiver a continuação traduzida! hehehe
    Sei que vou surtar se eu terminá-lo e demorar pra ler o resto hehehe
    Eu me apaixonei por esse livro quando li a sinopse dele, e quanto mais resenhas eu leio, maior fica a minha vontade de ler O Teste!

  • Resenha: O Teste – Uma Introdução (O Teste #1.5) « Por Essas Páginas disse:

    […] Resenha: O Teste – Uma Introdução (O Teste #1.5) […]

  • Resultado: Promoção O Teste « Por Essas Páginas disse:

    […] Todo mundo sentado? Porque vou anunciar o vencedor da Promoção O Teste, e um feliz leitor vai levar pra casa um exemplar dessa distopia SENSACIONAL da Editora Única! Ainda não conhece? Então leia a resenha! […]

  • Resenha: Estudo Independente (O Teste #2) « Por Essas Páginas disse:

    […] vocês lerem a resenha de O Teste, primeiro livro da trilogia de Joelle Charbonneau, vão perceber que eu surtei completamente com a […]

  • Promoção: Estudo Independente « Por Essas Páginas disse:

    […] mundo preparado para mais uma super promoção por aqui no Por Essas Páginas? Nós já lemos O Teste e fizemos uma promoção do livro, mas agora é a vez um super sorteio da ótima continuação […]

  • Aline Ramos Costa disse:

    Eu amo qualquer distopia, esse estilo literário tem algo que me conquista completamente. Depois da sua resenha, compreendo que será um tipo de livro que me fará amá-lo e se tornará um dos meus favoritos, pois com certa Cia é uma mocinha forte, determinada e fantástica..os outros personagens parecem ser bem interessantes tb.adorei quando vc diz que nesse livro você não oonfia em ninguém.. Fiquei mega curiosa Além disso, quero muito saber sobre esses testes…Parabéns pela resenha, ficou ótima.bjs

  • Suelen Mendes disse:

    Como eu amo uma distopia é claro que essa já estava na minha listinha de livros pra comprar e ler imendiatamente kkkk
    Ainda mais que só ouço elogios quanto a ela,não vejo a hora de ler.
    Bjus

  • ELIZABETH MACHADO SALLES disse:

    Adoro temas distópicos. São emocionantes e bem legais. Este pelo que estou vendo vai ser demais. Não vejo a hora de poder ler e conferir cada detalhe mencionado. Beijos.

  • Michele Lopez disse:

    Oie…
    Gosto bastante de distopias e essa parece ser incrível!
    Cheia de ação e muito envolvente!!
    Mal posso esperar para que o último livro seja lançado!!

  • Nardonio disse:

    Eu adoro distopias e estava sentindo falta de uma que focasse mais nessa parte distópica mesmo, pois as que estou vendo por aí, ultimamente, estão muito “romantizadas”. É legal ver que a autora conseguiu criar uma premissa bem interessante como essas, e ainda conseguir desenvolver gradualmente sua trama. As personagens me parecem ser muito boas e a sociedade em si também. Quero muito ter a oportunidade de ler em breve.

    @_Dom_Dom

  • Willian disse:

    Leitura cativante, bem amarrada,parecendo ser um bom entretenimento

  • Resenha: A Formatura (O Teste #3) « Por Essas Páginas disse:

    […] resenha possui spoilers dos dois primeiros volumes da trilogia: O Teste (leia a resenha) e Estudo Independente (leia a […]

  • TTT: Dez livros que estão na minha estante há muito tempo e eu ainda não li « Por Essas Páginas disse:

    […] O Teste, Joelle Charbonneau – E esse é mais um caso que por causa da resenha da Karen eu aproveitei a primeira promoção e comprei o livro. Acho que a Karen vai se recusar a […]

PREENCHA OS CAMPOS ABAIXO PARA DEIXAR SEU COMENTÁRIO




Mensagem