Resenha: Oeste – A Guerra do Jogo do Bicho

Um livro pra fechar o ano com chave de ouro, Oeste já prometia só de ler sua contracapa – foi mais uma daqueles casos de amor à primeira capa. O jogo do bicho é um assunto muito pouco comentado e Oeste arranca a cortina e o glamour do jogo e nos mostra esse submundo cruel e cheio de intrigas.

“Oeste é um romance de tirar o fôlego, uma história surpreendente que se passa no submundo do jogo do bicho no Rio de Janeiro e envolve a cúpula do governo do estado, das escolas de samba e da polícia. Após a morte de Nabor, o capo dos bicheiros, seu legado é disputado entre famílias contraventoras e pelos seus próprios herdeiros. Sem a mediação de Nabor, a guerra do jogo do bicho se transforma em um banho de sangue, em que todos têm seu preço e nem mesmo o aliado mais fiel é confiável. Com a capacidade de criar reviravoltas dignas de Mario Puzo, autor de O Poderoso Chefão, Alexandre Fraga brinda o leitor com uma viagem vertiginosa por um universo tão fascinante quanto perigoso, e que está mais próximo do que imaginamos.

Os direitos de adaptação para o cinema já foram vendidos e as filmagens devem começar ainda em 2014, em uma superprodução que promete agradar o público de Tropa de Elite.

Alexandre Fraga é policial federal e roteirista. “

Em Oeste somos apresentados aos chefões e herdeiros do jogo do bicho no Rio de Janeiro e todas as suas tramas para se manter no poder: Dr. Nabor, seu genro Plácido, seu filho Saulo seu sobrinho Roger, Jamil e seu filho Duda, Antenor Libanês, Dr. Estélio, Glauco Astuto e seu filho Zeca. Além de personagens menos importantes mas com nomes memoráveis como os assassinos Já Morreu  e Bruxa do Mar.

Após a morte de Nabor o caos se instaura, os parentes querem uma fatia e os “sócios” também. É declarada a temporada de guerra no mundo do bicho. A partir daí começam as rusgas pelo poder, ameaças veladas, tentativas de controle e manter as aparências, filhos bravejando e guerreando tentando honrar ou obter o orgulho dos pais e o eterno olho por olho. No final, só sobrevivem os fortes.

O livro tem uma trama pesada e possui momentos visuais intensos, o autor soube impactar muito bem o leitor sem ser grosseiro – mas esse é sim um livro pra quem tem estômago forte.

Apesar de ter personagens marcantes e todos terem sua própria voz e brilharem a seu modo, um dos problemas de Oeste é ter muitos personagens. Conforme uma pausa e seguinte retomada da leitura isso pode confundir o leitor. Talvez seja necessário retornar alguns capítulos para entender quem é filho de quem ou quem exatamente é aquele chefão. Como eu reli o livro rapidamente para fazer esta resenha, numa releitura fica muito mais fácil saber quem é quem na história.

Outro ponto que achei inútil no livro foram os capítulos de Duda, o filho homossexual de Jamil. Entendo que o personagem serve para mostrar a intolerância e machismo deste submundo,  mas somente alguns capítulos agregam algo à história e não são muitos.

– O faturamento tá muito alto. Já não dá mais pra lavar com restaurante, motel. Tá ficando foda. – página 161

É bom se preparar porque nesse livro tem muita gente passando a perna na outra pra se dar bem. Diria que é um dos temas principais do livro. Quando o leitor acha que as famílias se entenderam e os culpados estão exterminados, entra outro jogador no jogo ou alguém decide fazer uma jogada arriscada e o círculo de mortes e traições retorna com força total.

Um dos momentos mais impactantes do livro foi a transformação de Roger. Devido a uma tragédia decorrente da guerra do bicho, o bicheiro se transforma em empresário e manda-chuva em um assassino frio. São capítulos marcantes e que valem atenção.

Oeste é um livro para quem gosta de violência, belas mulheres, riquezas e muitas traições. Como cenário: o Brasil dos bicheiros, o país do jogo eterno, dos corruptos, dos mafiosos invencíveis e sua sede por luxúria. Tudo isso regado a muito sangue e famílias destruídas.

Este livro foi gentilmente cedido pela Editora Record.

Ficha Técnica

Título: Oeste: A Guerra do Jogo do Bicho
Autor: Alexandre Fraga
Editora: Record
Páginas: 308
Onde comprar: Livraria Cultura /Amazon
Avaliação:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...


  • Gustavo disse:

    A capa realmente é incrível, o trabalho feito nela foi muito bem feito, mas não leria esse livro… Ele não me chamou a atenção na sinopse, e, embora sua resenha seja bem elogiosa ao livro, de nada adiantou para me dar vontade de ler… É um enredo que não me prende de nenhum jeito, e nem me chama atenção.
    Mesmo não gostando do estilo do livro, adorei a resenha ^^

  • thayna ta disse:

    A capa é realmente bonita, já aconteceu de eu várias vezes, pegar para ler pela capa. Por ter começado as filmagens, o filme parece ótimo o livro ainda mais. Acho legal a temática de tráficos e chefões. Ver como funciona esse mundo. A ambição pelo poder. A trama por ser pesada, é algo que gostei, tem que ser mesmo, mostrar a realidade. E gostei que também, mostra sobre o estilo de vida também, como em relação e éticas. O livro, por ser pesado e conter pessoas com interesses próprios, como também trair e fingir, fiquei ainda mais interessada. E de como o Roger, que me interessou, por ter acontecido algo na guerra e ter se tornado o que é.
    Abraços Felipe,
    ThayQ.

  • Resenha: Manuscritos do Mar Morto « Por Essas Páginas disse:

    […] uma série qualquer. Por várias vezes o abandonei, e li outros livros no meio dele (o fantástico Oeste). Possui uma continuação O Código do Apocalipse, o qual não lerei nem que me […]

  • Nayara disse:

    Oi!
    Realmente, a temática é beeem diferente. Acho que é o primeiro livro sobra jogo de bicho que eu já vi. Bem original!
    Ainda bem que você avisou que o livro é para quem tem estômago forte…. hahahaha. Acho que não sou uma dessas pessoas!
    Mas a história parece ser bem interessante.
    Beijos

  • Fernanda Goulart disse:

    Tenho uma certa queda por livros de máfias e chefões, tanto que sou apaixonada por The Godfather e não abro mão de um livro com uma boa e bem colocada violência.
    Ainda não tinha ouvido falar sobre esse livro, mas, depois dessa resenha, já estou muito interessada.

    Beijos. :3

  • Shadai disse:

    Uma excelente pedida para mim! Adoro livros violentos, e ainda não tive experiência desse tipo com algum nacional.
    Esse parece ser muito bom, mas com o seu porém de ter muitos personagens e até um deles ser dispensável. E como não consigo ler numa só toada, então vou me perder um pouco, mas acho que não irá comprometer o resultado final da leitura.

  • Top Ten Tuesday: Dez Citações Favoritas | Por Essas Páginas disse:

    […]  Oeste – “As trevas pegaram o homem pela mão e o conduziram pela estrada do ódio. E  agora ele não conhecia mais o caminho de volta” – pág. 265 […]

PREENCHA OS CAMPOS ABAIXO PARA DEIXAR SEU COMENTÁRIO




Mensagem