Resenha: Pax

Eu não sabia muito bem o que esperar de Pax, mas com certeza esperava que fosse tão emocionante quanto foi. Confiram aqui as minhas impressões.

PAXPeter e sua raposa são inseparáveis desde que ele a resgatou, órfã, ainda filhote. Um dia, o inimaginável acontece: o pai do menino vai servir na guerra, e o obriga a devolver Pax à natureza. Ao chegar à distante casa do avô, onde passará a morar, Peter reconhece que não está onde deveria: seu verdadeiro lugar é ao lado de Pax. Movido por amor, lealdade e culpa, ele parte em uma jornada solitária de quase quinhentos quilômetros para reencontrar sua raposa, apesar da guerra que se aproxima. Enquanto isso, mesmo sem desistir de esperar por seu menino, Pax embarca em suas próprias aventuras e descobertas.
Alternando perspectivas para mostrar os caminhos paralelos dos dois personagens centrais, Pax expõe o desenvolvimento do menino em sua tentativa de enfrentar a ferocidade herdada pelo pai, enquanto a raposa, domesticada, segue o caminho contrário, de explorar sua natureza selvagem. Um romance atemporal e para todas as idades, que aborda relações familiares, a relação do homem com o ambiente e os perigos que carregamos dentro de nós mesmos.
Pax emociona o leitor desde a primeira página. Um mundo repleto de sentimentos em que natureza e humanidade se encontram numa história que celebra a lealdade e o amor. Fonte

A narrativa do livro em terceira pessoa alterna a história do ponto de vista de Pax e Peter e já no primeiro capítulo sentimos um nó na garganta quando percebemos o que vai acontecer. Pelos olhos da pequena raposa, vemos Peter abandonar Pax em um bosque e seguir com seu pai para a casa de seu avô. De longe foi uma das cenas mais tristes que li, principalmente porque foi narrada pelo ponto de vista de Pax. Inocente, ele permanece no local, aguardando que seu menino volte a qualquer momento.

Já na casa de seu avô, Peter percebe que traiu Pax e que não devia ter permitido que o pai o convencesse a soltar a raposa. Então, ele foge da casa do avô para buscar seu amigo.

Enquanto temos a jornada de Peter à procura de Pax, vemos a luta de Pax para aprender a sobreviver. À medida que a raposa percebe que algo ruim – a guerra – se aproxima, ele também pensa na segurança de Peter e em algum modo de encontrá-l0. Já Peter, tem um obstáculo muito grande pela frente – a começar com um dedo do pé fraturado.

O que é guerra? (…)
Tem uma doença que às vezes dá nas raposas que as faz deixar de agir de maneira normal e atacar estranhos. A guerra [e uma doença humana parecida. (p. 72)

O livro é de uma sensibilidade única. A autora se superou ao narrar os passos de Pax. Ela conseguiu passar todos os sentimentos dele e todos os passos que ele dava, de forma que pareceu que era a própria raposa que contava sua história. Peter demonstrou ser um menino bem obstinado, seguro de que encontraria Pax, a qualquer custo.

A história de Pax nada mais é que um aprendizado. Pax é devolvido à vida selvagem sem o menor preparo, pois foi domesticado desde filhote. Agora, tem que recuperar seu lado selvagem se quiser sobreviver. É uma busca por raízes e uma redescoberta de quem você é e o seu lugar no mundo. Ele contou com a ajuda de outras raposas, como Cinzento, Arrepiada e Miúdo, raposas que viviam naquela região e que tinham ressalvas em acolher Pax, pois ele tinha cheiro de humanos.

Para Peter, foi um período de amadurecimento e descoberta, e ele teve sorte de encontrar uma mulher que o ajudou em sua jornada. Vola é uma ex-combatente que tinha muito o que ensinar para Peter, principalmente sobre ele mesmo. O que nos encanta é que Peter também tem algo a ensinar a Vola, mostrando que todos merecem uma segunda chance.

– Você acha… você acha que, se alguém tem uma parte selvagem, essa parte da pessoa pode ser domada? Se for da natureza dela, herdada? (p. 191)

Peter não se dava muito bem com o pai, aliás, um homem bruto e grosseiro. Eu percebi que o pai de Peter sofria, mas acabava descarregando sua raiva no menino. O fato de ele ir para a guerra só aumentou a sensação que Peter teve (e eu também) de que seu pai era um homem que deixava sua raiva o dominar e Peter não queria ser assim.

Simplesmente é uma leitura mais que recomendada. A Intrínseca caprichou nessa edição, com capa dura e tudo. As ilustrações de Jon Klassen são a cereja do bolo. Foi um livro que li com aperto no coração do começo ao fim. O final não foi exatamente o que eu esperava, mas achei que foi uma sábia decisão da autora.

Então, não desperdicem a chance de ler!

Livre, mas não sozinho.

Este livro foi gentilmente cedido para resenha pela editora Intrínseca.

Ficha técnica:

Nome: Pax
Autor: Sara Pennypacker
Páginas: 288
Editora: Intrínseca
Onde comprar: Livraria Cultura /  Saraiva / Lev / Amazon
Minha avaliação: 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...


  • Elidiane Lima disse:

    Confesso que faz um tempão que não leio um livro da Editora Intrínseca, é que os livros que ela publica não faz muito meu estilo de leitura, como é o caso de Pax… não costumo ler livros onde os personagens principais são animais, mas concordo com você, a editora caprichou nessa edição – ilustrações e capa dura ? -, e para quem gosta do estilo de Pax essa sem dúvida é uma ótima dica, que vou indicar para os amigos que curtem esse tipo de leitura.
    Abraço!

  • Lucy disse:

    Oi, Elidiane! Depende muito da temática com bichinhos para eu gostar de um livro, mas Pax me encantou de tal forma que me admirei! Acho que você não se arrependerá se der uma chance a ele.
    Bjos!

  • Thais Lima disse:

    Oi!
    Fiquei muito empolgada com o lançamento desse livro devido se tratar de um tema tão bonito como a lealdade que infelizmente só algumas pessoas tem com seu animais de estimação. Pareço ser uma leitura incrível e com certeza faz parte das minhas futuras leituras.
    Parabéns!

  • Lucy disse:

    Oi, Thais!
    Espero que consiga ler, é muito lindo!
    Bjs

  • Douglas Fernandes disse:

    Adorei a resenha!!
    Me lembrou do filme O cao e a raposa… hahahahah
    Já vou incluir esse livro na minha lista de desejados, estou precisando ler algo assim, ultimamente estou lendo muitos livros tensos, preciso ler algo mais emocionante, daquele tipo que aperta o coração …rsrs

  • Lucy disse:

    Oi, Douglas! Sabe, achei semelhante também, só faltou o cão. rsrs
    Esse livro é o ideal para o que vc procura!
    Bjs

  • Aline Santos disse:

    Nossa que lindo!
    Babando ainda mais!
    Nunca tinha lido resenhas do livro, mais ansiosa ainda pra conferir!
    Bjs!

  • Lucy disse:

    Oi, Aline! Garanto que não vai se arrepender!
    Bjos

  • Milena Soares disse:

    Nossa, estou doida pra ler esse livro, curto muito uma história com animais e melhor ainda quando tem narração pelo ponto de vista do animal também , parece super emocionante e essa resenha me deixou ainda mais ansiosa em conferi essa história.

  • Lucy disse:

    Oi, Milena! espero que tenha oportunidade de ler!
    Bjs

  • Top Ten Tuesday: Dez Livros Lidos que são Únicos « Por Essas Páginas disse:

    […] Pax, Sara Pennypacker: Li Pax ano passado e me apaixonei. Eu sou bem sensível quando se trata de bichos de estimação – e nesse caso estamos falando de uma raposa – mas li Pax com o coração na mãeo do começo ao fim. Uma história sobre amizade e liberdade. Resenha […]

  • Top Ten Tuesday: Dez Livros para quem NÃO curte praia « Por Essas Páginas disse:

    […] Pax, Sara Pennypacker – Pax se passa em dois lugares distintos: A floresta em que Pax foi deixado e o local em que seu menino ficou se recuperando depois de um acidente. E, além disso, temos também o percurso que Peter caminha para encontrar sua raposa. Resenha […]

PREENCHA OS CAMPOS ABAIXO PARA DEIXAR SEU COMENTÁRIO




Mensagem