Resenha: Perdas e Danos

Perdas e Danos me chamou a atenção por dois motivos: gostei da capa, achei-a leve e sensível e, o mais importante, já li antes um ótimo livro da autora, Diane ChamberlainSegredos e Mentiras, também publicado pela Arqueiro (resenha aqui). Adorei esse livro, portanto, tinha altas expectativas com o novo lançamento da autora. Se eu gostei? Gostei, e me emocionei também. Mas ainda assim… faltou algo.

“Travis Brown é um rapaz diferente da maioria dos jovens de sua idade. Aos 23 anos, já conheceu – e perdeu – seu grande amor, já precisou lutar pela guarda da filha na justiça e agora trabalha incansavelmente para sustentá-la. Sua rotina não é fácil, mas ele consegue levar uma vida digna.
De repente, tudo começa a dar errado: ele perde o emprego, sua casa pega fogo e sua mãe morre. Sem ter a quem recorrer, precisa ir morar com a filha em um acampamento para trailers. Lá, conhece Savannah, uma jovem linda e sexy que realmente parece querer ajudá-lo.
É ela quem lhe fala sobre a vaga em uma obra em Raleigh, uma cidade próxima. Travis não quer se mudar, mas não tem alternativa: seus últimos dólares estão acabando e ele não vê a menor perspectiva de conseguir mais dinheiro.
No entanto, ao chegar a Raleigh e conhecer Roy, seu suposto empregador, ele descobre que o trabalho na verdade é um roubo. Roy garante que será a única vez e que a quantia que Travis receberá será suficiente para tirá-lo do sufoco por um bom tempo.
Agora, de frente para a maior encruzilhada de sua vida, Travis precisa decidir que caminho seguir para continuar sendo um pai exemplar.” Fonte

O livro conta várias histórias, como agora reconheço sendo uma marca de estilo da autora: vários personagens e várias tramas que se interligam de maneiras sutis e inesperadas (ou nem tanto). Há três narrações diferentes, em primeira pessoa: a de Travis, um pai jovem e dedicado que se vê numa situação muito difícil; a de Erin, uma mulher de meia-idade, triste e amargurada, que acabou de perder uma filhinha; e finalmente a de Robin, uma jovem que parece ter um futuro brilhante, mas sufocante, e um passado que enterrou fundo em sua memória.

perdas e danos (2)

A trama toda gira em torno de pais e filhos, da paternidade, mas também da maternidade. É uma história sensível e emocionante, mas faltou um elemento, um exato elemento que me fez adorar o outro livro que li da autora: suspense. Faltaram surpresas, faltaram reviravoltas que realmente pegassem o leitor desprevenido. Ou as coisas eram reveladas rápido demais, de uma maneira fácil demais… ou elas eram previsíveis. Não é difícil de perceber quem realmente é Robin na história ou o papel que Erin vai assumir no final. Foi bem fácil perceber qual a enrascada que Travis estava se metendo, algo que, aliás, me fez sentir menos empatia por ele; ele caiu num truque simples, fácil demais, tanto que me deu aquela sensação de ingenuidade que eu não esperava de um homem que, apesar de jovem, já passara por poucas e boas. Talvez isso tenha atrapalhado um pouco meu envolvimento com ele e, em alguns momentos, eu me via apenas impaciente por ele ser tão… tolo.

“A gente não se lembra das pessoas que conheceu aos 4 anos. Vagamente, talvez. Eu não parava de pensar nisso, como minha mãe, que fizera tanto por ela e que a amava mais do que tudo, desapareceria de sua memória. Que coisa! Aquilo era mais uma das grandes injustiças do mundo, em meio a tantas outras.” Página 48

Apesar disso, os personagens são bem construídos; impossível não se emocionar com a história de Erin ou não se encantar com a adorável Bella, a pequena filhinha de Travis, que interliga todas essas histórias. A escrita da autora, a exemplo da sua obra anterior, ainda é fluida e envolvente, e arranca lágrimas do leitor em certos momentos, lágrimas essas que me tocaram de tal maneira que, apesar dos defeitos do livro, foi impossível não subir sua pontuação e acabar cedendo 4 estrelas a ele. Na verdade, ele seria um 3,5, mas com pontos extras pela sensibilidade. É incrível como algumas cenas (e alguns personagens) elevam sua empatia por uma obra, apesar de todos os problemas que ela possa ter.

O livro não deixa pontas soltas, mas peca em algumas situações inverossímeis, um pouco forçadas para que a história desse certo. Achei o final um tanto apressado, destoando do início arrastado, mas, no geral, bastante satisfatório e, como já disse, emocionante.

perdas e danos (1)

A edição está ótima; gostei da capa, a diagramação e as folhas estão confortáveis, a revisão foi atenciosa. No entanto, não entendi porque o título foi adaptado para Perdas e Danos: o título original, “Um Bom Pai”, era perfeitamente adequado e bem mais sensível, e até foi utilizado assim nos agradecimentos do final. Poderia muito bem ter sido mantido.

Emocionante e sensível, mas com várias falhas, Perdas e Danos é um bom livro para quem procura por um drama de tocar o coração. No entanto, não o leia esperando muitas surpresas: a trama é comovente, porém bastante previsível.

Esse livro foi gentilmente cedido para leitura e resenha pela Editora Arqueiro!

Arqueiro_parceria

Ficha Técnica

Título: Perdas e Danos
Autor: Diane Chamberlain
Editora: Arqueiro
Páginas: 256
Onde comprar: Saraiva / Livraria Cultura / Amazon
Avaliação: 

Essa postagem está participando do Top Comentarista de Abril. Por favor, preencha o formulário abaixo após postar seu comentário. Basta clicar na imagem para abri-lo em nova página!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...


  • Douglas Fernandes disse:

    Realmente a capa ta bem bonita e a capa ta parecendo ser Um bom pai… hahaha não da pra entender pq mudam né?!
    Eu nunca li nada da autora, mas achei interessante essa resenha, mesmo sendo previsivel, mesmo nao tendo reviravoltas, aquele suspense conseguiu ser positiva, conseguiu tocar o leitor já merece atenção… rsrs

PREENCHA OS CAMPOS ABAIXO PARA DEIXAR SEU COMENTÁRIO




Mensagem