Resenha: Princesa das Cinzas

Ficha técnica:

Título: Princesa das Cinzas

Autor: Laura Sebastian

Tradutor: Raquel Zampil

Páginas: 352

Editora: Arqueiro

Compre aqui

Theodosia era a herdeira do trono de Astrea quando seu reino foi invadido, deixando um rastro de destruição.
Dez anos depois, a princesa, órfã, prisioneira e subjugada, percebe que não lhe resta mais nada, a não ser lutar pela própria liberdade.
O passado, que por tanto tempo ficou enterrado, agora precisa vir à tona para mostrar a Theodosia os caminhos que poderão levá-la de volta ao trono.
Mas Theo conseguirá ser a rainha de que seu povo precisa? Ou será que anos de humilhações transformaram a herdeira da Rainha do Fogo em meras cinzas?

Temos aqui uma personagem e tanto. Theodosia se vê escravizada aos 6 anos de idade quando o kaiser, governante dos kalovaxianos, invade o reino de Astrea e mata sua mãe, a rainha. Por anos ela foi torturada tanto física quanto psicologicamente e vivia conformada com seu destino e com o de seu povo, escravizado sem piedade.

Para piorar sua humilhação, em cada festa que o kaiser, o atual governante dava, ela era obrigada a usar uma coroa de cinzas, que ia se desfazendo aos poucos, até não sobrarem cinzas sobre sua cabeça e seu corpo. Já vi algumas críticas a respeito dessa personagem, uma vez que ela estava absurdamente apática com sua condição de princesa das cinzas. Se for analisar bem, o tempo que ela passou sendo submetida a uma lavagem cerebral, praticamente, faria qualquer um perder o espírito de luta e qualquer fiapo de esperança, inclusive, fazendo com que ela perdesse até o próprio nome e fosse obrigada a se chamar Thora.

Em uma noite, Theo é enviada à presença do kaiser para não apenas testemunhar, mas fazer parte do assassinato de um dos poucos rebeldes restantes de Astrea. Pior de tudo, o rebelde era alguém importante para Theo e era considerado o líder deles. Após essa noite fatídica, ela descobre que ainda existem aliados e que ainda é possível existir uma faísca de rebelião.

A partir daí, conhecemos a verdadeira Theo, com mente mais afiada, como se estivesse presa em um transe que durou anos. Então ela elabora um plano com seus aliados que envolve o prinz Soren, filho do kaiser e as Pedras do Espírito, que são pedras místicas e sagradas para o povo de Astreia e conferem poderes a quem as usar. Como os kalovaxianos não acreditam nisso, a usam apenas como adornos e enfeites, mas se os aliados de Theo a conseguirem, seria de grande ajuda.

Soren é o prinz herdeiro que só consegue compreender metade do sofrimento alheio, mas quero acreditar que isso se deva à sua criação e seus privilégios como nobre de um povo conquistador e não conquistado, mesmo tendo sido criado para ser um governante bélico. Ele tem bom coração e desde o início demonstra interesse em Theo, o que facilita o andamento do plano. O problema de Soren é que percebo que ele faz o estilo “se não vi, não aconteceu”. Sabe o ditado “o maior cego é aquele que não quer ver”? Esse é Soren, mas até certo ponto, principalmente quando não consegue mais esconder o que sente por Theo diante dos abusos que o Kaiser impõe a ela.

Eu gostei muito da história, achei que Theo foi inteligente em várias de suas estratégias, embora outras tenham sido muito falhas – e claro que, sendo ela humana, teria também o fator romance e um possível triângulo amoroso, que eu diria (e espero até) que seja quase inexistente.

Entre Soren e Theo temos a “melhor amiga” de Theo, Crescentia. Ela é apaixonada por Soren desde sempre, ou sempre acreditou nisso, por querer ser a esposa do futuro monarca. O pai dela foi o algoz da mãe de Theo, mas Cress parecia nutrir realmente um sentimento de amizade e irmandade em relação à Theo – menos no que diz respeito ao prinz. Theo fica muitas vezes dividida entre a amizade que sente por Cress e o dever para com seu povo. Mas nesse ponto ela teve que pesar muito bem. Mesmo porque… Até que ponto você está disposto a fazer algo por seu amigo? E se fosse o contrário, acha que esse amigo faria isso por você? Eis a questão.

É muito provável que vocês encontrem semelhanças a outros YA de fantasia (reino usurpado por um tirano, plano de vingança, triângulo amoroso que não funciona), mas a história consegue ser cativante mesmo assim, pelo menos funcionou bem comigo. Acho que a Theo podia ter demonstrado mais força, ela me pareceu ainda muito morna, mas não sei se é porque ela temia pela própria vida. Vamos novamente levar em consideração os anos de tortura que ela passou.

Enfim, é uma leitura que valeu muito a pena e espero que o segundo volume não demore para ser lançado aqui no Brasil!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Compartilhe:
  • 3
  •  
  •  
  •  
  •  


  • Joyce Penedo disse:

    Ola lindona também me surpreendi de maneira positiva com este livro o início foi em um ritmo mais lento depois eu não conseguia mais largar o livro, estou mega ansiosa para ler o segundo livro. Estou na torcida pelo lindo herdeiro que tem o coração da protagonista. beijos

    Joyce
    Livros Encantos

  • Greice Negrini disse:

    Apesar de muitos falarem que ele é meio lento, parece ter uma história muito boa envolvida nele, cheio de trama, vingança e claro, um romance que não pode faltar. É uma boa fantasia. Ele vai ter continuação?

  • Camila - blog Leitora Compulsiva disse:

    Oi, Lucy.
    Estou bem curiosa para ler essa série, mas estou com receio de achar tudo muito parecido com outras séries. Vou tentar relevar essas coisas e fazer uma leitura sem pensar demais!! Rs…
    beijos
    Camis

  • Camila de Moraes disse:

    Olá!
    Eu ainda estou aguardando o segundo livro para saber se essa série vale a pena. Não gostei muito de como a autora desenhou inicialmente a Theodosia. O livro tem alguns furos que espero que sejam respondidos nos próximos.
    Beijos!

  • Luna disse:

    Olá, Lucy!

    Eu tenho lido muitos comentários negativos em relação a este livro, mas fiquei feliz por saber que você apreciou a leitura e viu as coisas de outra maneira.

    Não sei se um dia eu lerei a história (minha lista de futuras leituras não tem fim), mas entendo o que você disse em relação a Theo. Embora eu goste de mocinhas guerreiras, que não se deixam abater, é preciso ser realista. A protagonista viveu o inferno ainda muito pequena (aos seis anos de idade!!!) e cresceu sendo maltratada, isso marca a vida de uma pessoa. Atinge sua autoestima, sua força para lutar. Não quero nem imaginar como eu ficaria no lugar dela. Certamente desistiria, essa é a verdade.

    Torço para que as coisas deem certo para a mocinha. Que ela consiga recuperar aquilo que lhe foi tirado.

  • Ivi Campos disse:

    Não sou de ler muito fantasia YA por isso talvez eu não encontre as similaridades com outros livros deste genero, o que pra mim e bem positivo. Fiquei bem interessada neste enredo e já quero ler.
    Beijos

  • Mirian disse:

    Eu não costumo ler este tipo de livro mas sua resenha me pareceu bastante interessante, talvez eu dê uma chance, ainda mais por ter a impressão que a personagem principal ter uma personalidade forte. Talvez eu tenha lido os livros do gênero errados, mas sempre me deparei com protagonistas muito chatas hahaha Adorei esta resenha =D

    Mirian – Castelo do imaginário

  • Jéssica Melo disse:

    Olá Lucy, eu tenho bastante curiosidade de ler esse livro e pelos seus comentários o enredo parece estar bem bacana e a protagonista com um bom crescimento *-* Adorei a resenha.

PREENCHA OS CAMPOS ABAIXO PARA DEIXAR SEU COMENTÁRIO




Mensagem