Resenha: Sem tempo para despedidas

Quando li a sinopse desse thriller da Editora Record, fiquei bastante intrigada. Esse tema de uma família inteira desaparecida, sem pistas, por 25 anos, era no mínimo intrigante. Fiquei bem curiosa. Porém, quando comecei a ler o livro percebi que ele não era tudo aquilo que eu esperava, infelizmente.

“Quando Cynthia acorda de ressaca numa manhã, percebe o silêncio que impera em casa. Ela logo nota que, sem qualquer explicação, todos os membros de sua família desapareceram sem vestígios. Vinte e cinco anos se passam e ela ainda sofre com o mistério. Casada e com uma filha pequena, teme que uma tragédia similar ocorra com sua nova família. Assim, Cynthia aceita participar de um programa de TV para reviver o caso, com a esperança de que isso trouxesse a verdade à tona. Mas desenterrar algumas lembranças pode ser o início de um grande pesadelo…” Fonte

A história começa muito bem, logo com a cena do desaparecimento da família de Cynthia e a sua reação na época, narrado do seu ponto de vista. 25 anos depois a encontramos casada com Terry e mãe de uma menininha, Grace. Gostei bastante da caracterização de Grace: ela era uma menininha esperta e curiosa, apaixonada por astronomia, que culpava os asteroides pelos problemas familiares. Foi uma das poucas personagens que me pareceram críveis.

Depois da primeira cena, o livro é narrado pelo marido de Cynthia, Terry, em primeira pessoa, o que foi uma boa escolha de narração, já que nos deixa em dúvida sobre as atitudes de Cynthia. Como não temos acesso aos seus pensamentos, assim como seu marido, por muitas vezes não sabemos se ela está sendo sincera, se inventou tudo isso ou coisa ainda pior. Cynthia resolve se envolver na gravação de um programa de tevê sensacionalista, em uma tentativa desesperada de chamar a atenção de alguma pessoa que pudesse lhe dizer algo sobre o paradeiro de sua família. A sua tentativa, porém, desperta algo horrível e perigoso.

O meu problema com o livro foi, principalmente, os personagens. Não consegui me ligar a eles. Até mesmo Terry, o narrador, a quem temos o maior acesso, por várias vezes me pareceu superficial. Cynthia, então, é uma personagem distante e em muitos momentos, irritante; ela tem atitudes quase infantis em algumas partes, o que me fez ter bronca ao invés de empatia pela personagem. A saída estratégica dela quase no final do livro foi mal feita e mal planejada, dando ao leitor a impressão de uma mulher imatura que não consegue enfrentar seus próprios problemas e coloca a família em risco sem pensar nas consequências dos seus atos.

Do lado de Terry, temos várias e várias páginas desperdiçadas na sua rotina como professor. Concordo que isso poderia ser uma maneira de conhecermos melhor o personagem, porém há cenas inúteis, como as interações desnecessárias com a tal professora de educação física que depois do programa de tevê fica vidrada na história da família e aparentemente interessada romanticamente em Terry. Foram cenas inúteis que terminaram sem um ponto final definitivo e pareceram estar lá meramente para preencher páginas, sem finalidade alguma para a trama principal.

Há alguns erros no livro que às vezes pareciam problemas do livro original e outras erros de tradução/revisão. Em alguns momentos, faltavam palavras ou havia erros de concordância e gênero. Nada que realmente atrapalhasse a leitura, mas ainda assim um pouco enervante.

O final também deixou a desejar. Não foi nada do que eu esperava, mas também não surpreendeu positivamente. Pelo contrário, tornou-se um dramalhão familiar exatamente como o dos programas de televisão sensacionalistas descritos no livro. Algumas explicações foram simplesmente preguiçosas, causando desinteresse na leitura, e o desfecho foi apressado e pouco trabalhado. Os acontecimentos se sobrepuseram aos tropeços e algumas revelações pareceram forçadas. Esperava muito mais de um thriller com uma proposta tão criativa como essa.

Esse livro foi gentilmente cedido para resenha pela Editora Record!

Ficha Técnica

Título: Sem tempo para despedidas
Autor: Linwood Barclay
Editora: Record
Páginas: 348
Onde comprar: Livraria Cultura
Avaliação: 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...


  • Caroline Centeno disse:

    O livro pelo que aparenta na resenha é algo interessante e instigante. Fica complicado ao ler o livro se deparar com as características que tú mencionou,é até mesmo um tanto que decepcionante.
    Baah! Já deixo ele de lado para thriller.

  • Karen disse:

    Pois é, pela resenha eu achei uma coisa, mas depois quando fui ler… o livro tomou outro rumo. Fiquei decepcionada. =/

  • Mariana disse:

    Ka, estava louca para ler esse livro, mas depois da resenha… Bom, vou deixar ele mais para frente.

    Acho que você sentiu com ele a mesma coisa que eu com O CULPADO, apesar de ter amado o livro, ele se tornou mais um drama que um thriller, e acho que isso que acaba prejudicando, pois criamos expectativas em torno de um gênero que não fica evidente.

    De toda forma, quando for ler SEM TEMPO PARA DESPEDIDAS, vou focar mais que trata-se de um drama, assim, talvez, minha decepção seja menor.

    Beijocas
    Mari

  • Karen disse:

    Vish, Mari, sinto decepcioná-la, mas o livro não é muito bom não… Fiquei bastante decepcionada com ele. Foi isso que tu falou mesmo, a gente espera um thriller, aparece um drama e aí nos decepcionamos. Talvez se tu ler pensando que é um drama… Mas para mim não funcionou de maneira alguma. =/
    Beijão

  • ana paula ramos disse:

    Oi

    eu ja desanimei quando, na sinopse, a personagem fala que vai em um programa sensacionalista…. não gosto qdo livros falam sobre esses programas e realit shows… já acho que o personagem vai ser superficial….
    Bem agora com a sua decepção aparente, principalmente com os personagens… minha vontade de ler desapareceu! Se pelo menos os personagens valerem a pena… agente até tenta ler o livro né……

    bjosss

  • Karen disse:

    É, te falar, Ana, que eu também não gostei disso na trama, desse programa, mas pensei que talvez fosse apenas um gancho para o que viria depois… Mas no final todo o livro é um drama de família e a resolução não foi o que eu esperava nem me surpreendeu positivamente. Uma pena.

  • Jullyane Prado disse:

    A sinopse dele é fascinante, mas parece que ele não é lá essas coisas todas, dava realmente pra fazer um senhor de um livro com aquela sinopse, eu por exemplo fiquei imaginando mil coisas!!

  • Karen disse:

    Pois é! Eu fiquei imaginando um monte de coisa e pluft, fui ver, não era nada disso. Triste. =/

  • Lucas Grima disse:

    Bom, ao ler tudo isso, parece um roteiro de filme de baixo orçamento. Como a colega disse acima, a história é boa e intrigante, mais do que adianta se o autor não a desenvolve bem? Eu senti isso quando li “Trocada”, da Amanda Hocking. Ainda não desisti da trilogia, vou ver se leio o segundo volume e tento me apegar. O livro tinha poucas páginas, mais tinham um peso de 1.000.

  • Michelle Agda disse:

    Oh well… que suspense é esse livro, não? Imagina você acordar um dia e ver que sua família desapareceu. Espero que não seja baseado em fatos reais (yn)

  • Ana disse:

    Particularmente, curto esse gênero mas após ler a sua resenha me desinteressei por ler esse livro.
    Não gosto quando o autor tinha tudo para ter um bom livro e não o faz.
    Sua resenha tem um errinho de português no fim do primeiro parágrafo.
    Beijos,
    Ana.
    http://umlivroenadamais.blogspot.com.br/

  • Manu Hitz disse:

    Puxa, Karen… que broxante! Assim como vc, fiquei empolgada com o lançamento e a sinopse prometia… Acabei adquirindo o livro numa troca no Skoob, por 2 suados créditos e muita procura e certa insistência… Como considero bastante sua opinião – vários livros que li foram indicados aqui no blog -, vou ler o livro e volto pra contar o que achei. É desestimulante isso. Acabei de sentir o mesmo com O Jantar, que julguei bem promissor e achei que faltou ‘liga’.
    Bj

PREENCHA OS CAMPOS ABAIXO PARA DEIXAR SEU COMENTÁRIO




Mensagem