Resenha: Sete dias em River Falls

Sabe aquele livro que você acha que vai ser de uma forma, mas é de outra completamente diferente? Foi assim com Sete dias em River Falls. Não de forma totalmente negativa, embora eu esperasse mais da leitura. Vou explicar melhor logo abaixo.

SETE_DIAS_EM_RIVER_FALLSSinopse: Algumas garotas escondem terríveis segredos…Sarah Kent é uma estudante brilhante e leva uma vida tranquila em meio à elite da universidade de River Falls, uma cidadezinha perto das Rochosas, no estado norte-americano de Washington. Mas tudo muda numa manhã de primavera: Amy Paich e Lucy Barton, as duas melhores amigas de Sarah em sua cidade natal, são encontradas no fundo de um lago, terrivelmente mutiladas. As duas não falavam mais com Sarah, mas tinham mandado um estranho convite para a amiga dois dias antes dessa tragédia.A vida de Sarah se transforma num pesadelo. Seria ela a próxima vítima do assassino? A garota parece esconder um terrível segredo, como se um laço misterioso ainda a ligasse a Amy e Lucy… Mistérios que o xerife Mike Logan tentará resolver, com a ajuda de Jessica Hurley, sua ex-namorada e famosa profiler do FBI. Eles pensam estar na pista certa, mas seu adversário é perverso e os manipula com facilidade…  Fonte

O livro me lembrou um filme de suspense desde o início. Aliás, uma mistura de suspense e policial. Temos o cenário, em que encontram um garoto morto logo no início, mas que culmina com o achado de dois corpos mutilados no lago. Temos a apresentação dos personagens principais e de destaque e temos então o desenrolar da trama com pontos de vista diversos.

Após descobrir os corpos, pertencentes a duas jovens, Amy Paich e Lucy Barton, o xerife Mike Logan decide chamar os especialistas já conhecidos de Seattle para ajudá-lo nas investigações, incluindo a psicóloga forense Jessica Hurley, com quem teve um relacionamento no passado. A notícia se espalha rapidamente pela pequena River Falls, até a universidade em que as jovens estudavam e até Sarah Kent, ex-amiga das duas, que teme que seu passado obscuro de quando convivia com as vítimas venha lhe assombrar em forma de vingança.

A narrativa é em terceira pessoa e dividida em sete partes, cada uma contando um dia daquela semana vivido pelos personagens. Como eu disse anteriormente, o livro mostra vários pontos de vista, desde os personagens principais, até personagens secundários e talvez não tão significativos e ainda o ponto de vista do assassino. Eu confesso que foi essa característica que fez com que o livro parecesse um filme, bem aqueles filmes de mistério, mas um filme tipo B, por seu final “simplista”.

Em determinado ponto, somos envolvidos não apenas com a trama principal, mas com tramas paralelas, retratando dentre outras coisas sobre ética a respeito da pena de morte nos EUA, corrupção dentro da polícia, suborno (ou favores sexuais) em troca de informação para imprensa marrom distorcer a história da forma que lhe convier. O livro meio que traça uma teia e vai relacionando os personagens entre si.

No entanto, eu achei os personagens um pouco rasos, mas talvez essa impressão seja apenas porque é o primeiro livro de uma trilogia e espero que eles sejam mais trabalhados nos próximos. Mike Logan é um homem durão, mas com uma carga emocional ou dramática muito grande, tendo em vista seu passado como investigador em Seattle e os motivos – não descritos exatamente – para largar tudo e ter uma vida mais “pacata” em uma cidade pequena.

Jessica Hurley, por outro lado, rouba a cena no livro. Ela é dinâmica, inteligente, sem papas na língua e eu achei que ela soube como direcionar a investigação de forma mais eficaz e objetiva do que o próprio Logan. Sério, ela tinha um faro para pistas, enquanto que que Logan só seguia pistas falsas e tiros no escuro.

Isso de seguir pistas falsas e tiros no escuro me cansa um pouco em um livro policial. Eu acho que fui muito mal acostumada com Sherlock Holmes por querer que as investigações sejam mega minuciosas e que levem a um suspeito óbvio, mas os erros cometidos nessa investigação foram tantos que pareceram até caricatos.

Já a personagem principal da história, Sarah, foi mais coadjuvante do que principal. Aliás, com tantos pontos de vista, fica difícil saber se a principal é Sarah, ou se esse papel é dividido entre Sarah, Logan e Hurley. Mas Sarah tem importância na trama, já que está diretamente envolvida e seus pontos de vista são coerentes. Vemos aqui uma jovem que se arrepende de seu passado promíscuo e agora que suas ex-amigas foram mortas, não quer se expor, nem para dizer para a polícia que talvez ela fosse uma vítima em potencial. Vemos também sua vida no geral na universidade, discussões, namoro… Enfim, uma jovem que tenta levar uma vida normal, mas ainda é assombrada por seu passado.

Eu gostei do livro, não é uma leitura tão contagiante como eu achei que seria, mas a história é bem contada, com começo, meio e fim. O final, aliás, me lembrou MUITO aqueles filmes de terror em que um grupo vai acampar nas montanhas e coisas estranhas acontecem. Eu sei que estou me repetindo, mas não consigo tirar da cabeça que o livro lembra um filme policial ou thriller de suspense. No entanto, o desfecho foi muito rápido. Quando você sabe que a investigação já deu tudo o que tinha que dar e está na hora do confronto entre o mocinho e o vilão, você espera alguma ação mais bem elaborada… Mas não foi bem isso o que aconteceu, por isso achei o final simplista.

Esse livro faz parte de uma série intitulada River Falls. Então podemos esperar uma nova trama para o próximo livro, com a investigação do xerife Logan. Eu recomendo a leitura se você gosta de policiais/thrillers e gosta de um pouco de tensão na hora da leitura.

Esse livro foi gentilmente cedido pela editora Vestígio para resenha.

 

vestigio

 

 

Ficha técnica:

Nome: Sete dias em River Falls
Autor: Alexis Aubenque
Páginas: 352
Editora: Vertigo
Onde Comprar: Livraria Cultura / Livraria Cultura (e-book) / Amazon
Minha avaliação: 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...


  • Dâmaris Carvalho Lima disse:

    Interessante o livro relatar cada dia um ponto de vista da personagem, talvez o autor do livro não tenha desenvolvido muito os personagens devido ao número! Mas fiquei curiosa em ler o livro!!

  • Lucy disse:

    Oi, Dâmaris! Pode ser isso mesmo, ele criou tantos personagens que talvez foi por isso que não quis se concentrar apenas em um.
    bjos!

  • Ycaro Santana disse:

    Não tinha visto falarem deste livro ainda, mas achei bem legal o assunto que envolve segredos e suspense! E também como disse a Dâmaris, “O relato de potos de vistas em dias diferentes”. Achei bem legal a proposta e bem instigante.

  • Lucy disse:

    Oi, Ycaro! O livro é interessante e realmente chega um momento que dá medo rs.
    Bjos!

  • Shadai disse:

    A sinopse é bastante interessante, mas pena que o livro no seu total não lhe empolgou como deveria.
    Só estranhei dar 4 estrelas, achei um pouco de exagero já que a resenha tá mais negativa do que positiva.

  • Lucy disse:

    Oi, Shadai! Pois é, mas eu mantive as quatro estrelas porque levei em consideração a boa escrita do autor. Ele foi coerente com os acontecimentos, gostei da divisão da história em sete partes correspondendo a cada dia da semana e a Hurley é uma boa personagem. Mas foi mal, eu devia ter explicado isso na resenha também. rsrs
    Bjos!

  • Rita Cruz disse:

    Adoro romance policial, mas ler a resenha deste me fez torcer o nariz. Principalmente pelo fato de ser narrado por pontos de vista diferentes. Nada contra um livro ser narrado em terceira pessoa e acomapanhar os passos de vários personagens, mas em primeira pessoa?
    Sei lá, talvez seja por puro preconceito mesmo.
    A premissa é bem interessante, e tals e me fez ficar com aquela interrogação e cima da cabeça. Será que o livro é bom? Qual será o desfecho?
    Mas ainda assim, não sei se o leria.

  • Lucy disse:

    Oi, Rita! No caso, essa história é em terceira pessoa sim! Essa característica fez com que parecesse um filme de suspense. rsrs Eu devo ter dado a entender isso na resenha, mas já corrigi o texto. Foi mal. 😉
    Quem sabe assim você não dá chance ao livro?
    Bjos!

  • Resenha: Um Outono em River Falls « Por Essas Páginas disse:

    […] livro é sequência de Sete Dias em River Falls, mas a resenha não contém spoilers do livro anterior. Leiam sem […]

PREENCHA OS CAMPOS ABAIXO PARA DEIXAR SEU COMENTÁRIO




Mensagem