Resenha: Terrível Encanto, Melissa Marr

Então, esse livro eu comprei achando que seria uma história totalmente diferente do que realmente foi. Acho que porque eu queria alguma coisa mais clichê, não sei… Uma pena, esse livro não me cativou tanto.  Foi o último livro que li ano passado (acho que na verdade eu terminei de lê-lo esse ano) e não curti como achei que curtiria.

Sinopse: A série Wicked Lovely conta a história de um mundo onde as vidas de fadas e humanos se misturam.  Aislinn é uma adolescente que pode ver fadas ao seu redor, mas que foi ensinada durante toda sua vida a fingir que não as vê. Ela está lutando para lidar com as fadas quando Keenan, fada Rei do Verão, entra em sua vida e tira sua mortalidade, pedindo-lhe para se tornar a Rainha do Verão e derrotar sua mãe, a Rainha do Inverno. Se ela recusar, O inverno irá tomar conta do mundo e matará todas as fadas e mortais.

Na verdade, a contra-capa do livro mostra uma sinopse mais “sedutora”, digamos assim. Eu peguei o livro achando que seria o básico: O rei do Verão tem que encontrar a escolhida para ser sua rainha, conhece a mocinha, os dois se apaixonam e etc, final feliz (ou não, porque tem outros livros da série), etc.

Pois é, não foi assim. Mas não foi por isso que eu não curti tanto.

Aislinn é uma jovem que sempre viveu obedecendo as ordens de sua avó quanto ao seu dom da visão: 1) Não encare os seres encantados invisíveis; 2) não fale com os seeres encantados invisíveis e 3) nunca desperte a atenção deles.

Tudo corria razoavelmente bem – porque Aislinn vivia amedrontada com os seres encantados e a possibilidade de eles descobrirem seu dom da visão – até que um desses seres começou a segui-la e tentar chamar sua atenção, falar com ela. Ele era Keenan, o Reio do Verão, que estava em busca de sua rainha para ajudá-lo a derrotar Beira, a Rainha do Inverno e sua própria mãe. Sem uma Rainha, Keenan não tinha plenos poderes para lutar contra Beira,  consequentemente fazendo com que o Inverno avançasse sobre a Terra indefinidamente. Para impedir Keenan, Beira tem a “ajuda” de Donia, a Garota do Inverno.

O que acontece aqui: Há séculos, Keenan corteja uma garota mortal  para que ela faça um teste para comprovar se é a escolhida para ser a Rainha do Verão. Se ela não for, ela se torna a Garota do Inverno e carrega o frio consigo literalmente. Para aquelas que no final acham legal a imortalidade mas não querem fazer o teste, elas se tornam as Garotas do Verão (pelo que entendi, meio que se tornam concubinas do Keenan, mas detalhe). Apenas uma fugiu dos dois destinos e só digo que não foi muito legal para ela. Parte do acordo entre os reinos diz que a Garota do Inverno deve tentar convencer a jovem escolhida da vez a não se arriscar a fazer o teste, garantindo assim o reinado da rainha do Inverno.

Voltando à Aislinn, Keenan tem certeza de que dessa vez ele finalmente encontrou sua rainha. Só que ela já cresceu sabendo que não se deve confiar nos seres encantados, então dá vários foras nele, mesmo sendo tentada, já que como rei do Verão, Keenan é um jovem muito atraente. Além disso, Aislinn gosta do seu melhor amigo, Seth, e não está disposta a abrir mão dele – nem ele dela.

Aliás, o Seth é um fofo, confesso. Pena que caras como ele não existam de fato, porque ele é muito bom para ser verdade. E quando digo bom, não quero dizer pela aparência, quero dizer que ele é uma pessoa boa, que tem uma verdadeira consideração pela Aislinn e… Enfim, não quero falar spoiler, mas ele teve uma atitude no livro que eu acho que nenhum jovem tem/teria com sua namorada. Fora que ele é muito paciente com as crises de pânico da Ash, como ele gosta de chamá-la.

Enfim, cabe a Ash decidir se vai ou não aceitar fazer o teste para se tornar a rainha do Verão e assim lutar contra Beira ao lado de Keenan.

Bem… Eu realmente esperava mais do livro. Os personagens não me cativaram e acabou que a história se tornou um pouco enfadonha e repetitiva: Keenan tentando convencer Aislinn a ser sua rainha, enquanto ela fugia e se escondia no trailer de Seth e Donia sofrendo pelo fato de ser a Garota do Inverno  e por não poder ter Keenan e volta para Keenan querendo logo convencer Ash a ser sua rainha para dar uma surra na sua mãe. Temos aí um “quase” quadrado amoroso, embora Aislinn tenha deixado claro que só tem olhos para Seth e vice-versa e Keenan ter aceitado bem o fato de sua rainha ter um “amante mortal”, já que ele gostava mesmo era de Donia.

Esse sofrimento todo me cansou um pouco, achei exagerado. O lance do romance fez o ritmo da leitura desacelerar, ficou um pouco forçado, eu acho. Fiquei feliz quando chegaram a um acordo sobre isso e partiram para a parte prática – que não posso dar detalhes, senão rola spoiler (argh!)

Capa de Tinta PerigosaMas eu gostei do final, embora seja uma série e esse primeiro livro obviamente não tenha todas as respostas para as questões lançadas, como alguns reinos citados, os conflitos entre todas as cortes (não é só a de Inverno e a de Verão), teve um bom fechamento. A autora soube usar o folclore e adaptou bem nessa história sem viajar muito (se bem que ainda me pergunto como o Keenan tornou a Ash imortal). A introdução de cada capítulo  tem um trecho de uma obra sobre seres encantados, boa parte da Irlanda, o que aumenta a curiosidade sobre que tipo de poder vamos ver mais para frente.

Aliás, gostei muito do cuidado que a Rocco teve com o livro, acho que foi isso que me chamou a atenção na hora de comprá-lo também. Desde a capa, até a diagramação, ficou muito bom.

O segundo livro da série Wicked Lovely será lançado nesse mês de abril e o título é Tinta Perigosa. São cinco livros no total (até agora, não sei se virão outros rs), o último foi lançado ano passado nos Estados Unidos.

Bem, estou indecisa sobre acompanhar a série… Provavelmente eu continuo, quero dar uma segunda chance e, afinal, sempre gostei de seres encantados. Espero que esse segundo livro também não me decepcione.

E sim, recomendo a leitura, porque cada um tem seu modo de ver a história. Para mim pode não ter sido tão bom, mas outras pessoas podem se identificar melhor com a história e assim ter uma opinião totalmente oposta à minha. 😉

As capas dos próximos volumes ainda em inglês e sem previsão para lançamento aqui no Brasil:

         

Ficha técnica:

Nome: Terrível Encanto
Nome original: Wicked Lovely
Autor: Melissa Marr
Editora: Rocco jovens leitores
Páginas: 357
Onde comprar: Livraria Cultura
Minha avaliação:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...


  • Mirian disse:

    Realmente a sinopse do Terrível Encanto é bem atrativa, mas depois de sua resenha dá para ficar na dúvida se vale a pena comprar o livro, embora a história tenha me interessado muito. Acho que vale a pena procurar na biblioteca. O ruim dessas séries a que a gente lê o primeiro e depois fica pensando se o próximo vai ser melhor ou pior… aí bate a curiosidade… dilema total! Gostei da resenha! Parabéns!

  • Poly disse:

    Achei a temática diferente. Esses dias eu estava pensando que não há tanta divulgação em livros envolvendo fadas. Vampiros e Anjos que conquistaram as pessoas pra valer.
    Gostei da sua resenha ^_^
    Bjuxxxxx

  • Lucy disse:

    Mirian: Então, a história é interessante, mas parece que perde o foco. A gente nunca sabe se o problema é o romance ou se é o conflito entre os reinos. Mas acho que vale sim uma procurada. =D

    Poly: Sim, a temática chama mesmo a atenção. Esse tema de fadas e seres encantados é relativamente novo (ou então está sendo reciclado muito recentemente). Acho que tem boas chances de conquistar um público maior como aconteceu com os vampiros e anjos (e também os lobisomens rs).

    Tks, meninas! Bjos!

  • Juh Oliveto disse:

    AAAH, eu adoro esse livro! *-*
    Comprei todos em inglês, apesar de ainda não ter tido tempo pra ler. Uma pena que você não tenha gostado taaaanto.
    E concordo totalmente: as capas são lindas, dá vontade de ter na estante! XD

    Beijocas!
    Juh Oliveto
    Livros & Bolinhos ~

  • Lucy disse:

    Juh, pelas capas acho que eu teria vários livros não lidos. rsrs
    Então, não me cativou tanto, quero ver se o segundo que vai sair agora muda um pouco meu conceito, espero que sim! 😀
    Bjos bjos!

  • Melissa disse:

    Huuuuuuuuuuuum. Não faz meu tipo, apesar de a mitologia ser diferente e talz. Por que tudo no mundo tem que girar em torno de romance, hein?

  • Lucy disse:

    Então, não sei ainda se faz o meu estilo. Se todos os livros sobre faladas ou “seres encantados” forem parecidos assim, acho q volto a ler sobre vampiros. rsrs
    Ah, tem todo o apelo, né? Romance é o que há. rs Eu achei que o drama foi exagerado, mas já li gente falando que tinha ação e tudo o mais, mas pra mim aconteceu muito rápido, eqto mta coisa do lado romântico foi se arrastando. rsrs
    Enfim.
    Bjos bjos

  • Vania disse:

    Achei as capas LINDAS, mas confesso que a história não me atraiu – ainda mais depois da resenha. Eu sou suspeita pra falar porque adoro histórias de fadas, mas tem que ser algo bem escrito e consistente… a série Encantados do Ferro parece prender bem a mitologia, mas foi justamente o romance que meio que fez a vontade de continuar lendo morrer pra mim. Às vezes triângulos (ou quadrados) amorosos cansam… por isso que eu SEMPRE recomendo Spellhunter (ou Knife no Reino Unido) da R.J. Anderson. Eu só li ele e Wayfarer (segundo volume da trilogia) mas me apaixonei completamente, porque eles têm um pouquinho de romance, mas esse não é o foco.

  • 22ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo « Por Essas Páginas disse:

    […] caros. Mesmo assim, eu não resisti e comprei Tinta Perigosa. Li e resenhei o primeiro livro, Terrível Encanto e não tive tão boa impressão, mas estou gostando bastante desse segundo. Já o da Novo Conceito […]

  • Top Ten Tuesday: 10 autores favoritos que li pela primeira vez em 2012 « Por Essas Páginas disse:

    […] Mellissa Marr: O primeiro livro que li de Melissa Marr, da saga Wicked Lovely, na verdade foi o último do ano passado e não […]

  • Resenha: Tinta Perigosa « Por Essas Páginas disse:

    […] Olha só! Eu disse na resenha de Terrível Encanto que talvez não seguisse a série. Mas encontrei esse livro na Bienal (não necessariamente numa […]

PREENCHA OS CAMPOS ABAIXO PARA DEIXAR SEU COMENTÁRIO




Mensagem