Resenha: Uma curva no tempo

Uma curva no tempoA noite do acidente mudou tudo… Agora, cinco anos depois, a vida de Rachel está desmoronando. Ela mora sozinha em Londres, num apartamento minúsculo, tem um emprego sem nenhuma perspectiva e vive culpada pela morte de seu melhor amigo. Ela daria tudo para voltar no tempo. Mas a vida não funciona assim… Ou funciona?

A noite do acidente foi uma grande sorte… Agora, cinco anos depois, a vida de Rachel é perfeita. Ela tem um noivo maravilhoso, pai e amigos adoráveis e a carreira com que sempre sonhou. Mas por que será que ela não consegue afastar as lembranças de uma vida muito diferente?


Quando eu li a sinopse e reparei na capa de Uma Curva no Tempo, eu cheguei logo a conclusão de que esse livro faz parte do grupo daqueles que eu amo ler. O enredo tinha um potencial incrível e, quando fui ler resenhas dele no Goodreads, a maioria delas era bastante positiva. Depois de ter terminado o livro, fui no Skoob e lá a maior parte das resenhas eram positivas também. Me sinto completamente a “ovelha negra” fazendo essa resenha, mas Uma Curva no Tempo me decepcionou bastante.

Antes de irem para a faculdade, Rachel Wiltshire e seus amigos fizeram um jantar de despedida. Todos eles estavam comemorando essa nova etapa até quando um carro desgovernado foi em direção ao local onde eles estavam sentados. Todos conseguem se afastar – menos Rachel, que demora e fica presa sem conseguir sair. Jimmy, seu melhor amigo, volta e consegue salvá-la – mas ele acaba sofrendo o impacto completo da batida e, infelizmente, não consegue sobreviver. Cinco anos mais tarde, Rachel ainda convive com o sentimento de culpa e uma enorme cicatriz no seu rosto que sempre a relembra sobre o acidente. Porém ela vai ter que ser forte já que terá que voltar para a sua cidade para prestigiar o casamento de Sarah, a sua melhor amiga. Durante a sua visita, ela vai ao cemitério onde o seu melhor amigo está enterrado – e devido a sua dor de cabeça recorrente, acaba desmaiando. Quando ela acorda no hospital, ela se depara com uma realidade completamente diferente: seu pai não está mais com câncer, Matt (seu antigo ex-namorado) é o seu noivo, e o mais impactante de tudo: Jimmy está vivo…

Eu gostei bastante da primeira parte do livro, ou seja, onde Rachel conta sobre o acidente e sobre como ela teve que conviver com a culpa que sentia. Eu consegui perceber bastante o sentimento dos personagens descritos, tanto a amizade entre eles (no caso de Jimmy, o leitor consegue perceber desde o início que tem algo mais ali) quanto a dor de Rachel por causa da perda que ela sofreu. O início foi muito bem elaborado e conseguiu me prender durante a leitura. Porém quando a Rachel acorda na sua “nova realidade”, o livro perdeu bastante o seu encanto para mim.

Eu entendo completamente o desespero de Rachel no início. Imagine só você acordar e te contarem que tudo o que você pensa que aconteceu não é verdade? É um choque enorme e os médicos dão o diagnóstico clássico: é um caso de amnésia. Obviamente que ela reluta e diz que não, e que provar que está certa. O problema é que ela passa uma grande parte do livro tentando provar isso. E então eu me pergunto: será que não seria mais fácil ela simplesmente aceitar o diagnóstico e, discretamente, tentar conseguir provas para o contrário? Ficar batendo pé somente fez com que todo mundo tivesse pena dela. Isso em uma narrativa fica muito cansativo, e confesso que me fez achar a protagonista um pouco chata. Eu só queria que ela virasse o disco e focasse no que era importante, principalmente porque a realidade que ela se encontrava era muito melhor do que a que ela queria voltar. Jimmy estava ali, em carne e osso, na frente dela. E toda aquela culpa que ela sentia? Por que ela não poderia aproveitar aqueles momentos? E a felicidade de ter um pai que não estava doente?

Com tantas páginas destinadas a esse drama, a autora acaba não desenvolvendo adequadamente um dos temas principais do livro que era exatamente o romance. Rachel chega à algumas conclusões quase que bruscamente, as cenas são rápidas demais e fica difícil de acompanhar os sentimentos que cada uma delas deveria passar. E é nesse ritmo acelerado que o livro chega ao final, com a explicação do que realmente havia acontecido com a protagonista, ou seja, qual realidade era a verdadeira. Não posso dizer spoilers aqui, mas no último capítulo, a autora demonstrou um diferencial na sua escrita. Mas do que adianta se ficou faltando todo um desenvolvimento do enredo no meio do livro? Confesso que eu só dei três estrelas porque ela conseguiu me surpreendeu no final, mas Uma Curva no Tempo poderia ter sido um livro sensacional se a autora tivesse simplesmente feito um planejamento melhor.

Enfim, várias pessoas amaram Uma Curva no Tempo e até mesmo consideraram uma das melhores leituras de 2015. Eu posso ter sido o ponto fora da curva nesse caso, mas eu tenho que demonstrar as minhas opiniões durante a resenha. Talvez o que tenha atrapalhado é que eu já li alguns livros com tema parecidos – e por isso esperava muito mais dele.

Esse livro foi gentilmente cedido para resenha pela Editora Arqueiro.

Ficha Técnica:

Título: Uma curva no tempo
Autor: Dani Atkins
Editora: Arqueiro
Páginas: 240
Onde comprar: Livraria Cultura / Livraria Cultura (e-book)/ AmazonSaraiva / Submarino
Avaliação: 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  


  • Milena Soares disse:

    Estou doida pra ler esse livro, amei a capa e gostei muito da sinopse, agora depois de ver essa resenha, mesmo que não tão positiva assim, fiquei ainda mais curiosa em conferi essa história que parece ser ótima.

  • Gustavo disse:

    Esse livro é um dos meus desejos mais intensos no momento, adorei a capa, a sinopse, e realmente muita gente fala bem do livro. Eu entendo você quando diz que se sentiu a ovelha negra, é realmente muito estranho quando todo mundo fala super bem de um livro que você não gostou (ou ate mesmo odiou), e você fica la “Meu deus, odiei esse livro que todos amam, qual é meu problema?” kkk. Estou me desviando do assunto kkk
    Entendo porque você não gostou tanto assim do livro, os pontos que comentou foram realmente um pouco ruins, mas pode ser que seja uma opinião única. Dependendo do modo como a autora se relacionar com esses problemas que ela criou eu até gosto as vezes kkk mas agora vou com mais cautela na leitura dele

  • Juliana Ferreira disse:

    Parece ser um livro maravilhoso, quero muito lê-lo, mas confesso que estou esperando uma daquelas promoções maravilhosas do Submarino. Ou talvez eu seja suspeita por ter me atraído tanto por esse livro, por que tenho um franco por capas decoradas e bonitas. Espero ter-lo em breve e começar a leitura, com certeza vai entrar na frente de muitos na minha estante.

  • Maristela G Rezende disse:

    Pela capa parece ser um romance bem meloso. No entanto, ao ler sua resenha, deparei-me com algo bem melhor. Sabe aquele livro que a gente pega para dar um espaço em leituras mais pesadas, pois é, esse livro dá essa impressão. Quero ler muito o livro.

  • Lana Silva disse:

    Quando li esse livro, nunca tinha lido nada parecido antes nesse estilo, e por isso encaminhei a leitura normalmente, e o final me pegou muito de surpresa por não esperava esse desfecho arrebatador. Essa foi com certeza uma leitura e tanto, uma pena que não tenho o livro em físico pois li em PDF. Super recomendo esse livro para todos, foi uma ótima leitura.

  • Rônida Lorenzoni disse:

    Achei a capa linda e gostaria de ler o livro, fiquei curiosa em saber qual é a verdade de Rachel.

  • Gizeli Regina Meister disse:

    Ao ler a sinopse gostei da ideia de voltar no tempo e aparentemente ter tudo consertado e tal, afinal quem não gostaria de ter uma segunda chance na vida ne?Eu quero ler muito o livro, pq já tinha me encantando, mas sei que muita gente não amou essa protagonista, a Rachel, reclama demais ao invés de aproveitar a vida que o amigo deu para salvar a dela… aiai…
    Bom, ainda quero muito ler, melhor eu ter a minha opinião ne?!

  • Daniela Silva disse:

    Oláa! Eu gosto muito da temática desse livro, e ele está nos meus desejados há bastante tempo. Gostei de conferir sua opinião e você criou um bom ponto aí, realmente algo a questionar, sobre a persistência da personagem. Acho que essa foi a primeira resenha que não é 100% positiva que leio do livro, o que abalou um pouco minha vontade de lê-lo, porém esse tal final me deixou animada. Acontece muito de o desfecho ser tão brilhante e “salvar” o livro, fico curiosa para saber qual será o deste. Excelente resenha!

  • Adriana C. Sousa disse:

    Interessante demais. Todo mundo gostaria de ter essa segunda chance para consertar alguns erros na vida. Mas acho que o mais difícil nessa história seria conviver com uma certa culpa, de ter a vida salva por um amigo que perdeu a sua para te salvar.

  • Kemmy Oliveira disse:

    QUI-RO-DI-NHA toca aqui!
    Também não achei Uma curva no tempo lá essas coisas. De fato a narrativa estava boa até a parte em que tudo “vira do avesso”, depois fica tudo repetitivo e SIM a protagonista é chatinha.
    Acho que o que salvou a história, pra mim, foi o final. Achei muito emocionante como a autora descreveu. Não foi algo inédito pra mim, pois já li um livro com a mesma premissa e mesmo final, mas a forma como a autora descreveu realmente foi boa.

    Beijos!

  • ELIZABETH DE SALLES NEWBOLD disse:

    Fiquei um pouco triste depois de ler sua resenha. Esperava que a trama fosse tudo de bom. Mas mesmo assim vou dar uma chance a história. Espero conseguir me envolver o suficiente e me encantar com a personagem também.
    Beijos.

PREENCHA OS CAMPOS ABAIXO PARA DEIXAR SEU COMENTÁRIO




Mensagem