Sexta do Sebo #216

sexta_do_sebo
Aleluia! A Sexta do Sebo chegou, e foi no sábado, mas ainda tá valendo, né?

Eu gosto de livros longos; se o ritmo da escrita for bom, não tem porque ter medo. Ruim é ler livro longo com escrita arrastada, aí não dá.

Leiam as regras com atenção!

A Sexta do Sebo é inspirada no PsychoSunday do blog Psychobooks, que por sua vez se inspiraram no Second Hand Saturday do Reading Teen.

Toda semana faremos uma pergunta sobre literatura em geral. Não há resposta correta, o que queremos são os comentários e opiniões do vocês. Entre os comentaristas do post realizaremos um sorteio na semana seguinte (próxima sexta) e o vencedor poderá escolher um livro entre os que estão na lista divulgada no tópico. Serão válidos os comentários desde o dia do post (sexta-feira) até a quinta-feira da semana seguinte. Vale a pena lembrar que todos os livros dessa lista são usados, ou seja, eles podem ter algum defeito na capa, folhas amareladas, dedicatórias, livros encapados ou qualquer outra coisa do gênero, mas todos estão em bom estado para leitura. São livros da nossa equipe que, originalmente, estavam destinados aos sebos (por isso Sexta do Sebo!), porém, ao invés disso, resolvemos sortear aqui no blog. O prazo de entrega dos livros é o que normalmente utilizamos no blog, ou seja, 30 dias após o recebimento do endereço do vencedor. IMPORTANTE (NOVA REGRA): Caso o vencedor não atenda às três tentativas de entrega dos correios e não vá buscar o livro na agência, como informado pelos correios, será cobrado frete do livro para o novo envio do mesmo. O vencedor será sempre divulgado nas sextas-feiras, no post da próxima edição da Sexta do Sebo e nesse post será feita uma nova pergunta que valerá para a semana seguinte. Nesse sorteio nós não avisaremos o vencedor como geralmente fazemos; quem comentou deverá acompanhar os novos posts todas as sextas-feiras e, caso seja o vencedor da semana, deverá enviar um e-mail para o contato@poressaspaginas.com com seu endereço em até 48 horas. O sorteio será realizado via Random.

O vencedor da Sexta do Sebo #215 foi…

sextadosebo215_resultado1

Parabéns, AdrianaPor favor, enviem-nos uma mensagem para os endereços de e-mail contato@poressaspaginas.com ou poressaspaginas@gmail.com com o endereço de vocês e o livro que escolheram em até 48 horas. Caso contrário será realizado um novo sorteio.

A pergunta da semana é:

#216 – A série “13 Porquês” – adaptada do livro (resenha aqui) – está gerando uma polêmica: devemos falar sobre suicídio ou mantê-lo como um tabu? É prejudicial abordar o assunto ou uma maneira segura de preveni-lo? O que vocês acham?

Escolha entre os livros da lista abaixo:

Fifty Shades of Freedom – E. L. James (em inglês)
Artemis Fowl – The Opal Deception (Folhas um pouco amareladas – em inglês)
Tears of the Moon – Nora Roberts (capa branca um pouco suja – em inglês)
Heart of the Sea – Nora Roberts (Folhas meio amareladas – em inglês)
Jewels of the sun – Nora Roberts (Folhas meio amareladas – em inglês)
Gossip Girl – Cecily von Ziegesar (folhas MUITO amarelas – em inglês)
Face the fire – Nora Roberts (amarelado – em inglês)
Heaven and Earth – Nora Roberts (amarelado e a capa está um pouco suja – em inglês)
Savor the moment – Nora Roberts (em inglês)
Mulheres que escolhem demaisLori Gottlieb (com a capa um pouco danificada e folhas amareladas pelo tempo)
Aventuras em Monte Carlo – Emili Rose (pocket, papel jornal)
Ruína e AscensãoLeigh Bardugo (prova em A4)
A Lente de Marbury – Andrew Smith (prova em A4)
Pride and Prejudice – Jane Austen (em inglês, papel jornal)
Sete dias em River Falls – Alexis Aubenque
Para Sempre – Alyson Noël (em bom estado, com a capa um pouco danificada)
Sua Grande Chance – Joahanna Edwards (encapado)
Katie Somente – Erin Bow (encapado)
O Cão dos Baskerville – Sir Arthur Conan Doyle (pocket)
O Livro da Traição – P. J. Pereira (uma página com erro de diagramação e danificada)
Eu compro sim, a culpa é dos hormônios – Pedro de Camargo
A Abadia de Northanger – Jane Austen (pocket)
A Última expedição – Olívia Maia
Uma manhã gloriosa – Diana Peterfreund (encapado)
Questões do Coração – Emily Giffin (edição econômica)
Uma questão de confiança – Louise Millar (com páginas amareladas)
SOLO – Um romance de James Bond – William Boyd
Vango – Entre o Céu e a Terra – Timothée de Fombelle (com páginas amareladas)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  


  • Larissa Cordeiro disse:

    Na minha opinião o suicídio é sim um assunto que deve se cada vez mais abordado, pois tem sido cada vez mais frequente. Muitas vezes nos perguntamos o que leva uma pessoa a tirar sua própria vida e eu vejo que os livros hoje trazem esse tópico e apresentam panoramas diferentes para tal ação. Pode até ser uma história, mas ainda sim, uma história que em algum ponto tem algum fundo de verdade…

  • Milena Soares disse:

    Com toda certeza devemos falar sobre suicídio sim, hoje em dia o número de pessoas com depressão vem aumentando muito e uma das consequências dessa doença, infelizmente, acaba sendo o suicídio.

  • Sabrina disse:

    Não acho que haja qualquer assunto do qual não se seca falar, e suicídio não é uma excessão; para mim essas polêmicas não fazem grande sentido: adolescentes e suicidam, afinal. É um tema como qualquer outro, e um reflexo duma realidade. Evitar é fingir que o problema não existe; é prejudicial, e demoniza tanto o tópico em si como as pessoas envolvidas, cria mais desconhecimento do que qualquer outra coisa. Deve ser discutido, livros devem ser feitos, e tem que deixar de ser considerado esse bicho-papão.

  • Ana I. J. Mercury disse:

    Eu acho ótimo falarmos sobre bullying/suicídio, porque assim quem está passando por isso conseguirá abrir-se mais e buscar ajuda necessária. Não acho prejudicial, acho que ajuda bastante as pessoas, não só os jovens como também os adultos que passam por isso. E pode ser uma forma de tocar e dar um toque profundo de realidade em quem faz bullying, em quem tem sido um porquê.

    bjss

  • Thiciany Lopes disse:

    Eu acho ótimo falar sobre esses tipos de assunto, pois além de esclarecer vários pontos sobre essas situações, isso sempre traz um foco para as prevenções, a necessidade de pedir ajuda e organizações focadas nesses temas.

  • Drielle Giovana disse:

    É essencial falar sobre suicídio, porém sem romantizar ou glamurizar (é assim que se escreve?). Tem que se falar sobre as ações de cada um que pode levar alguém ao suicídio e também sobre prevenção e deixar claro que todas assistência que alguém que está a ponto de cometer precisar, há meios para se contornar isso!

  • Francisca Elizabete disse:

    Devemos falar muito sobre esse tema, é tão triste saber que alguém tirou a própria vida!! Quando a pessoa chega nesse ponto é por que ela acha que já não tem solução para o que ela está vivendo!! Sempre haverá uma saída, mas a pessoa já não consegue mais acreditar nisso!!

  • Tainara disse:

    Eu acho que o assunto deva sim ser discutido, mas tem que ter muito cuidado com a abordagem. Não assisti à série, mas pelos comentários parece que desenvolveram o tema de forma muito precária, meio como pano de fundo pra uma série teen qualquer, daí enquanto adolescentes saudáveis idolatravam o elenco, reagiam à série com fazem com qualquer outra coisa voltada pra esse público, quem sofre de depressão acabou sendo afetado negativamente pela forma mal feita como desenvolveram a história (vi muitos relatos da série servindo como gatilho para o problema). Enfim, não vi, então só posso supor, mas de qualquer forma recomendo My Mad Fat Diary como uma opção mais sensível pro tema, e que não chega ao extremo de 13 Reasons, mas mostra que por mais que a pessoa chegue ao limite (como aconteceu com a protagonista de MMFD), dá pra superar e aprender a conviver com esses demônios (nada de final feliz utópico, é uma série bem realista). Tem livro também.

  • Carol Ordonha disse:

    O assunto deve ser sim discutido, mas claro, sempre com muito cuidado ao abordá-lo para evitar que seja passado como um incentivo ao ato ao invés de um alerta à sociedade. Manter o tema como um tabu só vai fazer com que mais pessoas continuem achando que depressão, ansiedade, suicídio não passem apenas de “frescura” ou “chamar a atenção”

  • rudynalva disse:

    Parabéns Adriana!

    Claro que devemos sim falar sobre o assunto para que deixe de ser tabu e para que todos possamos perceber o pedido de socorro que as pessoas enviam durante seus conflitos anteriores ao ato de suicídio, para que possamos ajudar durante a depressão e acabarmos com o estigma de que ‘não é nada demais’, ‘isso é frescura’, ‘se quiser a pessoa sai por si só desse quadro’, ‘quer chamar a atenção’ e por aí vai. A depressão é uma doença séria e deve ser tratada com especialistas para que não chegue ao ponto do suicídio.
    Boa Páscoa!
    cheirinhos
    Rudy

  • Raiza disse:

    Acho que todos os assuntos devem ser abordados, desde que exista uma abordagem responsavel.

  • Mariana Ogawa disse:

    e adianta não falar? o problema vai continuar existindo, vai continuar ocorrendo os suícidos
    apenas vai ficar mais dificil para as pessoa identificarem fatores de risco
    pq na cabeça de muita gente é algo de uma hora para outra…
    mas não vamos nem maquiar, nem estereotipar (acho que é o q mais ocorre com histórias de problemas psicologicos) nem romantizar…

  • Denise Santana disse:

    È importante sim falar sobre esse assunto, lembro de uma época em que algumas empresas sul-coreanas fizeram simulados de funerais com seus empregados para desestimular o suicídio no país e fazer com que valorizem suas vidas. Eu acho que falar sobre o suicídio ajuda a evita-lo.

  • Larissa Dutra disse:

    Acredito que é muito importante abordar o tema em livros e séries, pois as pessoas precisam “se tocar” que poucas coisas que elas fazem, podem machucar alguém gravemente…

  • Shadai disse:

    com certeza tem que ser conversado!
    seria bom se todo mundo que tivesse pensamentos suicidas procurasse acompanhamento com psiquiatra e psicólogo, e não tivesse vergonha de contar para os amigos mais próximos estar passando por momento em que a vontade é de dar fim à vida, e assim pessoas tentarem ajudar com palavras de força e combinar de fazer coisas prazerosas.

  • Patricia Ferreira disse:

    Considero uma forma de prevenir, manter algo como tabu nunca ajuda a resolver nada. Uma pessoa com pensamentos suicidas talvez vendo/ lendo algo que aborde o assunto, se sinta motivado a procurar ajuda.

  • Netto Baggins disse:

    Para a arte, nenhum tema é tabu. Por isso, o suicídio não pode deixar de ser abordado, desde que se tenha bom senso no tratamento (que ele não seja romantizado e tratado como solução).

  • Larissa Cordeiro disse:

    Acho sim que esses assuntos devem ser abordados mas, com uma certa cautela… Hoje em dia, é triste saber que convivemos com algumas pessoas que são bem frágeis, e que deixam de ver a vida com alegria. E algumas vezes a mídia em qualquer uma de suas formas, pode trazer más influências e gerar um certo conflito interno dessas pessoas. Assim, eu acho que se deve tratar do tema, mas com o total objetivo de conscientização, orientação. Claro, que não é possível mensurar tal dor ou pensamentos de tais pessoas, mas mostrar que existe sim, um lado bom da vida….

  • Kemmy Oliveira disse:

    Com certeza deve ser exposto, debatido e, assim, evitado.
    Quanto menos falarem, mais suicídios haverão. É necessário uma orientação, cuidado e carinho com pessoas que acreditam que essa é a única solução. Silêncio não ajuda.

PREENCHA OS CAMPOS ABAIXO PARA DEIXAR SEU COMENTÁRIO




Mensagem