Posts com a tag ‘Clássicos’


Resenha: Orgulho & Preconceito

orgulho_preconceitoÉ uma verdade universalmente conhecida que um homem solteiro na posse de uma bela fortuna deve estar necessitando de uma esposa“.

E é assim que entramos no mundo de Orgulho & Preconceito, o segundo livro de Jane Austen a ser publicado e favorito de 8 entre 10 fãs da autora inglesa. Hoje, 28 de Janeiro de 2013, é aniversário de 200 anos de Orgulho & Preconceito, e cabe à mim a honra (e terror!) de fazer a resenha de tão amada obra aqui no Por Essas Páginas.

A história gira em torno dos Bennets, um casal com cinco filhas, das quais – de acordo com o Sr. Bennet – somente as duas mais velhas (Jane e Elizabeth) têm algum senso. Mary, sendo a menos atraente das cinco, é completamente dedicada à tornar-se o mais talentosa possível; Lydia é a mais nova das irmãs, extremamente determinada e fútil, e seu passatempo preferido é flertar com os militares que estão alojados em Meryton, a vila onde os Bennets moram. Por fim temos Catherine – Kitty – que apesar de ser mais velha que Lydia, vive na sombra da irmã caçula.

A Sra. Bennet quase vira do avesso quando descobre que Netherfield está prestes a ter um novo inquilino: o jovem e rico Sr. Bingley. Tendo em vista que Bingley acabe se casando com uma de suas filhas, a Sra. Bennet insiste para que seu marido o visite assim que ele se mudar. O Sr. Bennet no entanto, dono de um sarcasmo delicioso, finge se recusar a fazer tal coisa, o que rende um dos meus diálogos favoritos do livro inteiro (e que nos mostra o quão insuportável a Sra. Bennet consegue ser). No fim das contas, é claro que ele visita o novo vizinho, e assim a relação entre as famílias é formada.

Porque ele é um homem tão desagradável que seria um infortúnio ser amada por ele.*

Continue lendo…




Top Ten Tuesday: Dez livros que resolvi ler em 2013

ttt2013

E chegou 2013, finalmente! Primeiro post do ano! Sai pra lá 2012, sai pra lá zica do ano passado, agora vamos renovar, sacudir a poeira, começar tudo de novo. Pode parecer bobagem, afinal, só se passou um dia, virou outro ano, mas um ano novo sempre é tempo de esperança, mais para nós mesmos do que para o mundo. Esperança de que podemos ser melhores, de que podemos fazer mais coisas, de que podemos viver mais felizes e plenos. Então, um Feliz 2013 para vocês, leitores do Por Essas Páginas!

Ano novo também é tempo de renovar metas – principalmente as literárias, no caso de nós, leitores malucos e compulsivos. Então hoje o Top Ten Tuesday é sobre os livros que resolvi tomar vergonha na cara e ler em 2013! Uma (pequena) parte da minha meta literária.

Lembrando que o Top Ten Tuesday é uma iniciativa do blog The Broke and The Bookish.

Feliz 2013 livros!




Em outras palavras: O morro dos ventos uivantes

Olá! Nós aqui do blog gostamos muito da primeira resenha da Drik@ e resolvemos convidá-la mais uma vez, dessa vez para postar a resenha de seu livro favorito (não, não é porque ela leu Crepúsculo). Então, espero que gostem e comentem!

O_MORRO_DOS_VENTOS_UIVANTESSinopse: Na fazenda chamada Morro dos Ventos Uivantes nasce uma paixão devastadora entre Heathcliff e Catherine, amigos de infância e cruelmente separados pelo destino. Mas a união do casal é mais forte do que qualquer tormenta: um amor proibido que deixará rastros de ira e vingança. “Meu amor por Heathcliff é como uma rocha eterna. Eu sou Heathcliff”, diz a apaixonada Cathy. O único romance escrito por Emily Brontë e uma das histórias de amor mais surpreendentes de todos os tempos, O Morro dos Ventos Uivantes é um clássico da literatura inglesa e tornou-se o livro favorito de milhares de pessoas. (…) (Fonte)

“Entreguei-lhe o meu coração e ele se apoderou dele, destroçou-o e, depois, o devolveu.”




Meu Autor de Cabeceira: Machado de Assis

As nossas colunas mensais: Meu Autor de Cabeceira e Queridinho do Mês deram uma parada estratégica, como vocês devem ter percebido, mais ou menos desde o mês de agosto. Na verdade, o motivo desse hiato foi mesmo problemas pessoais que foram afetando cada uma de nós durante esse tempo. Mas agora já nos reorganizamos, resolvemos o que podia ser resolvido (para o que não há remédio, remediado está) e estamos de volta com as colunas, como de costume!

E para esse reinício ser em grande estilo, vou falar hoje daquele que acredito (e talvez muitos concordem) ser o maior escritor que nasceu e caminhou por terras tupiniquins e, além disso, um dos maiores autores no mundo todo. O grande e inesquecível Machado de Assis, meu querido Machadão.

Você, leitor, pode até dizer que não tem boas recordações dele. Afinal, seus livros geralmente são pedidos na Fuvest e outros vestibulares, e nessa época de colegial, até mesmo quem gosta de ler não quer ler os livros do vestibular. Continue lendo…




Resenha: Drácula, Bram Stoker

Pois muito bem! Por incrível que pareça, até este ano eu não tinha lido a obra de Bram Stoker! Que coisa! Então, resolvi ler tem algumas semanas e quase não dá tempo de resenhá-la antes do Halloween! hehehe

Então, divirtam-se!

Sinopse: Publicado em 1879, inspirado em relatos do folclore romeno sobre o nosferatu, ou morto-vivo, e na saga do príncipe Vlad Drakul, que lutou contra os turcos nas Cruzadas. Drácula definiu o arquétipo do vampiro como o ser diabólico que se alimenta do sangue de suas vítimas e tem poderes extraordinários. Fonte.

Drácula é o precursor de todas as histórias de vampiros que conhecemos até agora. Bram Stoker se inspirou na lenda de Vlad III, o Empalador – e pelo que li sobre Vlad, tenham medo desse cara.

Seja bem-vindo ao Cárpatos!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...